1. Maskti. De Etan Ezrahita.

2. Eu cantarei eternamente as graças do Senhor; anunciarei a tua fidelidade pela minha boca por todas as gerações.

3. Com efeito, disseste: "A graça está estabelecida para sempre"; no céu estabeleceste a tua fidelidade.

4. "Fiz aliança (disseste) com o meu escolhido; jurei a Davide, meu servo (o seguinte):

5. Conservarei eternamente a tua descendência, tornarei firme o teu trono por todas as gerações."

6. Os céus celebram, Senhor, as tuas maravilhas, e a tua fidelidade na assembleia dos santos. (ver nota)

7. Em verdade, quem, nas nuvens; será igual ao Senhor? Quem, entre os filhos de Deus, será semelhante ao Senhor?

8. Deus é terrível na assembleia dos santos, grande e tremendo sobre todos os que estão em roda dele.

9. Senhor, Deus dos exércitos, quem é igual a ti? És poderoso. Senhor, e a tua fidelidade está sempre em roda de ti;

10. Tu dominas o orgulho do mar, amansas as suas ondas entumecidas.

11. Tu calcaste a Raab, ferido de morte; com a forçá do teu braço dispersaste os teus inimigos.

12. Teus são os céus, tua é a terra; tu fundaste o mundo e tudo o que ele contém;

13. tu criaste o aquilão e o austro; o Tabor e o Hermon exultaram em teu nome.

14. O teu braço é poderoso, firme a tua mão, levantada a tua dextra;

15. A justiça e o direito são a base do teu trono, a graça e a fidelidade vão adiante de ti.

16. Bem-aventurado o povo que sabe alegrar-se (em ti); eles caminham à luz do teu rosto, Senhor,

17. em teu nome se regozijam sempre, e pela tua justiça se exaltam;

18. Porque tu és o esplendor da sua força, e por teu favor eleva-se o nosso poder.

19. Em realidade, do Senhor é o nosso escudo, e do santo de Israel o nosso rei.

20. Outrora falaste numa visão aos teus santos e disseste: "Impus a coroa a um poderoso; exaltei um escolhido do meio do povo. (ver nota)

21. Encontrei Davide, meu servo, com o meu santo óleo o ungi,

22. para que a minha mão esteja sempre com ele, e o meu braço o fortifique.

23. Não o enganará o inimigo, nem o malvado o abaterá.

24. Antes exterminarei da sua frente os seus contrários; e ferirei os que o odeiam.

25. A minha fidelidade e a minha graça estarão com ele; no meu nome será exaltado o seu poder.

26. Estenderei a sua mão sobre o mar, e a sua dextra sobre os rios.

27. Ele me invocará, dizendo: "Tu és meu Pai, o meu Deus e a rocha da minha salvação."

28. E eu o constituirei meu primogênito, o mais elevado entre os reis da terra.

29. Eternamente lhe conservarei a minha graça, e a minha aliança com ele será estável.

30. Farei eterna a sua descendência, e o seu trono (durará tanto) como os dias do céu.

31. Se os seus filhos abandonarem a minha lei, não andarem nos seus preceitos,

32. se violarem os meus decretos, se não guardarem os meus mandamentos,

33. castigarei com vara o seu delito, e com açoites a sua culpa;

34. mas não retirarei (dele) a minha graça, nem faltarei à minha fidelidade.

35. Não violarei a minha aliança, nem mudarei o que os meus lábios disseram.

36. Jurei uma vez (para sempre) pela minha santidade: de nenhum modo faltarei a Davide.

37. A sua descendência permanecerá eternamente, e o seu trono será diante de mim como o sol,

38. e como a lua que subsiste para sempre, testemunha fiel do céu."

39. Apesar disso (Senhor), tu repeliste e rejeitaste o teu ungido, gravemente te iraste contra ele,

40. Desprezaste a aliança do teu servo, profanaste a sua coroa (lançando-a) por terra.

41. Destruiste todas as suas muralhas, entregaste à destruição as suas fortalezas.

42. Saquearam-no todos os que passavam pelo caminho, tornou-se o opróbrio dos seus vizinhos.

43. Exaltaste a dextra dos seus inimigos, encheste de gozo todos os seus contrários.

44. Embotaste o fio da sua espada, e não o sustiveste no combate.

45. Fizeste cessar o seu esplendor, derribaste por terra o seu trono.

46. Abreviaste os dias da sua juventude, cobriste-o de ignomínia.

47. Até quando, Senhor? Ficarás para sempre escondido? Arderá como fogo a tua indignação?

48. Lembra-te de quão breve é a minha vida, de quão caducos criaste todos os homens.

49. Quem há que viva, sem ver a morte, que possa subtrair a sua alma ao poder do sepulcro?

50. Onde estão as tuas antigas graças, Senhor, as quais juraste a Davide por tua fidelidade?

51. Lembra-te, Senhor, do opróbrio dos teus servos: eu trago no meu peito todas as inimizades das gentes,

52. com as quais os teus adversários insultam, ó Senhor, com as quais insultam os passos do teu ungido.

53. Bendito seja o Senhor para sempre! Assim seja, assim seja!





“Temos muita facilidade para pedir, mas não para agradecer”. São Padre Pio de Pietrelcina