1. Ao mestre do coro. Salmo. De Davide.

2. Livra-me, Senhor, do homem malvado, preserva-me do homem violento:

3. dos que maquinam maldades no coração, que todo o dia provocam litígios.

4. Aguçam as suas línguas como a serpente: têm veneno de áspides debaixo de seus lábios.

5. Salva-me, Senhor, das mãos do iníquo, protege-me do homem violento: (dos) que procuram desviar os meus passos,

6. (dos que são) orgulhosos e me armam ocultamente um laço, e estendem as suas cordas à maneira de rede, e junto do caminho me põem tropeços.

7. Eu digo ao Senhor: Tu és o meu Deus; atende, Senhor, à voz da minha súplica.

8. Ó Senhor Deus, meu poderoso auxílio! Tu pões a coberto a minha cabeça no dia da batalha.

9. Não cedas, Senhor, aos desejos do iníquo, não secundes os seus planos.

10. Erguem a cabeça os que me rodeiam: oprima-os a malícia dos seus lábios.

11. Chovam sobre eles carvões ardentes; sejam precipitados numa cova, para que não mais se levantem.

12. O homem de má língua não durará sobre a terra; o homem violento será colhido de improviso pela desdita.

13. Sei que o Senhor dá razão ao indigente, e justiça aos pobres.

14. Sim, os justos celebrarão o teu nome, os homens rectos habitarão na tua presença.





“As almas! As almas! Se alguém soubesse o preço que custam”. São Padre Pio de Pietrelcina