Tag: Bíblia (Página 1 de 13)

Decifram o texto bíblico mais antigo desde o achado dos manuscritos do Mar Morto

ROMA, 22 Jul. 15 / 08:19 pm (ACI).- Um grupo de arqueólogos israelenses e americanos conseguiram decifrar um pergaminho de aproximadamente 1.500 anos de antiguidade que estava queimado. O manuscrito, encontrado há 45 anos em uma sinagoga, data do Século VI e é o mais antigo já descoberto até hoje. Sendo assim, está é a descoberta mais importante depois do achado dos manuscritos do Mar Morto encontrados em 1947.

A investigação, divulgada através do diário oficial do Vaticano, L’Osservatore Romano, permitiu decifrar o manuscrito que tinha sido enrolado e queimado. Nele podemos ler fragmentos em hebreu do livro do Levítico que fazem referência a sacrifícios rituais.

A Autoridade de Antiguidades de Israel (AAI) foi encarregada de desenvolver os trabalhos, que consistiram em provas de carbono 14 (uma das mais utilizadas para averiguar a data de algum objeto ou obra de arte) e uma intensa investigação de um grupo de arqueólogos americanos e israelenses. O texto foi obtido com ajuda de tecnologia 3D de um fragmento de sete centímetros do pergaminho queimado.

O pergaminho foi descoberto em 1970 por Sefi Porath, quando dirigia as escavações arqueológicas na sinagoga de Ein Gedi, cerca de 40 quilômetros ao sul das cavernas de Qumran (Israel), onde foram achados os manuscritos do Mar Morto.

Conforme declarou Porath à imprensa, a descoberta é “muito emocionante” e além disso trata-se do único pergaminho da Torá (livro sagrado judeu equivalente ao Antigo Testamento dos cristãos) encontrado em uma sinagoga no interior de uma arca sagrada.

Por sua parte, Pnina Shor, curadora da Autoridade de Antiguidades de Israel, assinalou durante uma coletiva de imprensa, na qual exibiu-se o pergaminho, que este é “uma grande descoberta”.

“Após os manuscritos do Mar Morto, esta foi a mais significativa descoberta de uma Bíblia antiga”, disse.

O Papa Francisco disse que o inferno não existe?

Por H. Walker – Ecclesia Militans

Você já ouviu dizer que o Papa Francisco planeja convocar um Terceiro Concílio do Vaticano? Ou que tenha descoberto versículos bíblicos previamente desconhecidos? Ou ainda que encara a história de Adão e Eva como apenas uma fábula? Se usa a internet ao menos esporadicamente, provavelmente sim. O problema é que nada disso é verdade.

Ainda assim, isso não impede que essas outras histórias ricocheteiam pela Internet e, em alguns casos, em fontes de notícias tradicionais. Entre as dezenas de outras histórias falsas, a mais recente propaga que o papa tenha chamado o inferno de ‘um artifício literário’ e ainda, que ele acredita que todas as religiões sejam igualmente verdadeiras.

“A igreja não acredita mais em um inferno literal, onde as pessoas permaneçam sonolentas,” Francisco teria dito em um artigo publicado no site da Chronicle Diversity, cujo criador, Erik Thorson, diz ter criado o blog “para minha própria diversão pessoal.” O texto continua, “Esta doutrina é incompatível com o amor infinito de Deus. Deus não é um juiz, mas um amigo e um amante da humanidade. Deus procura não só para condenar, mas para abraçar.”

A maré de histórias papais falsificadas subiu tão rápidamente nos últimos meses que o Conselho Pontifício para a Cultura emitiu um aviso severo em sua página de Facebook, afirmando que dezenas de fontes desconhecidas na mídia social “tentam colocar informações falsas em circulação, aproveitando-se da facilidade de “jogar a pedra e esconder a mão.”

O conselho do conselho: “Verifique as fontes oficiais de mídia do Vaticano para a confirmação das declarações  do Papa Francis.” Observações devem ser consideradas falsas se Eles não aparecem no feed do Twitter do papa, no Serviço de Informações do Vaticano, no escritório de Imprensa da Santa Sé, no site do Vaticano, na Rádio Vaticano, no jornal L’Osservatore Romano ou em outra fonte de informação oficial, disse que o conselho.

“Se as declarações atribuídas ao papa, por qualquer agência de mídia, não aparecerem na mídia oficial das fontes do Vaticano, isso significa que relatam uma informação não verdadeira”, disse o texto escrito em maísculas como que para enfatizar a importância da recomendação.

O padre jesuíta Thomas Reese, um analista sênior do National Catholic Reporter, disse que apenas alguns comentários falsos valem a pena se preocupar com.

“Existem basicamente três tipos de comentários imprecisos”, disse Reese. “Há os brincalhões, e há pessoas que simplesmente cometem erros, porque eles não compreendem bem as questões a serem discutidas. É difícil perder o sono sobre essas coisas. “Mas depois há pessoas que querem torcer ponto de vista do papa para promoverem uma nova agenda particular, e sim isso é muito problemático e repreensível”.

Falsas declarações papais remontam aos primeiros dias da igreja. Mas com a explosão das mídias sociais e blogs auto-publicados, elas têm se tornado muito mais freqüentes nos últimos anos – e especialmente nos últimos meses. E a igreja não pode mais evitar as histórias ou ignorá-los na esperança de que desaparecerão.

“O que estamos vendo é um cruzamento entre a crescente prevalência e influência dos meios de comunicação social, bem como a popularidade do papa Francis, como”, disse Michele M. Ippolito, um especialista em Vaticano que dirige o site de notícias PapalePapale Vaticano.

“Deve ser tentador para articulistas escreverem seus comentários porque gostam imagem do papa, mas ao mesmo tempo são menos encantado com algumas das coisas que ele diz”, disse Ippolito. “É como se eles gostassem do cantor, mas não a música. E esta (escrever notícias falsas) é uma maneira de aparecerem para mudar a música.”

Há pouco que possa ser feito para enfrentar o problema. Ippolito disse que o Vaticano poderia tomar medidas para tornar mais fácil e mais rápido para as pessoas verificarem a veracidade da declarações papais . Mas mesmo que o fizessem, disse ele, seria impossível acompanhar a velocidade dos meios de comunicação social.

“No momento em se nota uma declaração falsa, ela já pode ter assumido uma vida própria”, disse ele.

Ateus nos EUA atacam diretor de escola por compartilhar passagens bíblicas com estudantes

Biblia_ChrisYarzabCC-BY-2.0_Flickr_230315

DALLAS, 24 Mar. 15 / 03:44 pm (ACI).- O grupo ateu Fundação da Libertação da Religião (FFRF, por suas siglas em inglês) atacou um diretor de escola em White Oaks, Texas (Estados Unidos), por usar passagens bíblicas nas mensagens matutinas que dirige a seus estudantes.

A FFRF soube do caso após a divulgação de um blog de áudios gravados por estudantes da escola secundária de White Oaks.

Conforme informou o superintendente das escolas públicas de White Oaks, Michael Gilbert, um representante da FFRF e dois pais da zona entraram em contato com ele, para denunciar que o diretor da escola secundária, Dan Noll, citava versículos da Bíblia durante os pronunciamentos da manhã.

Em uma carta enviada a Gilbert a inícios de março, Sam Grover, advogado da FFRF, assegurou que a prática do diretor Noll “é de caráter inconstitucional e não pode continuar”.

Grover exigiu também que o diretor Noll se desculpe e explique aos seus alunos “por que está errado que a escola respalde o cristianismo assim como qualquer religião ou não religião”.

Por sua parte, o superintendente Gilbert defendeu o diretor de escola e considerou o caso como “uma tentativa de levar-nos a um concurso de palavras com o único propósito de dar à FFRF uma grande quantidade de imprensa/reconhecimento grátis, que eles e seus pouquíssimos membros (1200 no Texas) não merecem”.

Em uma publicação em seu blog no dia 10 de março, a autoridade educativa criticou que a FFRF “e outros grupos como esse querem que ofereçamos aos estudantes citações ruins que possam usar para promover a sua agenda”.

“Podemos e faremos ajustes necessários para assegurar que nossos estudantes experimentem uma educação moralmente sã, baseada em um caráter positivo”, disse.

Gilbert assinalou que “(em minha opinião) não violamos os direitos de ninguém e/ou submetemos ninguém a um estresse indevido. Estudos bíblicos e das escrituras estão permitidos nas escolas. O requisito é que o material seja apresentado de uma forma neutra. A minha posição é que cumprimos esse padrão com os pronunciamentos matutinos”.

“Minha resposta recomendada para a FFRF é ‘lamento que se sinta assim. Estarei rezando por ti e pela sua equipe de trabalho diariamente’”.

Ao final de sua mensagem, o superintendente escolar alentou os seus leitores a “não desperdiçarem o seu tempo e esforços nestes poucos caluniadores”.

Apesar de seu firme rechaço inicial, informações recentes asseguram que devido à pressão do grupo ateu, o superintendente Gilbert teria anunciado que a partir de agora a mensagem matutina do diretor Noll “não incluirá capítulos e versículos da Bíblia”.

“Que a Bíblia seja lida em Família!”, pede o Papa durante o Ângelus no domingo de abertura do Sínodo

VATICANO, 05 Out. 14 / 01:59 pm (ACI/EWTN Noticias).- Ao concluir a Missacom a qual inaugurou o Sínodo da Família no Vaticano, o Papa Francisco pediu aos fiéis que a Bíblia não só seja mantida em cada lar, mas que seja lida diariamente.

Enquanto na Praça de São Pedro os Irmãos Paulinos distribuíam gratuitamente milhares de Bíblias para celebrar o centenário de seu fundador, o Beato Giacomo Alberione, o Pontífice destacou que “para que a família possa caminhar bem, com confiança e esperança, é necessário que seja nutrida pela Palavra de Deus. Por isso é uma feliz coincidência que precisamente hoje nossos irmãos Paulinos tenham querido realizar uma grande distribuição da Bíblia, aqui na Praça e em tantos outros lugares”.

“Então hoje, enquanto se abre o Sínodo para a Família, com a ajuda dos Paulinos podemos dizer: uma Bíblia em cada família! Uma Bíblia em cada família!”

“A Bíblia –seguiu o Pontífice- não é para ser colocada em um suporte, mas para estar à mão, para lê-la frequentemente, cada dia, seja individualmente ou juntos, marido e mulher, pais e filhos, talvez de noite, especialmente no domingo”.

O Papa Francisco inaugurou este domingo a Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos sobre o tema “Os desafios pastorais da família no contexto da evangelização”.

Ao concluir o Ângelus, o Santo Padre convidou “a todos a apoiar os trabalhos do Sínodo com a oração, invocando a Mãe, a materna intercessão da Virgem Maria”.

Ex-pastor protestante diz: “A Bíblia leva-nos a Roma”

Ao deixar-se conduzir pela Igreja, santos de todos os séculos puderam descobrir suas vocações na prática da leitura orante das Sagradas Escrituras

A prática da Lectio Divina é uma das devoções mais presentes na vida dos santos. Por meio da meditação das Sagradas Escrituras, eles foram capazes de encontrar a face de Jesus, que se revela a cada versículo lido. É por isso que, querando esmiuçar o valor dos Textos Sacros, São Jerônimo dizia a seus fiéis: “A ignorância das Escrituras é ignorância de Cristo” [1]. Quem se põe a escutar a Palavra, escuta, pois, a própria voz de Deus; faz como reza o salmista: “É tua face, Senhor, que eu procuro” (cf. Sl 27, 8-9).

Diferentemente do que acusam os protestantes, a Igreja sempre incentivou a leitura das páginas sagradas. Ao mesmo tempo, os santos padres nunca deixaram de insistir numa leitura dentro da «t radição viva de toda a Igreja». Essa preocupação se deve ao fato de que também a Bíblia, quando mal interpretada, pode conduzir o homem ao erro. Que foram as tentações de Cristo no deserto senão “tentações bíblicas”? Desafiou Satanás: “Se és o Filho de Deus, lança-te abaixo, pois está escrito: ‘Ele deu a seus anjos ordens a teu respeito; eles te protegerão com as mãos’” (cf. Sl 90, 11). Quando se perde a dimensão eclesiológica das Sagradas Escrituras, perde-se, por conseguinte, o próprio sentido das Escrituras, pois não seria possível crer em suas palavras se a isso não nos levasse a autoridade da Igreja [2].

Assim se justifica a luta do Magistério contra a doutrina luterana da Sola Scriptura (Somente a Escritura). Trata-se de uma defesa do sentido autêntico da Bíblia, de uma defesa contra reducionismos baratos, manipulações desonestas, fundamentalismos agressivos, que, no mais das vezes, levam grande parte dos cristãos à perda da fé, como também muitos céticos e pagãos a recusarem os ensinamentos evangélicos. Por outro lado, a prática da Lectio Divina, isto é, a leitura das Sagradas Escrituras realizada sob a luz da Tradição, longe de induzir os fiéis a falsas devoções, abre-lhes um caminho seguro para o encontro com Cristo. Isso porque, como definiam os Padres, “a Sagrada Escritura está escrita no coração da Igreja, mais do que em instrumentos materiais” — «Sacra Scriptura principalius est in corde Ecclesiae quam in materialibus instrumentis scripta». A religião cristã não é a religião do livro mas da Palavra, que é Jesus. Essa Palavra, por sua vez, confiou seu depositum fidei, quer por meio do testemunho oral, quer por meio do testemunho escrito, à tutela de sua Igreja.

Santos de todos os séculos experimentaram essa verdade, descobrindo suas vocações no seio da Igreja orante e intérprete fiel da Revelação [3]:

[…] Certamente não é por acaso que as grandes espiritualidades, que marcaram a história da Igreja, nasceram de uma explícita referência à Escritura. Penso, por exemplo, em Santo Antão Abade, que se decide ao ouvir esta palavra de Cristo: «Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que possuíres, dá o dinheiro aos pobres, e terás um tesouro no céus; depois, vem e segue-Me» (Mt 19, 21). Igualmente sugestivo é São Basílio Magno, quando, na sua obra Moralia, se interroga: «O que é próprio da fé? Certeza plena e segura da verdade das palavras inspiradas por Deus. (…) O que é próprio do fiel? Com tal certeza plena, conformar-se com o significado das palavras da Escritura, sem ousar tirar nem acrescentar seja o que for». São Bento, na sua Regra, remete para a Escritura como «norma retíssima para a vida do homem». São Francisco de Assis – escreve Tomás de Celano – «ao ouvir que os discípulos de Cristo não devem possuir ouro, nem prata, nem dinheiro, não devem trazer alforge, nem pão, nem cajado para o caminho, não devem ter vários pares de calçado, nem duas túnicas, (…) logo exclamou, transbordando de Espírito Santo: Com todo o coração isto quero, isto peço, isto anseio realizar!».

scott-hahn

Scott Hahn, ex-pastor protestante, também experimentou essa verdade, assim como os santos, quando se decidiu por uma escuta da Palavra de Deus, alicerçada na grande Tradição da Igreja. Em seu comovente testemunho de conversão à fé católica, ele e sua mulher, Kimberly Hahn, contam como foram surpreendidos pela fé bíblica da Igreja, sobretudo na Santa Missa [4]:

[…] Então, subitamente, compreendi que era ali o lugar da Bíblia. Aquele era o ambiente no qual esta preciosa herança de família devia ser lida, proclamada e explicada. Depois passamos à liturgia Eucarística, onde todas as minhas afirmações sobre a Aliança encontravam o seu lugar.

Hahn foi um ferrenho opositor do catolicismo durante anos. Como pastor de linha calvinista, ele pregava “que a Missa católica era o maior sacrilégio que um homem podia cometer” [5]. Essa convicção o motivava a converter o maior número de católicos possível, a fim de retirá-los da idolatria. Seus estudos teológicos, por conseguinte, tinham por objetivo principal refutar cada ensinamento católico, mormente a divina liturgia, a autoridade do papa e a devoção à Virgem Santíssima. Nada que a Igreja Católica ensinasse poderia ser considerado bíblico.

Em 1979, poucos meses após a visita de João Paulo II aos Estados Unidos, Kimberly Hahn apresentou ao marido o livro “Sexo e a aliança matrimonial”, de John Kippley, que versava sobre a moral católica e a contracepção. A coerência dos argumentos era tão eloquente, que o casal, embora não admitindo ainda a verdade católica, viu-se obrigado a abandonar os métodos anticoncepcionais. Esse foi o primeiro passo para a reviravolta. Scott Hahn descobrira uma nova maneira de enxergar a Aliança de Deus: ela não era apenas um contrato; Deus queria uma família.

Após o episódio, Scott Hahn deu início a um estudo para fundamentar biblicamente as teses daSola Fide — doutrina protestante que nega o valor meritório das boas obras — e da Sola Scriptura. Ora, a Sola Fide e a Sola Scriptura são como que duas colunas do protestantismo. Toda a fé protestante tem como ponto de partida esses dois preceitos básicos. A sua fundamentação era, portanto, imprescindível para o pastor. Mas qual não foi sua surpresa ao descobrir que ambas as teses luteranas não possuíam nenhum respaldo das Sagradas Escrituras. De fato, a Igreja Católica estava certa! Com efeito, conforme Scott Hahn se aprofundava em seus estudos, um a um iam caindo os dogmas do protestantismo: a proibição do batismo de crianças, a negação das imagens, o repúdio ao culto mariano etc. Scott iniciava o caminho para a Igreja.

Scott Hanh converteu-se à Igreja Católica na páscoa de 1986, mesmo sob forte oposição de amigos e familiares. Anos mais tarde, seria a vez de sua mulher, Kimberly, buscar a comunhão com a Igreja de Cristo, pedindo o batismo e os demais sacramentos da iniciação cristã. Hoje, ambos ministram palestras em todo o mundo, a fim de esclarecer os fundamentos bíblicos da Igreja Católica, bem como a riqueza de sua liturgia. Graças à sua história de conversão, Scott é considerado o “Martinho Lutero às avessas”. Ele descobriu que também a Bíblia leva-nos a Roma.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências:

  1. São Jerónimo, Commentarii in Isaiam, Prologus: CCL 73, 1 (PL 24, 17).
  2. Expressão de Santo Agostinho: «Ego vero Evangelio non crederem, nisi me catholicae Ecclesiae commoveret auctoritas» – «Quanto a mim, não acreditaria no Evangelho se não me movesse a isso a autoridade da Igreja católica». Contra Epistulam Manichaei quam vocant fundamenti 5. 6: CSEL 25,197 (PL 42, 176).
  3. Bento XVI, Exortação Apostólica Pós-Sinodal Verbum Domini (30 de setembro de 2010), n. 48
  4. HAHN; HAHN; Scott; Kimberly. Todos os caminhos levam a Roma – o nosso precurso até o catolicismo. Portugal: Diel, 2013, pág. 118.
  5. Ibidem.

Encontrado um documento cristão de mais de 1.500 anos

O papiro, de origem egípcia e escrito em grego, traz várias citações da Bíblia e fala da Eucaristia

Historiadores da Universidade de Manchester (Grã Bretanha) encontraram um documento do século VI, escrito em grego. O mesmo descreve a Eucaristia e fala dos primeiros cristãos.

A professora e historiadora Roberta Mazza, pesquisadora do Instituto John Rylands, estava na biblioteca do Instituto para analizar e classificar alguns dos milhares de fragmentos de documentos históricos inéditos que foram conservados assim que encontrados.

O texto data cerca dos anos 300, após a conversão do imperador romano Constantino ao cristianismo. A primeira palavra que a pesquisadora pôde traduzir indicava já a sua essência cristã era “maná”, o pão bíblico que Deus enviou ao povo de Israel no êxodo do Egito. Como explicou a historiadora, o resto é uma junção de versos do Antigo e Novo Testamento, que parece ter como objetivo o fato de agir como proteção contra os acidentes.

Esta interpretação, observa Mazza, reafirma um costume às vezes pouco notado dos primeiros cristãos, que teriam imitado a tradição pagã – primeiro egipciana e depois greco-romana – de levar orações aos deuses em forma de amuletos. Para fabricar estes objetos e levá-los como medalhões no pescoço, ou conservá-los em casa, os primeiros cristãos teriam substituído a oração politeísta com citações bíblicas, o que indicaria uma relação muito íntima com aBíblia.

“Atualmente pensamos na Bíblia como uma obra fixa, onde cada palavra se encontra em um lugar preciso”, comenta Mazza. “Um objeto como este nos diz que o conhecimento da Bíblia foi transmitido a passos escolhidos”.

Quem fabricou o amuleto teria cortado um pedaço de um recibo de cereais, escrito no outro lado o texto religioso e dobrado o papiropara ter um medalhão e um pendente. Por este motivo, o recibo dos impostos no lado exterior foi danificado e se dissolveu.

Mesmo se o objeto não oferece muitas informações sobre o proprietário, Mazza acredita que se trata de “um residente do vilarejo de Ermoupoli” e que o autor provavelmente fosse uma pessoa que conhecia a Bíblia. Algumas palavras estão mal escritas, outras em ordem errada. Isso mostra que estava escrevendo de memória, em vez de copiando.

Por isso se deduz que no Egito do século VI, o fato de conhecer a Bíblia e de manuseá-la era mais difuso do que pensávamos. O documento chegou à biblioteca inglesa em 1901, mas a sua importância tinha passado desapercebida até agora. O texto em questão inclui uma descrição do livro de Mateus da Última Ceia e parte de um salmo. Textualmente afirma o que segue:

Temam tudo o que reina sobre a terra.
As nações e os povos saibam que Cristo é o nosso Deus. Porque Ele disse e eles começaram a existir, Ele comandou e eles foram criados;
Ele colocou tudo sobre os nossos pés e nos libertou da vontade dos nossos inimigos.
O nosso Deus preparou uma mesa no deserto santo e deu o maná para comer para um novo pacto:
o corpo imortal
do Senhor e o sangue que Cristo derramou por nós em remissão dos pecados.

Fonte: Aleteia

Dez motivos para ler a Bíblia. Qual é o seu?

A Igreja celebra em setembro o mês da Bíblia

Aproveite este mês para ler a Bíblia, meditar com ela, permitir que seja lâmpada para os seus passos, luz para seu caminho. Considere que existam pelo menos dez razões para entrar no fascinante mundo da Sagrada Escritura.

1. Conhecer a Deus

Seria impossível sabermos algo de Deus se Ele não nos tivesse revelado. E isso Ele fez através da Sua Palavra. Por isso, para poder conhecê-Lo e criar com Ele uma relação pessoal de amor e confiança, é indispensável ler a Sua Palavra.

2. Conhecer a si mesmo

A Palavra de Deus penetra até o ponto de divisão entre a alma e o espírito (cfr. Eb 4,12). Lê-la nos permite conhecer a fundo nós mesmos. Isso sem partir da ótica humana do juízo e da condenação, mas do olhar esperançoso e misericordioso de Deus.

3. Receber luz

O salmista afirma que a Palavra é lâmpada para os passos e luz no caminho (cfr. Sl 119, 105). Tem sempre uma mensagem para iluminar a sua situação atual. Tem sempre alguma coisa de pertinente a lhe dizer; às vezes o consola, outras vezes exorta. Pode também tranquilizar, às vezes o inquieta e agita, mas pode ter certeza que lhe dá sempre aquilo de que precisa para a alma.

4. Dialogar com Deus

Tem quem acredite que rezar consiste somente em falar com Deus, porque Ele não diz nada. Mas Deus fala através da Sua Palavra. Ler a Bíblia lhe permite escutar aquilo que Ele quer dizer, para poder depois respondê-Lo, dialogar com Ele e, com a Sua graça, colocar em prática.

5. Participar da reflexão e da oração de toda a Igreja

Quando você lê os textos proclamados a cada dia na Missa, ou na Liturgia das Horas, une-se a milhões de católicos em todo o mundo que, naquele mesmo momento, estão lendo, escutando, refletindo, rezando com as mesmas palavras. Ler a Palavra lhe permite participar ativamente da unidade e universalidade da Igreja.

6. Colocar-se dentro da história da Salvação

Ler a Bíblia lhe permite descobrir como Deus se revelou ao ser humano, estabeleu uma aliança com o homem, promeu o Seu amor e a Salvação e respeitou esta promessa. Conhecer o passado lhe permite compreender o presente e vivê-lo com a alegria de saber que está fazendo parte do povo de Deus, que você é membro do Seu rebanho, ovelha do Bom Pastor.

7. Conhecer, compreender e amar a Igreja

Ler a Bíblia lhe permite conhecer a Igreja da qual faz parte para compreendê-la e amá-la mais, e se alegrar pelo fato de pertencer a ela sabendo que foi fundada por Cristo. Além do fato de que é formada por seres humanos propensos ao erro, como você e eu. A Igreja é conduzida através da história pelo Espírito de Deus.

8. Anunciar a Boa Nova

Ler a Bíblia lhe permite cumprir o mandato de Jesus de ir ao mundo todo e anunciar a Boa Nova (cfr. Mc 16,15). Apenas conhecendo a Escritura é possível compartilhar a Sua luz com outros.

9. Conhecer e defender a fé

São Paulo diz que cada texto da Escritura é útil para ensinar (cfr. 2Tm 3,16). Conhecer a Bíblia lhe permite enfrentar quem ataca a sua fé católica e respondê-los não somente com clareza, mas também com argumentações sólidas.

10. Viver com liberdade e alegria

Ler a Bíblia lhe dá liberdade e alegria. A liberdade daqueles que vivem a alegria de ter abandonado a imobilidade das trevas e caminham em direção Daquele que é a Luz. A alegria de saber que Ele está contigo todos os dias, até o fim do mundo, e a alegria de anunciá-Lo aos outros, como pede o Papa Francisco.

Eis aí dez motivos, são apenas os primeiros dez. Leia a Bíblia e você irá descobrir que existem tantos outros.

Página 1 de 13

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén