shutterstock_171443837_810_500_55_s_c1

Em comentários feitos na entrevista dada durante o vôo de retorno do Sri-Lanka na última segunda-feira, os quais foram totalmente ignorados pela grande mídia, o Papa Francisco lamentou a prática ocidental de imposição de uma agenda homossexual a outras nações por meio de ajuda [financeira] externa, algo que ele chamou de “colonização ideológica” e comparou à máquina de propaganda nazista.

Quando um jornalista lhe pediu para explicar a expressão “colonização ideológica”, o papa de um exemplo de 1995, quando, disse ele, um ministro da educação em uma região pobre recebeu a oferta de um empréstimo para construir escolas contanto que as escolas usassem um livro que ensinasse a “teroria de gênero”.

“Ele disse sim, e também fez com que eles lhe dessem outro livro, de orientação diferente. E então ela teve êxito”, ele explicou de acordo com uma transcrição de América, a revista jesuíta conhecida por ter publicado em inglês uma grande entrevista com o papa em 2013. “Isso é colonização ideológica. Eles introduzem uma idéia que não tem nada a ver com o povo; com grupos de pessoas sim, mas não com pessoas. Eles colonizam as pessoas com uma idéia que quer mudar uma mentalidade ou estrutura.”

A colonização ideológica “não é nova; os ditadores do século passado fizeram o mesmo”, disse Francisco. “Eles chegaram com sua própria doutrina. Pense na BaliLa (a Juventude Fascista de Mussolini), pense na Juventude Hitlerista.”

Embora o Santo Padre não tenha mencionado explicitamente o casamento entre pessoas do mesmo sexo como pressão ideológica, ele fez uma inequívoca referência ao tema: “Durante o Sínodo, os bispos africanos se queixaram disto: “certos empréstimos sob certas condições”, disse ele.

Veja tambem  Papa Francisco rezou com Bento XVI pela Jornada Mundial da Juventude Rio 2013

As preocupações dos bispos africanos no Sínodo foram manifestadas em todo o mundo durante o Sínodo e também entraram no documento final, ou Relatio Synodi, que afirmou ser “completamente inaceitável” que “alguns pastores da Igreja sofram pressão de grupos internacionais que fornecem ajudam financeira a países pobres desde que aceitem o ‘casamento’ entre pessoas do mesmo sexo.”

Fonte: Notifam PT




Comentários no Facebook:

comments