Meios de comunicação: vantagem ou perigo para vida consagrada?

Por Carmen Elena Villa

ROMA, terça-feira, 24 de novembro de 2009 (ZENIT.org).- Os meios de comunicação são formadores ou deformadores de consciências? Favorecem ou prejudicam a vida em comunidade das pessoas consagradas? Estas perguntas foram debatidas e analisadas no congresso: “Uso e abuso dos meios de comunicação na vida consagrada”, realizado no último final de semana no Ateneu Pontifício Regina Apostolorum, da cidade de Roma.

Religiosas e consagradas, representantes de dezenas de comunidades femininas, procedentes de 4 continentes – a mais jovem tinha 24 anos e a mais velha, 77 –, expuseram seus interrogantes sobre como usar melhor os meios de comunicação.

Trata-se de “favorecer o diálogo com o mundo da cultura, sem que isso represente um perigo para a vida consagrada, entendendo que estes cada vez apresentam, de maneira mais explícita, valores alterados que podem atentar contra os conselhos evangélicos”.

A irmã Nicla Spezzati, em uma conferência intitulada “A vida fraterna à intempérie mediática”, destacou como, cada vez mais, a mídia procura despertar sensações, mais do que formar consciências ou gerar opiniões.

“É necessário cultivar a atitude crítica diante do que nos cerca”, sem “demonizar” nem exaltar, mas dando o peso justo ao que a mídia oferece.

A religiosa afirmou que a mídia não pode preencher os vazios afetivos que podem ser vividos na vida religiosa. Advertiu também sobre os perigos que alguns meios como o facebookskype, uso do celular (sms) podem causar à vida comunitária. Para isso, disse, é necessária uma comunidade bem constituída, na qual se viva claramente o ágape fraterno.

Mídia e votos

Por outro lado, Marcela Lombardi, consagrada do Movimento Regnum Christi, falou de como a mídia pode representar um perigo para a vivência da obediência, da pobreza e da castidade, se o usuário não faz uma leitura crítica e não vive de maneira consistente e fiel a sua vocação.

Veja tambem  Igreja no Brasil inicia Campanha da Fraternidade

Indicou que é fundamental para uma pessoa consagrada “não fugir da realidade navegando na internet; aceitar que as relações pessoais são, em primeiro lugar, com a irmã de comunidade”.

Advertiu também como a mídia pode criar “necessidades”, que representam uma tentação contra o voto de pobreza.

Para isso, disse que é fundamental que cada consagrada faça um exame de consciência: “Sobre as últimas coisas que comprei ou pedi à minha superiora: com que critério o fiz? São necessidades reais ou caprichos?”.

Quanto à obediência, a consagrada afirmou que a mídia apresenta muitas vezes a figura de autoridade como um mero cargo de poder e não como um lugar de serviço à comunidade. “A autoridade é vista como algo que nos oprime. Por isso, a pessoa acaba achando que deve se rebelar e não obedecer.”

“A pessoa consagrada entregou sua liberdade nas mãos de Deus porque Ele pode dispor dela como bem entender. E o faz através de instrumentos humanos.”

Indicou a importância de “não nos deixarmos fascinar pelo que provoca uma sensação imediata, mas não leva a uma verdadeira riqueza espiritual”.

Olhar positivo

A última conferência do encontro esteve a cargo da escritora e também consagrada do Regnum Christi Ángeles Conde, sobre os novos areópagos e o uso adequado dos meios de comunicação. “Assim como a primeira geração de cristãos se esforçou por encontrar o ambiente pagão e romano, nós temos de nos esforçar por encontrar uma cultura por parte dos meios modernos.”

Recordou que os romanos eram pagãos e tinham uma moral muito difícil de mudar. Com o esquema de ver-julgar-agir, Conde fez um percorrido por diferentes sites católicos que procuram evangelizar e oferecer instrumentos de formação através dos novos meios.

Veja tambem  Representante Ortodoxo Russo: não há rivalidade com os católicos

Assim, apresentou-se neste evento acadêmico uma atitude crítica e ao mesmo tempo positiva com relação aos meios de comunicação, que podem ser um caminho, mais que um obstáculo, para construir laços de fraternidade nas comunidades e evangelizar as novas realidades.




Comentários no Facebook:

comments

Anteriores

Trindade: “modelo perfeito de comunhão no amor”

Próximo

Só Cristo é autêntica esperança que dá sentido à vida, diz o Papa Bento XVI

2 Comentários

  1. Vicente Braga

    Tema polêmico, os meios de comunicação de massa "deveriam" ser mais positivos do que negativos; no entanto até o momento não essa consciência nos donos dos meios de comunicação como também não essa consciência entre os que assistem esses meios que hoje são bem variados!

  2. Valdelice

    EXAME DE CONCIÊNCIA

    Somos tentados a todo momento a pecarmos pela língua, e quando menos esperamos, la estamos nós cometendo o maldito pecado.
    Esta é uma ferida difílcil de cicatrizar, pois quando vai se fechando, vem a tentação, e injetamos mais uma gota de veneno, e a ferida volta a se abrir. O pior é que um simples comentário se distorce tanto, a ponto de nos levar a cometer outros pecados ainda maiores
    É muito fácil ver os defeitos alheios, difícil, é enxergar os nossos. Muitas vezes criticamos determinada atitude do nosso próximo, sem perceber que é a cópia idêntica da nossa.
    Refletindo sobre isso tomei uma uma decisão: Me policiar a todo momento para não apontar o dedo à ninquem. Mas,
    só isto não me basta! Comprometo-me, a concientizar o maior número de pessoas possível próximas à mim a praticarem este exercício.
    Uma gota dàgua não apaga um incêndio, mas, milhões de gotas formam uma boa chuva.
    Vamos dar as mãos? Unidos, apagaremos grandes incêndios.

Deixe uma resposta

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén