1. Oração de Jesus, filho de Sirach. Glorificar-te-ei, ó Senhor rei, louvar-te-ei, Deus, salvador meu.

2. Glorificarei o teu nome, porque te fizeste o meu auxílio e protector,

3. livraste o meu corpo da perdição, do laço da língua iníqua e dos lábios dos forjadores da mentira; à vista dos que estavam contra mim, foste o meu defensor.

4. Livraste-me, segundo a grandeza da misericórdia do teu nome, dos que rugiam, preparados para me devorarem, das mãos dos que procuravam tirar-me a vida, do poder das tribulações que me assaltavam,

6. da violência da chama que me envolvia. — no melo do fogo (da perseguição) não me queimei — das profundas entranhas da morada dos mortos, da língua impura, da palavra de mentira, dum rei iníquo e da língua injusta.

8. A minha alma louvará o Senhor até à morte,

9. pois a minha vida estava prestes a cair nas profundezas da morada dos mortos.

10. Cercaram-me de todas as partes, e não havia quem me ajudasse. Volvia os olhos em busca do socorro dos homens, e não apareciam.

11. Lembrei-me da tua misericórdia. Senhor, do que tens feito desde o princípio do mundo,

12. porque livras os que esperam em ti. Senhor, porque os salvas das mãos das nações.

13. Tu exaltaste a minha habitação sobre a terra, e eu roguei-te quando vinha sobre mim a torrente de morte.

14. Invoquei o Senhor, pai do meu Senhor, para que me não abandonasse, no dia da minha tribulação, sem socorro, durante o domínio dos soberbos.

15. Louvarei incessantemente o teu nome, celebrá-lo-ei nas minhas acções de graças, pois foi atendida a minha oração.

16. porque me livraste da perdição, me salvaste no tempo calamitoso.

17. Por Isso eu te glorificarei, cantarei os teus louvores, e bem-direi o nome do Senhor.

18. Quando eu ainda era jovem, antes de andar errante, busquei abertamente a sabedoria com a minha oração.

19. Diante do templo eu a pedia, e buscá-la-ei até ao fim da minha vida. Ela floresceu (em mim) como uva temporã;

20. O meu coração alegrou-se nela; os meus pés andaram por caminho direito; desde a minha mocidade tenho ido em seguimento dela.

21. Apliquei um pouco o meu ouvido, e logo a percebi. Encontrei muita sabedoria em mim mesmo, e fiz nela grandes progressos.

23. Ao que me deu a sabedoria, dar-lhe-ei gloria.

24. Resolvi-me a pô-la em prática; tive zelo do bem, e não me envergonharei.

25. Lutou a minha alma por ela, conservei-me constante em a praticar.

26. Levantei as minhas mãos ao alto, e chorei a loucura da minha alma.

27. Dirigi para ela a minha alma, e encontrei-a. ao procurar conhecê-la.

28. Possuí, graças a ela, o meu coração desde o princípio, e, por isso, não serei desamparado (por Deus).

29. As minhas entranhas comoveram-se em busca dela; por isso consegui um bem excelente.

30. O Senhor deu-me em recompensa uma língua (eloquente); com ela o louvarei.

31. Aproximai-vos de mim, ó ignorantes, e reuni-vos na casa da instrução.

32. Por que tardais vós ainda? E que dizeis a isto? As vossas almas estão sequiosas em extremo.

33. Eu abri a minha boca e disse: Vinde buscá-la sem dinheiro.

34. submetei o vosso pescoço ao seu jugo, e receba a vossa alma a instrução, porque perto se pode encontrá-la.

35. Vede com os vossos olhos o pouco que trabalhei, e como adquiri muito descanso.

36. Recebei a instrução, como uma grande soma de dinheiro. e possuireis com ela grande abundância de ouro.

37. Alegre-se a vossa alma na misericórdia do Senhor, e nunca ficareis confundidos, quando o louvardes.

38. Realizai a vossa obra, antes que passe o tempo, e ele vos dará a seu tempo a vossa recompensa.





“Nossa Senhora está sempre pronta a nos socorrer, mas por acaso o mundo a escuta e se emenda?” São Padre Pio de Pietrelcina