1. Quanto à sua casa Salomão edificou-a e completou-a dentro do espaço de treze anos.

2. Edificou a Casa do Bosque do Líbano, que tinha cem côvados de comprido, cinqüenta côvados de largo, e trinta côvados de alto, sobre quatro filas de colunas de cedro, porque ele tinha mandado cortar paus de cedro para estas colunas. (ver nota)

3. Forrou de madeira de cedro todo o tecto, que se sustentava em quarenta e cinco colunas. Cada ordem tinha quinze colunas,

4. postas umas em frente das outras,

5. e as colunas correspondiam-se em frente umas das outras, a igual distância entre si, e sobre as colunas havia umas vigas quadradas inteiramente iguais.

6. Fez um pórtico de colunas, que tinha cinqüenta côvados de comprido e trinta côvados de largo, e um outro pórtico em frente do pórtico maior, com colunas e arquitraves sobre as colunas.

7. Fez também o pórtico do trono, onde estava o tribunal, e forrou-o de madeiras de cedro desde o pavimento até ao tecto.

8. A sua residência, construída no outro átrio, dentro do pórtico, era de trabalho semelhante. Fez também para a filha de Faraó (com a qual se tinha casado) uma casa da mesma arquitectura que este pórtico.

9. Todos estes edifícios, desde os fundamentos até ao cimo das paredes, e por fora até ao átrio maior, eram de pedras valiosas, que tinham sido serradas de uma mesma forma e medida, tanto por dentro como por fora.

10. Os fundamentos eram também de pedras valiosas, pedras grandes de dez ou de oito côvados.

11. Dali para cima havia pedras de muito valor, cortadas em Igual medida, e cobertas também de cedro.

12. O átrio maior era redondo, e tinha três ordens de pedras de cantaria, e uma ordem de cedro lavrado; tudo igual, tanto do átrio interior da casa do Senhor, como no pórtico da casa.

13. Mandou também o rei Salomão que de Tiro viesse Hirão,

14. filho duma mulher viúva da tribo de Neftali, cujo pai era de Tiro, que trabalhava em bronze, e era cheio de sabedoria, de inteligência e de ciência para fazer todo o gênero de obras de bronze. Tendo-se, pois, Hirão apresentado ao rei Salomão, fez todas as suas obras.

15. Fundiu duas colunas de bronze, tendo cada uma dezoito côvados de altura; a sua periferia media-se com um fio de doze côvados.

16. Fez também dois capitéis de bronze fundido para os pôr sobre o alto das colunas; um capitel tinha cinco côvados de altura, e o outro capitel era também da altura de cinco côvados;

17. estavam cercados como que de uma espécie de rede, e de cadeias artisticamente entrelaçadas entre si. Ambos os capitéis das colunas eram fundidos; havia sete ordens de malhas num capitel, e outras sete no outro capitel.

18. Rematou as colunas com duas ordens de romãs ao redor de cada uma das malhas, para cobrir os capitéis que estavam no alto; o mesmo fez também no segundo capitel.

19. Os capitéis, que estavam no alto das colunas no pórtico, eram fabricados em forma de açucena, com quatro côvados de altura.

20. Além disto, no alto das colunas sobre as malhas, havia outros capitéis proporcionados à medida da coluna; na circunferência do segundo capitel havia duzentas romãs postas em duas ordens.

21. Pôs estas duas colunas no pórtico do templo; tendo levantado a coluna direita, deu-lhe o nome de Jaquim: levantou do mesmo modo a segunda coluna, e deu-lhe o nome de Booz.

22. Por cima das colunas pôs um lavor em forma de açucena, e, com isto, ficou concluída a obra das colunas.

23. Fez também o mar de bronze de dez côvados (de diâmetro), duma borda à outra, redondo em toda a volta; a sua profundidade era de cinco côvados, e a sua circunferência media-se com um fio de trinta côvados. (ver nota)

24. Por baixo da borda corria uma obra de talha por (cada) dez côvados, que rodeava o mar; as duas ordens destas obras de talha eram de fundição.

25. E (o mar) estava assente sobre doze bois, três dos quais olhavam para o setentrião, três para o ocidente, três para o meio-dia, e três para o oriente. O mar estava em cima deles; as partes posteriores dos bois escondiam-se todas para o lado de dentro.

26. A grossura da bacia era de três polegadas; a sua borda era semelhante à borda dum copo, e à folha duma açucena aberta; levava dois mil batos. (ver nota)

27. Fez também dez bases de bronze, cada uma das quais tinha quatro côvados de comprido, quatro côvados de largo, e três côvados de alto.

28. O trabalho das bases era a cinzel, e havia esculturas entre as junturas.

29. Entre as coroas e festões havia leões, bois e querubins, assim como nas junturas da parte de cima; debaixo dos leões e dos bois, pendiam como que umas grinaldas.

30. Cada base tinha quatro rodas com seus eixos de bronze, e nos quatro cantos debaixo do lavatório havia uns suportes fundidos, um em frente do outro.

31. Havia também dentro, no alto da base, uma cavidade em que encaixava a bacia; o que se via por fora, era dum côvado, e tudo redondo, e tudo junto tinha côvado e meio; nos cantos das colunas havia várias esculturas; e os intercolúnios eram quadrados, e não redondos.

32. As quatro rodas, que havia nos quatro cantos da base, correspondiam-se umas às outras por baixo da base; cada roda tinha côvado e meio de altura.

33. As rodas eram como as que costumam fazer-se para um carro; os seus eixos, raios, caibros e cubos, tudo era de fundição;

34. até os quatro suportes, que estavam nos quatro cantos de cada base, eram fundidos com a mesma base em um molde, e unidos com ela.

35. No alto da base, porém, havia um círculo de meio côvado de altura, feito de tal modo, que se podia pôr em cima a bacia, e tinha os seus trabalhos em talha, com variedade de relevos, tudo de uma só peça.

36. Lavrou também nas superfícies, que eram de bronze, e nos cantos, querubins, leões e palmas, de acordo com o espaço livre, e grinaldas em volta.

37. Deste modo fez dez bases do mesmo molde, da mesma medida, de escultura semelhante.

38. Fez também dez bacias de bronze, cada uma das quais continha quarenta batos, e era de quatro côvados; pôs cada bacia sobre cada uma das dez bases.

39. Das dez bases, pôs cinco na parte direita do templo, e cinco na esquerda. Pôs o mar na parte direita do templo, entre o oriente e o meio-dia.

40. Hirão fez também caldeirões, pás e taças, e concluiu toda a obra do rei Salomão no templo do Senhor:

41. as duas colunas, os dois capitéis das colunas, as duas redes e os dois cordões, que estavam sobre os capitéis das colunas;

42. quatrocentas romãs nas duas redes, duas ordens de romãs em cada rede, para cobrir os cordões dos capitéis, que estavam no alto das colunas;

43. as dez bases, e as dez bacias sobre as bases;

44. o mar e os doze bois por baixo do mar;

45. os caldeirões, as pás e as taças. Todos os vasos que Hirão fez ao rei Salomão para serviço da casa do Senhor eram de bronze fino.

46. O rei mandou-os fundir nos campos do Jordão numa terra argilosa, entre Socot e Sartan.

47. Salomão pôs (no templo) todos estes vasos. Pelo seu excessivo número, não se pesou o bronze.

48. Salomão fez (também) todos os (outros) utensílios para a casa do Senhor; o altar de ouro; a mesa de ouro, sobre a qual se deviam colocar os pães da proposição;

49. os candeeiros de ouro, cinco à direita e cinco à esquerda, diante do santuário, (todos) de ouro fino, com flores de açucena, lâmpadas de ouro e espevitadores de ouro;

50. as bilhas para água, os garfos, os copos, os almofarizes e os turíbulos de ouro puríssimo; as couceiras das portas da casa interior do Santo dos Santos, e as das portas da casa do templo, eram também de ouro.

51. Salomão concluiu toda a obra que mandou fazer para a casa do Senhor. Depois meteu nela a prata, o ouro e os utensílios que seu pai Davide tinha consagrado e depositou-as no tesouro da casa do Senhor.





“O sábio elogia a mulher forte dizendo: os seu dedos manejaram o fuso. A roca é o alvo dos seus desejos. Fie, portanto, cada dia um pouco. Puxe fio a fio até a execução e, infalivelmente, você chegará ao fim. Mas não tenha pressa, pois senão você poderá misturar o fio com os nós e embaraçar tudo.” São Padre Pio de Pietrelcina