Uma imagem de um artigo do Jewish News and Views de 1939 DENVER, 15 Jul. 11 / 01:13 pm (ACI/EWTN Noticias)

Um perito historiador revelou ao grupo ACI os resultados de suas últimas investigações que demonstram que veteranos judeus na década de 30 elogiaram e apoiaram o Papa Pio XII por sua firme defesa do povo judeu e por ter salvado da morte pelas mãos dos nazistas 800 mil membros dessa comunidade.

O investigador americano William Doino explicou à agência ACI Prensa que alguns artigos escritos por judeus veteranos em revistas da década de 30 nos Estados Unidos mostram que o Papa Pacelli “queria derrubar as paredes do preconceito contra os judeus e não erigi-las”, como afirmam aqueles que o criticam por desconhecer os fatos históricos.

Por exemplo, uma revista em abril de 1939, um mês depois de que Eugenio Pacelli fosse eleito Papa, publica um artigo no qual uma judia ressalta a liderança do Pontífice como “uma fonte de grande satisfação para os judeus”.

O texto afirma ademais que “o Papa Pio XII é bem conhecido por ser um fiel amigo dos judeus”.

A edição de março de 1939 da revista “Jewish News and Views” também expressava a “fervorosa esperança” da comunidade judia para que Pio XII “tenha um reinado longo e bem-sucedido, para que preencha o vazio espiritual deixado pela morte de seu predecessor, e que também se santifique pelo amor de seus irmãos”.

Willian Doino –que também contribuiu na investigação para uma extensa antologia chamada The Pius War: Responses to the Critics of Pius XII (A Guerra Pia: Respostas aos Críticos de Pio XII) – disse também ao grupo ACI que existe uma documentação muito ampla que comprova que o Papa Pio XII sempre se opôs ao fascismo e o nazismo, e que além disso “detestava o anti-semitismo”.

Veja tambem  Atleta espanhol dá lição de honra e esportividade

O historiador assinalou logo que a investigação sobre a vida do Papa Pacelli mostrou mais detalhes inclusive, como a vez que ofereceu comida kosher (mantimentos que não contêm aqueles proibidos para os judeus como o porco) a convidados judeus no Vaticano “nos anos 30 quando as relações com os católicos não estavam tão desenvolvidas como agora”.

Seguidamente ressaltou que os elogios dos judeus também são vistos “durante o papado e especialmente logo após a morte” de Pio XII.

Em Julho de 1944, depois da libertação de Roma, o Congresso Judeu Americano elogiou publicamente o Vaticano por ter proporcionado comida kosher aos judeus que estavam refugiados em instituições católicas durante a ocupação nazista.

Doino explicou que estes fatos não deveriam surpreender ninguém já que quando era Cardeal, Eugenio Pacelli interveio para bloquear uma lei anti-kosher na Polônia em 1938.

Se a norma tivesse sido aprovada, os ritos judaicos teriam sido proibidos no país e teria se constituído uma “verdadeira perseguição contra os judeus”, escrevia o Papa Pio XII naquele tempo.

O perito historiador americano comentou também que “a vida de Pacelli for examinada, encontrar-se-á que foi amigo de seus companheiros judeus, que apreciava a teologia judia, que apoiava essa comunidade nos Estados Unidos, quando visitou o país em 1936, era próximo aos judeus da Terra Santa e tinha uma especial abertura pelo estado judeu – muito antes que Israel fosse estabelecido”.

Em 1941 um refugiado judeu no Vaticano rogou ao Papa “quando a perseguição anti-semita estava entrando na pior fase” que intercedesse por seus irmãos perseguidos. Pio XII não só prometeu-lhe seu apoio, mas disse-lhe que era tão valioso como qualquer pessoa e o alentou a “sentir-se sempre orgulhoso de ser um judeu”.

Veja tambem  Papa Francisco: Deus nos dá a coragem para caminhar contra a corrente

“O refugiado estava tão comovido por este encontro que logo escreveu uma narração em primeira pessoa sobre este fato para o Palestine Post”, relatou Doino à ACI Prensa.

Esta investigação aparece alguns dias depois de que o atual embaixador de Israel no Vaticano, Mordechai Lewy, elogiasse Pio XII por sua grande ajuda para salvar milhares de judeus do holocausto.

William Doino apoiou o diplomata e explicou que agora está à espera de que a Santa Sé revele os arquivos do tempo da Segunda guerra mundial, que serão expostos em fevereiro de 2012 junto a outros importantes documentos como aqueles relacionados ao processo de Galileu, que fazem parte de um total de 100 que integrarão uma exibição do Arquivo Secreto do Vaticano.

“A idéia de que Pio XII foi um líder católico fechado em si mesmo, insensível às preocupações dos judeus, é puro mito, e além disso é uma imagem que pode ser revertida graças às investigações modernas”, concluiu o perito.




Comentários no Facebook:

comments