Categoria: Vídeos (Página 1 de 22)

Polônia: Os Invencíveis

A história da luta pela liberdade do povo polonês contra as ocupações dos regimes nazista e soviético. O filme de animação gráfica foi produzido pelo Instituto da Memória Nacional da Polônia. Legendado pelo canal: http://stbnobrasil.com

Gravados secretamente, abortistas falam o que escondem do público

Fonte: Contra o Aborto

O vídeo acima foi gravado pelo Center for Medical Progress (CMP), uma entidade norte-americana dedicada a monitorar questões que envolvam a ética médica. Membros do CMP conseguiram acesso a uma reunião secreta anual que é promovida pelo NAF (National Abortion Federation). Utilizando câmeras escondidas, foram gravados vários depoimentos de lideranças do movimento abortista e também de médicos e representantes de empresas que se dedicam a esta hedionda prática.

Não é de forma alguma novidade o que acontece por debaixo dos panos na indústria do aborto e o próprio CMP já divulgou inúmeros vídeos mostrando abortistas friamente comercializando partes de corpos de bebês abortados. A diferença desta vez é que os abortistas, mais do que simplesmente falar com potenciais clientes (que foi o disfarce utilizado pelo CMP em suas primeiras denúncias), agora estavam em um ambiente que julgavam ser freqüentado apenas por seus pares.

A reunião secreta, que ocorre sempre no mês de abril, junta a nata do abortismo dos EUA. Metade dos membros e lideranças do NAF são de pessoas ligadas à Planned Parenthood, que é a maior rede de clínicas de aborto dos EUA. Entre as empresas presentes, está a StemExpress, que esteve envolvida, juntamente com a Planned Parenthood no escândalo de comercialização de partes de corpos de bebês abortados.

Mas não é apenas a ganância que tira seus lucros através da eliminação de vidas humanas que sobressai na reunião. Há coisas que fariam torturadores de regimes totalitários corar de vergonha. Por exemplo, em dado momento no vídeo, a dra. Uta Landy, que é fundadora do Consórcio de Provedores de Aborto, relata um procedimento em que o globo ocular de um bebê abortado acabou caindo em seu colo. Ela diz “(…) e isto é nojento!”, e a platéia começa a rir do fato.

Na mesma conferência, a dra. Lisa Harris, diretora médica da Planned Parenthood de Michigan, diz que suas histórias — ela falava para uma platéia de profissionais da área médica — não têm lugar no discurso e na retórica “pró-escolha”. Isto se deve porque o que eles falam ali não é de forma alguma para chegar aos ouvidos do público em geral. É exatamente esta profunda perversão, esta ganância, este completo descaso com a vida humana frágil e inocente, que é a principal característica da indústria do aborto, que eles mais querem manter longe dos olhos da população.

Para exemplificar os “problemas” que eles, profissionais do aborto, enfrentam, a dra. Harris fala logo em seguida: “As cabeças ficam presas, nós não conseguimos removê-las”. E vários dos presentes riem.

Em outro trecho do vídeo, a mesma dra. Harris, resume bem sobre de que se trata o trabalho da indústria do aborto. Ao falar sobre a motivação que ela tem para fazer seu trabalho, ela admite tudo o que os pró-vida sempre disseram da indústria do aborto:

“Vamos admitir que é violência, que se trata de uma pessoa, que é assassinato. Admitamos isto.”

É exatamente isto. E é isto que eles mais querem manter longe dos olhos e dos ouvidos do público. É violência, é assassinato, é negar o direito à existência de um ser humano já concebido. Toda a retórica abortista é pensada para esconder estas verdades que eles mesmos reconhecem quando estão a portas fechadas e pensam que estão falando apenas entre seus semelhantes.

Todo aquele papo de “não sabemos quando inicia a vida humana” — o que é uma grande mentira –, toda aquela história de dizer que tudo o que desejam é ajudar mulheres humildes, tudo isto e muito mais é apenas uma fachada, como sempre foi denunciado pelo movimento pró-vida. A verdade nua e crua é que a indústria do aborto é uma indústria da morte, uma indústria composta de gente que é capaz de gargalhar quando o globo ocular de um bebê abortado cai no colo de quem havia acabado de assassiná-lo. É uma gente que é capaz de aplaudir ao ver o vídeo de um aborto por sucção.

O vídeo é apenas uma pequena mostra do que o CMP conseguiu gravar no encontro. Provavelmente nos próximos dias outras gravações serão divulgadas ao público. Nada disto será bonito de ver, mas talvez seja esta a única maneira possível para muitos acordarem e finalmente entenderem o que realmente é o aborto.

Padre fala sobre terrorismo islâmico e questão da legítima defesa

O Problema não é o Papa!

Explicação objetiva de Michael Voris sobre os problemas de atacar o Santo Padre.

Desde quando a Igreja começou a usar o nome de Católica?

Versão áudio

O adjetivo católica é anterior ao nascimento da Igreja. Em grego, katholikos (καθολικός) quer dizer aquilo que é conforme o todo. Hoje em dia, a palavra equivalente seria holística. De uma forma geral, a tradução para a palavra católica é universal, contudo, o sentido dela é muito mais amplo.

O primeiro documento histórico que contém o adjetivo católica referindo-se à Igreja é uma carta de Santo Inácio de Antioquia à Igreja de Esmirna, escrita após a sua prisão, que o levou ao martírio em Roma:

“Segui ao Bispo, vós todos, como Jesus Cristo ao Pai. Segui ao presbítero como aos Apóstolos. Respeitai os diáconos como ao preceito de Deus. Ninguém ouse fazer sem o Bispo coisa alguma concernente à Igreja. Como válida só se tenha a Eucaristia celebrada sob a presidência do bispo ou de um delegado seu. A comunidade se reúne onde estiver o Bispo e onde está Jesus Cristo está a Igreja Católica. Sem a união do Bispo não é lícito Batizar nem celebrar a Eucaristia; só o que tiver a sua aprovação será do agrado de Deus e assim será firme e seguro o que fizerdes.”

Onde está Jesus Cristo está a Igreja Católica, segundo Santo Inácio. Mas, essa palavra era usada também em outro sentido, por exemplo, São Justino quando escreveu o Diálogo a Trifão, usou a mesma palavra para referir-se à ressurreição geral, de todas as pessoas. O termo se aplicava também à universalidade do número das pessoas, numa imagem da Igreja que acolhe a todos em seu seio.

A partir do século IV, com o surgimento de várias heresias, um outro sentido foi dado à palavra católica. São Cirilo de Jerusalém para comparar a fé ortodoxa com a fé herética, usa o termo fé católica. Ou seja, a verdadeira fé aceita a totalidade das verdades reveladas, enquanto que a fé herética escolhe aquilo em que quer acreditar, selecionando o que mais lhe convém e rejeitando os demais conteúdos da fé.

Desta forma, a palavra católica passou a designar não somente a Igreja que inclui todas as pessoas em todos os lugares, mas também a Igreja que inclui toda a fé, todos os sacramentos, todo o depósito e tesouro que foi deixado por Jesus Cristo e os Apóstolos. Com isso, a palavra foi sendo incorporada ao Credo como forma de distinguir a Igreja que guardava a fé inteira das seitas heréticas que estavam nascendo e que desprezavam o todo da fé.

Também houve o acréscimo da palavra romana ao adjetivo católica. Parece uma contradição dizer que a Igreja é católica e, ao mesmo tempo, romana. Contudo, não o é. Diante do protestantismo, o objetivo foi salientar que a Igreja somente é inteira, ou seja, católica, se o sucessor de Pedro, o Papa estiver incluído nela.

Assim, a integridade da fé abrange também o fato de que, seja no ocidente, seja no oriente, existe uma ligação com aquele que tem o primado e a jurisdição universal sobre a Igreja.

Só há uma Igreja de Cristo e essa Igreja é una, católica e apostólica. Faz parte da natureza da Igreja ser católica. Sendo assim, não se pode aceitar o significado confessional da palavra católico, pois ela não designa um ramo dos cristianismo. A fé cristã é católica por definição e não há outro verdadeiro cristianismo que não o católico. Por isso, como nas colunatas de Bernini na Praça de São Pedro, a Igreja abraça a fé na sua integridade e acolhe como mãe os católicos do mundo todo que vão em peregrinação até aquela praça, ver o Sucessor de Pedro.

Fonte: Padre Paulo Ricardo

“Milagre do sol” de Nossa Senhora de Fátima

FATIMA, 13 Out. 14 / 02:52 pm (ACI).- No dia 13 de outubro de 1917, diante de milhares de peregrinos que chegaram a Fátima (Portugal), ocorreu o denominado “Milagre do sol”, no qual, após a aparição de Nossa Senhora aos pastorzinhos Jacinta, Francisco e Luzia, pôde-se ver o sol tremer, em uma espécie de “dança”, conforme relataram os que estavam aí.

Depois de uma chuva intensa, as nuvens escuras se abriram e deram espaço ao sol, que segundo as testemunhas, aparecia como um suave disco de prata. Então, a luz do sol tomou diferentes cores e o sol pareceu envolver as milhares de pessoas, que já estavam de joelhos.

O jornalista do jornal português O Século, Avelino de Almeida, estimou entre 30 mil a 40 mil pessoas, o número de presentes no momento do milagre, enquanto que o professor de ciências naturais da Universidade de Coimbra Joseph Garrett, que assim como o jornalista De Almeida esteve no lugar esse dia, estimou o número de testemunhas em 100 mil.

O milagre durou cerca de três minutos. Além do “Milagre do sol”, os pastorzinhos disseram ter visto imagens de Jesus, de Nossa Senhora e de São José abençoando a multidão.

Esta foi a última vez que a Virgem apareceu a Jacinta e a Francisco. Apareceu uma sétima vez a Luzia em 1920, alentando-a a dedicar a sua vida a Deus.

Nova Ordem Mundial: o maior perigo que ameaça o Cristianismo

Versão áudio

Na Aula ao Vivo de 21/08/2012, Padre Paulo Ricardo continua comentando sobre o livro “Poder Global e Religião Universal”, do Monsenhor Claudio Sanahuja, no qual expõe a transformação que o mundo atual está sofrendo, partindo dos novos paradigmas propostos pela Nova Ordem Mundial.

Sabendo que o projeto de reengenharia social esbarra nos valores judaicos-cristãos, notadamente representados pela Igreja Católica Apostólica Romana, os arquitetos da Nova Ordem Mundial pretendem destruí-la desde o seu interior.

É o que nos mostra o Monsenhor Sanahuja por meio desta obra valiosíssima que deve ser estudada por todo aquele que deseja manter-se cristão e fiel ao Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, único modo de terminar essa guerra do lado certo.

Para adquirir o livro, clique aqui: http://www.ecclesiae.com.br/

Página 1 de 22

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén