Tag: maneira

Bento XVI: Devemos prolongar a obra salvífica de Deus

Vaticano, 25 Nov. 12 / 11:44 am (ACI/EWTN Noticias).- Ao presidir a oração do ângelus na Solenidade de Jesus Cristo Rei do Universo neste domingo, 25, na Praça de São Pedro, o Papa Bento XVI recordou que todos estamos chamados de uma maneira ou outra, a prolongar a obra salvífica de Deus, colocando-nos ao serviço do Senhor com generosidade.

“todos nós somos chamados a prolongar a obra salvífica de Deus convertendo-nos ao Evangelho, colocando-nos firmemente na esteira daquele Rei que não veio para ser servido, mas para servir e para dar testemunho da verdade”, exclamou o Santo Padre.

O Papa explicou que solenidade do Jesus Cristo Rei do Universo se situa ao final do ano litúrgico e resume o mistério do Jesus “primogênito dentre os mortos e dominador de todos os poderosos da terra’, “ampliando o nosso olhar para a plena realização do Reino de Deus, quando Deus será tudo em todos”.

“Nós anunciamos não somente a primeira vinda de Cristo, mas também uma segunda muito mais bela que a primeira. A primeira, na verdade, foi uma manifestação de sofrimento, a segunda traz a coroa da realeza divina; … na primeira foi submetido à humilhação na cruz, na segunda é cercado e glorificado por uma multidão de anjos”, disse o Papa Bento recordando as palavras de São Cirilo de Jerusalém.

Logo depois o Pontífice indicou que toda a missão de Jesus e o conteúdo de sua mensagem consistem em anunciar o Reino de Deus e praticá-lo em meio dos homens com sinais e prodígios.

“Mas – como recorda o Concílio Vaticano II – primeiro o Reino se manifesta na própria pessoa de Cristo” (Cost. dogm. Lumen gentium, 5), que o instaurou mediante a sua morte na cruz e a sua ressurreição, com a qual se manifestou como Senhor e Messias e Sacerdote eterno. Este Reino de Cristo foi confiado à Igreja, que é sua “semente” e “início” e tem a tarefa de anunciá-lo e difundi-lo entre todas as gentes, com a força do Espírito Santo (cfr ibid.). Ao término do tempo prescrito, o Senhor entregará a Deus Pai o Reino e o presenteará a todos aqueles que viveram segundo o mandamento do amor”.

O Santo Padre alentou os presentes a rezar pelos seis novos Cardeais que criou ontem: “convido todos a rezar pelos seis novos Cardeais que criei ontem, a fim de que o Espírito Santo os fortaleça na fé e na caridade e os encha com seus dons, de forma que vivam a sua nova responsabilidade como um novo compromisso com Cristo e seu Reino. Estes novos membros do Colégio Cardinalício bem representam a dimensão universal da Igreja: são Pastores da Igreja no Líbano, na Índia, na Nigéria, na Colômbia, nas Filipinas, e um desses está há longo tempo a serviço da Santa Sé”.

“Invocamos a proteção de Maria Santíssima sobre cada um desses e suas fieis confianças em seu serviço. A Virgem nos ajude a viver o tempo presente à espera da volta do Senhor, pedindo com força a Deus: “Venha o teu Reino”, e realizando aquelas obras de luz que nos aproximam sempre mais do Céu, conscientes de que, nos atormentados acontecimentos da história, Deus continua a construir o seu Reino de amor”, concluiu.





Cardeal Ravasi: Jesus expressou a fé usando praticamente a metade de um “tweet”

Cardeal Gianfranco Ravasi ROMA, 13 Nov. 12 / 05:22 pm (ACI).- Na sexta-feira, 9 de novembro, o Presidente do Pontifício Conselho para a Cultura, Cardeal Gianfranco Ravasi, exortou a difundir a mensagem da fé como Jesus, de maneira concisa e eloqüente pois Cristo “usava para expressar a fé, somente 78 caracteres gregos, quase a metade do que ocupa hoje em dia uma mensagem no Twitter”.

“É necessário propagar o anúncio com a mesma essencialidade que Cristo, quem em sua primeira intervenção pública, recorreu a uma espécie de ‘tweet’ essencial: ‘Cumpriu-se o tempo, o Reino de Deus está próximo. Converte-vos e crede no Evangelho’. Uma frase que em grego tem um total de oito palavras, e que sem artigos e conjugações levaria a um total de 15 termos com 78 caracteres”, expressou.

O Cardeal referiu estas palavras ao receber o Doutorado “Honoris Causa” em Teologia por seu compromisso pastoral orientado à comunicação da fé, das mãos do Reitor da Pontifícia Universidade Lateranense de Roma, Dom Enrico Dal Covolo.

O Cardeal Ravasi ofereceu uma exposição chamada “Educação e comunicação. Como crescer na fé na Universidade”.

Na conferência analisou a educação a partir do ponto de vista da comunicação e do conteúdo. O prelado considerou ainda que a comunicação deve ser um ambiente, e recordou que graças a ela, a mensagem de Jesus Cristo chegou até os nossos dias depois de dois mil anos.

O Cardeal Ravasi, que costuma escrever pequenas frases da Bíblia em seu perfil da rede de microblogging Twitter, afirmou que a propagação da fé deve ser eloqüente, clara e concisa, sem “abandonar nunca o aprofundamento”.

Além disso, o Cardeal fez um elogio especial ao conceito de “silêncio”, e recordou que a Bíblia nos chama ao silêncio e à meditação para perceber a chamada da fé, mediante as palavras “Shemá Israel”, “Escuta Israel”.





Gays têm direito a ser heterossexuais outra vez, diz Richard Cohen

Richard Cohen e sua família (foto El Tiempo) WASHINGTON DC, 10 Jan. 12 / 06:47 pm (ACI/EWTN Noticias)

O autor do livro “Compreender e sanar a homossexualidade” e ex-gay, Richard Cohen, pediu que se respeite o direito das pessoas que depois de anos vivendo como homossexuais decidiram retornar à heterossexualidade, e deixar de lado os ataques e a intolerância.

Cohen se referiu aos ataques que o grupo LGBT lançou na Espanha contra a editorial Libros Libres por publicar uma nova versão da obra.
“Acredito que este é um assunto de direitos humanos sobre liberdade de expressão. Reitero que os gays e as lésbicas que são felizes têm direito a viver as suas vidas. Esperaria que eles respeitassem os direitos de outros que desejam explorar uma saída para homossexualismo. Pratiquemos tolerância, diversidade e igualdade para todos”, expressou o autor em uma entrevista publicada pelo jornal colombiano El Tiempo no dia 8 de janeiro.

Na entrevista, Cohen –casado e com três filhos–, recordou que “de acordo com a Associação de Psicólogos Americanos, as pessoas não necessariamente nascem com atração para o mesmo sexo”.

“Ninguém nasce essencialmente com sentimentos homossexuais e ninguém tampouco escolhe sentir atração para o mesmo sexo. Há muitas razões para sentir esta atração (…). Nunca é uma coisa só. Influi a criação dos pais, ou a percepção que tem o filho dessa criação. Sob a atração para o mesmo sexo há dois fatores primários: traumas não resolvidos do passado e uma necessidade legítima de amor proveniente do mesmo gênero”, afirmou.

Depois de assinalar que respeita a comunidade homossexual, Cohen indicou que para que uma pessoa possa “resolver seu homossexualismo não desejado e completar seu sonho de ser heterossexual”, deve estar “realmente interessado em mudar”.

“Quando alguém identifica e resolve as dores do passado e experimenta amor de uma maneira saudável e não sexual com pessoas do mesmo gênero, então de maneira natural começam a emergir desejos heterossexuais. Isto eu experimentei em carne própria e vi como milhares transformaram suas vidas com o programa”, assegurou.

“Vivi essa vida e me dava conta de que não era para mim. Não foi fácil. Muitos me disseram: ‘Você nasceu gay’, mas sabia que isso não era certo”, afirmou.

Cohen disse que agora vive plenamente sua vida heterossexual e não se sente atraído por outros homens. “Converti-me em terapeuta para ajudar a outros como eu. Para que saibam que há esperança, que é possível, que se eu pude, eles também podem”, afirmou.

Nesse sentido, assegurou que das pessoas que vão à Fundação Internacional para a Sanação 85 por cento saem curados.

“Mas isto só funciona se a pessoa o deseja. Levamos 21 anos nisto e já temos escritórios no México”.





Ser sacerdote é o “trabalho” mais feliz, revela estudo

WASHINGTON DC, 24 Nov. 11 / 12:12 pm (ACI/EWTN Noticias)

Um estudo da Universidade de Chicago publicado pela revista Forbes mostrou que o sacerdócio é o “trabalho” mais feliz do mundo, e o segundo lugar é o trabalho de bombeiro.

O estudo mostrou que as pessoas se sentem mais satisfeitas com trabalhos que não coincidem necessariamente com o êxito econômico, mas com o serviço e a entrega ao próximo.

Os dez trabalhos mais satisfatórios se completam com fisioterapeutas, escritores, instrutores de educação especial, professores, artistas, psicólogos, agentes financeiros e engenheiros de operações.

No lado oposto se encontram postos de diretores com salários elevados, mas menos trato humano.

Desta maneira Forbes informou que os trabalhos mais insatisfatórios são os de diretor de tecnologia da informação, diretor de vendas e marketing, produtor / manager, desenvolvedor Web, técnico especialista, técnico eletrônica, secretário jurídico, analista de suporte técnico, maquinista e gerente de marketing.





Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén