Tag: morte (Página 1 de 10)

Gaudí: O legado do “arquiteto de Deus” 90 anos após sua morte

Após 90 anos de sua morte, muitos acreditam que o principal legado de Antoni Gaudí é a sua obra magna: A Sagrada Família de Barcelona (Espanha). Entretanto, o chamado “arquiteto de Deus” deixou algo muito mais transcendente e que, às vezes, passa despercebido: seu grande testemunho de fé em Jesus Cristo, que o leva a caminho dos altares.

“Gaudí soube viver em unidade sua profissão, a arquitetura, e sua fé católica”, disse José Manuel Almuzara, arquiteto e presidente da Associação Pró-Beatificação de Antoni Gaudí, que impulsionou a causa de beatificação ante o Vaticano.

“Para um cristão consistente, as práticas religiosas, as práticas pessoais de piedade, não devem estar isoladas do resto de suas tarefas. E, Gaudí soube viver com e em Cristo, em unidade de vida, todos e cada um dos instantes de sua existência”, disse ao Grupo ACI.

Antoni Gaudí i Cornet (1852, Catalunha – 1926, Barcelona) foi o criador de uma nova arquitetura baseada em linhas curvas e experimentou estruturas e novas formas de uma maneira contínua. O mais alto representante do modernismo catalão poderia se tornar o primeiro santo arquiteto consagrado e famoso da história.

Há 24 anos, Almuzara e outras quatro pessoas decidiram fundar esta associação porque “estávamos convencidos da grandeza do arquiteto como gênio e homem de fé, através de nossa experiência pessoal descobrimos que Gaudí atrai, impacta e converte”.

Ele esclareceu que impulsionam a causa “não por sua arquitetura, mas por sua vida. Se fosse pelo que fez, muitos artistas poderiam ser santos, mas não, é porque por trás há uma vida de entrega, de sofrimento, de oração, de preocupação pelos outros, de obras de misericórdia”.

“Todo o seu esforço e generosidade foram dedicados a expressar, através das formas plásticas, o conteúdo vivo da fé católica, ressaltando a liturgia, o canto, a música, essa simbologia que nos faz descobrir ou ressaltar as virtudes, a ternura de Deus, de Maria, de José, a alegria dos anjos, o perdão, o serviço etc.”, disse Almuzara.

Isto se reflete no templo expiatório da Sagrada Família, ao qual Gaudí dedicou mais de quarenta anos de sua vida profissional e que constitui “um sinal visível do Deus invisível”.

Almuzara sublinhou que “a riqueza das formas plásticas e construtivas desta obra vai nos apontando para algo a mais do que aquilo que ali se expressa e nos ajuda também a descobrir que o que move o interior do artista criador se mostra na concretização material de sua obra, conforme a sentença evangélica “a boca fala daquilo que o coração está cheio”.

Sobre o processo de beatificação de Gaudí, Almuzara explicou que “foi realizada a positio super vita, virtutibus et fama sactitatis, um documento que recopila, entre outras coisas, a história da causa, declarações de testemunhos e informações sobre as virtudes exercidas de modo heroico pelo servo de Deus”.

O documento passará por estudo dos consultores históricos, teológicos e o congresso ordinário de cardeais e bispos da Congregação para as Causas dos Santos.

“Se seus pareceres são favoráveis sobre o exercício heroico das virtudes, o Prefeito de tal dicastério romano apresentará ao Santo Padre o respectivo decreto de heroicidade das virtudes para que autorize sua publicação. A partir desse momento, Antoni Gaudí poderá ser chamado ‘venerável’”, assinalou Almuzara.

Atualmente, pode-se pedir a intercessão de Gaudí através desta oração para a devoção privada, que consta de aprovação eclesiástica em conformidade com os decretos do Papa Urbano VIII:

Deus, Nosso Pai, que infundiste em teu servo Antoni Gaudí, arquiteto, um grande amor a tua Criação e um ardente desejo de imitar os mistérios da infância e da paixão de teu Filho; faça com que, pela graça do Espírito Santo, eu saiba também me entregar a um trabalho bem feito, e digna-te a glorificar teu servo Antoni, concedendo-me, por sua intercessão, o favor que te peço (pede-se a graça). Por Cristo, Senhor nosso. Amém.

Jesus, Maria e José, alcançai-nos a paz e protegei a família! (Três vezes)

7 erros sobre morte, inferno e demônio que não devemos cometer

REDAÇÃO CENTRAL, 28 Mai. 16 / 11:00 am (ACI).- Dada a complexidade da teologia católica sobre a natureza da morte, o inferno e o demônio, a lista a seguir, com base nas Sagradas Escrituras e no Magistério da Igreja, contém respostas para 7 erros recorrentes que os católicos devem evitar.

1. O demônio é um mero símbolo

Se isso fosse verdade, então Jesus deve ter se equivocado cada vez que falou do demônio em diferentes partes das Sagradas Escrituras. O diabo é real e anda ao redor, como leão que ruge procurando almas para devorar (1Pd 5,8). E, francamente, se é possível para um ser humano rejeitar Deus, por que é tão inconcebível que um anjo possa fazer o mesmo? Nessa existência, como na outra, os anjos e os seres humanos podem se alienar com Deus ou não (Dt 30,19).

2. Ao morrer, tornamo-nos anjos

Não, absolutamente não. O ser humano é diferente de um anjo e não pode se tornar um ser que não é.

O Catecismo da Igreja Católica assinala no parágrafo 328 que existem anjos. No parágrafo 330, afirma que são seres puramente espirituais com inteligência e vontade. Também indica que são servidores e mensageiros de Deus.

Ao contrário de anjos, os seres humanos têm um corpo. O Catecismo assinala, no parágrafo 366, que a alma espiritual do homem foi criada por Deus e “não morre quando, na morte, se separa do corpo; e que se unirá de novo ao corpo na ressurreição final”.

3. É fácil determinar quem irá para o inferno

A competência da Igreja está em determinar quem está no céu, entretanto, ninguém sabe quem se encontra no inferno. Aqueles que morrem em estado de pecado mortal tem muito poucas opções disponíveis, no entanto, esta não é uma razão pela qual devemos ser ultrajantes ou triunfalistas em relação a eles. Pelo contrário, é importante orar por todos os pecadores, até mesmo os nossos piores inimigos para que se arrependam e voltem (Sab 1,13-15). Perdoem e serão perdoados (Mt 6,14, Lc 6,37). O juízo só pertence a Deus e a ninguém mais. Simplesmente não podemos conhecer o interior de outra alma e a verdadeira natureza de seu relacionamento com Deus.

4. Todos vão para o céu

O inferno existe e Jesus assegura várias vezes ao longo dos Evangelhos (Mt 7,13-14, Mt 8,12, Mc 9,43, Mt 13,41-42, 49-50, 48-49, Mt 22,13, Mt 25,46, Lc 12, 5, Jo 3,18). João também dedica uma longa passagem em Apocalipse (Ap 14,19-11; 19,3). Se todos vão para o céu, isso significa que Jesus estava errado ou era ignorante, o que é inaceitável.

5. Quem morre em estado de graça vai direto para o céu

Deixemos nas mãos de Deus, que tudo pode. É possível que alguns duvidem do Purgatório, mas as Sagradas Escrituras são muito claras acerca disso (2Mac 12,39-46, Mt 5,24-25., Hab 1,13, 1Co 3,11-15, Ap 21,27). O Purgatório existe como parte da economia salvífica. Além da Virgem Maria, há alguém entre nós puro o suficiente para estar diante de Deus? (Rom 3,10, 14,4, Dt 7,24, Js 23,9: 1Sam 6,20 Esd 10,13, Pr 27,4, Sl 76,7, 130,3, Na 1,6). Até mesmo os santos têm pecados que precisam ser expiados e o Purgatório é parte da infinita misericórdia de Deus, porque Ele não quer que qualquer um de nós morra, mas viva e se arrependa (2Pd 3,9).

6. As coisas ruins só acontecem com pessoas más

Cristo nos assegura pessoalmente que isso não faz sentido (Lc 13,1-5). Aos que chegaram com a notícia dos galileus que foram assassinados por Pilatos quando ofereciam sacrifícios a Deus, Ele respondeu: “Pensais vós que estes galileus foram maiores pecadores do que todos os outros galileus, por terem sido tratados desse modo? Não, digo-vos. Mas se não vos arrependerdes, perecereis todos do mesmo modo”.

Jesus também nos recorda que as melhores pessoas sofrem muito, no entanto, dá-nos ânimo ante as tribulações (Jo 16,33). Ele mesmo sofreu uma morte ignóbil depois de ser torturado. Sua Mãe, Maria, mulher concebida sem pecado, teve provações ao longo de sua vida que lhe causaram grande dor. Por que o resto de nós, pecadores, seremos poupados do sofrimento que Paulo nos diz em Colossenses 1,24?”. “Agora me alegro nos sofrimentos suportados por vós. O que falta às tribulações de Cristo, completo na minha carne, por seu corpo que é a Igreja”.

7. Podemos escolher que regras queremos obedecer

Temos o direito de questionar tudo, mas devemos aceitar o ensinamento da Igreja por completo. Se não, colocamo-nos acima da Igreja e da vontade de Deus. Jesus estabeleceu a Igreja, São Pedro como seu Vigário na terra e seus sucessores. Quem somos nós para acreditar que Deus se equivocou em suas decisões? (Jó 15,8) Como se pode contar com incrível autoridade para julgar a lei de Deus?

BÔNUS: O Concílio Vaticano II pode se desfazer ou ser ignorado

Impossível. Os 21 concílios ecumênico no transcorrer de 1700 anos são importantes, irrevogáveis e irrefutáveis porque o Espírito Santo dirigiu todos eles. Cabe assinalar que a doutrina pode ter gerado divergências, mas isso significa menos do que nada. Do mesmo modo que um católico não pode escolher quais as regras deseja seguir, também não estão autorizados a escolher o seu concílio favorito e excluir os demais.

Originalmente publicado em National Catholic Register (https://www.ncregister.com/).

O direito de tripudiar a Fé

(ou como se pretende fazer da Igreja e da fé gato e sapato…)

Ultimamente temos assistido, nós pobres ignorantes tapados que temos o dom da fé, a um verdadeiro festival de afrontas, agressões, ridicularizações, ataques, paródias grotescas, enfim, um conjunto de ações que visam a depreciação da fé, apresentada como fanatismo, coisa de gente ignorante…

A Igreja de Cristo transformou-se no vaso de escarro chinês daqueles que se julgam no direito de afrontar, com ares de superioridade, o fanatismo religioso católico, destinado a desaparecer da sociedade civilizada e libertária de um futuro já não tão distante. Finalmente, aproximam-se os tempos da verdadeira liberdade, já que está por pouco a influência do catolicismo em nossa terras…

Este é, infelizmente, o pensamento de muitos e muitas que outorgam a si mesmos o título de “defensores das liberdades e das minorias”. Gente que vomita chavões, slogans, palavras de ordem em defesa de direitos em grande parte absolutamente discutíveis e de escassa consistência. Paródias como a que foi apresentada por uma banda de rock satânico, no último “Rock in Rio”, que se utiliza de símbolos católicos invertidos, exatamente para demonstrar a quem seguem e a que princípio servem, encontram espaço de forma absolutamente natural nestas expressões consideradas de fundo cultural. Hoje, a moda é ser contra o catolicismo. Pior ainda, usa-se até mesmo as palavras, gestos, declarações, entrevistas, quem sabe até adivinham-se intenções e pensamentos, do Papa Francisco, mostrando-o como exemplo de aceitação pura e simples da diversidade e do pluralismo, sem os filtros de uma visão moral já ultrapassada, em vias de extinção. Homens e mulheres da Igreja, alguns sobejamente conhecidos por suas posturas dúbias, que encontraram nas instâncias superiores, limites fundados na grande Disciplina da Igreja para serem mantidos em terrenos aceitáveis da autentica fé católica, hoje sentem-se libertados de qualquer tipo de rédeas e de controles. Há quem até se sinta “compreendido”pelo Papa, e em constante diálogo com o mesmo através da esposa de um bispo afastado do Ministério…

Há alguns meses, escrevia eu, ingenuamente, que “tempos difíceis estavam se aproximando” para a Igreja e para os católicos. Não serão simplesmente difíceis… Serão mesmo terríveis. Tempos não só de testemunho sofrido, mas tempos de martírio, de perseguição, de incompreensão, de oposição virulenta, fundada no princípio de uma liberdade que conduz à pior escravidão: a escravidão daquele que, sendo escravo, pensa ser livre.

Um bispo deve ser anunciador da esperança. Declaro através desta mensagem, prometer seguir adiante na proclamação da Mensagem cristã, fundada antes de tudo, no Mistério Redentor da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor Jesus Cristo, único Salvador da humanidade, Mistério este ensinado dentro da Tradição Sagrada, nos séculos pela Santa Igreja, Una, Santa e Católica, fundada na rocha que é o Apóstolo Pedro.

Há uma única arma, a meu ver, de autêntica e poderosa eficácia neste combate: a oração. No início de seu pontificado, o grande Bento XVI propunha-se a escrever e falar menos, e a rezar mais… Quem sabe, dentro do quadro necessário do testemunho que exige também a palavra, principalmente nós, homens do Ministério Sagrado, falemos menos e rezemos mais… Certamente ajudaremos muito mais a Igreja neste combate contra as forças infernais que, mais do que nunca, mostram suas cortantes garras.

Fonte: Encontro com o Bispo

Testemunho de um sacerdote condenado à morte pelo regime comunista fez o Papa chorar

PapaCura_CTV_emocion

TIRANA, 21 Set. 14 / 06:55 pm (ACI/EWTN Noticias).- Entre lágrimas, o Papa Francisco estreitou em um forte abraço ao sacerdote Ernest Simoni, de 84 anos, um dos últimos sobreviventes da terrível perseguição comunista na Albânia, quem foi encarcerado em condições desumanas e se livrou da pena de morte que sofreria devido à sua fidelidade à Igreja e ao Sucessor de Pedro.

Durante sua visita a Tirana, o Papa Francisco teve um encontro na Catedral de São Paulo com os sacerdotes, religiosos, religiosas, seminaristas e movimentos leigos da Albânia, onde escutou com atenção o testemunho do Padre Simoni.

O presbítero relatou que em dezembro de 1944 começou na Albânia um regime comunista ateu que buscou eliminar a fé e o clero com “prisões, torturas e assassinatos de sacerdotes e leigos durante sete anos seguidos, derramando o sangue dos fiéis alguns dos quais antes de ser fuzilados gritavam: ‘Viva Cristo Rei!’”.

Em 1952, as autoridades comunistas reuniram os sacerdotes que sobreviveram ao regime e ofereceram a liberdade em troca de distanciar-se do Papa e o Vaticano, proposta que estes jamais aceitaram. Assim, o Pe. Simoni relatou que antes de ser ordenado sacerdote estudou com os franciscanos por 10 anos desde 1938 até 1948, e quando seus superiores foram fuzilados pelos comunistas seguiu seus estudos clandestinamente.

“Dois anos terríveis se passaram e no dia 7 de abril de 1956 fui ordenado sacerdote, um dia depois da Páscoa e na Festa da Divina Misericórdia celebrei minha Primeira Missa”.

Em 24 de dezembro de 1963 ao concluir a Missa de Vésperas de Natal, quatro oficiais apresentaram o decreto de prisão e fuzilamento, e o padre foi algemado e detido. No interrogatório lhe disseram que seria enforcado como um inimigo porque disse ao povo “que morreremos todos por Cristo se for necessário”.

As torturas o deixaram em muito mal estado. “O Senhor quis que continuasse vivendo”. Entre os cargos que lhe imputaram figurava celebrar uma Missa pela alma do Presidente John F. Kennedy assassinado um mês antes de sua prisão, e por ter celebrado missa, por indicação do Papa Paulo VI, por todos os sacerdotes do mundo.

“A Divina Providência quis que minha condenação à morte não fosse realizada imediatamente. Na sala trouxeram um outro prisioneiro, um querido amigo meu, com o propósito de me espiar, e começou a falar mal do partido”, recordou.

“Eu de todos os modos respondia que Cristo tinha nos ensinado a amar os inimigos e a perdoá-los e que nós devíamos nos empenhar no bem do povo. Essas minhas palavras chegaram aos ouvidos do ditador que após alguns dias livrou-me da pena de morte”, explicou o P. Simone.

Os comunistas trocaram sua sentença de morte por uma pena de 28 anos de trabalhos forçados. “Trabalhei nos canais de esgotos e durante o período da prisão celebrei a Missa, confessei e distribuiu a comunhão às escondidas”, relatou.

O sacerdote foi liberado quando caiu o regime comunista e começou a liberdade religiosa. “O Senhor me ajudou a servir tantos povos e a reconciliar a muitas pessoas afastando o ódio e o diabo dos corações dos homens”, assegurou.

“Santidade, seguro de poder expressar a intenção dos presentes eu peço que pela intercessão da Santíssima Mãe de Cristo, o Senhor lhe dê vida, saúde e força na guia do grande rebanho que é a Igreja de Cristo, Amém”, concluiu o sacerdote antes de dar ao Papa um abraço que comoveu o Pontífice às lágrimas.

Até que a morte nos separe

história de Don e Maxine Simpson: casados havia 62 anos, faleceram de mãos dadas

Maxine e Don Simpson são verdadeiramente um exemplo de amoreterno. Aquela promessa feita em cada casamento foi para o casal californiano uma realidade vivida durante 62 anos. “Até que a morte nos separe”, e foi exatamente assim: eles morreram de mãos dadas. Como foram na vida, da mesma forma foram no leito de morte: inseparáveis. Ela tinha câncer, e ele tinha fraturado o quadril. Don tinha consciência de que a mulher morreria. Foram juntos, como gostariam, e de mãos dadas, com a distância de poucas horas um do outro (Caffeina Magazine, 4 de agosto).

Tudo começou na metade do último mês de julho, quando Don Simpscon, ex-engenheiro civil, natural do Norte de Dakota, quebrou o quadril caindo em casa. Os dias passavam, mas ao invés de melhorar, sua saúde só piorou. Ao mesmo tempo as condições da mulher, Maxine, complicaram-se devido ao câncer.

família decidiu colocá-los juntos em recuperação, mas não em um triste e asséptico quarto de hospital, e sim em um quarto de um parente. “Suas camas estavam uma ao lado da outra”, explicou a neta Melissa Sloan. “Em um certo momento minha avó acordou e viu que ao seu lado estava meu avô. Pegou na sua mão e deu o último suspiro”.

Após a retirada do corpo de Maxine, a neta entrou para ver como estava o avô, foi quando percebeu que também ele havia parado de respirar. Naquele momento faziam apenas quatro horas que a avó tinha falecido.

Don Simpson tinha conhecido Maxine em um boliche quando estava por um tempo em Bakersfield (Califórnia), onde o casal depois viveu toda a vida. Após o casamento, que aconteceu em 1952, adotaram dois filhos. “Faziam sempre tudo juntos”, disseram entre lágrimas os parentes. “Nunca se separaram e nem mesmo a morte os separou. Foi realmente uma grande história de amor” (Lettera43, 4 de agosto).

https://www.youtube.com/watch?v=5mSjG7Fqawo

Após diagnóstico de morte clínica, uma mãe sobrevive e escreve à sua filha: a vida é um presente de Deus

Bebe_AutorSaraMusico_CC-BY-NC-SA-2.0

PHOENIX, 14 Jul. 14 / 12:44 pm (ACI/EWTN Noticias).- Melanie Pritchard, uma mulher norte-americana que havia sido dada como morta, mas sobreviveu durante o parto de sua filha Gabriella, há quatro anos, escreveu uma carta a sua filha para que lesse quando fosse mais velha, na qual recorda que “a vidaé um presente; não é algo que nos devem”.

Em um texto publicado no site LifeSiteNews, Melanie, que é fundadora do programa de formação para meninas católicas Vera Bella, recordou que teve uma “morte súbita por uma embolia de líquido amniótico”.

Previamente, Melanie escolheu para dar à luz um hospital com um médico ginecologista obstetra pró-vida “que eu sabia que valorizava a vida em todas as etapas”, pois sabia que “nem todos os hospitais e seus médicos veem o nascituro igualmente humano e valioso como suas mães”.

Três dias depois do parto, a mãe de Gabriella acordou na UTI de outro hospital, ainda lutando por sua vida, com o apoio de seu marido, Doug.

Quatro anos depois, na carta escrita para sua filha, Melanie lhe relatou que “morri durante o seu nascimento e depois da maior luta pela minha vida, Deus, trabalhando através das mãos dos médicos, salvou a minha vida”.

“Voltar da morte me fez ver que é necessário estar sempre certa de que nunca deixou de dizer nada àqueles que ama. Você é muito nova para que eu te diga todas as coisas que eu quero que conheça sobre a vida, por isso estou escrevendo esta carta para que tenha as minhas palavras impressas no papel para que sempre possa lê-las ”.

Melanie continuou dizendo a sua pequena que “dois dias depois do seu nascimento eu ainda não tinha te conhecido e a lembrança disso ainda é confusa. Não ter clareza sobre este momento me ensinou a nunca dar por certo cada momento que tenho com as pessoas que amo, pois poderia ser o último. Atesouro cada momento que tenho contigo”.

“Quando você sorri, ilumina o quarto. Nunca perca essa alegria infantil”, pediu a Gabriella.

Melanie assegurou a sua filha que “papai e eu faremos o melhor que possamos para criar você, para que seja santa e busque o céu, e te mostraremos a beleza que Deus criou para você, mas ao final, você deve aceitar essa proposta”.

“Você poderá ter a tentação de vestir-se, falar e agir como os outros, mas Deus te fez diferente de todos por algum motivo. Você deve saber quando liderar e quando seguir. Saber quando falar e quando calar. Buscar a liberdade do bem sobre os limites do mal”.

“Recorda”, continuou Melanie em sua carta para Gabriella, “Cristo morreu numa cruz por você, para te libertar. Agarre-se a Ele, seu Salvador, em tempos de sofrimento e luta, e quando sofrer, não deixe que se desperdice. Ofereça-o como uma oração por aqueles que o necessitam. Abraça o sofrimento como Cristo o fez”.

“Pode ser que você perca pessoas na vida, quase me perde no seu nascimento. Confia sempre no plano de Deus inclusive quando não está de acordo. Convida Jesus nos tempos difíceis e permita que Ele lhe mostre a sua presença”.

Melanie recordou a sua pequena que “a vida é curta e papai e eu não estaremos sempre perto, mas se Deus for o centro de sua vida, Ele será suficiente para ti… suficiente para satisfazer cada desejo do seu coração”.

“E se há algo que devo destacar mais que tudo, reza. A oração é poderosa e salvou nossas vidas durante o seu nascimento. Faça de cada dia uma conversa com Deus”.

Para concluir a sua carta, Melanie disse a Gabriella que “você pode pensar que fazer todas as coisas que disse aqui é impossível, mas só te peço que tente, peça a Deus que te ajude e procure ser a mulher que Deus criou para ser. Você merece o melhor que a vida possa te oferecer, minha filha linda!”.

Preferir a morte para entrar na vida

Na batalha diária para fazer a vontade de Deus, os cristãos são chamados a imitar o testemunho dos mártires e trilhar o caminho do Céu

Preferir a morte para entrar na vida

Uma sentença do século III, de Orígenes, diz que “diante de uma tentação, um cristão sai mártir ou idólatra”.

Todos os dias os homens são confrontados pela tentação demoníaca que oferece um caminho mais fácil, mais prazeroso. E não é diferente com os seguidores de Jesus: é-lhes comumente apresentada a sedutora proposta de abandonar a Deus e o caminho da Cruz, de adorar a criatura no lugar do Criador, de procurar a felicidade onde ela não se encontra: no dinheiro, na bebida, no sexo, na fama e em tantas outras coisas. Por outro lado, rejeitar essas criaturas que se arrogam o direito de tomar o lugar de Deus implica numa espécie de morte, de martírio.

Para fortalecer a coragem cristã, poucas coisas são tão importantes quanto a leitura e a meditação assídua do Evangelho e da vida dos santos. “A santidade na Igreja representa uma hermenêutica da Escritura da qual ninguém pode prescindir”, indicava o Papa Bento XVI. “O Espírito Santo que inspirou os autores sagrados é o mesmo que anima os Santos a darem a vida pelo Evangelho. Entrar na sua escola constitui um caminho seguro para efetuar uma hermenêutica viva e eficaz da Palavra de Deus”01.

Pode acontecer que as pessoas, ao se debruçar sobre a riqueza misteriosa das Escrituras, imaginem a santidade como algo muito distante, seja no tempo, seja na própria dimensão das possibilidades de vida humana. Ao ler a vida dos santos, no entanto, o cristão depara-se com o Verbo que novamente se encarna na história. A santidade deixa de ser uma realidade “do século I”, grafada em letras arcaicas ou “mortas”: é uma verdade palpável, que toca também os homens dos nossos dias. É especialmente no esbarrar-se com aqueles que viveram verdadeiramente a Palavra de Deus que o ser humano se encontra com a “Beleza tão antiga e tão nova” da qual fala Santo Agostinho em suas Confissões.

A mensagem de Cristo nunca é velha, atrasada ou “inadequada” para os tempos modernos, como muitas leituras anticlericais sugerem; ao contrário, ela se rejuvenesce a cada testemunho vigoroso de amor, a cada mártir que se recusa a trair sua fé.

Neste contexto, um relato forte retirado da Bíblia, embora aborde uma perseguição ocorrida aos judeus, ajuda os cristãos a inflamar em si mesmos o espírito de fortaleza e de coragem. O trecho em questão narra o destemor de uma mãe e de seus sete filhos, todos mortos pelo rei Antíoco IV Epifânio, durante uma perseguição violenta ocorrida em Jerusalém, no século II a. C.

O Segundo Livro dos Macabeus afirma que os infantes “foram um dia presos com sua mãe” e instados a comer carne de porco, “por meio de golpes de azorrague e de nervos de boi” (7, 1). Um azorrague era uma espécie de açoite feito com tiras de couro e que possuía, em cada ponta, um instrumento cortante ou pedaços de articulações de carneiro. O espírito daquela família, no entanto, era resoluto. Nenhum dos terríveis golpes de azorrague diminuiu-lhes o fervor em cumprir a vontade de Deus: “Estamos prontos a morrer, antes de violar as leis de nossos pais”(v. 2), disse um deles, sem medo.

As torturas se seguiam, como em um conto de terror. “O rei (…) ordenou que aquecessem até a brasa assadeiras e caldeirões (…) [e] que cortassem a língua do que falara por todos e, depois, que lhe arrancassem a pele da cabeça e lhe cortassem também as extremidades, tudo isso à vista de seus irmãos e de sua mãe” (v. 3-4).

O que fizeram, então, aqueles rapazes, vendo seu irmão ser cruelmente torturado até o suplício? Não renunciavam a seu propósito, nem titubeavam, mas “exortavam-se mutuamente a morrer com coragem” (v. 6). Animados pela esperança na ressurreição dos mortos, eles entregavam bravamente sua vida a Deus, um por um.

Chegando o momento de infligir a morte ao filho mais novo, Antíoco recuou, por um instante. Ele insistia com ele, “prometendo-lhe com juramente torná-lo rico e feliz, se abandonasse as tradições de seus antepassados, tratá-lo como amigo e confiar-lhe cargos” (v. 24). Mas, nem assim o jovem cedia. Então, o rei tentou conversar com sua mãe. Narra o autor sagrado que ele “mandou que a mãe se aproximasse e o exortasse (…) para que o adolescente salvasse sua vida” (v. 25).

E o que fez aquela mulher, que tinha visto os outros seis filhos serem torturados e mortos diante de si? O que fez aquela mãe, cuja alma se encontrava dilacerada, à semelhança de Nossa Senhora, no Calvário? A Escritura diz que “ela consentiu em persuadir o filho” (v. 26), mas que, em seguida, exortou-lhe, falando na língua materna: “Meu filho, (…) não temas (…) este algoz, mas sê digno de teus irmãos e aceita a morte, para que no dia da misericórdia eu te encontre no meio deles” (v. 27.29).

Esta santa mulher, mesmo acabrunhada pela dor de perder todos os seus filhos, estava consciente de que havia algo muito pior que a morte do corpo: a perdição da alma. “Seguindo as pegadas de todos os seus filhos, a mãe pereceu por último” (v. 41). Naquele dia, uma família inteira entregava-se em sacrifício a Deus. Eles preferiram morrer a violar as leis de seus pais, a abandonar as tradições de seus antepassados.

Olhando para a história da Igreja, não é difícil encontrar dramas muito parecidos com este contado pelo Espírito Santo. De São Pedro a São Maximiliano Kolbe, de São Josafá aos mártires deste tempo, inúmeros são os exemplos de homens e mulheres que ofereceram a sua vida em holocausto, preferindo a morte a ofender a Deus. No dia a dia, todos os cristãos são chamados a testemunhar a mesma coragem destes grandes servos da fé, senão pelo sangue, pelo sacrifício quotidiano e pela prática da penitência. Este é o único caminho possível para o Céu. O outro é a idolatria – que, por sua vez, conduz à morte eterna.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

  1. Verbum Domini, Exortação Apostólica Pós-Sinodal, Papa Bento XVI, 30 de setembro de 2010

Página 1 de 10

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén