Bento XVI: Motu Proprio sobre rito extraordinário em Latim busca unidade

«Ninguém está sobrando na Igreja», diz aos bispos da França

LOURDES, segunda-feira, 15 de setembro de 2008 (ZENIT.org).- Bento XVI esclareceu neste domingo em seu discurso aos bispos da França que a finalidade da publicação do motu proprio Summorum Pontificum é assegurar a unidade na Igreja, pois nela «ninguém está sobrando».

O pontífice abordou o tema no dia em que se comemorava exatamente um ano da aplicação desse documento, por ocasião da festa da Exaltação da Santa Cruz, em suas palavras aos prelados reunidos no hemiciclo de «Santa Bernadete», em Lourdes.

O Santo Padre recordou que esse documento busca precisar «a possibilidade de utilizar tanto o missal do Beato João XXIII (1962) como o do Papa Paulo VI (1970)».

«Já é possível ver os frutos destas novas disposições, e espero o necessário apaziguamento dos espíritos que, graças a Deus, está acontecendo», considerou.

Ao mesmo tempo, reconheceu, «levo em conta as dificuldades que encontrais, mas não me resta a menor dúvida de que podeis chegar, em um tempo razoável, a soluções satisfatórias para todos, para que a túnica inconsútil de Cristo não se desgarre ainda mais».

Explicando o espírito que o moveu à redação do texto, o Santo Padre declarou: «Ninguém está sobrando na Igreja. Todos, sem exceção, poderão sentir-se nela ‘como em sua casa’, e nunca rejeitados».

«Deus, que ama todos os homens e não quer que nenhum se perca, confia-nos esta missão, fazendo-nos Pastores de seu rebanho. Só nos resta agradecer-lhe pela honra e pela confiança que Ele nos outorga. Portanto, esforcemo-nos por ser sempre servidores da unidade», concluiu.





Livros Recomendados

O Evangelho de São Mateus – Cadernos de Estudo BíblicoA Virtude dos CampeõesA Vontade de Poder (Quadrante)

Apoia-se: Seja um apoiador da Bíblia Católica Online.

Veja tambem  Bento XVI: A ciência que se afasta de Deus está envenenada pela vaidade

Comentários no Facebook:

comments

Anteriores

A Cruz lembra que o amor de Deus é mais forte do que a morte, diz o Papa

Próximo

Ortodoxos e católicos refletirão juntos sobre figura do «pai espiritual»

  1. antonio vasconcelos

    Penso que esse novo "aggiornamento" é cabível e, até certo ponto, necessário. Não que seja retrocesso, muito mais é uma nova à antiga e nunca proibida adequação dos ritos.
    Doutro lado, como poderei melhor entender que, ainda hoje, haja quem, a partir do Evangelho do dia (hoje), continue a dizer que a tal mulher pecadora na casa de Simão, é Santa Maria Madalena!? Onde está declarada tal insinuação até caluniosa? Nos Evangelhos?… Que o digam!

Deixe uma resposta

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén