1. Quem mudará em nascente a minha cabeça, em fonte de lágrimas os meus olhos, para eu chorar de dia e de noite os mortos da filha do meu povo?

2. Quem me dará no deserto um albergue de viandantes? Deixarei o meu povo, apartar-me-ei deles, pois todos são adúlteros, um bando de prevaricadores.

3. Servem-se da sua língua como dum arco para atirar mentiras; não foi pela verdade que se tornaram fortes na terra, pois passam dum crime a outro; não me conhecem diz o Senhor.

4. Cada um guarde-se do seu amigo, não se fie de nenhum de seus irmãos, porque o irmão só pensa em suplantar o seu irmão, e todo o amigo anda com falsidade.

5. Enganam-se uns aos outros, não dizem a verdade, habituaram a sua língua a mentir, cansam-se em fazer o mal.

6. A tua habitação (ó Jeremias) é no meio do engano; por má fé recusam conhecer-me, diz o Senhor.

7. Portanto isto diz o Senhor dos exércitos: Vou prová-los no crisol. Pois, que outra coisa posso fazer a respeito da filha do meu povo (senão castigá-la) ?

8. A língua deles é uma seta que fere, fala (sempre) para enganar; com os seus lábios anunciam a paz ao seu próximo, mas ocultamente armam-lhe ciladas.

9. Porventura não hei-de punir estes crimes, diz o Senhor? Ou hei-de deixar de me vingar de tal gente?

10. Sobre os montes romperei em choro e lamento, sobre os lugares de pastagem do deserto soltarei um canto fúnebre, porque foram incendiados, de maneira que não há quem passe por ali, e não se ouve já aí a voz dos rebanhos, desde a ave do céu até aos animais, tudo fugiu, desapareceu.

11. Reduzirei Jerusalém a montões de pedras, (diz o Senhor), a covil de chacais; entregarei as cidades de Judá à desolação, sem que fique nelas um só morador.

12. Quem é o homem sábio que entenda isto, a quem se dirija a palavra da boca do Senhor, a fim de que anuncie por que causa foi destruído este país, abrasado como um deserto, de maneira que não há quem passe por ele?

13. O Senhor disse: É porque eles abandonaram a lei que lhes dei, não ouviram a minha voz, não a seguiram,

14. foram atrás da obstinação do seu coração, atrás dos ídolos, como tinham aprendido de seus pais.

15. Portanto isto diz o Senhor dos exércitos, o Deus de Israel: Eis que alimentarei este povo com absinto, dar-lhe-ei por bebida água envenenada.

16. Dispersá-los-ei entre nações que nem eles nem seus pais conheceram, e enviarei atrás deles a espada, até serem exterminados.

17. Isto diz o Senhor dos exércitos: Procurai, chamai carpideiras, que venham; mandai procurar as mais hábeis, que compareçam.

18. Apressem-se e entoem lamentações sobre nós! Derramem lágrimas os nossos olhos, vertam pranto as nossas pálpebras.

19. Sim, porque de Sião já se ouvem gritos lúgubres (que dizem): Como estamos arruinados e cobertos de confusão, a ponto de termos de abandonar a nossa terra, pois foram derribadas as nossas casas!

20. Ouvi portanto, mulheres, a palavra do Senhor, recebam os vossos ouvidos a palavra da sua boca! Ensinai a vossas filhas cantos lúgubres, cada uma à sua companheira lamentações.

21. A morte subiu pelas nossas janelas, entrou nas nossas moradas para exterminar as crianças nas ruas, e os jovens nas praças.

22. Dize: Assim fala o Senhor: Cairão os cadáveres dos homens como esterco sobre um campo, como manípulos para trás do segador, e não haverá quem os recolha.

23. Isto diz o Senhor: Não se glorie o sábio no seu saber, nem se glorie o forte na sua força, nem se glorie o rico nas suas riquezas.

24. Porém aquele que se gloriar, glorie-se nisto: em ter inteligência e em me conhecer, em conhecer que sou o Senhor que exerço a misericórdia, o direito e a justiça sobre a terra: são estas coisas que me agradam, diz o Senhor.

25. Eis que vêm dias, diz o Senhor em que visitarei (para os castigar) todos os circuncidados (apenas em sua carne) e incircuncidados;

26. o Egito, Judá, Edom, os filhos de Amon, Moab e todos os que rapam o cabelo das fontes e habitam no deserto; porque, se todas as (outras) nações são incircuncisas (segundo a carne), toda a casa de Israel é incircuncisa de coração.





“Ouço interiormente uma voz que constantemente me diz: Santifique-se e santifique!” São Padre Pio de Pietrelcina