1. Saul falou a Jónatas, seu filho, e a todos os seus servos, para que matassem Davide, mas Jónatas, filho de Saul, amava extremosamente Davide.

2. Jónatas avisou Davide, dizendo: Saul, meu pai, procura matar-te, por isso rogo-te que te guardes amanhã de manhã, te retires a um lugar oculto, onde te escondas.

3. Eu sairei e conservar-me-ei junto de meu pai no campo onde tu estiveres, falarei de ti a meu pai e te avisarei de tudo o que souber.

4. Jónatas, pois, falou em favor de Davide a Saul, seu pai, e disse-lhe: Não peques, ó rei, contra Davide, teu servo, porque ele não pecou contra ti, e os seus serviços foram-te muito úteis.

5. Expôs a sua vida ao perigo, matou o Filisteu , e o Senhor salvou (por meio dele) todo o Israel por um modo maravilhoso; tu o viste e te alegraste. Por que queres, pois, pecar contra sangue inocente, matando Davide, que não tem culpa?

6. Saul, tendo ouvido isto, aplacado com as razões de Jónatas, jurou: Viva o Senhor, que ele não morrerá.

7. Jónatas chamou, pois, Davide, e contou-lhe todas estas coisas; a seguir, levou-o à presença de Saul, e (Davide) ficou vivendo junto dele, como antes.

8. Quando recomeçou a guerra, Davide, saindo, com­bateu contra os Filisteus, fazendo neles grande destroço e obrigando-os a fugir diante dele

9. E o espírito maligno, mandado pelo Senhor, apoderou-se de Saul. Estava este sentado em sua casa, com um a lança na mão, e David e tocava harpa.

10. Saul tentou atravessar Davide com a lança contra a parede, mas Davide desviou-se, e a lança, sem o ofender, foi cravar se na parede. Davide fugiu e salvou-se aquela noite.

11. Mandou, pois, Saul os seus guardas a casa de Davide para lho terem seguro e para ser morto pela manhã. Porém Davide foi avisado por Micol, sua mulher, que lhe disse: Se te não puseres a salvo esta noite, amanhã morrerás.

12. Ela fê-lo descer por uma janela, e ele fugiu e salvou-se.

13. Em seguida Micol tomou uma estátua, deitou-a em cima da cama, pôs-lhe ao redor da cabeça uma pele de cabra com o pêlo, e cobriu-a com a roupa.

14. Saul mandou guardas para prenderem Davide, mas foi-lhes respondido que estava doente.

15. Saul mandou segunda vez mensageiros com ordens de ver Davide, dizendo-lhes: Trazei-mo no seu mesmo leito, para ser morto.

16. Tendo chegado os mensageiros, encontraram em cima da cama a estátua que tinha em roda da cabeça uma pele de cabra.

17. Saul disse a Micol: Por que me enganaste assim e deixaste fugir o meu inimigo? Micol respondeu a Saul: Porque ele me disse: Deixa-me ir, senão matar-te-ei.

18. Davide, pois, fugiu e pôs-se a salvo. Foi ter com Samuel a Rama e contou-lhe tudo o que Saul lhe tinha feito. Depois retiraram-se, ele e Samuel, e habitaram em Naiot.

19. Noticiaram a Saul: Davide está em Naiot de Rama.

20. Saul mandou guardas para prenderem Davide, mas tendo eles visto um grupo de profetas que profetizavam , com Samuel à frente, o Espírito do Senhor apoderou-se também deles, e começaram também a profetizar. (ver nota)

21. Tendo isto sido contado a Saul, mandou outros mensageiros, mas estes também profetizaram. De novo mandou Saul terceiros mensageiros, mas também estes profetizaram. Então Saul, cheio de cólera,

22. foi ele próprio a Rama, chegou até à grande cisterna, que há em Soco, e perguntou: Em que lugar estão Samuel e Davide? Foi-lhe respondido: Estão em Naiot de Rama.

23. Partiu para Naiot de Rama, mas apoderou-se também dele o Espírlto do Senhor, e ia andando, e profetizando (por todo o caminho) até que chegou a Naiot de Rama.

24. (Chegando lá ) despojou-se também ele das suas vestes, e profetizou com os outros diante de Samuel, e esteve nú, por terra, aquele dia e aquela noite. Daqui tomou origem o provérbio: Também Saul entre os profetas? (ver nota)





“Nossa Senhora está sempre pronta a nos socorrer, mas por acaso o mundo a escuta e se emenda?” São Padre Pio de Pietrelcina