Tag: ortodoxo (Page 1 of 2)

A Sor Lucía Caram: é preferível ser um ortodoxo hipócrita do que um heterodoxo sincero

Autor: José Miguel Arráiz
Fonte: http://infocatolica.com/blog/apologeticamundo.php
Trad.: Carlos Martins Nabeto

Sim, Sor Lucía, eu sei que ambas as coisas são ruins.

O ortodoxo hipócrita, porque diz que alguém deve fazer algo, porém ele mesmo não faz. Sobre estes advertiu Jesus, quando disse:

– “Fazei, pois, e observai tudo o que eles vos disserem; porém, não imiteis sua conduta, porque dizem mas não fazem” (Mateus 23,3).

Porém, maior dano ao próximo comete o heterodoxo sincero, porque ensina que não há problemas em se fazer aquilo que não deve ser feito, e ele mesmo é feliz por também fazer o que não deveria ser feito.

– “Ai daqueles que chamam o mal de ‘bem’ e de ‘bem’ o mal; aqueles que têm trevas por luz e luz por trevas; que oferecem o amargo por doce e o doce por amargo!” (Isaías 5,20).

Um diz e não faz. O outro diz o mal e faz o mal.

Esclareço isto a Sor Lucía em resposta a um artigo que reúne as suas declarações, publicado em Religion Digital[1]. Nesse artigo, ela denuncia aqueles que chama “os fariseus de hoje, raça de víboras e sepulcros caiados”, e afirma que “não se deve dar atenção aos doentes de ortodoxia hipócrita”.

Depois de ter lido tudo o que ela disse, quero responder-lhe com algumas observações pontuais, a partir da perspectiva de um simples católico de missa dominical, que não pertence a nenhuma ordem religiosa.

Antes de começar, deixo claro que não dou razão ao qualificativo que você atira ao vento, chamando os outros de “fariseus hipócritas”, porque para que você tivesse razão, deveria apontar concretamente e comprobar que esses a quem você acusa [abstratamente] realmente dizem mas não fazem.

O JESUS DO “NÃO-JUÍZO” 

Começa Sor Lucía:

– “Este era o qualificativo e a queixa de Jesus perante os fariseus, hipócritas, puritanos, que se dedicavam a esfolar a todos que não eram como eles ou aos que, segundo suas curtas visões, se afastavam da ortodoxia de uma religião que havia se tornado letra morta, no cumprimento vão (‘cumpro’ e ‘minto’)…. Se acreditavam no direito de julgar e condenar. Jesus os recriminou por se dedicarem a enxergar a palha no olho alheio sendo porém incapazes de enxergar a viga que tinham no próprio olho. Conformados com suas elucubrações e juízos implacáveis, permaneciam fechados à Boa Nova que Jesus trazia da parte de Deus e ao anúncio do seu Reino, no qual Deus se manifesta como misericórdia, perdão, acolhida, felicidade, paz, ‘não-juízo’”. 

Quando eu, um simples paroquiano, me ponho a ler a Bíblia, encontro muito daquilo que você menciona. Encontro, por exemplo, Jesus anunciando um tempo de graça e misericórdia:

– “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu para anunciar aos pobres a Boa Nova; me enviou para proclamar a libertação aos cativos e a vista aos cegos; para dar liberdade aos oprimidos e proclamar um ano de graça do Senhor” (Lucas 4,18-19).

É certo também que criticou aqueles que julgavam os outros sem corrigir suas próprias faltas:

– “Como é que enxergas a palha que há no olho do teu irmão e não reparas na viga que há em teu olho?… Hipócrita! Tira primeiro a viga do teu olho e então poderás enxergar para tirar a palha do olho do teu irmão” (Mateus 7,3.5).

Porém, em todas essas oportunidades eu encontro um Jesus um pouco diferente daquele que você prega. É um Jesus que anuncia, sim, misericórdia e perdão àqueles que vivem em pecado, porém para que se arrependam e deixem de pecar. Ele não teme em estar acompanhado de pecadores, porém nunca os deixa no pecado; pelo contrário, os convida a segui-Lo e mudar. O caso da adúltera que está a ponto de ser apedrejada é claro e contundente, pois ao mesmo tempo que a perdoa, pede-lhe que não torne mais a pecar:

– “Tampouco eu te condeno. Vai-te e daqui por diante não peques mais” (João 8,11).

Com um paralítico que Jesus cura, repete-se a mesma cena; porém ali Jesus, inclusive, o adverte que, se continuar pecando, lhe poderá ocorrer algo pior:

– “Mais tarde, Jesus o encontrou no Templo e lhe disse: ‘Olha: estás curado; não peques mais, para que não te ocorra algo pior” (João 5,14).

Tampouco é correto que Jesus não fala de juízo. O Jesus do “não-juízo” é uma invenção sua. Uma coisa é que, em sua primeira vinda, não tenha vindo para julgar mas para convidar-nos a receber sua graça; e, outra coisa, que eventualmente o vá fazer. Por isso, ainda que sempre ofereça o perdão àquele que se arrepende, também adverte àqueles que são duros de coração sobre o destino que os aguarda, caso não se convertam:

– “Por isso eu vos digo que no dia do Juízo haverá menos rigor para com Tiro e Sidon do que para convosco. E tu, Cafarnaum, que te elevas até os céus? Afundarás até o Hades! Porque se em Sodoma tivessem sido feitos os milagres que foram feitos em ti, teria subsistido até o dia de hoje. Por isso eu vos digo que no dia do Juízo haverá menos rigor para com a terra de Sodoma do que para contigo”(Mateus 11,22-24).

– “Os ninivitas se levantarão no Juízo contra esta geração e a condenarão; porque eles se converteram pela pregação de Jonas e eis que aqui está alguém maior que Jonas” (Mateus 12,41).

Jesus tampouco disse que não iria julgar. Ele disse precisamente o contrário:

– “Porque o Pai não julga ninguém, mas entregou todo juízo ao Filho” (João 5,22).

– “E disse Jesus: ‘Por uma razão vim a este mundo: para que os que não enxergam passem a enxergar e para que os que enxergam se tornem cegos’” (João 9,39).

– “Quando o Filho do homem vier em sua glória, acompanhado de todos os seus anjos, então se assentará no seu trono de glória. Serão reunidas diante Dele todas as nações e Ele separará umas das outras, tal como o pastor que separa as ovelhas dos cabritos” (Mateus 25,31-32).

Não se trata portanto de um Jesus adocicado, que nunca julga nem condena, mas de um Jesus que em sua infinita misericórdia nos dá a oportunidade de nos converter uma e outra vez, para que, ao final, quando formos julgados por Ele, não venhamos a ser condenados.

AS “CARGAS PESADAS” QUE NINGUÉM PODE CARREGAR

Você também reprova aqueles a quem chama “fariseus” que colocam cargas pesadas sobre outras pessoas, cargas que nem eles próprios podem carregar. Você diz:

– “A estes, Jesus hoje também os chamaria ‘raça de víboras e sepulcros caiados’, porque impõem cargas pesadas [a outros] que eles mesmos são incapazes de carregar. A estes, lhes faz mal uma Igreja em movimento, uma Igreja que escuta, perdoa e acolhe; uma Igreja que vai às periferias e oferece resposta às interrogações reais das pessoas e que é capaz de acolher seus problemas, para os quais o Evangelho sempre tem uma proposta. A esses doutores sem cátedras de bondade, lhes contraria uma Igreja que foge do poder e que prefere o serviço; que é austera e quer ser pobre com os pobres; que prefere mais a mesa simples do que os grandes banquetes”. 

Eu não vejo que esses a quem você hoje chama de “fariseus” tenham alguma objeção em ser uma Igreja “em movimento”, que “acolhe”; e se alguém tivesse algo contra isso, tal coisa seria um outro problema. O péssimo é que se rotule como “cargas pesadas” os Mandamentos de Deus e se condene àqueles cujo único “pecado” é ensinar que [os Mandamentos] devem ser cumpridos. Lembre-se que o mesmo Jesus misericordioso de quem você fala também disse:

– “Mas se quiseres entrar na Vida, cumpre os Mandamentos” (Mateus 19,17).

– “Porém, aquele que descumprir um destes mandamentos, ainda que seja o menor deles, e assim vier a ensinar aos homens, será ele o menor no Reino dos Céus; ao contrário, aquele que os cumprir e os ensinar, esse será grande no Reino dos Céus” (Mateus 5,19).

Não somos protestantes, nem cremos que somente pela fé já somos declarados justos. Cremos que Sua graça nos faz justos e nos capacita para cumprir os Mandamentos:

– “Não sofrereis tentação superior à medida humana. Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados acima das vossas forças. Pelo contrário, com a tentação vos dará um modo de poder resisti-la com êxito” (1Coríntios 10,31).

Para um católico, os Mandamentos não são “letra morta” e nem algo tão alheio que não possamos cumprir com a Sua graça. É o próprio Deus quem nos adverte:

– “Porque estes Mandamentos que Eu te prescrevo hoje não são superiores às tuas forças, nem estão fora do teu alcance. Não estão no céu, para que precises dizer: ‘Quem subirá por nós ao céu para buscá-los, para que os ouçamos e os ponhamos em prática?’ Nem estão do outro lado do mar, para que precises dizer: ‘Quem irá por nós até o outro lado do mar para buscá-los, para que os ouçamos e os ponhamos em prática?’ Eis que a palavra está bem próxima de ti: está na tua boca e no teu coração, para que a ponhais em prática” (Deuteronômio 20,14).

Perceba que ao criticar que existam pastores que recordem ao povo a importância de se cumprir os Mandamentos, o que você critica é que cumpram com o dever que lhes foi confiado; ou, dito de outro modo: que sejam coerentes com sua fé. E aqui passo ao ponto seguinte.

COERÊNCIA POR DEUS. COERÊNCIA!

Nos tempos dos meus avós havia muitos pecadores, porém, por justiça, preciso dizer que eram pecadores coerentes. Não se lhes ocorria chamar o mal de “bem”, nem o bem de “mal”. Reconheciam-se pecadores, admitiam que era mal o que faziam e, precisamente por isso mesmo, tinham a oportunidade de posteriormente receber a graça do arrependimento. É que para poder se arrepender é necessário que primeiro se tenha consciência de que agiu mal, do contrário terminaríamos cegos como os fariseus da época de Jesus:

– “Se fosses cegos, não teríeis pecado; porém, como dizeis: ‘enxergamos’, vosso pecado permanece” (João 9,41).

O problema é que atualmente temos pastores que ao invés de denunciarem algo como pecado, para não incomodar e ser politicamente corretos, optam por não chamar o pecado pelo seu nome próprio.

Eu, quando decidi continuar católico, decidi fazê-lo de forma coerente. Dito de outro modo: se um dia eu deixo de professar a fé católica, não posso permanecer na Igreja; teria que admitir que já não o sou e sair dela.

A ação contrária seria incoerente; seria como se eu fosse um professor que já não crê na matemática e, por isso, pretendo ensinar biologia em seu lugar. E se alguém me reprova, o acuso de intolerante. “Porém, estamos numa aula de matemática!”, dirão alguns alunos e eu insistirei que sou professor de matemática, da mesma maneira que hoje há uma infinidade de teólogos que continuam insistindo que são católicos enquanto pregam ideologia e doutrinas protestantes.

Coloquemos o seu próprio caso como exemplo, Sor Lucía. Por um lado o ensino oficial da Igreja, manifestado em seu Catecismo, nos ensina que os atos homossexuais, por serem intrinsecamente desordenados, não podem receber aprovação em caso nenhum:

– “’Os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados’ (Congregação para a Doutrina da Fé, Declaração ‘Persona Humana’, nº 8). São contrários à lei natural. Fecham o ato sexual ao dom da vida. Não procedem de uma complementariedade afetiva e sexual verdadeira. Em caso algum podem ser aprovados” (Catecismo da Igreja Católica, nº 2357).

Entretanto, você ensina que a Igreja deve abençoar qualquer espécie de amor, incluindo as relações homossexuais:

– “Sor Lucía Caram pede à Igreja para não se meter na decisão daqueles que abortam e abençoar toda espécie de amor”[2]

Eu posso entender que você não esteja de acordo com o Catecismo e o ensino da Igreja; porém, se você não crê no que ensina a Igreja Católica, não é incoerência pretender continuar dizendo que é católica? Quem é o hipócrita? Aquele que coerentemente recorda e ensina o que diz o Catecismo ou aquele que carrega o Catecismo debaixo do braço mas não crê no que está dito ali?

Passemos agora para o caso do aborto. Na entrevista anteriormente citada, você diz que um católico não deve dizer nada a uma mulher que deseje abortar:

– “Contudo, quem deve tomar livremente a decisão (de abortar) são as pessoas. A Igreja não pode se meter aí. Nem sequer Deus, que nos fez livres” (Sor Lucía Caram).

Porém, por outro lado, a Igreja ensina que o aborto é sempre um crime, um assassinato de um ser indefeso no seio de sua mãe, e que sua mãe não tem o direito moral de tirar-lhe a vida. O Papa Francisco, que você sempre elogia, disse isso bem claramente:

– “O Papa Francisco declara que o aborto é SEMPRE um crime”[3]

E se é assim e o Papa tem razão, você está dizendo que nem a Igreja, nem Deus, nem ninguém pode dizer nada a uma mulher que se dispõe a cometer um crime. Isso é tão absurdo quanto não se poder dizer nada a um assassino que se dispõe a matar a sua vítima, alegando que Deus lhe deu liberdade (você deve aprender a diferenciar entre “liberdade moral” e “liberdade psicológica”).

O que você acha que Jesus pensaria – Ele que também não duvidou em expulsar a chicotadas os mercadores do templo – de uma freira que, dizendo-se “católica”, afirma que devemos ficar de braços cruzados quando alguém vai cometer um crime e que qualquer espécie de amor deve ser abençoado? E se eu, amanhã, me apaixonar por um animal, Ele também abençoará? Me parece que Ele provavelmente a expulsaria do convento.

A RAIZ DO PROBLEMA

Segundo o meu modo de ver, uma das principais doenças de que sofrem os católicos hoje é a mesma que acomete o mundo inteiro: buscar a paz a todo custo, evitando confrontos. Por exemplo, se o ensino do Catecismo incomoda os homossexuais, a solução para alguns seria pedir-lhes perdão por crermos no que cremos:

– “Cardeal Marx: a Igreja deve pedir perdão aos homossexuais. ‘Não se pode dizer que uma relação (homossexual) entre dois homens, se são fiéis, não tem nenhum valor'”[4]

(Quanto a isto, lamentei ver como o Papa, ao ser consultado, evitou o centro da questão.)

E assim temos que enquanto o Catecismo oficialmente ensina que as relações homossexuais “não podem receber aprovação em nenhum caso”, um cardeal “católico” diz que não só podem receber aprovação, como também têm valor inclusive. Como dizemos aqui em meu país: ou é carne ou é limonada; ou ensinam uma coisa, ou ensinam outra; entretanto, se prosseguirmos assim, contrairemos um transtorno bipolar.

O mais grave é que neste estado de patetismo espiritual, o cumprir o dever cristão de denunciar objetivamente aquilo que é pecado converte aquele que o faz naquilo que Sor Lucía Caram chama de “ortodoxo hipócrita”. Não haverá uma Sor Lucía Caram à altura de um São João Batista, capaz de perder a cabeça ao denunciar o adultério do rei Herodes; pelo contrário, as Sor Lucía Caram de hoje seriam o equivalente às Herodíases, que pedirão a cabeça de João com a desculpa de não se condenar ninguém (cf. Marcos 6,24).

Contudo, se todos nos tornarmos católicos diluídos, patéticos, pusilânimes, incapazes de denunciar o que é mal, já não seremos luz do mundo, nem sal da terra; só serviremos mesmo para ser pisoteados:

– “Vós sois o sal da terra. Mas se o sal perde seu sabor, com o que se salgará? Já não serve para mais nada; será lançado fora e pisoteado pelos homens” (Mateus 5,13).

Hoje há uma grande escassez de católicos combatentes, diferentemente de outras épocas em que abundaram e foram a glória da Igreja. Precisamos hoje de um Santo Agostinho e suas incontáveis apologias contra os erros; ou de um Santo Ireneu, que enfrentou todas as heresias do seu tempo. Se vivesse hoje Santo Atanásio, teólogos como José Antonio Pagola, Andres Torres Queiruga e muitos outros não encontrariam lugar para se esconderem. Hoje é melhor calar: “viva e deixe viver”, apesar de Jesus nos dar, no Evangelho, uma mensagem curta mas contundente:

– “Crês que vim aqui para trazer paz à terra? Vos asseguro que não, mas divisão. Porque a partir de agora haverá cinco em uma casa e estarão divididos: três contra dois e dois contra três. Estarão divididos o pai contra o filho e o filho contra o pai; a mãe contra a filha e a filha contra a mãe; a sogra contra a nora e a nora contra a sogra” (Lucas 12,51-53).

Pregar a verdade sempre poderá trazer confrontos porque a mensagem evangélica nos obriga a tomar partido. Ou és luz ou és trevas. Ou denuncias o mal ou te calas covardemente. Não há nada de errado em dizer ao outro que ele está equivocado, quando por nossa fé temos a certeza de que ele está errado. Não se trata de impor nossas razões, não se trata de obrigá-los a crer; trata-se de expor a verdade como um ato de caridade para com o irmão. Se nós estivéssemos equivocados e alguém soubesse disso, é claro que quereríamos que isso nos fosse dito.

Para que compreendam na prática esta doença que acomete o mundo de hoje e que tem infectado também os católicos que querem ser sempre politicamente corretos e estarem de bem com Deus e com o diabo, convido que assistam a este interessante vídeo sobre a ideologia do gênero. Ainda que não trate do nosso tema em específico, reflete com lucidez esse tipo de mentalidade.

—–
NOTAS:
[1] http://www.periodistadigital.com/religion/opinion/2016/08/14/religion-iglesia-espana-opinion-sor-lucia-caram-no-hay-que-hacerles-caso-a-los-enfermos-de-ortodoxia-hipocrita.shtml
[2] http://infocatolica.com/?t=noticia&cod=19779
[3] https://www.aciprensa.com/noticias/que-lo-sepa-todo-el-mundo-el-aborto-siempre-es-un-crimen-afirma-el-papa-francisco-37048/
[4] http://www.periodistadigital.com/religion/mundo/2016/06/27/religion-iglesia-mundo-marx-iglesia-homosexuales-perdon-justicia-reconocimiento.shtml

Papa convida ortodoxos a superarem diferenças históricas com Roma

“Enquanto chega a plena comunhão, demos testemunho comum”

Por Inma Álvarez

ISTAMBUL, segunda-feira, 30 de novembro de 2009 (ZENIT.org).- O Papa Bento XVI pediu ao patriarca Bartolomeu I de Constantinopla que ambos, católicos e ortodoxos, possam trabalhar juntos e dar um maior testemunho comum, ainda que não se tenha alcançado a comunhão plena entre as igrejas.

Assim expressa em uma longa mensagem, enviada ao patriarca ecumênico através do presidente do Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos, cardeal Walter Kasper.

O purpurado se encontra hoje em Istambul, à frente de uma delegação da Santa Sé, por ocasião da festa do apóstolo Santo André, padroeiro das igrejas orientais.

Bento XVI pede, em sua mensagem, que continuem avançando no caminho rumo à comunhão plena, “apesar das dificuldades”, superando as feridas do passado.

“Nossa crescente amizade, nosso respeito recíproco, nossa vontade de encontrar-nos e de reconhecer uns aos outros como irmãos em Cristo não deveriam ser obstaculizados por aqueles que permanecem ancorados em sua lembrança de diferenças históricas: isso os impede de abrir-se ao Espírito Santo, que guia a Igreja e que é capaz de transformar todas as fraquezas humanas em oportunidades para o bem”, afirma.

Especialmente, anima a prosseguir o diálogo iniciado na reunião da Comissão Mista Católico-Ortodoxa em Chipre do último mês de outubro, na qual se refletiu sobre o papel do bispo de Roma no primeiro milênio cristão, antes do Grande Cisma.

Este tema, admite o Papa, “é certamente complexo e requererá um estudo amplo e um diálogo paciente, se quisermos aspirar a uma integração compartilhada das tradições do Oriente e do Ocidente”.

Explica que, para a Igreja Católica, o ministério petrino é “um dom do Senhor para a sua Igreja”, que “não deve ser interpretado a partir de uma perspectiva de poder, e sim no âmbito de uma eclesiologia de comunhão, como serviço à unidade na verdade e na caridade”.

“Trata-se de buscar juntos, deixando-nos inspirar pelo modelo do primeiro milênio, as formas pelas quais o ministério do bispo de Roma possa realizar um serviço de amor reconhecido por todos”, acrescentou.

Testemunho comum

Enquanto esta comunhão plena não for alcançada, é importante, no entanto, ir mostrando diante da sociedade um maior testemunho comum, “cooperando ao serviço da humanidade”, afirma o Papa.

Católicos e ortodoxos devem colaborar “na defesa da dignidade da pessoa humana, na afirmação dos valores morais fundamentais, na promoção da justiça e da paz e em dar resposta ao sofrimento que continua atingindo nosso mundo, em particular a fome, a pobreza, o analfabetismo e nossa não equitativa distribuição dos recursos”.

Outro campo de cooperação, aponta o Papa, é a questão do meio ambiente: “Nossas igrejas podem trabalhar juntas para chamar a atenção sobre a responsabilidade da humanidade pela tutela da criação”.

Neste sentido, o Papa mostra seu apoio às iniciativas empreendidas por Bartolomeu I, especialmente à sua participação no simpósio internacional sobre “Religião, Ciência e Meio Ambiente”, dedicado ao rio Mississipi, no último mês de setembro.

Sentença que veta crucifixo mobiliza Igreja ortodoxa grega

O primaz Ieronymos está disposto a convocar um Sínodo extraordinário

ATENAS, segunda-feira, 16 de novembro de 2009 (ZENIT.org).- O primaz da Igreja ortodoxa grega, Ieronymos II, declarou-se disposto a convocar um Sínodo extraordinário para desenhar um plano de ação contra a recente sentença do Tribunal Europeu de Direitos Humanos que veta o crucifixo nas escolas.

“Não são só as minorias que têm direitos; os direitos são também das maiorias”, disse o primaz em uma declaração recolhida por diferentes agências de imprensa e da qual hoje informa o diário vaticano “L’Osservatore Romano”.

A sentença do Tribunal se produziu após lhe ser apresentado um caso na Itália. Decretou-se que a exposição do crucifixo nas salas escolares viola o direito dos pais à educação de seus filhos e restringe a liberdade de pensamento e de religião dos alunos.

Ieronymos se declarou disposto a convocar um Sínodo extraordinário, na próxima semana, para desenhar um plano de ação, no temor de que esta sentença possa constituir um precedente também para a Grécia. E fez um chamado aos católicos para rebater esta “ameaça aos símbolos cristãos”, contra aqueles juízes “que ignoram o papel do cristianismo na formação da identidade da Europa”.

A tomada de posição do primaz ortodoxo segue a uma tentativa por parte do Observatório para a aplicação dos Acordos de Helsinki na Grécia (Espe) de fazer ordenar desde um tribunal, após a decisão europeia sobre a Itália, a retirada de todos os símbolos religiosos das escolas, edifícios públicos e salas de justiça.

A respeito destas últimas, o Espe pediu ainda eliminar a presença do Evangelho da fórmula de juramento para as testemunhas. O tribunal de Atenas –indica a agência Ansa– rechaçou o pedido por falta de jurisprudência, mas não excluiu voltar a examiná-lo se a sentença europeia se fizer definitiva.

Por sua parte, a coalizão de esquerda (Syriza) perguntou ao governo como pensa se comportar a esse respeito, sublinhando que se a sentença do Tribunal de Estrasburgo fosse definitiva, deveria ser aplicada não apenas pela Itália, mas por todos os países europeus. A ministra de Educação, Anna Diamantopoulou, respondeu que “o problema não está na ordem do dia” , porque “os problemas da escola na Grécia são outros”.

O bispo ortodoxo de Thessaloniki, Anthimos, disse que espera que o Governo recorra contra qualquer sentença do tribunal grego ou europeu que obrigue a retirar os símbolos religiosos das escolas do país (geralmente um ícone do rosto de Cristo). E o bispo de Phthiotis, Nikolaos, advertiu que “em breve os jovens já não terão nenhum símbolo que os proteja” e que “os ídolos do futebol e do pop são sucessores pobres”.

A Igreja ortodoxa grega, à qual pertence 92% da população, interveio recentemente também para denunciar como “injusta” a decisão de triplicar o imposto sobre as propriedades, tomada pelo governo no contexto de um plano para sanar as contas públicas.

O Sínodo dos bispos, em uma declaração, afirmou que, ainda estando a Igreja disposta a cumprir com seu dever, a decisão de taxas as propriedades a 3 por mil, em lugar do precedente 1 por mil, coloca-a em uma situação de “desigualdade comparando com outras entidades legais”.

(Nieves San Martín)

Representante Ortodoxo Russo: não há rivalidade com os católicos

É necessária uma aliança ao serviço dos valores, afirma o arcebispo Hilarión

ROMA, segunda-feira, 21 de setembro de 2009 (ZENIT.org).- A Igreja católica e a ortodoxa devem ser aliadas na hora de reafirmar os valores cristãos no mundo de hoje: assim declarou o arcebispo Hilarión de Volokolamsk, em uma coletiva de imprensa após o encontro da sexta-feira passada com Bento XVI em Castel Gandolfo.

O prelado, presidente do Departamento para as Relações Eclesiásticas Externas do Patriarcado de Moscou, desejou que Bento XVI e o Patriarca Kirill possam encontrar-se logo, durante uma conversa com um grupo de jornalistas reunidos na igreja ortodoxa de Santa Catarina em Roma.

“Nós apoiamos o Papa em seu empenho pela defesa dos valores cristãos – afirmou – o apoiamos também quando suas valentes declarações suscitam reações negativas por parte de alguns políticos ou personalidades públicas, ou são recebidas com hostilidade e às vezes mal entendidas por parte de alguns meios de comunicação”.

“Cremos que ele tem o dever de dar testemunho da verdade e portanto estamos também com ele quando sua palavra encontra oposição”, acrescentou o arcebispo.

Precisamente por isto, o arcebispo ortodoxo desejou que se realize o quanto antes o encontro tão longamente esperado entre o Papa e o Patriarca de Moscou.

“Pessoalmente espero que cedo ou tarde se realize o encontro esperado por muitos entre o Papa e o Patriarca de Moscou. Posso dizer com responsabilidade que em ambas partes existe o desejo de preparar cuidadosamente este encontro”, assegurou.

Um encontro, declarou, que representaria um grande salto adiante nas relações entre católicos e ortodoxos.

Hilarión assegurou que existe atualmente uma ampla possibilidade de cooperação entre ambas Igrejas.

“Diante de nós – afirmou – se abre o vastíssimo campo do mundo descristianizado de hoje”.

“A estes desafios nós cristãos e particularmente ortodoxos e católicos podemos e devemos responder juntos – acrescentou –. Juntos podemos oferecer nossa visão cristã da família, afirmar nosso conceito de justiça social, de um empenho pela salvaguarda do meio ambiente, pela defesa da vida humana e de sua dignidade”.

A Igreja “não é um supermercado do espírito”, prosseguiu, a Igreja “faz a vida mais plena, mais humana e divina”.

O prelado manifestou esperar que a relação entre otodoxos e católicos se desenvolve mais intensamente e que se superem logo os problemas que subsistem entre ambas tradições.

O arcebispo Hilarión mostrou também que o Patriarcado de Moscou quer abrir também uma nova página nas relações com o Patriarcado Ecumênico de Constantinopla, em nome de um diálogo aberto e sincero.

Chipre: Igreja Ortodoxa quer pedir ajuda ao Papa frente à divisão do país

Por Anita Bourdin

ROMA, quarta-feira, 10 de dezembro de 2008 (ZENIT.org).- O arcebispo do Chipre, Crisóstomo, anunciou seu desejo de ir a Roma para pedir ajuda ao Papa Bento XVI na solução do problema do Chipre, segundo publicou em 2 de dezembro passado «Europaica», o boletim informativo da Representação da Igreja Ortodoxa Russa nas instituições européias.

Por outro lado, a Igreja Ortodoxa do Chipre anunciou sua intenção de abrir, desde o início de 2009, uma representação permanente na União Européia.

Atualmente, existem em Bruxelas várias representações ortodoxas na UE: a do patriarcado de Constantinopla, a da Igreja Ortodoxa Russa, a da romena e a da Igreja da Grécia.

Desde o ano passado, o arcebispo Cristóstomo afirmou que sua Igreja deveria ter sua própria representação na UE, dada a particular situação cipriota, tanto política como religiosa.

Colônia britânica até 1960, o Chipre se dividiu após a independência entre a população de origem grega e turca. Após uma série de confrontos entre ambas as comunidades, em 1974 a Turquia invadiu o norte do país, constituindo posteriormente a República Turca do Norte do Chipre, que não é reconhecida pela comunidade internacional.

O país, formado por 78% de greco-ortodoxos e 18% de muçulmanos, ingressou na EU em 2004. Desde o início deste ano, voltaram a negociar uma eventual reunificação.

Page 1 of 2

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén