Tag: porque

Porque não se deve bater palmas durante a celebração da Missa…

Razões pelas quais não se deve bater palmas para acompanhar cantos, etc.., na Missa

Razões pelas quais não se deve bater palmas para acompanhar cantos, etc.., na Missa

Porque não se adequa a teologia da Missa que conforme a Carta Apostólica Domenica Caena de João Paulo II do 24/02/1980, exige respeito a sacralidade e sacrificialidade do mistério eucarístico: “0 mistério eucarístico disjunto da própria natureza sacrifical e sacramental deixa simplesmente de ser tal”. Superando as visões secularistas que reduzem a eucaristia a uma ceia fraterna ou uma festa profana. Nossa Senhora e São João ao pé da cruz no Calvário, certamente não estavam batendo palmas.

Porque bater palmas é um gesto que dispersa e distrai das finalidades da missa gerando um clima emocional que faz passar a assembléia de povo sacerdotal orante a massa de torcedores, inviabilizando o recolhimento interior.

Porque o gesto de bater palmas olvida duas importantes observações do então Cardeal Joseph Ratzinger sobre os desvios da liturgia : “A liturgia não é um show, um espetáculo que necessite de diretores geniais e de atores de talento. A liturgia não vive de surpresas simpáticas, de invenções cativantes, mas de repetições solenes. Não deve exprimir a atualidade e o seu efêmero, mas o mistério do Sagrado. Muitos pensaram e disseram que a liturgia deve ser feita por toda comunidade para ser realmente sua. É um modo de ver que levou a avaliar o seu sucesso em termos de eficácia espetacular, de entretenimento. Desse modo, porém , terminou por dispersar o propium litúrgico que não deriva daquilo que nós fazemos, mas, do fato que acontece. Algo que nós todos juntos não podemos, de modo algum, fazer. Na liturgia age uma força, um poder que nem mesmo a Igreja inteira pode atribuir-se : o que nela se manifesta e o absolutamente Outro que, através da comunidade chega até nós. Isto é, surgiu a impressão de que só haveria uma participação ativa onde houvesse uma atividade externa verificável : discursos, palavras, cantos, homilias, leituras, apertos de mão… Mas ficou no esquecimento que o Concílio inclui na actuosa participatio também o silêncio, que permite uma participação realmente profunda, pessoal, possibilitando a escuta interior da Palavra do Senhor. Ora desse silêncio, em certos ritos, não sobrou nenhum vestígio”.

Finalmente porque sendo a liturgia um Bem de todos, temos o direito a encontrarmos a Deus nela, o direito a uma celebração harmoniosa, equilibrada e sóbria que nos revele a beleza eterna do Deus Santo, superando tentativas de reduzi-la à banalidade e à mediocridade de eventos de auditório.

+ Dom Roberto Francisco Ferrería Paz
Bispo Auxiliar de Niterói

Porque no Brasil qualquer um diz qualquer coisa e é aplaudido?

Fonte: Blog do Padre Luís Fernando

Bozo

Um dia escrevi um texto no meu blog intitulado “A relevância dos irrelevantes” (aqui) porque eu estava extremamente irritado com o tipo de texto que dava audiência nos blogs Católicos. Hoje volto a escrever na mesma linha de irritação, mas, desta vez com a pseudo-relevância de um Congresso Nacional que será realizado em Guarapari-ES em abril de 2014. O folder – que apanhei por acaso numa academia aqui da minha cidade – é bonito e chamativo. Faz uma alusão a Disneyland e sua fantasia. Alusão presente também no sub-título do convite presente no folder. Se trata de um Congresso Nacional de estudantes de Comunicação, Ciências Contábeis, Administração, Direito e economia. O título do Congresso é:  “A necessidade de se criar um mundo novo”. Os palestrantes que vão fomentar a criação deste novo mundo são: um professor de direito penal, um certo Rogério Greco de quem eu nunca ouvi falar, o sócio-fundador do site porta dos fundos Antônio Tabet, igualmente um ilustre desconhecido, e uma jornalista de formação que atua num programa esportivo, Bárbara Coelho.
Nada contra a verborréia das pessoas. Todo mundo pode dizer o que quiser e pode gastar o dinheiro que quiser fazendo o que bem entender, até rasgar e colocar fogo. Não me importo. Só me impressiono e aqui, meu caro leitor, tenho todo o sagrado direito da santa indignação! Quando li o folder logo vi um eco do fórum social mundial intitulado “um outro mundo possível”. Naquele fórum participam petistas, esquerdistas, comunistas, socialistas, maconheiros, gente das Ceb`s, da teologia da libertação e qualquer outra pessoa que se encaixe neste perfil. Este mesmo modelo foi transposto para o Conecades (o dito Congresso). O pessoal de ciências contábeis querem se engajar para criar um mundo novo durante a semana santa. Vão começar a pensá-lo na quinta-feira santa, 17 de abril, e terminarão após o domingo de Páscoa, 21 de abril, passando por sexta-feira da paixão e sábado santo. Sim, sei que vivemos numa sociedade laica e plural e aqui já começa o mote tanto de “porta dos fundos” quanto do fórum social mundial e seus sequazes: querem criar um outro mundo sem Deus, sem religião, um mundo anárquico, que não respeita o outro nem o diferente.
E os palestrantes que vão dar os rumos deste mundo novo? Absolutamente todos muito relevantes (sic!). Piadas à parte, este choque que temos ao ver um folder desse ou atores da Globo absolutamente sem nenhum preparo se pronunciar sobre questões de ciência apelando para o sentimentalismo barato nos dá uma ideia clara do fosso no qual caímos: Os intelectuais não são ouvidos, a autoridade é desprezada, quem tem algo a dizer é calado sistematicamente e a razão é morta para que tenha voz a simples doxa, a mera opinião, ainda que desprovida de qualquer senso crítico ou mesmo minimamente racional. É a completa irrelevância dos atores do novo mundo. Não é uma irrelevância qualquer, mas, buscada e fabricada no desprezo, reitero, da autoridade, da intelectualidade sadia e da razão.
O ateísmo proclamou a morte de Deus. Tudo bem. Eu posso conviver com o ateísmo. Só não consigo conviver com a morte da razão.

“Sou cristão e se querem matar-me porque sou cristão podem fazê-lo”

Síria: Maalula, terra de mártires

Damasco (RV) – Para os cristãos sírios de Maalula, o vilarejo cristão ao norte de Damasco onde ainda se fala aramaico – e atacado nos dias passados por grupos armados islâmicos -, é considerado “terra de mártires”. Graças a uma testemunha ocular internada em um hospital de Damasco e que não quer identificar-se por motivos de segurança, foi possível reconstruir em detalhes o destino de três cristãos mortos na pequena localidade encravada nas montanhas. Os funerais foram realizados sob forte comoção, na Catedral Greco-melquita em Damasco, no dia 10 de setembro, em cerimônia presidida pelo Patriarca Melquita Gregório III Laham, na presença de Bispos e sacerdotes de outras confissões.

Segundo a testemunha contou à Agência Fides, os grupos armados entraram no dia 7 de setembro em várias casas de Maalula, destruindo, saqueando e aterrorizando, mas sobretudo golpeando imagens sacras. Em uma casa estavam três homens greco-católicos: Mikhael Taalab, seu sobrinho Sarkis el Zakhm e seu primo Antoun Taalab, além da testemunha do episódio. Os islamitas intimaram todos os presentes a converterem-se ao Islã. Sarkis respondeu com clareza: “Sou cristão e se querem matar-me porque sou cristão podem fazê-lo”. O jovem então foi morto a sangue frio, junto aos outros dois homens. A mulher ficou ferida, sendo conduzida em seguida para um hospital em Damasco. Na ação dos grupos armados, outros seis cristãos foram seqüestrados e levados para a região de Yabrud, na montanha de Qalamoun.

“Aquele de Sarkis é um verdadeiro martírio, uma morte por odium fidei”, afirmou a Irmã Carmel, que presta assistência aos cristão de Maalula. Muitos fugitivos da cidade estão em Damasco e só pedem para “poder retornar às próprias casas, em paz e segurança”.

As religiosas greco-ortodoxas do Convento de Santa Tecla foram ameaçadas e permaneceram vários dias sob tensão, enquanto os grupos armados ameaçavam invadir o Convento. Da estrutura foram removidos os crucifixos.

Nesta quarta-feira, soldados do exército regular sírio entraram em Maalula, sob o fogo de franco-atiradores escondidos nas casas e nas montanhas que circundam o vilarejo.(JE)

Texto proveniente da página http://pt.radiovaticana.va/bra/articolo.asp?c=727983
do site da Rádio Vaticano

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén