1. (Depois disto) o espirito arrebatou-me e conduziu-me à porta oriental da casa do Senhor, a que olha para o nascente. E eis que se achavam à entrada da porta vinte e cinco homens, no meio dos quais distingui Jezonias, filho de Azur, e Feltias, filho de Banaias, chefes do povo.

2. (O Senhor) disse-me: Filho de homem, são estes os varões que maquinaram o mal e dão maus conselhos nesta cidade,

3. dizendo: Porventura não estão as nossas casas edificadas há muito tempo? Esta (cidade) é a caldeira, e nós somos a carne.

4. Por isso profetiza contra eles, profetiza, filho de homem.

5. Então caiu sobre mim o espírito do Senhor e disse-me: Fala: Isto diz o Senhor: Assim é que discorreis, ó (filhos da), casa de Israel! Eu conheço os pensamentos que sobem ao vosso espírito.

6. Multiplicastes as mortes nesta cidade, enchestes as suas ruas de cadáveres.

7. Portanto isto diz o Senhor Deus: Os que vós matastes, que prostrastes no meio da cidade, estes são a carne, e ela é a caldeira; mas eu vos tirarei do meio dela. (ver nota)

8. Vós temeis a espada, e eu farei cair sobre vós a espada, diz o Senhor Deus.

9. Lançar-vos-ei fora desta cidade, entregar-vos-ei nas mãos dos estrangeiros e exercerei sobre vós os meus juízos.

10. Perecereis aos golpes da espada; julgar-vos-ei nos confins de Israel, e sabereis que sou o Senhor.

11. Esta cidade não será para vós uma caldeira, nem vós sereis a carne no meio dela; julgar-vos-ei nos confins de Israel.

12. E sabereis que sou o Senhor, cujos preceitos não seguistes, cujas leis não observastes, pois procedestes segundo os costumes das gentes que vivem à roda de vós.

13. Enquanto eu profetizava, morreu Feltias filho de Banaias. Então prostrei-me com o rosto em terra, gritando em alta voz; Ai, Senhor Deus! Vais acabar com os restos de Israel? (ver nota)

14. Foi-me dirigida a palavra do Senhor, nestes termos:

15. Filho de homem, os teus irmãos, os teus irmãos, as pessoas do teu parentesco, toda a casa de Israel, são todos aqueles a quem os moradores de Jerusalém dizem: Estais longe do Senhor! A nós é que a terra foi dada para a possuirmos. (ver nota)

16. Por isso, assim fala o Senhor Iavé: Coloquei-os longe entre as nações, dispersei-os por vários países, mas eu mesmo lhes servirei de santuário, durante breve tempo, nos países para onde foram.

17. Dize-lhes pois: Isto diz o Senhor Deus: Juntar-vos-ei do meio dos povos, reunir-vos-ei dos países, pelos quais fostes dispersados, e dar-vos-ei a terra de Israel.

18. Eles entrarão nela e tirarão do seu seio todos os ídolos e todas as abominações,

19. e eu lhes darei um só coração e derramarei no seu íntimo um novo espírito; tirarei da sua carne o coração de pedra e dar-lhes-ei um coração de carne,

20. para que andem nos meus preceitos e guardem as minhas leis e as cumpram. Então serão o meu povo e eu o seu Deus.

21. Quanto àqueles, cujo coração anda preso aos seus ídolos e às suas abominações, farei recair sobre as suas cabeças as suas obras, diz o Senhor Deus.

22. Então os querubins estenderam as suas asas, e com eles se puseram em movimento as rodas, enquanto a glória do Deus de Israel estava sobre eles.

23. E a glória do Senhor elevando-se para sair da cidade, foi-se pôr sobre o monte que está no oriente da cidade.

24. Depois disto, o espírito tomou-me e conduziu-me outra vez, em visão, no espírito de Deus, à Caldeia, onde estavam os cativos, e, assim, se dissipou a visão que eu tinha tido.

25. E contei aos cativos tudo o que o Senhor me havia feito ver.





“É necessário manter o coração aberto para o Céu e aguardar, de lá, o celeste orvalho.” São Padre Pio de Pietrelcina