1. Isto diz contra Moab o Senhor dos exércitos, o Deus de Israel: Ai de Nebo, porque foi devastada! Cariataim foi tomada e coberta de vergonha: a (cidade) forte confundiu-se e abateu-se.

2. Acabou-se a glória de Moab! Em Hesebon maquina-se a sua perda: Vinde, e exterminemo-la dentre as nações. E tu, Madmen, serás reduzida ao silêncio: a espada te irá seguindo.

3. Uma voz de tumulto se levantou de Oronaim: Estrago e grande ruína,

4. Moab foi abatida; ouvem-se gritos até Segor.

5. Pela encosta de Luit há lágrimas, sobe-se chorando; pela descida de Oronaim ouvem-se gritos de angústia.

6. Fugi, salvai as vossas vidas! Sede como cardo no deserto!

7. Porque puseste (ó Moab) a confiança nas tuas fortificações e nos teus tesouros, também tu serás tomada; Camos irá para o cativeiro, com os seus sacerdotes e os seus príncipes, juntamente.

8. O devastador (Nabucodonosor) virá a todas as cidades (de Moab), e nenhuma escapará; serão assolados os vales, serão taladas as campinas, porque o Senhor disse.

9. Dai asas a Moab, para levantar voo; as suas cidades ficarão desertas e despovoadas.

10. Maldito o que faz a obra do Senhor frouxamente! Maldito o que impede a sua espada de derramar sangue!

11. Moab esteve em repouso desde a sua mocidade, ficou tranquilo (como vinho) sobre as suas fezes; não foi trasfegado duma vasilha para outra, não foi para o cativeiro; por isso permaneceu o seu sabor nele, e o seu cheiro não se mudou.

12. Mas eis que chega o tempo, diz o Senhor, em que eu lhe enviarei trasfegadores que o trasfegarão, que esvaziarão os recipientes e quebrarão as vasilhas.

13. E Moab se envergonhará, por causa de Camos, como se envergonhou a casa de Israel por causa (dos ídolos) de Betei, em que tinha a sua confiança.

14. Como dizeis: Somos valentes, homens fortes para pelejar?

15. Destruído ficou Moab, com as suas cidades; os seus jovens escolhidos vão para o matadouro, diz o rei, cujo nome é Senhor dos exércitos.

16. Está iminente a ruína de Moab; o seu mal vem correndo com grande velocidade.

17. Consolai-o todos os que estais em volta dele; todos os que sabeis o seu nome, dizei: Como se fez em pedaços um cetro tão forte (de Moab), um cetro tão glorioso?

18. Desce da tua glória, e senta-te sobre a terra árida, ó filha moradora de Dibon, porque o devastador de Moab subiu contra ti, destruiu as tuas fortificações.

19. Pára no caminho e olha, ó habitante de Aroer; pergunta ao que foge e ao que escapou: Que aconteceu?

20. Confundido está Moab porque ficou vencido. Gemei e gritai, publicai em Arnon que Moab foi destruído.

21. O castigo (de Deus) veio sobre a terra da planície, sobre Helon, sobre Jasa, sobre Mefaat,

22. sobre Dibon, sobre Nebo, sobre Beth-Deblataim,

23. sobre Cariataim, sobre Betgamul, sobre Betmaon,

24. sobre Cariot, sobre Bosra e sobre todas as cidades da terra de Moab, as que estão longe e as que estão perto.

25. Abatido foi o poder de Moab, o seu braço foi quebrantado, diz o Senhor.

26. Embriagai-o (com o cálice da ira do Senhor), porque se levantou contra o Senhor: Moab revolver-se-á sobre o que vomitou, será também um objecto de escárnio.

27. Tu (ó Moab) não escarneceste de Israel? Como se tivesse sido surpreendido entre ladrões não abanavas sempre (com ar de mofa) a cabeça, ao falar dele?

28. Abandonai as cidades, moradores de Moab, vivei nos penhascos, sede como a pomba que faz o ninho sobre despenhadeiros.

29. Ouvimos falar da soberba de Moab que é soberbo em extremo, da sua sobranceria, da sua arrogância, do seu orgulho, da altivez do seu coração.

30. Eu conheço, diz o Senhor, as suas vãs palavras e as suas obras fúteis.

31. Portanto gemo sobre Moab, solto gritos por todo o Moab, gemo pelas gentes de Quir-Heres.

32. Mais do que chorei por Jazer, chorarei por ti, vinha de Sabama. Os teus sarmentos passaram o mar, chegaram até ao mar de Jaser; o roubador lançou-se sobre as tuas searas e sobre a tua vindima.

33. A alegria e o regozijo desapareceram dos vergéis da terra de Moab; fiz desaparecer o vinho das cubas; o pisador da uva não pisa mais, e não mais ressoam os gritos de alegria.

34. Os clamores de Hesebon chegam até Eleale, a sua voz chega até Jasa, desde Segor até Oronaim, Eglath-Selisia; as próprias águas de Nimrim convertem-se num deserto.

35. Tirarei de Moab, diz o Senhor, o que faz oferendas nos altos e oferece incenso aos seus deuses.

36. Por (tudo) isto o meu coração por causa de Moab geme como flauta, o meu coração geme como uma flauta sobre os habitantes de Quir-Heres: o tesouro acumulado está perdido.

37. Todas as cabeças estão rapadas, todas as barbas cortadas (em sinal de tristeza); em todas as mãos há incisões, sobre todos os rins há sacos.

38. Sobre todas as casas de Moab e nas suas praças sòmente se ouvem lamentos, porquanto fiz Moab em pedaços, como a vaso inútil, diz o Senhor.

39. Como foi despedaçado! Gemei! Como voltou Moab as costas, vergonhosamente! Moab tornou-se objecto de ludíbrio e de espanto para todos que o cercam.

40. Isto diz o Senhor: Eis que (o Caldeu) voa como águia e estende as suas asas sobre Moab.

41. As cidades são tomadas, as fortificações arrebatadas. O coração dos guerreiros de Moab será naquele dia como o coração da mulher que está com dores de parto.

42. Moab deixa de ser uma nação, porque se ensoberbeceu contra o Senhor.

43. O pavor, o fosso e o laço estão sobre ti, ó habitante de Moab, diz o Senhor.

44. O que fugir do pavor, cairá no fosso; o que sair do fosso, será apanhado no laço. Com efeito, vou fazer vir sobre Moab o ano do seu castigo, diz o Senhor.

45. À sombra de Hesebon fizeram alto, extenuados, os fugitivos, mas um fogo saiu de Hesebon, uma chama do meio de Sehon, a qual devora as têmporas de Moab, o crânio dos filhos do tumulto.

46. Ai de ti Moab! Pereceste, povo de Camos! Os teus filhos foram presos, as tuas filhas levadas para o cativeiro.

47. Mas farei voltar os cativos de Moab no fim dos dias, diz o Senhor. Até aqui o julgamento (do Senhor) contra Moab.





“Não queremos aceitar o fato de que o sofrimento é necessário para nossa alma e de que a cruz deve ser o nosso pão cotidiano. Assim como o corpo precisa ser nutrido, também a alma precisa da cruz, dia a dia, para purificá-la e desapegá-la das coisas terrenas. Não queremos entender que Deus não quer e não pode salvar-nos nem santificar-nos sem a cruz. Quanto mais Ele chama uma alma a Si, mais a santifica por meio da cruz.” São Padre Pio de Pietrelcina