Tag: Poderoso

Bento XVI: Jesus tinha um segredo

Palavras antes do Ângelus de hoje

CIDADE DO VATICANO, domingo, 1º de fevereiro de 2009 (ZENIT.org).- Publicamos as palavras que Bento XVI dirigiu neste domingos ao rezar a oração mariana do Ângelus junto a milhares de peregrinos reunidos na Praça de São Pedro.

* * *

Caros irmãos e irmãs!

Este ano, nas celebrações dominicais, a liturgia propõe para a nossa meditação o Evangelho de São Marcos, do qual uma singular característica é o assim chamado «segredo messiânico», o fato de Jesus não querer que por enquanto se saiba, fora do grupo restrito dos discípulos, que Ele é o Cristo, o Filho de Deus. Eis, então, que sempre volta a exortar, seja os apóstolos, seja os doentes, que cuidem para não revelar a ninguém sua identidade. Por exemplo, o trecho evangélico deste domingo (Mc 1, 21-28) narra um homem possuído pelo demônio, que de repente começa a gritar: «Que queres de nós, Jesus Nazareno? Vieste nos arruinar? Sei quem és: o santo de Deus!». E Jesus o intima: «Cala-te! Sai dele!». E rapidamente, nota o evangelista, o espírito maligno, com gritos agonizantes, sai daquele homem. Jesus não só expulsa os demônios das pessoas, libertando-as das piores escravidões, mas impede aos próprios demônios de revelarem sua identidade. E insiste sobre este «segredo» porque está em jogo o sucesso de sua missão, da qual depende nossa salvação. Sabe, de fato, que para libertar a humanidade do domínio do pecado, Ele deverá ser sacrificado sobre a cruz como verdadeiro cordeiro pascal. O diabo, por sua vez, busca dissuadir-lhe para derrotá-lo sob a lógica humana de um Messias poderoso e cheio de sucesso. A cruz de Cristo será a ruína do demônio, e é para isso que Jesus não deixa de ensinar aos seus discípulos que, para entrar na sua glória, Ele deve padecer muito, ser rejeitado, condenado e crucificado (cf. Lc 24, 26), pois o sofrimento faz parte de sua missão.

Jesus sofre e morre na cruz por amor. Desse modo, Ele deu sentido ao nosso sofrimento, um sentido que muitos homens e mulheres de todas as épocas entenderam e tornaram seu, experimentando serenidade profunda também no amargor de duras provas físicas e morais. E justamente «a força da vida no sofrimento» é o tema que os bispos italianos escolheram para a conhecida Mensagem por ocasião da atual Jornada pela Vida. Uno-me de coração às suas palavras, nas quais se vê o amor dos pastores pelo povo, e à coragem de anunciar a verdade, a coragem de dizer com clareza, por exemplo, que a eutanásia é uma falsa solução para o drama do sofrimento, uma solução indigna do homem. A verdadeira resposta não pode ser a da morte, por mais que seja «doce», e sim o testemunho do amor que ajuda a enfrentar a dor e a agonia de forma humana.

Tenhamos certeza de uma coisa: nenhuma lágrima, nem de quem sofre, nem de quem lhe está próximo, se perde diante de Deus.

A Virgem Maria guardou em seu coração de mãe o segredo de seu Filho; compartilhou com ele a hora dolorosa da paixão e da crucifixão, apoiada na esperança da ressurreição. A Ela confiamos as pessoas que estão em sofrimento e quem se esforça todos os dias por seu sustento, servindo a vida em todas as suas fases: genitores, agentes da saúde, sacerdotes, religiosos, pesquisadores, voluntários e muitos outros. Rezamos por todos eles.

[Tradução: José Caetano. Revisão: Aline Banchieri.

© Copyright 2009 – Libreria Editrice Vaticana]

Credo De Eusébio De Cesaréia

A seguir, o Credo que Eusébio de Cesaréia apresentou ao Concílio, que alguns supõem tenha sugerido o Credo adotado ao final. O texto é encontrado em carta à sua diocese (v.tb.: St. Atanásio e Teodoreto).
Outros, porém, observam que o Credo de Eusébio se posicionou de forma equívoca ou omissa quanto à definição do “consubstancial”, palavra de primordial importância no Concílio.

————————————-

    Cremos num só Deus, Pai Todo-Poderoso,
    Criador das coisas visíveis e invisíveis.
    E no Senhor Jesus Cristo, porque ele é a Palavra de Deus,
    Deus de Deus,
    Luz da Luz,
    Vida da Vida,
    seu único Filho,
    o primogênito de todas as criaturas,
    gerado do Pai antes de todo o tempo,
    por quem também tudo foi criado,
    que se encarnou para nossa redenção,
    que viveu e padeceu entre os homens,
    ressuscitou ao terceiro dia,
    retornou ao Pai,
    e virá de novo um dia em sua glória para julgar os vivos e os mortos.
    Cremos também no Espírito Santo.
    Cremos que cada um dos três existe e subsiste:
    o Pai verdadeiramente como Pai,
    o Filho verdadeiramente como Filho,
    o Espírito Santo verdadeiramente como Espírito Santo,
    como Nosso Senhor também disse quando mandou seus discípulos para pregar:
    “Ide e ensinai a todos os povos,
    e batizai-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.”

Autor: aa.vv.
Fonte: Veritatis Splendor
Tradução: José Fernandes Vidal

Credo De Nicéia

(Encontrado nas atas dos Concílios Ecumênicos de Éfeso e Calcedônia; na Carta de Eusébio de Cesaréia à sua própria igreja; na Carta de Santo Atanásio ao Imperador Joviniano; nas Histórias Eclesiásticas de Teodoreto e Sócrates e algum outro lugar. As variações no texto são absolutamente sem importância.)

————————————-

O Sínodo de Nicéia firmou este Credo:

    “Cremos em um só Deus, Pai Todo-Poderoso,
    criador de todas as coisas, visíveis e invisíveis.
    E em um só Senhor Jesus Cristo,
    o Filho de Deus,
    unigênito do Pai,
    da substância do Pai;
    Deus de Deus,
    Luz de Luz,
    Deus verdadeiro de Deus verdadeiro,
    gerado, não criado,
    consubstancial ao Pai;
    por quem foram criadas todas as coisas que estão no céu ou na terra.
    O qual por nós homens e para nossa salvação, desceu (do céu),
    se encarnou e se fez homem.
    Padeceu e ao terceiro dia ressuscitou e subiu ao céu.
    Ele virá novamente para julgar os vivos e os mortos.
    E (cremos) no Espírito Santo.
    E quem quer que diga que houve um tempo em que o Filho de Deus não existia,
    ou que antes que fosse gerado ele não existia,
    ou que ele foi criado daquilo que não existia,
    ou que ele é de uma substância ou essência diferente (do Pai),
    ou que ele é uma criatura,
    ou sujeito à mudança ou transformação,
    todos os que falem assim, são anatemizados pela Igreja Católica e Apostólica.”

Autor: aa.vv.
Fonte: Veritatis Splendor
Tradução: José Fernandes Vidal

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén