1. Elias Tesbita, um dos habitantes de Galaad, disse a Acab: Viva o Senhor Deus de Israel, em cuja presença estou, que nestes anos não cairá nem orvalho nem chuva, senão conforme as palavras da minha boca.

2. Dirigiu o Senhor a sua palavra a Elias, nestes termos;

3. Retira-te daqui, vai para a banda do oriente e esconde-te junto da torrente de Carit, que está defronte do Jordão.

4. Beberás da torrente, e eu mandei aos corvos que te sustentem ali mesmo.

5. Partiu, pois, e procedeu segundo a ordem do Senhor: alojou-se junto da torrente de Garit, que está defronte do Jordão.

6. Os corvos traziam-lhe pela manhã pão e carne, e de tarde também pão e carne, e ele bebia da torrente.

7. Decorrido um certo tempo, secou-se a torrente, porque não tinha chovido sobre a terra.

8. Falou-lhe então o Senhor assim:

9. Levanta-te, vai para Sarefta dos Sidónios e fixa lá a tua morada, porque eu ordenei a uma mulher viúva que te sustente.

10. Levantou-se e foi para Sarefta. Tendo ele chegado à porta da cidade, apareceu-lhe uma mulher viúva, que apanhava lenha. Ele chamou-a e disse-lhe: Dá-me num vaso um pouco de água para beber.

11. Quando ela lha ia buscar, Elias chamou-a outra vez e disse: Traze-me também, te peço, um bocado de pão na tua mão.

12. Ela respondeu-lhe: Viva o Senhor teu Deus, que eu não tenho pão, senão sòmente um pouco de farinha na panela, e um pouco de azeite na almotolia. Ando a apanhar um pouco de lenha, a fim de a ir cozer para mim e para meu filho, para comermos e depois (de gasto estes restos) morreremos (de fome).

13. Elias disse-lhe: Não temas, mas vai e faze como disseste; porém faze primeiro para mim desse pouco de farinha um pãozinho cozido, debaixo do rescaldo, e traze-mo; para ti e para teu filho, farás depois.

14. Com efeito, o Senhor Deus de Israel diz assim: A farinha que está na panela não faltará, nem se diminuirá na almotolia o azeite, até ao dia em que o Senhor faça cair chuva sobre a terra.

15. Foi a mulher e fez como Elias lhe tinha dito; durante muito tempo ela teve que comer, e a sua casa e Elias. E desde aquele dia

16. não faltou a farinha na panela, nem se diminuiu o azeite da almotolia, conforme o que o Senhor tinha predito por Elias.

17. Aconteceu depois adoecer o filho desta mãe de família, e a doença era tão grave que já não respirava.

18. Ela disse a Elias: Que te fiz eu, ó homem de Deus? Porventura vieste a minha casa para excitares em mim a memória dos meus pecados e matares o meu filho?

19. Elias disse-lhe: Dá-me o teu filho. (Elias) tomou-o do regaço (da mãe), levou-o à câmara, onde ele estava alojado, e pô-lo em cima do seu leito.

20. Depois clamou ao Senhor, assim: Senhor meu Deus, até a uma viúva, que me sustenta como pode, afligiste, matando-lhe seu filho?

21. Estendeu-se, depois, inclinou-se três vezes sobre o menino, e gritou ao Senhor: Senhor, meu Deus, faze, te rogo, que a alma deste menino volte às suas entranhas.

22. O Senhor ouviu a voz de Elias: a alma do menino voltou a ele, e ele recuperou a vida.

23. Elias tomou o menino, desceu-o da sua câmara à casa de baixo, entregou-o a sua mãe e disse-lhe: Aqui tens vivo o teu filho.

24. A mulher respondeu a Elias: Agora conheço por isto que és um homem de Deus, e que a palavra do Senhor na tua boca é verdade.





“Deve-se caminhar em nuvens cada vez que se termina uma confissão!” São Padre Pio de Pietrelcina