1. Lamentação de Davide, cantada por ele ao Senhor, a propósito das palavras de Chus, Benjaminita.

2. Senhor, Deus meu, a ti recorro; salva-me de todos os que me perseguem, e livra-me,

3. para que ninguém, como leão, arrebate a minha alma, a despedace, sem que haja quem a livre.

4. Senhor Deus meu, se eu fiz isso, se há iniquidade nas minhas mãos,

5. se fiz algum mal ao meu amigo, eu, que salvei os meus injustos adversários:

6. Persiga o inimigo a minha alma e apodere-se dela, calque contra a terra a minha vida, e arraste pelo pó a minha honra.

7. Levanta-te, Senhor na tua ira (para me socorrer), ergue-te contra o furor dos meus opressores, e toma a minha defesa no juízo que intimaste.

8. A multidão dos povos esteja ao redor de ti, e senta-te no alto sobranceiro a ela.

9. O juiz dos povos é o Senhor: dá-me o direito, Senhor, segundo a minha justiça e segundo a inocência, que há em mim.

10. Cesse a maldade dos ímpios, e sustenta o justo, ó Deus justo, que sondas os corações e as entranhas.

11. O meu escudo é Deus, que salva os rectos de coração.

12. Deus é um juiz justo, um Deus que ameaça todos os dias.

13. Se não se converterem, afiará a sua espada, retesará o seu arco e apontará

14. e preparará para eles dardos de morte, abrasadoras tornará as suas setas.

15. Eis que o (ímpio) concebeu iniquidade, está grávido de malícia e dá à luz a fraude.

16. Abriu e aprofundou uma cova, mas caiu nessa (mesma) cova, que fez.

17. Sobre a sua própria cabeça recairá a sua maldade, e sobre a sua fronte voltará a sua violência.

18. Eu glorificarei o Senhor pela sua justiça, e cantarei salmos ao nome do Senhor altíssimo.





“Meu Deus, perdoa-me. Nunca Te ofereci nada na minha vida e, agora, por este pouco que estou sofrendo, em comparação a tudo o que Tu sofreste na Cruz, eu reclamo injustamente!” São Padre Pio de Pietrelcina