Tag: testemunhar

O Grande Milagre

http://www.youtube.com/watch?v=1m29TpkFLa4

O grande milagre é uma história inspiradora que revela a esperança e a fé. A história gira em torno de três personagens em crise: Monica uma viúva e mãe de uma criança de 9 anos faz todos os esforços para manter a sua casa. Don Chema, um motorista de transporte público que recebe a notícia de uma doença que pode levar a morte de seu filho e Dona Cata, uma velha que sente que sua missão na vida é longa. As histórias se entrelaçam quando sentem uma grande necessidade de estar na igreja. E o que não se pode imaginar é que eles estão prestes a mudar suas vidas para sempre. Com a ajuda de anjos da guarda, vai testemunhar o verdadeiro significado da Missa, uma luta constante entre o bem e o mal, o triunfo da fé.

Papa pede que sacerdotes levem Maria no coração

E destaca o amor especial que a Mãe de Jesus lhes dedica

CASTEL GANDOLFO, quarta-feira, 12 de agosto de 2009 (ZENIT.org).- Bento XVI pediu hoje que os sacerdotes tenham Maria na dinâmica de sua existência e no horizonte de seu apostolado, valorizando o especial vínculo de maternidade entre a Mãe de Jesus e os presbíteros.

Esta manhã, durante a audiência geral com os peregrinos no pátio da residência pontifícia de Castel Gandolfo, o Papa falou sobre Maria e o sacerdócio, “uma relação profundamente enraizada no mistério da Encarnação”.

De acordo com o pontífice, o ‘sim’ de Maria “é a porta através da qual Deus é capaz de entrar no mundo, fazer-se homem. Então Maria é verdadeira e profundamente envolvida no mistério da Encarnação, de nossa salvação”.

Ao voltar o olhar para a Cruz, o Papa destacou que naquele momento Jesus entregou na reciprocidade Maria e o discípulo amado.

“O Evangelho nos diz que, a partir desse momento, São João, o filho amado, levou a mãe Maria ‘para a sua casa’. Assim é na tradução italiana, mas o texto grego é muito mais profundo, muito mais rico”, disse o Papa.

“Podemos traduzir: levar Maria no íntimo de sua vida, de seu ser, eis tà ìdia, na profundidade do seu ser. Levar consigo Maria significa introduzi-la na dinâmica completa da própria existência –não é algo exterior– e em tudo o que constitui o horizonte de seu apostolado.”

De acordo com o Papa, assim se compreende “como a peculiar relação de maternidade existente entre Maria e os sacerdotes constitui a fonte primária, a razão fundamental da predileção que ela tem por cada um deles”.

“Maria os prefere, de fato, por duas razões: porque eles são mais parecidos com Jesus, amor supremo de seu coração, e também porque, como Ele, estão envolvidos na missão de proclamar, testemunhar e dar Cristo ao mundo.”

“Pela própria identificação e conformação sacramental a Jesus, Filho de Deus e Filho de Maria, cada sacerdote pode e deve sentir-se realmente filho amado desta suprema e humilde Mãe”, disse Bento XVI.

Sacerdote deve ser todo de Cristo, diz Papa

CIDADE DO VATICANO, domingo, 28 de junho de 2009 (ZENIT.org).- Bento XVI espera que o Ano Sacerdotal seja oportunidade de renovação interior dos padres e revitalização de seu “amor incondicional” a Cristo e à Igreja.

Foi o que o pontífice assinalou ao meio-dia de hoje, ao rezar com os peregrinos o Angelus, na praça de São Pedro.

O Papa recordou que com a celebração das Primeiras Vésperas de São Pedro e São Paulo, hoje, encerra o Ano Paulino, “tempo de graça” em que “a figura de São Paulo foi proposta em toda a Igreja e sua vibrante mensagem fez reviver, especialmente nas comunidades cristãs, o amor por Cristo e o Evangelho”.

De acordo com Bento XVI, a “Divina Providência assegurou” que já fosse inaugurado “outro ano especial, o Ano Sacerdotal, com ocasião do 150º aniversário da morte –dies natalis– de São João Maria Vianney, o Santo Cura d’Ars”.

Trata-se de um “novo impulso pastoral e espiritual que –estou certo– trará muitos benefícios para o povo e, sobretudo, para o clero”.

Segundo o pontífice, a finalidade do Ano Sacerdotal é “a ajudar a promover os esforços de renovação interior de todos os sacerdotes para o seu mais poderoso e eficaz testemunho do Evangelho no mundo de hoje”.

Apontando Paulo como “modelo a imitar” pelos sacerdotes, Bento XVI destacou que o apóstolo é “exemplo de sacerdote totalmente identificado com o seu ministério”, “consciente de portar um tesouro inestimável, que é a mensagem da salvação, mas de trazê-lo em ‘vasos de barro’. Então, “ele é forte e humilde ao mesmo tempo, intimamente convencido de que tudo é mérito de Deus, tudo é a sua graça”.

O sacerdote “deve ser todo de Cristo e todo da Igreja, à qual é chamado a se dedicar com amor incondicional, como um marido fiel a sua esposa”, disse o Papa.

O pontífice desejou que o Ano Sacerdotal seja oportunidade para que os padres “cresçam em santidade e estejam prontos para testemunhar, se necessário até o martírio, a beleza de sua total e definitiva consagração a Cristo e à Igreja”.

Como um Católico pode testemunhar a uma Testemunha de Jeová em sua porta

Por Jeffery Schwehm
Tradução: Emerson de Oliveira
Fonte: Veritatis Splendor

Como um ex- Testemunha de Jeová que passou muitos anos indo de porta em porta era relativamente raro aos cristãos se ocuparem de uma discussão significante comigo. Porém, aqueles que fizeram isto tiveram impacto muito enorme. Infelizmente, era até mesmo mais raro para um católico se ocupar de diálogo significante comigo. Isto é até mesmo mais trágico já que os católicos têm a abundância da fé cristã e realmente tem muito mais para oferecer a uma Testemunha de Jeová.

Se você tem um desejo de compartilhar o Evangelho, estas visitas das TJ dão uma oportunidade de fazer isto mesmo sem deixar sua casa. A seguir eu dou algumas sugestões para lhe ajudar a estar pronto para compartilhar o Evangelho com seus vizinhos Testemunhas de Jeová.

1. Oração: Reze regularmente e peça para o Espírito Santo lhe dar a graça para compartilhar efetivamente o Evangelho com seus amigos Testemunha de Jeová. Também reze para que o Senhor suavize o coração de seus amigos Testemunhas de Jeová para ouvirem o Evangelho também.

2. Receba freqüentemente os Sacramentos: Os sacramentos nos dão vida. Sem eles nós não temos nada para dar a outros que precisam aprender sobre o Senhor.

3. Leia as Escrituras: Se você é ignorante das Escritura você é ignorante de nossa história familiar como povo de Deus e como São Jerônimo disse “ignorante de Cristo”.

Apresentando o Evangelho para as Testemunhas de Jeová

Há três pontos principais que os católicos podem compartilhar efetivamente com as visitas de Testemunhas de Jeová. Escolha um dos pontos seguintes para compartilhar e permanecer neste tópico com eles durante a visita:

1. Todos os cristãos são filhos de Deus e passarão a eternidade com Cristo: as TJ ensinam que só 144.000 pessoas são consideradas filhos e filhas de Deus. Os 144.000 têm a esperança de ir ao céu serem glorificados com Jesus para a eternidade. O resto das TJ não são filhos e filhas de Deus mas somente amigos de Deus que tem a esperança de sempre viver no paraíso terrestre. Isto vai claramente contra o ensino das Escrituras. (Veja Romanos 8.14-17)

2. Ninguém pode predizer a Segunda Vinda de Cristo: as TJ ensinam que Jesus voltou invisivelmente no ano 1914 d.C. e que seu primeiro líder, Charles T. Russell, predisse isto. Eles também ensinam que o tempo do fim do mundo começou por aquele ano. Isto vai claramente contra o ensino das Escrituras. (Veja Mateus 24.23,24; Lc. 21.8)

3. Jesus não é o Arcanjo Miguel: as TJ ensinam que Jesus é o Arcanjo Miguel. Isto vai claramente contra o ensino das Escrituras. (Veja Hb. 1.5,6) Se uma TJ percebe que as Escrituras não apóiam a crença de que Jesus é o Arcanjo Miguel, isso lhes ajudará a perguntar questões pela verdadeira identidade de Jesus.

Para uma discussão mais detalhada destes três pontos de uma perspectiva católica, eu recomendo o livro Respondendo as Testemunhas de Jeová, por Jason Evert.

Testemunhando para Cristo

Você se preparou para compartilhar Cristo com com as TJ. Como se você deveria proceder da próxima vez que você receber uma visita?

1. A Testemunha de Jeová terá uma pequena apresentação preparada para você. Esta apresentação normalmente se trata de alguma peça de literatura que eles querem que você leia. Deixe-lhes completar a pequena apresentação. Deste modo sua visita ficará mais apta a escutar seu mensagem sem se preocupar como ele completará sua apresentação.

2. Quando a apresentação da Testemunha de Jeová estiver completa, vão lhe perguntar se quer aceitar sua literatura. Eu não recomendo aceitar a literatura porque provavelmente vão pedir para você fazer uma doação. O dinheiro da literatura financia a organização religiosa deles. Como católicos, nós não queremos nosso dinheiro ir para uma organização religiosa que ensina falsas doutrinas.

3. Recuse de forma educada a literatura e diga para as TJ que você tem uma mensagem para elas. Tenha uma cópia da Bíblia à mão e compartilhe com a TJ um dos pontos listados acima. Por exemplo, você poderia compartilhar com elas a seguinte Escritura:

“Pois todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus. Porque não recebestes o espírito de escravidão, para viverdes, outra vez, atemorizados, mas recebestes o espírito de adoção, baseados no qual clamamos: Aba, Pai. O próprio Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. Ora, se somos filhos, somos também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo; se com ele sofremos, também com ele seremos glorificados.” romanos 8: 14-17

4. Explique a Testemunha de seu Jeová o que esta Escritura significa para você. Diga-lhes como o Senhor o adotou como seu filho. Normalmente, em sua apresentação, a Testemunha de Jeová vai mencionar a esperança de viver para sempre no paraíso terrestre. Diga-lhe que você não tem nenhum interesse em viver para sempre no paraíso que ele descreveu porque sua esperança é estar com Jesus para sempre.

5. Não há nenhuma necessidade de discutir com a Testemunha de Jeová ou até ficar pulando textos e textos com elas. Nunca ataque a Testemunha de Jeová pessoalmente. Lembre-se que a Testemunha de Jeová foi enganada por seus líderes religiosos. Quando você expressa o que quer dizer e compartilha sua mensagem simplesmente desculpe-se e termine a discussão.

6. Depois da discussão, reze para sua conversão.

O impacto que um cristão preparado com a mensagem da verdade pode fazer em um missionário TJ é enorme.

Uma vez quando eu estava visitando a porta de um cristão, eu lhe dei minha apresentação TJ da esperança de viver para sempre no paraíso terrestre. Este homem me falou de uma maneira calma e amorosa que sua esperança não era viver para sempre no paraíso terrestre mas viver para sempre com Jesus no céu.

Ele então acrescentou: “E eu não posso pensar em um lugar melhor que isto, inclusive um paraíso terrestre”.

Embora eu fosse Testemunha de Jeová, eu sabia que estar na presença de Cristo para eternidade era melhor que a vida eterna no paraíso terrestre. Eu fiquei mudo depois este simples comentário e saí. Meu colega Testemunha de Jeová que me acompanhou aquele dia se virou para mim depois que saímos e disse: “eu acho que aquele homem teve um Espírito Santo ou algo”.

Nosso Pai Celestial está nos pedindo que contribuamos com a “nova evangelização” do mundo. Nós podemos fazer uma contribuição a esta “nova evangelização” em dar um bom testemunho a nossos amigos TJ. A estratégia esboçada acima deve lhe ajudar a dar um testemunho bem sucedido a elas.

Jornada Mundial da Juventude 2008 – Sidney/Austrália

RECEIVE THE POWER (RECEBA A FORÇA)
(Sydney 2008)

Estrofe 1
Every nation, every tribe,
(Toda nação, toda tribo,)
come together to worship You.
(Chegam juntas para adorar-Te.)
In Your presence we delight,
(Em Tua presença nós nos alegramos,)
we will follow to the ends of the earth.
(nós Te seguiremos até os confins da terra.)

Refrão
Alleluia! Alleluia!
Receive the Power, from the Holy Spirit!
(Receba a Força, vinda do Espírito Santo!)
Alleluia! Alleluia!
Receive the Power to be a light unto the world!
(Receba a Força para ser uma luz em meio ao mundo!)

Estrofe 2
As Your Spirit calls to rise
(Assim que Teu Espírito nos chama a ascender)
we will answer and do Your Will.
(Nós responderemos e faremos Tua Vontade.)
We’ll forever testify
(Nós testemunharemos eternamente)
of Your mercy and unfailing love.
(Tua misericórdia e teu infinito amor.)

Refrão
Alleluia! Alleluia!
Receive the Power, from the Holy Spirit!
(Receba a Força, vinda do Espírito Santo!)
Alleluia! Alleluia!
Receive the Power to be a light unto the world!
(Receba a Força para ser uma luz em meio ao mundo!)

Estribilho
Lamb of God, we worship You,
(Cordeiro de Deus, nós Te adoramos,)
Holy One, we worship You,
(Santo dos Santos, nós Te adoramos,)
Bread of Life, we worship You,
(Pão da Vida, nós Te adoramos,)
Emmanuel, we worship You.
(Emanuel, nós Te adoramos,)
Lamb of God, we worship You,
(Cordeiro de Deus, nós Te adoramos,)
Holy One, we worship You,
(Santo dos Santos, nós Te adoramos,)
Bread of Life, we worship You,
(Pão da Vida, nós Te adoramos,)
Emmanuel, we will sing forever.
(Emmanuel, vamos cantar para sempre.)

Refrão
Alleluia! Alleluia!
Receive the Power, from the Holy Spirit!
(Receba a Força, vinda do Espírito Santo!)
Alleluia! Alleluia!
Receive the Power to be a light unto the world!
(Receba a Força para ser uma luz em meio ao mundo!)

2008 Image SYDNEY – AUSTRÁLIA :: Receive the Power
Hino em inglês
Hino em versão internacional
Hino – Videoclipe em inglês
Hino – Videoclipe em versão internacional
Letra em português
Letra em inglês
Partitura (PDF)

Papa pede a fiéis ser protagonistas da missão evangelizadora

VATICANO, 07 Out. 06 (ACI) .- Esta manhã o Papa Bento XVI recebeu aos participantes da peregrinação a Roma da diocese de Emilia Romagna e em seu discurso exortou aos peregrinos a manter a esperança e testemunhar a todos a alegria de ser cristãos.

O Pontífice pediu aos presentes que as palavras de João Paulo II durante sua visita à diocese do norte da Itália “sejam um estímulo à reflexão e ao aprofundamento da comunhão afetiva e efetiva entre todos os componentes das respectivas Igrejas particulares”.

“É um convite a caminhar unidos aos vossos Pastores e ao Sucessor de Pedro; é um alento para os membros de vossas Dioceses a prosseguir, com renovado ardor, a comum missão evangelizadora, testemunhando o Evangelho da esperança em nossa época”, disse o Papa.

Diante de tal missão, o Santo Padre recordou que só é possível “graças ao sustento de Deus e à valoração convencida e valorosa do patrimônio espiritual que a população romagnola soube proteger e defender no curso dos séculos reconhecendo nela uma ‘comunidade cristã e humana plena de ardor operativo, consciente de seu rol dentro da sociedade no atual momento histórico: uma comunidade de cristãos que, segundo a tradição dos católicos romagnolos, quer manter unidas a fé e a valentia do testemunho social, a adesão à comunidade eclesiástica e a lealdade para a sociedade civil”.

Sobre a situação atual, destacou a “crise que ameaça a tantas famílias, a crescente necessidade de vocações sacerdotais e religiosas ante o preocupante declínio numérico e a idade dos sacerdotes; penso nas tantas insídias de uma sociedade consumista e secularizada, que trata de seduzir um número sempre crescente de pessoas, as induzindo a sofrer uma progressiva separação dos valores da fé na vida familiar, civil e política”.

Ante tais desafios o Santo Padre convidou aos presentes a encará-los “sem perder os ânimos, olhando com confiança os muitos motivos de esperança que graças a Deus não faltam. Que testemunhar a alegria de ser cristãos seja vosso compromisso. Prosseguei e intensificai a comunhão eclesiástica e sede protagonistas generosos da missão evangelizadora que o Senhor vos confia”.

«Ele está no meio de nós!» – Dom Murilo S.R. Krieger, scj

Arcebispo de Florianópolis (Brasil)

FLORIANÓPOLIS, terça-feira, 23 de maio de 2006 (ZENIT.org).- Publicamos artigo de Dom Murilo S.R. Krieger, scj, arcebispo de Florianópolis (SC), sobre o 15º Congresso Eucarístico Nacional brasileiro, realizado em sua arquidiocese de 18 a 21 de maio passados.

Ele está no meio de nós!

Dia 21 de maio passado, encerrou-se o 15º Congresso Eucarístico Nacional. Ao longo dos últimos anos, havíamos nos preparado para transformar Florianópolis no grande altar do Brasil. Nessa preparação, cresceu em nosso coração uma certeza: “Ele está no meio de nós!” Sim, Jesus Cristo, o grande dom do Pai, está presente no mundo e na Igreja de diversas formas, mas está presente de modo especial na Eucaristia. Trata-se não de um dom a mais, embora precioso, mas daquele que é “o dom” por excelência, porque dom de Jesus Cristo mesmo, de sua pessoa.

“Vinde e vede”. Milhares de pessoas aceitarem o convite de Jesus Cristo e vieram a Florianópolis para participar deste momento especial na vida da Igreja no Brasil. Terminado o Congresso, cada qual voltou para sua casa com mil lembranças na mente e muitas saudades no coração. E o que levaram? Que conseqüências o 15º CEN poderá ter em suas vidas? Qual sua contribuição para a vida da Igreja no Brasil?

Dentre as iniciativas que, espero, nasçam desse Congresso Eucarístico, destaco algumas:

1º – Que saibamos testemunhar com mais entusiasmo a presença de Deus no mundo. Há grupos e forças poderosas que, abertamente, tentam destruir toda e qualquer idéia de Jesus Cristo – e isso quando não tentam destruir a própria pessoa de nosso Mestre e Senhor, mesmo que precisem, para atingir tais objetivos, atacar, caluniar e mentir. De nossa parte, não podemos ter medo ou vergonha de falar de Deus e de defender os valores do Evangelho.

2º – Que nossa espiritualidade seja profundamente eucarística. Como Cristo, devemos aprender a nos doar aos outros, indo especialmente ao encontro dos que sofrem privações, dos famintos, doentes e solitários, dos desempregados, migrantes, abandonados.

3º – Que redescubramos o valor do domingo como dia do Senhor e da Igreja, dando nele uma atenção ainda maior à participação na santa Missa. É preciso que sintamos necessidade do Pão “descido do céu”, para enfrentar o cansaço da caminhada diária. “Participar na celebração dominical e alimentar-se do Pão eucarístico é uma necessidade para o cristão, que deste modo pode encontrar a energia necessária para o caminho que deve percorrer” (Bento XVI, 29.05.05).

4º – Que seja mais valorizada, em nossas paróquias, a adoração eucarística fora da Missa. Será importante que se multipliquem esses momentos em que, prostrados diante de Jesus presente na hóstia consagrada, reparemos com fé e amor a indiferença e os ultrajes cometidos contra esse sacramento;

5º – Que saibamos dar o devido valor às equipes litúrgicas de nossas comunidades e acreditemos na necessidade de uma adequada preparação de nossas celebrações. Da fidelidade às prescrições litúrgicas, da escolha de cantos adequados, de leitores bem preparados etc. depende uma maior participação por parte do povo, que perceberá melhor a grandeza do mistério que estará celebrando.

Muitos outros frutos poderão nascer do Congresso Eucarístico de Florianópolis. O amor e a criatividade de cada congressista ou de quem o acompanhou o Congresso pelos meios de comunicação poderão fazer surgir outras iniciativas.

Quando os bispos, os sacerdotes e diáconos, os religiosos e as religiosas, os cristãos leigos e leigas vindos de todo o Brasil retornaram para suas cidades, um pouco de Florianópolis e muito de Santa Catarina foi com eles. O compromisso que todos levaram no coração é o mesmo: testemunhar que “a Igreja vive da Eucaristia”. Para os que ainda não descobriram isso, é apropriado renovar o convite: “Vinde e vede!”.

Dom Murilo Krieger, scj
Arcebispo de Florianópolis (SC)

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén