1. Passaram-se três anos sem haver guerra alguma entre a Síria e Israel.

2. Ao terceiro ano, Josafat, rei de Judá, foi ter com o rei de Israel.

3. O rei de Israel disse aos seus servos: Ignorais vós que Ramot de Galaad é nossa e que nos temos descuidado de a recobrar das mãos do rei da Síria?

4. E disse a Josafat: Virás tu comigo à guerra contra Ramot de Galaad?

5. Josafat respondeu ao rei de Israel: Eu farei o que tu fizeres, o meu povo o que o teu povo, a minha cavalaria o que a tua. Josafat disse ao rei de Israel: Consulta hoje, te peço, a vontade do Senhor.

6. O rei de Israel juntou os seus profetas, cerca de quatrocentos homens, e disse-lhes: Devo eu ir pelejar contra Ramot de Galaad, ou deixar-me estar quieto? Eles responderam-lhe: Vai, que o Senhor a entregará nas mãos do rei.

7. Mas Josafat disse: Não há aqui nenhum profeta do Senhor, para nós o consultarmos por meio dele?

8. O rei de Israel respondeu a Josafat: Ficou um homem, por meio do qual podemos consultar o Senhor, porém eu aborreço-o, porque ele não me profetiza o bem, mas o mal: é Miqueias, filho de Jemla. Josafat disse-lhe: Ó rei, não fales assim.

9. Chamou, então o rei de Israel um eunuco e disse-lhe: Traze-me aqui depressa a Miqueias, filho de Jemla.

10. O rei de Israel e Josafat, rei de Judá, estavam sentados cada um no seu trono, vestidos com magnificência real, na praça, junto à porta de Samaria, e todos os (falsos) profetas profetizavam diante deles.

11. Fez para si Sedecias, filho de Canaana, uns chifres de ferro, e disse: Eis o que diz o Senhor: Com estes chifres ferirás os sírios, a té os destruíres de todo.

12. E todos os profetas profetizavam da mesma maneira, dizendo: Vai contra Ramot de Galaad, marcha em boa hora, pois o Senhor a entregará nas mãos do rei.

13. Ora o mensageiro, que tinha ido chamar Miqueias, disse: Todos os profetas, a uma voz, predizem bom sucesso ao rei; sejam, pois, as tuas palavras semelhantes às deles, anuncia bom sucesso.

14. Miqueias respondeu-lhe: Viva o Senhor, que eu não direi senão o que o Senhor me disser.

15. Apresentou-se, pois, diante do rei, e o rei disse-lhe: Miqueias, devem os ir pelejar contra Ramot de Galaad, ou ficar quietos? Miqueias respondeu-lhe: Vai, marcha em boa hora, pois o Senhor a entregará nas mãos do rei.

16. O rei disse-lhe: Eu te conjuro uma e outra vez em nome do Senhor, que m e não fales senão a verdade.

17. Ele disse-lhe: Eu vi todo o Israel disperso pelos montes, como ovelhas que não têm pastor. O Senhor disse: Eles não têm condutor; torne cada um em paz para sua casa.

18. Disse o rei de Israel para Josafat: Não te disse eu que este homem nunca me profetiza o bem, mas sempre o mal?

19. Miqueias, porém, acrescentando, disse: Por isso ouve a palavra do Senhor: Eu vi o Senhor sentado sobre o seu trono, e todo o exército do céu ao redor dele, á direita e à esquerda. (ver nota)

20. O Senhor disse: Quem enganará Acab, rei de Israel, para que ele marche e pereça em Ramot de Galaad? E um disse uma coisa, e outro outra.

21. Mas o espírito maligno adiantou-se, apresentou-se diante do Senhor e disse: Eu o enganarei. O Senhor disse-lhe: De que modo?

22. Ele respondeu: Irei e serei um espírito mentiroso na boca de todos os seus profetas. O Senhor disse: Tu o enganarás e prevalecerás; sai e faze assim (eu to permito).

23. Portanto agora o Senhor pôs um espírito de mentira na boca de todos os teus profetas que aqui estão, mas o Senhor pronunciou o mal contra ti.

24. Aproximou-se então Sedecias, filho de Canaana, deu uma bofetada em Miqueias e disse: Portanto o espírito do Senhor deixou-me a mim, e falou-te a ti?

25. Miqueias disse: Tu o verás naquele dia, quando fores de câmara em câmara para te esconderes.

26. O rei de Israel disse: Tomai Miqueias, e fique em poder de Amon, governador da cidade, e de Joas, filho de Amelec.

27. Dizei-lhes: Eis o que o rei ordena: Metei este homem na cadeia, e sustentai-o com pão de tribulação e água de angústia, até que eu volte em paz.

28. Miqueias disse: Se tu voltares em paz, não falou o Senhor por mim. E acrescentou: Ouvi, povos todos.

29. Marchou o rei de Israel com Josafat, rei de Judá, contra Ramot de Galaad.

30. O rei de Israel disse a Josafat, rei de Judá: Toma as armas e entra no combate, com as tuas vestes próprias. Todavia o rei de Israel mudou de trajo, e entrou (disfarçado) na batalha.

31. O rei da Síria tinha dado, aos trinta e dois capitães dos seus carros, esta ordem: Não pelejareis contra algum, pequeno ou grande, mas sòmente contra o rei de Israel.

32. Os capitães dos carros, tendo visto Josafat, imaginaram que ele era o rei de Israel, e com todo o ímpeto, pelejavam contra ele. Josafat soltou o seu grito (de guerra),

33. e os capitães dos carros conheceram que não era o rei de Israel, e cessaram de investir contra ele.

34. Um homem, porém, entesou o seu arco, apontando a seta à sorte, e feriu o rei de Israel por entre as jun­turas da armadura. Ele disse ao seu cocheiro: Volta e tira-me do campo (de batalha), porque estou gravemente ferido.

35. Travou-se luta encarniçada naquele dia; o rei de Israel estava no seu carro, voltado para os Sírios. Morreu de tarde. O sangue corria da ferida sobre todo o carro.

36. Antes que o sol se pusesse, tocou um pregoeiro a trombeta por todo o exército, dizendo: Cada um volte para a sua cidade e para a sua terra.

37. Morreu, assim, o rei e foi levado a Samaria. Enterraram o rei em Samaria.

38. Quando lavaram o seu carro na piscina de Samaria, os cães lamberam o seu sangue, e aí se banharam as prostitutas, conforme a palavra que o Senhor tinha pronunciado.

39. O resto das acções de Acab, tudo o que ele fez, o palácio de marfim que construiu, as cidades que fundou, tudo isso está escrito no livro das Crónicas dos reis de Israel.

40. Dormiu Acab com seus pais, e reinou em seu lugar Ocozias, seu filho.

41. Josafat, filho de Asa, tinha começado a reinar sobre Judá no quarto ano de Acab, rei de Israel.

42. Tinha trinta e cinco anos quando começou a reinar, e reinou vinte e cinco anos em Jerusalém. Sua mãe chamava-se Azuba, filha de Salai.

43. Andou em todos os caminhos de Asa, seu pai, e não se desviou deles: fez o que era recto diante do Senhor.

44. Não destruiu contudo os lugares altos. O povo ainda sacrificava e queimava incenso nos lugares altos.

45. Josafat teve paz com o rei de Israel.

46. O resto das acções de Josafat, os seus feitos, as suas guerras, tudo isso está escrito no livro das Crônicas dos reis de Judá.

47. Exterminou da terra o resto dos consagrados à prostituição idolátrica, que tinham ficado do tempo de seu pai Asa.

48. Não havia então rei estabelecido em Edom

49. O rei Josafat tinha preparado frotas no mar, que navegassem para Ofir, por causa do ouro, mas não puderam ir, porque os navios naufragaram em Asiongaber.

50. Então disse Ocozias, filho de Acab, a Josafat: Vão os meus servos embarcados com os teus. Mas Josafat não quis.

51. Josafat dormiu com seus pais, e foi sepultado com eles na cidade de Davide, seu pai. Jorão, seu filho, reinou em seu lugar.

52. Ocozias, filho de Acab, começou a reinar sobre Israel em Samaria, no ano dezassete de Josafat, rei de Judá, e reinou sobre Israel dois anos.

53. Praticou o mal diante do Senhor, andou no caminho de seu pai e de sua mãe, no caminho de Jeroboão, filho de Nabat, que tinha feito pecar Israel.

54. Serviu também Baal e o adorou, irritando o Senhor Deus de Israel, conforme seu pai tinha feito.





“Jesus está com você, e o Cireneu não deixa de ajudar-te a subir o Calvário.” São Padre Pio de Pietrelcina