1. Ao mestre do coro. De Davide. Salmo. Senhor, tu me sondas, me conheces,

2. tu me conheces, quando me sento e quando me levanto. De longe penetras os meus pensamentos;

3. vês claramente quando ando e quando repouso, observas todos os meus caminhos.

4. Antes mesmo que uma palavra esteja sobre a minha língua, eis, Senhor, que já a conheces toda.

5. Por todos os lados me envolves, e pões sobre mim a tua mão.

6. É demasiado admirável para mim essa ciência, é sublime: não posso atingí-la.

7. Para onde irei, a fim de ficar longe do teu espírito? E para onde fugirei da tua presença?

8. Se subo ao céu, tu lá estás; se me prostrar nos infernos, neles te encontras presente.

9. Se eu tomar as asas da aurora e habitar nos confins do mar,

10. ainda lá me guiará a tua mão, e me tomará a tua direita.

11. Se eu disser: "Ao menos as trevas me encobrirão, e, em vez da luz, me envolverá a noite"

12. as mesmas trevas não serão obscuras para ti, e a noite brilhará como o dia: a densa escuridão é para ti como a luz.

13. Porque foste tu que formaste os meus rins, me entreteceste no seio de minha mãe.

14. Louvo-te, porque tão admiravelmente fui formado, porque são maravilhosas as tuas obras. Perfeitamente conheces a minha alma;

15. a minha estrutura não te foi desconhecida, quando me ia formando em segredo, quando ia sendo entre tecido nas entranhas da terra.

16. Os teus olhos viram os meus actos, e no teu livro todos estão inscritos; são fixados os dias, antes que um só deles existisse.

17. Quão difíceis são para mim os teus desígnios, ó Deus, quão imenso o seu número!

18. Se me ponho a contá-los, vejo que o seu número ultrapassa o da areia (do mar); se chegar ao fim, ainda estou contigo.

19. Oxalá dês a morte ao ímpio, ó Deus, e se afastem de mim os homens sanguinários!

20. Porque, com astúcia, se rebelam contra ti, pèrfidamente se vangloriam os teus inimigos.

21. Porventura não odeio eu, Senhor, os que te odeiam, e não me causam tédio os que se levantam contra ti? (ver nota)

22. Com ódio implacável eu os odeio; tornaram-se meus inimigos.

23. Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; põe-me à prova e conhece os meus sentimentos,

24. e vê se ando pelo mau caminho, e reconduz-me pelo caminho antigo.





“A caridade é o metro com o qual o Senhor nos julgará.” São Padre Pio de Pietrelcina