1. Naquele dia, saindo Jesus de casa, sentou-se à beira do mar.

2. E juntou-se em volta dele uma grande multidão de gente, de tal sorte que foi preciso entrar numa barca e sentar-se nela ; e toda a multidão estava em pé sobre a praia.

3. E disse-lhes muitas coisas por parábolas: "Eis que um semeador saiu a semear.

4. Quando semeava, uma parte da semente caiu ao longo do caminho, e vieram as aves do céu e comeram-na.

5. Outra parte caiu em lugar pedregoso, onde não havia muita terra; e logo nasceu, porque não tinha profundidade de terra.

6. Mas, saindo o sol, queimou-se; e porque não tinha raiz, secou.

7. Outra parte caiu entre os espinhos; e cresceram os espinhos, e a sufocaram.

8. Outra parte, enfim, caiu em boa terra, e frutificou; uns grãos deram cem por um, outros sessenta, outros trinta.

9. Quem tem ouvidos para ouvir, ouça."

10. Chegando-se a ele os discípulos, disseram-lhe: "Por que razão lhes falas por meio de parábolas?"

11. Ele respondeu-lhes: "Porque a vós é concedido conhecer os mistérios do reino dos céus, mas a eles não lhes é concedido.

12. Porque ao que tem lhe será dado (ainda mais), e terá em abundância, mas ao que não tem, até o que tem lhe será tirado. (ver nota)

13. Por isso lhes falo em parábolas, porque vendo não vêem, e ouvindo não ouvem nem entendem.

14. E cumpre-se neles a profecia de Isaías (Is. 6, 9-10), que diz: Ouvireis com os ouvidos, e não entendereis; olhareis com os vossos olhos, e não vereis.

15. Porque o coração deste povo tornou-se insensível, os- seus ouvidos tornaram-se duros, e fecharam os olhos, para não suceder que vejam com os olhos, e ouçam com os ouvidos, e entendam com o coração, e se convertam, e eu os sare.

16. Ditosos, porém, os vossos olhos, porque vêem, e os vossos ouvidos, porque ouvem.

17. Em verdade vos digo que muitos profetas e justos desejaram ver o que vedes, e não o viram, ouvir o que ouvis, e não o ouviram.

18. Ouvi, pois, vós o que significa a parábola do semeador:

19. Todo aquele que ouve a palavra do reino (do Evangelho), e não lhe presta atenção, vem o espírito maligno e arrebata o que foi semeado no seu coração; este é o que recebeu a semente ao longo da estrada.

20. O que recebeu a semente no lugar pedregoso, é aquele que ouve a palavra, e logo a recebe com gosto;

21. porém, não tem em si raiz, é inconstante; e, quando lhe sobrevêm tribulação e perseguição por causa da palavra, logo sucumbe.

22. O que recebeu a semente entre espinhos, é aquele que ouve a palavra, porém os cuidados deste século e a sedução das riquezas sufocam a palavra, e fica infrutuosa.

23. O que recebeu a semente em boa terra, é aquele que ouve a palavra, e a compreende, esse dá fruto, e umas vezes dá cem, outras sessenta, e outras trinta por um."

24. Propôs-lhe outra parábola, dizendo: " O reino dos céus é semelhante a um homem que semeou boa semente no seu campo.

25. Porém, enquanto os homens dormiam, veio o seu inimigo, e semeou cizânia no meio do trigo, e foi-se.

26. Tendo crescido a erva e dado fruto, apareceu então a cizânia.

27. Chegando os servos do pai de família, disseram-lhe: Senhor, porventura não semeaste tu boa semente no teu campo? Donde veio pois a cizânia?

28. Ele respondeu-lhes: Foi um inimigo que fez isto. Os servos disseram-lhe: Queres que vamos e a arranquemos?

29. Ele respondeu-lhes: Não. para que talvez não suceda que, arrancando a cizânia, arranqueis juntamente com ela o trigo.

30. Deixai crescer uma e outra coisa até à ceifa, e no tempo da ceifa direi aos segadores: Colhei primeiramente a cizânia, e atai-a em molhos para a queimar; o trigo, porém, recolhei-o no meu celeiro."

31. Propôs-lhes outra parábola, dizendo: O reino dos céus é semelhante a um grão de mostarda, que um homem tomou e semeou no seu campo.

32. É a mais pequena,de todas as sementes, mas, depois de ter crescido, é maior que todas as hortaliças e chega a tornar- se uma árvore, de sorte que as aves do céu vêm aninhar sobre os seus ramos."

33. Disse-lhes outra parábola; "O reino dos céus é semelhante ao fermento que uma mulher toma e mistura em três medidas de farinha, até que o todo fica fermentado."

34. Todas estas coisas disse Jesus ao povo em parábolas; e não lhes falava sem parábolas,

35. a fim de que se cumprisse o que estava anunciado pelo profeta, que diz; Abrirei em parábolas a minha boca, publicarei as coisas escondidas desde a criação (Ps. 77, 2)."

36. Então (Jesus), despedido o povo, foi para casa, e chegaram-se a ele os seus discípulos, dizendo: "Explica-nos a parábola da cizânia no campo."

37. Ele respondeu: "O que semeia a boa semente, é o Filho do homem.

38. O campo é o mundo. A boa semente são os filhos do reino. A cizânia são os filhos do (espírito) maligno.

39. O inimigo que a semeou, é o demônio. O tempo da ceifa é o fim do mundo. Os segadores são os anjos.

40. De maneira que, assim como é colhida a cizânia e queimada no fogo, assim acontecerá no fim do mundo.

41. O Filho do homem enviará os seus anjos, e tirarão do seu reino todos os escândalos e os que praticam a iniquidade,

42. e lançá-los-ão na fornalha de fogo. Ali haverá choro e ranger de dentes.

43. Então resplandecerão os justos como o sol no reino de seu Pai. O que tem ouvidos para ouvir, ouça.

44. O reino dos céus é semelhante a um tesouro escondido num campo, o qual, quando um homem o acha, esconde-o, e, pelo gosto que sente de o achar, vai, e vende tudo o que tem, e compra aquele campo.

45. O reino dos céus é também semelhante a um mercador que busca pérolas preciosas,

46. e, tendo encontrado uma de grande preço, vai, vende tudo o que tem, e a compra.

47. O reino dos céus é ainda semelhante a uma rede lançada ao mar, que colhe toda a casta de peixes.

48. Quando está cheia, os pescadores tiram-na para fora, e, sentados na praia, escolhem os bons para cestos e deitam fora os maus.

49. Será assim no fim do mundo, virão os anjos, e separarão os maus do meio dos justos,

50. e lançá-los-ão na fornalha de fogo. Ali haverá choro e ranger de dentes.

51. Compreendestes tudo isto?" Eles responderam: "Sim."

52. Ele disse-Ihes; "Por isso todo o escriba instruído nas coisas do reino dos céus é semelhante a um pai de família, que tira do seu tesouro coisas novas e velhas." (ver nota)

53. Quando Jesus acabou de dizer estas parábolas partiu dali.

54. E, indo para a sua pátria, ensinava nas suas sinagogas, de modo que se admiravam e diziam; "Donde lhe vem esta sabedoria e estes milagres?

55. Porventura não é este o filho do carpinteiro? Não se chama sua mãe Maria, e seus irmãos Tiago, José, Simão e Judas?

56. Suas irmãs não vivem todas entre nós? Donde vem, pois, a este todas estas coisas?

57. E estavam perplexos a seu respeito." Mas Jesus disse-lhes: "Não há profeta sem prestígio senão na sua pátria e na sua casa."

58. E fez ali poucos milagres, por causa da incredulidade deles.





“O Senhor nos dá tantas graças e nós pensamos que tocamos o céu com um dedo. Não sabemos, no entanto, que para crescer precisamos de pão duro, das cruzes, das humilhações, das provações e das contradições.” São Padre Pio de Pietrelcina