1. Não há, pois, agora nenhuma condenação para os que estão em Jesus Cristo.

2. Com efeito, a lei do espirito de vida em Jesus Cristo me livrou da lei do pecado e da morte. (ver nota)

3. Porquanto, o que era impossível à lei, porque se achava sem força por causa da carne. Deus o realizou, enviando seu Filho em carne semelhante à do pecado, por causa do pecado condenou o pecado na carne, (ver nota)

4. para que a justiça prescrita pela lei fosse cumprida em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o espírito.

5. Os que são segundo a carne, gostam das coisas que são da carne; mas os que são segundo o espírito gostam das coisas que são do espirito.

6. Ora a aspiração da carne é morte, e a aspiração do espírito é vida e paz.

7. Porque a aspiração da carne é inimiga de Deus, pois não está sujeita à lei de Deus, nem mesmo pode estar.

8. E os que estão na carne, não podem agradar a Deus.

9. Vós, porém, não estais na carne, mas no espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Se algum não tem o Espirito de Cristo, não é dele.

10. Se, pois, Cristo está em vós, o corpo verdadeiramente está morto por causa do pecado, mas o espirito é vida, graças à justiça. (ver nota)

11. E, se o Espírito daquele que ressuscitou a Jesus dos mortos, habita em vós, ele, que ressuscitou a Jesus Cristo dos mortos, também dará vida aos vossos corpos mortais, por meio do seu Espírito, que habita em vós.

12. Portanto, Irmãos, não somos devedores à carne, para que vivamos segundo a carne.

13. Efectivamente, se viverdes segundo a carne, morrereis (para a vida da graça), mas se, pelo espirito, fizerdes morrer as obras da carne, vivereis.

14. Porque todos aqueles que são conduzidos pelo Espírito de Deus, são filhos de Deus.

15. Com efeito, não recebestes o espírito de escravidão para estardes novamente com temor, mas recebestes o espírito de adopção (de filhos), mercê do qual clamamos: "Abba, Pai." (ver nota)

16. O mesmo Espírito dá testemunho ao nosso espírito, de que somos filhos de Deus.

17. Se (somos) filhos, também (somos) herdeiros: herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo; mas isto, se sofrermos com ele, para ser com ele glorificados.

18. Sim, eu tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não têm proporção com a glória vindoura, que se manifestara em nós.

19. Pelo que este mundo espera ansiosamente a manifestação dos filhos de Deus.

20. De facto, o mundo foi sujeito à vaidade, não por seu querer, mas pelo daquele que o sujeitou com a esperança

21. de que também o mundo será livre de sujeição à corrupção, para participar da liberdade gloriosa dos filhos de Deus.

22. Porque sabemos que todas as criaturas gemem e estão como que com dores de parto até agora. (ver nota)

23. E não só elas, mas também nós, que temos as primícias do Espirito; também gememos dentro de nós mesmos, esperando a adopção (de filhos de Deus), a redenção do nosso corpo. (ver nota)

24. Com efeito, na esperança é que fomos salvos. Ora a esperança que se vê, não é esperança; porque, como esperar aquilo que se vê?

25. E, se esperamos o que não vemos, com paciência o esperamos. (ver nota)

26. O Espirito ajuda também a nossa fraqueza, porque não sabemos o que havemos de pedir, como convém, mas o mesmo Espírito ora por nós com gemidos inefáveis.

26. O Espírito ajuda também a nossa fraqueza, porque não sabemos o que havemos de pedir, como convém, mas o mesmo Espírito ora por nós com gemidos inefáveis.

27. E o que perscruta os corações, sabe o que deseja o Espirito, porque ele pede segundo (a vontade de) Deus pelos santos.

28. Ora nós sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, para o bem daqueles que, segundo o seu desígnio, foram chamados.

29. Porque os que ele conheceu na sua presciência, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, para que ele seja o primogênito entre muitos irmãos.

30. E aqueles que predestinou, também os chamou; e aqueles que chamou, também os justificou; e aqueles que justificou, também os glorificou.

31. Que diremos, pois, à vista destas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?

32. O que não poupou nem o seu próprio Filho, mas por nós todos o entregou ( à morte), como não nos dará também com ele todas as coisas?

33. Quem acusará os escolhidos de Deus? Deus é que justifica.

34. Quem os condenará? Jesus Cristo é o que morreu, e ainda mais o que ressuscitou, o que está à direita de Deus, o que também intercede por nós.

35. Quem nos separará, pois, do amor de Cristo? (Será) a tribulação? a angústia? a perseguição? a fome? a nudez? o perigo? a espada?

36. Segundo está escrito: Por ti somos entregues à morte todos os dias, somos reputados como ovelhas para o matadouro (Ps. 43, 23).

37. Mas de todas estas coisas saímos mais que vencedores por aquele que nos amou.

38. Porque eu estou certo que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas presentes, nem as futuras, nem as virtudes,

39. nem a altura, nem á profundidade, nem nenhuma outra criatura nos poderá separar do amor que Deus nos manifesta em Jesus Cristo Nosso Senhor.





“Imitemos o coração de Jesus, especialmente na dor, e assim nos conformaremos cada vez mais e mais com este coração divino para que, um dia, lá em cima no Céu, também nós possamos glorificar o Pai celeste ao lado daquele que tanto sofreu”. São Padre Pio de Pietrelcina