1. Súplica. De Davide. Ouve, Senhor, uma causa justa, atende o meu clamor, dá ouvidos à minha oração, que sai de lábios enganosos.

2. Proceda de ti a minha sentença: os teus olhos vêem o que é recto.

3. Se sondas o meu coração, se o visitas de noite, se no fogo me provas, não encontrarás em mim a iniquidade.

4. A minha boca não transgrediu, como é costume dos homens; segundo as palavras dos teus lábios, guardei os caminhos da lei.

5. Firmaram-se os meus passos nas tuas veredas, os meus pés não vacilaram.

6. Eu te invoco, ó Deus, porque me ouvirás; inclina para mim os teus ouvidos, ouve a minha palavra.

7. Faze brilhar a tua admirável misericórdia, tu, que salvas dos adversários aqueles que se acolhem à tua direita.

8. Guarda-me como a menina dos olhos, sob a sombra das tuas asas esconde-me

9. dos pecadores que me fazem violência. Os meus inimigos cercam-me com furor,

10. cerram o seu coração insensível, com a sua boca falam arrogantemente.

11. Os seus passos já me assediam, fixam em mim os seus olhos para me derribarem por terra,

12. semelhantes ao leão, ávidos da presa, e ao cachorro do leão, que se agacha nos esconderijos.

13. Levanta-te, Senhor, sai ao seu encontro, arrebata a minha alma ao pecador com a tua espada,

14. aos homens, ó Senhor, com a tua mão: aos homens, cuja porção é esta vida, e cujo ventre enches dos teus bens; cujos filhos andam fartos e deixam as sobras aos seus pequeninos.

15. Eu, porém, na justiça verei a tua face, saciar-me-ei, ao despertar, com o teu semblante.





“Quando ofendemos a justiça de Deus, apelamos à Sua misericórdia. Mas se ofendemos a Sua misericórdia, a quem podemos apelar? Ofender o Pai que nos ama e insultar quem nos auxilia é um pecado pelo qual seremos severamente julgados.” São Padre Pio de Pietrelcina