Tag: heresia Page 1 of 2

Cardeal Burke e Dom Athanasius propõem “uma cruzada de oração e jejum pelo Sínodo na Amazônia”

Fonte: Templários de Maria

Nesta quinta-feira, o Cardeal Burke e Mons. Athanasius Schneider publicaram um documento exortando todos os católicos a participarem de uma Cruzada de Oração e Jejum pelo Sínodo da Amazônia durante quarenta dias, de 17 de setembro a 26 de outubro, às vésperas do encerramento do Sínodo: todos os dias dedicar pelo menos pelo menos uma dezena do rosário e fazer jejum uma vez por semana, de acordo com a tradição da Igreja, nestas intenções:

  1. Que durante a assembléia sinodal, os erros teológicos e heresias incluídos no Instrumentum Laboris NÃO SEJAM APROVADOS;
  2. Que, em particular, o Papa Francisco, no exercício do ministério petrino, CONFIRME seus irmãos na fé, com uma CLARA RECUSA DOS ERROS do Instrumentum Laboris e NÃO CONSINTA com a ABOLIÇÃO DO CELIBATO sacerdotal na Igreja Latina, com a introdução da prática de ordenação de homens casados, os chamados “viri probati”.

QUALQUER UM que souber da cruzada APÓS a data inicial, PODE OBVIAMENTE PARTICIPAR A QUALQUER MOMENTO.

O DOCUMENTO publicado destaca SEIS ERROS GRAVES e HERESIAS CONTIDOS NO Instrumentum Laboris, em suma:

  1. PANTEÍSMO IMPLÍCITO: o documento promove uma socialização PAGÃ da “Mãe Terra”, baseada na cosmologia das tribos amazônicas;
  2. SUPERSTIÇÕES PAGÃS como FONTES da Revelação Divina e “caminhos alternativos” para a salvação;
  3. DIÁLOGO INTERCULTURAL EM VEZ DE EVANGELIZAÇÃO;
  4. Uma CONCEPÇÃO ERRÔNEA da ORDENAÇÃO SACRAMENTAL, que POSTULA os ministros do culto de AMBOS OS SEXOS, para até mesmo realizar rituais xamânicos;
  5. Uma “ECOLOGIA INTEGRAL” que REBAIXA A DIGNIDADE HUMANA;
  6. Um COLETIVISMO TRIBAL que mina o caráter único da pessoa e sua liberdade.

Concluem: “Os ERROS TEOLÓGICOS e HERESIAS IMPLÍCITOS e EXPLÍCITOS contidos no Instrumentum Laboris da próxima Assembléia Especial do Sínodo dos Bispos para a Região Pan-Amazônica, são uma MANIFESTAÇÃO ALARMANTE DA CONFUSÃO, DO ERRO e DA DIVISÃO que AFLIGEM A IGREJA HOJE.

Ninguém pode justificar-se dizendo que NÃO FOI INFORMADO sobre a GRAVIDADE DA SITUAÇÃO e se eximiu do dever de tomar as ações apropriadas, por amor a Cristo e Sua vida conosco na Igreja.

Em particular, TODOS os membros do Corpo Místico de Cristo, diante de tal AMEAÇA À SUA INTEGRIDADE, DEVEM ORAR E JEJUAR PELO BEM ETERNO DE SEUS MEMBROS, que, por causa deste texto, correm o RISCO DE SEREM ESCANDALIZADOS, o que leva à CONFUSÃO, ERRO E DIVISÃO.

Além disso, TODO CATÓLICO, como verdadeiro SOLDADO DE CRISTO, É CHAMADO A SALVAGUARDAR e PROMOVER AS VERDADES DA FÉ e a DISCIPLINA com que essas verdades são HONRADAS NA PRÁTICA, para que a assembléia solene dos Bispos não traía a missão do Sínodo, que é “ajudar o pontífice romano com seus conselhos, para salvaguardar e aumentar a fé e a moral, observando e consolidando a disciplina eclesiástica” (can. 342) […].

Que Deus, através da intercessão de muitos missionários verdadeiramente católicos que evangelizaram os povos indígenas da América – incluindo São Toríbio de Mogrovejo e São José de Anchieta -, dos santos que os nativos americanos deram à Igreja – incluindo São Juan Diego e Santa Kateri Tekakwitha – e em particular pela intercessão da Virgem Maria, RAINHA DO SANTO ROSÁRIO, que DERROTA TODAS AS HERESIAS, para que os membros da próxima Assembléia Especial do Sínodo dos Bispos, para a Região Pan-Amazônica e o Santo Padre, estejam protegidos do perigo de aprovar erros e ambiguidades doutrinárias e de minar o domínio apostólico do celibato sacerdotal.

Raymond Leo Cardeal Burke
Bispo Athanasius Schneider

12 de setembro de 2019
Festa do Santíssimo Nome de Maria”

Texto completo (com citações do Instrumentum Laboris e as devidas refutações com base no Magistério, traduzido do italiano):

Texto integral do documento que lança a “cruzada de oração e jejum” promovida pelo cardeal Raymond L. Burke e por Mons. Athanasius Schneider, bispo auxiliar de Astana (Cazaquistão), porque o Sínodo da Amazônia não aprova os erros e heresias contidos no Instrumentum Laboris.

Durante quarenta dias, de 17 de setembro a 26 de outubro, às vésperas do encerramento do Sínodo: todos os dias uma dúzia do Rosário dedicou a essa intenção e jejuou uma vez por semana, de acordo com a tradição da Igreja , para acompanhar com o coração e com a Igreja. Lembre-se deste evento que pode ter sérias repercussões na vida da Igreja. O documento destaca seis erros graves e heresias contidos no Instrumentum Laboris.

Leia aqui outros artigos sobre o Sínodo da Amazônia.

Uma cruzada de oração e jejum

Implorar a Deus que erro e heresia não pervertem o sínodo iminente dos bispos da região amazônica

Vários prelados e comentaristas leigos, bem como institutos leigos, alertaram que os autores do Instrumentum Laboris – publicado pela Secretaria do Sínodo dos Bispos e que servirão de base para a discussão na próxima Assembléia Especial da Região Pan – Amazônica – incluíram graves erros teológicos e heresias no documento.Convidamos, portanto, o clero católico e os leigos a participarem de uma cruzada de oração e jejum para implorar Nosso Senhor e Salvador, através da intercessão de sua Virgem Mãe, pelas seguintes intenções:que durante a assembléia sinodal os erros e heresias teológicos incluídos no

Instrumentum Laboris não são aprovados ;que, em particular, o Papa Francisco, no exercício do ministério petrino, pode confirmar seus irmãos na fé com uma clara recusa dos erros do Instrumentum laboris e não concorda com a abolição do celibato sacerdotal na Igreja Latina com a introdução da prática de ordenação de homens casados, os chamados ” viri probati “, ao Sacerdócio Sacerdócio.

Propomos uma cruzada de quarenta dias de oração e jejum para começar em 17 de setembro e terminar em 26 de outubro de 2019, às vésperas da conclusão da Assembléia Especial do Sínodo dos Bispos para a Região Pan-Amazônica. Qualquer um que souber da cruzada após a data inicial pode obviamente participar a qualquer momento.

Durante esta cruzada, propomos orar todos os dias pelo menos uma dúzia do Santo Rosário e jejuar uma vez por semana pelas intenções mencionadas. Segundo a tradição da Igreja, o jejum consiste em consumir apenas uma refeição completa durante o dia, com a possibilidade de acrescentar mais duas refeições leves na escola. O jejum de pão e água é recomendado para quem é capaz de fazê-lo.

É nosso dever conscientizar os fiéis de alguns dos principais erros que estão se espalhando pelo Instrumentum Labori s. Como premissa, deve-se notar que o documento é longo e marcado por uma linguagem pouco clara, especialmente no que diz respeito ao depósito da fé ( depositum fidei ). Entre os principais erros, destacamos em particular o seguinte:

1. Panteísmo implícito

Instrumentum Laboris promove uma socialização pagã da “Mãe Terra”, baseada na cosmologia das tribos amazônicas, implicitamente panteísta.
Os povos aborígines descobrem como todas as partes “são dimensões que existem constitutivamente em relação, formando um todo vital” (nº 21) e, portanto, convivem “com a natureza como um todo” (nº 18) e “em diálogo com os espíritos” ”(N ° 75); Sua vida e “bom viver” caracterizam-se pela “harmonia dos relacionamentos” com “a natureza, com os seres humanos e com o ser supremo” e com “as várias forças espirituais” (nº 12-13), coletado no “mantra” do Papa Francisco: “tudo está conectado” (n ° 25); As crenças e ritos dos “curandeiros idosos” (n ° 88-89) em relação à “divindade chamada de muitas maneiras” atuando com e em relação à natureza (n ° 25) “criam harmonia e equilíbrio entre os seres humanos e os cosmo ”(n ° 87); Portanto, devemos ouvir o grito de (nº 146), parar o extermínio de (nº 17) e viver em saudável harmonia com a “Mãe Terra” (nº 85).

O Magistério da Igreja rejeita tal panteísmo implícito que é incompatível com a fé católica: “O calor da Mãe Terra, cuja divindade permeia toda a Criação, preenche a lacuna entre a Criação e o transcendente Deus-Pai do Judaísmo e do Cristianismo e elimina a perspectiva de ser julgado por este ser. Nesta visão de um universo fechado que contém “Deus” e outros seres espirituais junto conosco, reconhecemos um panteísmo implícito “(Conselho Pontifício para a Cultura e Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-Religioso”, Jesus Cristo, o portador da água viva: uma reflexão cristã sobre a ‘Nova Era ‘ ”, 2.3.1).

O Magistério da Igreja rejeita o panteísmo e o relativismo quando ensina:

“Eles tendem a relativizar doutrina religiosa em favor de uma visão de mundo expressa como um sistema de mitos e símbolos cobertos com a linguagem religiosa. Ainda mais, eles freqüentemente propõem um conceito panteísta de Deus que é incompatível com a Sagrada Escritura e a Tradição Cristã. Eles substituem a responsabilidade pessoal diante de Deus por nossas ações pelo senso de dever ao cosmos, revertendo, assim, o verdadeiro conceito de pecado e a necessidade de redenção por meio de Cristo “(João Paulo II,

Discurso aos Bispos dos Estados Unidos da América) ‘Iowa, Kansas, Missouri e Nebraska em sua visita “Ad Limina“, 28 de maio de 1993).

2. Superstições pagãs como fontes da Revelação Divina e caminhos alternativos para a salvação

Instrumentum Laboris extrai de sua concepção panteísta implícita um conceito errado da Revelação Divina, afirmando essencialmente que Deus continua a se comunicar na história através da consciência dos povos e dos gritos da natureza. De acordo com essa perspectiva, as superstições pagãs das tribos amazônicas são uma expressão da Revelação divina, que merece uma atitude de diálogo e aceitação pela Igreja:
A Amazônia é um “lugar teológico” onde se vive a fé “ou a experiência de Deus na história”; é uma “fonte particular da revelação de Deus: lugares epifânicos” onde as “carícias de Deus” tornam-se “encarnadas na história” (n ° 19);A Igreja deve “descobrir a presença ativa e encarnada de Deus” na “espiritualidade dos povos originais” (nº 33), reconhecendo neles “outros caminhos” (nº 39), uma vez que o Espírito Criador “nutriu a espiritualidade dos estes povos durante séculos, mesmo antes do anúncio do Evangelho “(n ° 120), ensinando-lhes” a fé em Deus Pai-Mãe Criador “e” a relação viva com a natureza e a ‘Mãe Terra’ “, bem como” com os antepassados ”(N ° 121);Por meio do diálogo, a Igreja deve evitar impor “doutrinas petrificadas” (nº 38), “formulações de fé expressas por outras referências culturais” (nº 120) e uma “atitude corporativa que reserva a salvação exclusivamente para a crença”. (n ° 39); e ao fazê-lo, a Igreja estará a caminho “em busca de sua identidade em direção à unidade no Espírito Santo” (nº 40);O Magistério da Igreja rejeita a relativização da singularidade da revelação de Deus contida nas Sagradas Escrituras e na Sagrada Tradição, ensinando:”A Igreja sempre venerou as Escrituras divinas, como fez para o próprio Corpo de Cristo (…) Juntamente com a Tradição sagrada, sempre considerou e considera as Escrituras divinas como a regra suprema da fé; de fato, inspirados por Deus e escritos de uma vez por todas, eles comunicam imutável a palavra de Deus e fazem a voz do Espírito Santo ressoar nas palavras dos profetas e apóstolos. Portanto, é necessário que a pregação eclesiástica, como a própria religião cristã, seja nutrida e regulada pela Sagrada Escritura “(Vaticano II, Constituição Dogmática

Dei Verbum , n ° 21).O Magistério da Igreja também afirma que existe apenas um Salvador, Jesus Cristo, e que a Igreja é seu único corpo místico e sua noiva:
“Em conexão com a singularidade e a universalidade da mediação salvífica de Jesus Cristo, a singularidade da Igreja que ele fundou deve ser firmemente acreditada como uma verdade da fé católica. Assim como existe apenas um Cristo, há apenas um Corpo Dele, apenas uma Noiva: “uma Igreja Católica e Apostólica”. Além disso, as promessas do Senhor de nunca abandonar sua Igreja (cf. Mt 16:18; 28,20) e guiá-la com o seu Espírito (cf. Jo 16:13) implicam que, de acordo com a fé católica, o nunca haverá falta de singularidade e unidade, como tudo o que pertence à integridade da Igreja “(Congregação para a Doutrina da Fé – Declaração

Dominus Iesus sobre a singularidade e universalidade salvífica de Jesus Cristo e da Igreja, n # 16).

3. Diálogo intercultural em vez de evangelização

Instrumentum Laboris contém a teoria errônea segundo a qual os aborígines já receberam uma revelação divina e que a Igreja Católica na Amazônia deve operar uma “conversão missionária e pastoral”, em vez de tentar introduzir uma doutrina e uma prática da verdade e da verdade. de bondade universal. O Instrumentum Laboris também afirma que a Igreja deve se enriquecer com os símbolos e ritos dos povos indígenas:
Uma “Igreja cessante” evita o risco de “propor uma solução de valor universal” ou a aplicação de “uma doutrina monolítica defendida por todos” (nº 110) e favorece a interculturalidade, por exemplo, “um enriquecimento mútuo dos culturas em diálogo “porque” o sujeito ativo da inculturação são os próprios povos indígenas “(nº 122);Além disso, a Igreja reconhece “a espiritualidade indígena como fonte de riqueza para a experiência cristã” e realiza “uma catequese que assume a linguagem e o significado das narrativas das culturas indígenas e afrodescendentes” (n ° 123);Ao compartilhar uns com os outros “suas experiências de Deus”, os crentes fazem “suas diferenças um incentivo para crescer e aprofundar sua fé” (No. 136).O Magistério da Igreja rejeita a ideia de que a atividade missionária é simplesmente um enriquecimento intercultural, ensinando:”As principais iniciativas com as quais os espalhadores do Evangelho, em todo o mundo, realizam a tarefa de pregá-lo e fundar a Igreja entre os povos e grupos humanos que ainda não acreditam em Cristo, são comumente chamadas de” missões “. (…) Um fim específico dessa atividade missionária é a evangelização e o fundamento da Igreja dentro dos povos e grupos humanos nos quais ela ainda não está enraizada. (…) O principal meio para esse fundamento é a pregação do Evangelho de Jesus Cristo “(Concílio Vaticano II, Decreto

Ad Gentes , n ° 6).”Para a inculturação, a Igreja incorpora o Evangelho em diferentes culturas e, ao mesmo tempo, introduz os povos com suas culturas em sua própria comunidade; transmite seus valores a eles, assumindo o que é bom neles e renovando-os por dentro. Por sua parte, com a inculturação, a Igreja se torna um sinal mais compreensível do que é o instrumento mais eficaz da missão “(Papa João Paulo II, Encíclica

Redemptoris Missio , nº 52).

4. Uma concepção errônea da ordenação sacramental, que postula os ministros do culto de ambos os sexos para até mesmo realizar rituais xamânicos

Em nome da inculturação da fé e sob o pretexto da falta de padres para celebrar a Eucaristia com freqüência, o Instrumentum Laboris apóia a adaptação dos ministérios católicos ordenados aos costumes ancestrais dos aborígines, a concessão de ministérios oficiais às mulheres e os ordenação de líderes comunitários casados ​​como padres de segunda classe, privados de parte de seus poderes ministeriais, mas capazes de realizar rituais xamânicos:

Dado que “o clericalismo não é aceito em suas diversas formas” (nº 127), “os critérios de seleção e preparação dos ministros autorizados a celebrar a Eucaristia” (nº 126) devem ser alterados, estudando a possibilidade da ordenação sacerdotal ” de idosos, preferencialmente indígenas, respeitados e aceitos por sua comunidade, embora já possam ter uma família estabelecida e estável “(nº 129), que mostra” outra maneira de ser igreja (…) sem censura, dogmatismo ou disciplina ritual ”(N ° 138);

Dado que nas culturas da Amazônia “a autoridade está em rotação”, seria apropriado “reconsiderar a idéia de que o exercício da jurisdição (poder do governo) deve estar conectado em todas as áreas (sacramental, judicial, administrativa) e em caminho permanente ao Sacramento da Ordem “(nº 127);A Igreja deve “identificar o tipo de ministério oficial que pode ser dado às mulheres” (nº 129);

Devemos reconhecer “os rituais e cerimônias indígenas” que “criam harmonia e equilíbrio entre os seres humanos e o cosmos” (nº 87), bem como os “elementos tradicionais que fazem parte dos processos de cura” realizados por “curandeiros idosos”. “(Nº 88), em que” rituais, símbolos e estilos comemorativos “devem ser integrados” no ritual litúrgico e sacramental “(nº 126).O Magistério da Igreja rejeita essas práticas e as idéias subjacentes, ensinando:

“O sacerdócio ministerial difere essencialmente do sacerdócio comum dos fiéis, porque confere um poder sagrado ao serviço dos fiéis. Os ministros ordenados exercem seu serviço ao povo de Deus através do ensino ( munus docendi ), adoração divina (munus liturgicum ) e governança pastoral ( munus regendi ) “(Catecismo da Igreja Católica , nº 1592).”Cristo, o único filho do Pai, em virtude de sua própria encarnação, é constituído mediador entre o céu e a terra, entre o Pai e a raça humana. Em plena harmonia com esta missão, Cristo permaneceu por toda a vida no estado de virgindade, o que significa dedicação total ao serviço de Deus e dos homens. Essa profunda conexão entre a virgindade e o sacerdócio em Cristo se reflete naqueles que têm o destino de participar da dignidade e missão do eterno Mediador e Sacerdote, e essa participação será ainda mais perfeita, mais o ministro sagrado estará livre dos laços de carne e sangue (…) O celibato consagrado dos ministros sagrados manifesta o amor virginal de Cristo pela Igreja e a fecundidade virginal e sobrenatural dessa união,

Sacerdotalis Caelibatus , n.os 21 e 26).”A vontade da Igreja encontra sua motivação final no vínculo que o celibato tem com a ordenação sagrada, que configura o sacerdote a Jesus Cristo Cabeça e Esposa da Igreja. A Igreja, como a Noiva de Jesus Cristo, quer ser amada pelo sacerdote da maneira total e exclusiva em que Jesus Cristo Cabeça e Cônjuge a amavam. O celibato sacerdotal, portanto, é um dom de si mesmo e com Cristo para sua Igreja e expressa o serviço do sacerdote à Igreja em e com o Senhor “(Papa João Paulo II, Exortação Apostólica

Pastores dabo vobis , n ° 29).”A ordenação sacerdotal, através da qual o ofício que Cristo confiou aos seus apóstolos é transmitido para ensinar, santificar e governar os fiéis, sempre foi exclusivamente reservada aos homens na Igreja Católica. (…) O fato de Maria Santíssima, Mãe de Deus e da Igreja, não ter recebido a missão própria dos apóstolos, nem o sacerdócio ministerial mostra claramente que a não admissão de mulheres na ordenação sacerdotal não pode significar sua menor dignidade ou discriminação contra eles. (…) Para tirar qualquer dúvida sobre um assunto de grande importância, que pertence à constituição divina da própria Igreja, em virtude do meu ministério de confirmar os irmãos (cf. Lc 22, 32),

Ordinatio Sacerdotalis , n.os 1, 3 e 4).

5. Uma “ecologia integral” que rebaixa a dignidade humana

Em harmonia com suas implícitas visões panteístas, o Instrumentum Laboris relativiza a antropologia cristã – que reconhece a pessoa humana como criada à imagem de Deus e, portanto, como o ápice da criação material (Gn 1, 26-31) – e, em vez disso, considera: ‘ser humano como um elo simples na cadeia ecológica da natureza, vendo o desenvolvimento socioeconômico como uma agressão à “Mãe Terra”.
“Um aspecto fundamental da raiz do pecado do ser humano reside em desapegar-se da natureza e não reconhecê-lo como parte de si mesmo, explorando-o sem limites” (n ° 99);”Um novo paradigma da ecologia integral” (nº 56) deve basear-se na “sabedoria dos povos indígenas” e em sua vida cotidiana que nos ensina “a nos reconhecermos como parte do bioma” (nº 102), “parte dos ecossistemas “(N. 48),” parte da natureza “(n. 17);O Magistério da Igreja rejeita a idéia de que os seres humanos não possuem uma dignidade única acima do restante da criação material e que o progresso tecnológico está vinculado ao pecado, ensinando:”Deus também dá aos homens o poder de participar livremente de sua providência, confiando-lhes a responsabilidade de” subjugar “a terra e dominá-la. Deste modo, Deus dá aos homens o dom de serem inteligentes e livres para completar a obra da criação, aperfeiçoando sua harmonia, para o bem e para o bem do próximo “( Catecismo da Igreja Católica , nº 307).

6. Um coletivismo tribal que mina o caráter único da pessoa e sua liberdade

Segundo o Instrumentum Laboris , uma “conversão ecológica” integral inclui a adoção do modelo social coletivo das tribos indígenas, no qual a personalidade individual e sua liberdade são prejudicadas:

“O conceito de sumak kawsay [‘bom viver’] foi moldado pela sabedoria ancestral dos povos e nações indígenas. É uma palavra mais testada e testada, mais antiga e mais atualizada, que propõe um estilo de vida comunitário em que todos sentem, PENSAM e agem da mesma maneira, como um fio que suporta, envolve e protege, como um poncho de cores diferentes ”( Apelo “ O Grito de Sumak Kawsay na Amazônia ” , nota 5 do No. 12);”A vida na Amazônia é integrada e unida ao território, não há separação ou divisão entre as partes. Essa unidade inclui toda a existência: trabalho, descanso, relações humanas, rituais e celebrações. Tudo é compartilhado, os espaços privados – típicos da modernidade – são mínimos. A vida é uma jornada comunitária em que tarefas e responsabilidades são divididas e compartilhadas de acordo com o bem comum. Não há lugar para a ideia de um indivíduo separado da comunidade ou de seu território “(n ° 24).

O Magistério da Igreja rejeita essas opiniões, ensinando:
“A pessoa humana deve sempre ser entendida em sua singularidade irrepetível e ineliminável. De fato, o homem existe, antes de tudo, como subjetividade, como centro de consciência e liberdade, cuja vicissitude única e sem paralelo expressa sua irredutibilidade a qualquer tentativa de forçá-lo a padrões ou sistemas de pensamento ideológico ou ideológico. menos “(

Compêndio de Doutrina Social da Igreja , nº 131).”O homem aprecia corretamente a liberdade e a busca apaixonadamente: ele deseja e deve formar e orientar, por livre e espontânea vontade, sua vida pessoal e social, assumindo responsabilidade pessoal por ela ( Veritatis Splendor , 34). A liberdade, de fato, não apenas permite ao homem mudar convenientemente o estado das coisas externas a ele, mas determina o crescimento de seu ser pessoa, através de escolhas conformes ao verdadeiro bem ( Catecismo da Igreja Católica , n. 1733): neste assim, o homem se gera, é o pai de seu próprio ser (Gregório de Nissa, De vita Moysis ) constrói a ordem social ( Centesimus Annus , 13) “( Compêndio da Doutrina Social da Igreja , nº 135).conclusão

Os erros e heresias implícitos e explícitos teológicos contidos no Instrumentum Laboris da próxima Assembléia Especial do Sínodo dos Bispos para a Região Pan-Amazônica, são uma manifestação alarmante da confusão, do erro e da divisão que afligem a Igreja hoje. Ninguém pode justificar-se dizendo que não foi informado sobre a gravidade da situação e se eximiu do dever de tomar as ações apropriadas por amor a Cristo e sua vida conosco na Igreja. Em particular, todos os membros do Corpo Místico de Cristo, diante de tal ameaça à sua integridade, devem orar e jejuar pelo bem eterno de seus membros, que, por causa deste texto, correm o risco de serem escandalizados, o que leva à confusão, erro e divisão.

Além disso, todo católico, como verdadeiro soldado de Cristo, é chamado a salvaguardar e promover as verdades da fé e a disciplina com que essas verdades são honradas na prática, para que a assembléia solene dos Bispos não trai a missão do Sínodo, que é “ajudar o pontífice romano com seus conselhos para salvaguardar e aumentar a fé e a moral, observando e consolidando a disciplina eclesiástica” ( pode 342). Em 13 de outubro de 2019, durante a assembléia sinodal, será realizada a Canonização do Beato Cardeal John Henry Newman.

Que o Santo Padre e todos os membros da Assembléia Especial do Sínodo dos Bispos da Região Pan-Amazônica ouçam e aceitem os seguintes ensinamentos luminosos deste novo Santo da Igreja, que alertou contra erros teológicos semelhantes aos erros da Igreja. a Canonização do Beato Cardeal John Henry Newman será realizada. Que o Santo Padre e todos os membros da Assembléia Especial do Sínodo dos Bispos da Região Pan-Amazônica ouçam e aceitem os seguintes ensinamentos luminosos deste novo Santo da Igreja, que alertou contra erros teológicos semelhantes aos erros da Igreja. a Canonização do Beato Cardeal John Henry Newman será realizada. Que o Santo Padre e todos os membros da Assembléia Especial do Sínodo dos Bispos da Região Pan-Amazônica ouçam e aceitem os seguintes ensinamentos luminosos deste novo Santo da Igreja, que alertou contra erros teológicos semelhantes aos erros da Igreja. Instrumentum Laboris mencionado acima:

“Na época, credos particulares, religiões fantasiosas, podem ser vistosas e impressionantes para muitos; as religiões nacionais podem ficar imensas e sem vida, bagunçar o solo por séculos, distrair a atenção ou confundir o julgamento dos eruditos; mas, a longo prazo, descobrirá que ou a religião católica é de fato, de fato, a chegada do mundo invisível nisto, ou que não há nada positivo, nada dogmático, nada real, em nenhuma de nossas noções sobre de onde nós vamos e para onde vamos “( Discursos para Congregações Mistas , XIII).

“Nunca a Santa Igreja teve maior necessidade do que alguém que se oporia [ao espírito do liberalismo na religião] quando, infelizmente! agora é um erro que se estende como uma armadilha mortal por toda a terra; … O liberalismo no campo religioso é a doutrina de que não há verdade positiva na religião, mas um credo é tão bom quanto outro, e é uma crença de que todos os dias adquire mais crédito e força. É contra qualquer reconhecimento de uma religião como verdadeira. Ensina que todos devem ser tolerados, porque para todos eles é uma questão de opiniões. A religião revelada não é uma verdade, mas um sentimento e uma preferência pessoal; não é um fato objetivo ou milagroso; e é direito de todo indivíduo fazê-la dizer tudo o que mais impressiona sua imaginação. A devoção não é necessariamente baseada na fé. Você pode participar de igrejas protestantes e igrejas católicas, sentar à mesa de ambas e não pertencer a nenhuma. Você pode confraternizar e ter pensamentos e sentimentos espirituais em comum, sem se perguntar o problema de uma doutrina comum ou sentir a necessidade “(Discurso de Ingresso , 12 de maio de 1879).

Que Deus, através da intercessão de muitos missionários verdadeiramente católicos que evangelizaram os povos indígenas da América – incluindo San Toribio de Mogrovejo e San José de Anchieta -, dos santos que os nativos americanos deram à Igreja – incluindo San Juan Diego e Santa Kateri Tekakwitha – e em particular pela intercessão da Virgem Maria, rainha do Santo Rosário, que derrota todas as heresias, para que os membros da próxima Assembléia Especial do Sínodo dos Bispos para a Região Pan-Amazônica e o Santo Padre estejam protegidos do perigo de aprovar erros e ambiguidades doutrinárias e de minar o domínio apostólico do celibato sacerdotal.

Raymond Leo Cardeal Burke
Bispo Athanasius Schneider

12 de setembro de 2019
Festa do Santíssimo Nome de Maria

Cardeal Burke: Documento de trabalho do Sínodo da Amazônia é ‘apostasia’, não pode se tornar um ensinamento da Igreja

( LifeSiteNews ) – O cardeal Raymond Burke disse que o documento de trabalho usado para o próximo Sínodo Pan-Amazônico, organizado pelo Vaticano a pedido do Papa Francisco, equivale a “apostasia”.

O cardeal fez esse comentário quando perguntado em uma entrevista no Youtube em 13 de agosto se o documento de trabalho conhecido como Instrumentum Laboris para o Sínodo de 6 a 27 de outubro pode se tornar definitivo para a Igreja Católica. O cardeal Burke respondeu:

“Não pode ser. O documento é uma apostasia. Isso não pode se tornar o ensinamento da Igreja, e se Deus quiser, todo o negócio será interrompido”.

Burke fez este comentário em uma ampla entrevista com o apresentador católico Patrick Coffin. Os principais organizadores do Sínodo Amazônico foram criticados por usar o evento para pressionar por diáconos do sexo feminino e padres casados. 

O cardeal, em uma discussão com o Coffin sobre políticos e outros que se afastam publicamente das crenças básicas defendidas pela Igreja, definiu tanto a heresia quanto a apostasia.

“Heresia é a negação, a negação consciente e voluntária de uma verdade da fé. Por exemplo, o sacerdote Ário, que negou as duas naturezas e uma pessoa de nosso Senhor Jesus Cristo. Assim, a heresia é apontada para uma verdade particular que alguém nega, ao passo que a apostasia é uma deserção geral da fé, um afastamento de Cristo de um modo geral e as muitas verdades da fé ”, afirmou.

Burke, em uma entrevista diferente, comentou comentários que os organizadores do sínodo fizeram sugerindo um relaxamento do celibato no sacerdócio para a região amazônica, dizendo que isso afetaria toda a Igreja mundial. “Não é honesto” sugerir que a reunião de outubro é “tratar a questão do celibato clerical apenas para aquela região”, disse ele em junho.

O Papa Francisco anunciou no ano passado que o Sínodo dos bispos da região Pan-Amazônica de outubro se reuniria em Roma com o propósito de identificar “novos caminhos para a evangelização do povo de Deus naquela região”, especialmente povos indígenas “muitas vezes esquecidos e sem a perspectiva de um futuro sereno”.

Os cardeais Walter Brandmuller e Gerhard Muller também condenaram o documento de trabalho do Sínodo da Amazônia.  O cardeal Walter Brandmüller também criticou o documento de trabalho, chamando-o de “herético” e uma “apostasia” da Revelação Divina. Ele chamou a hierarquia para “rejeitá-la” com “toda determinação”.

O cardeal Gerhard Mueller denunciou o que ele chama de terminologia ambígua e “ensino falso” do documento. Ele também questionou o que chamou de “hermenêutica invertida” do documento. Perguntando retoricamente se a Igreja é usada nas mãos de bispos e papas para “reconstruir”. “A Igreja como um instrumento” com objetivos seculares “, Mueller disse que o texto” apresenta uma reviravolta radical da hermenêutica da teologia católica “. Em vez de ressaltar os ensinamentos da Igreja ou citar a Sagrada Escritura, Muller escreveu que o Instrumentum Em vez disso, o Laboris gira em torno dos últimos documentos do Magistério do Papa Francisco, com algumas referências a João Paulo II e Bento XVI.

Leonardo Boff, um teólogo brasileiro e laico sacerdote que é amplamente reconhecido por ser o “teólogo de referência” para o Sínodo e um importante expoente da teologia da libertação, declarou que vê a eleição do Papa Francisco como uma “primavera” para a Igreja Católica . Em seu livro Francisco de Roma e Francisco de Assis , Boff afirmou sua crença de que o Papa Francisco encarna a teologia da libertação por causa de sua suposta dedicação aos pobres. Ele afirmou que a ordenação de homens casados ​​pode ser um resultado do sínodo. Em uma entrevista com a Deutsche Welt, Boff creditou o pontífice com o início de uma “revolução” na Igreja. A teologia da libertação foi especificamente condenada por São João Paulo II em 1985 por tentar reconciliar os preceitos marxistas com os ensinamentos católicos para o suposto propósito de ajudar os pobres, especialmente na América Latina.

O cardeal Burke disse em sua entrevista com Coffin que a mídia secular e alguns meios de comunicação católicos estão “glorificando” em chamar o Papa Francisco de “revolucionário”. Dizendo que o gabinete do papado não é revolucionário, ele disse que sua função primária é “salvaguardar o papado”. doutrina da fé e da disciplina da Igreja, a fim de ser o princípio e fundamento da unidade na Igreja ”.

Burke acrescentou: “Se você me disser que o papa é um revolucionário, ficaria muito preocupado, porque isso não tem nada a ver com o papado”.

Fonte: Tradução do site LifeSiteNews

Decreto do Santo Ofício contra o Comunismo

O Decreto contra o Comunismo consta de respostas a quatro questões formuladas sobre a interpretação da doutrina moral da Igreja e do direito canônico então vigente. Dessa maneira, a primeira constatação que podemos fazer sobre o Decreto, sobre o Comunismo, é que ele visa a esclarecer quatro possíveis dúvidas sobre pontos particulares da doutrina e da disciplina da Igreja, não a estabelecer novas normas. Trata-se, portanto, de um decreto interpretativo, (que explica) e não de um decreto constitutivo.

Decretum S. Offici, sous Pie XII,  1949
Decreto do Santo Ofício, por Pio XII, 1949

Questão 1: É permitido aderir ao partido comunista ou favorecê-lo de alguma maneira?
Resposta: Não; o comunismo é de fato materialista e anticristão; embora declarem às vezes em palavras que não atacam a religião, os comunistas demonstram de fato, quer pela doutrina, quer pelas ações, que são hostis a Deus, à verdadeira religião e à Igreja de Cristo.

Questão 2: É permitido publicar, divulgar ou ler livros, revistas, jornais ou tratados que sustentam a doutrina e ação dos comunistas ou escrever neles?
Resposta: Não, pois são proibidos pelo próprio direito [cf. CIC, cân. 1399 [1917]

Questão 3: Fiéis cristãos que consciente e livremente fizerem o que está em 1 e 2, podem ser admitidos aos sacramentos?
Resposta: Não, segundo os princípios ordinários determinando a recusa dos sacramentos àqueles que não têm a disposição requerida

Questão 4: Fiéis cristãos que professam a doutrina materialista e anticristã do comunismo, e, sobretudo os que a defendem ou propagam, incorrem pelo próprio fato, como apóstatas da fé católica, na excomunhão reservada de modo especial à Sé Apostólica?
Resposta: Sim

Resp (cfirm a S. P’ce 30 juin)
Respostas [confirmadas pelo Sumo Pontífice em 30 de junho]

A primeira resposta declara que não é lícito aderir ao partido comunista ou favorecê-lo de uma forma qualquer, porquanto o comunismo é, de fato, materialista e anticristão; além disso, embora possam dizer, às vezes, que não atacam a religião, os fatos comprovam a hostilidade da doutrina e das ações dos comunistas contra a religião católica.

Esta resposta permaneceria válida para o nosso tempo? Evidentemente que sim: se uma associação qualquer professa uma doutrina materialista (ou seja, uma doutrina que nega a existência de Deus e a imortalidade da alma) e promove uma ação anticristã, é uma incoerência que um fiel católico se inscreva nessa associação ou a ajude de qualquer maneira. Aliás, o cânon 1.374 do vigente Código de Direito Canônico, promulgado por S. João Paulo II em 1983, manda punir com “justa pena” (mas não com excomunhão latae sententiae) “quem se inscreve em alguma associação que maquina contra a Igreja”. Observe-se, entretanto, que tal norma vale não apenas para os partidos que se auto-intitulam “comunistas”, como também para a Maçonaria.

Os comunistas, segundo o Decreto, não incorrem em excomunhão na qualidade de comunistas, mas na qualidade de apóstatas da fé. E o que seria um “apóstata da fé”?

Conforme o cânon 751 do Código de Direito Canônico vigente, «apostasia é o repúdio total da fé cristã». Enquanto a heresia importa a negação de uma verdade da fé em particular (por exemplo, a presença real do Cristo na Eucaristia), a apostasia se caracteriza por uma rejeição de todas as verdades da fé em seu conjunto. Herege é o que escolhe entre as verdades da fé as que ele quer seguir; o apóstata é o que rejeita a todas. Ora, se alguém professa uma doutrina materialista(materialismo é a negação da existência de Deus e da imortalidade da alma) e anticristã (o anticristianismo, por definição, é o combate contra a fé cristã), evidentemente ele é um apóstata da fé católica, ou seja, alguém que rejeitou todas as verdades da fé em seu conjunto.

Em 27 de julho de 1949, L’Osservatore Romano, o jornal oficioso da Santa Sé, publicou um extenso editorial comentando o Decreto contra o Comunismo:

Incorrem na excomunhão reservada de modo especial à Santa Sé os fiéis que professam a doutrina materialista e anticristã dos comunistas e sobretudo os que a defendem ou a propagam. O materialismo nega a existência de um Deus pessoal, a espiritualidade da alma, a liberdade da vontade e qualquer recompensa ou castigo depois desta vida. Quem professa essa doutrina, pelo próprio fato de professá-la, se destaca da comunidade e da fé cristã. É, portanto, um apóstata (cânon 1.325, § 2, do Código de Direito Canônico de 1917).

O Decreto fala textualmente em «excomunhão reservada de modo especial à Sé Apostólica». No direito penal canônico vigente na época da publicação do Decreto, a apostasia era punida com excomunhão latae sententiae reservada de modo especial à Santa Sé. Isto significava que essa excomunhão apenas poderia ser levantada (absolvida) pelo Papa ou por um sacerdote que obtivesse do Papa a faculdade especial de levantá-las. No Código de Direito Canônico de 1983, a excomunhão por delito de apostasia deixou de ser reservada, de modo que hoje pode ser desligada por qualquer sacerdote habilitado para remitir penas eclesiásticas.

Os motivos para que se aplique a excomunhão “latae sententiae” são a heresia, o cisma, a violência contra o Papa, a consagração de um bispo sem mandato do pontífice, a realização de um aborto, a profanação da Eucaristia, a absolvição de um “cúmplice” em caso de relações sexuais e a violação do segredo da confissão, diz o Código.

Excomunhão
CÓDIGO DE DIREITO CANÔNICO

1364§ 1. O apóstata da fé, o herege ou o cismático incorre em excomunhão latae sententiae, salva a prescrição do cân. 194, § 1, n. 2; além disso, o clérigo pode ser punido com as penas mencionadas no cân. 1336, § 1, n. 1, 2 e 3.

1367 Quem joga fora as espécies consagradas ou as subtrai ou conserva para fim sacrílego incorre em excomunhão latae sententiae reservada à Sé Apostólica; além disso, o clérigo pode ser punido com outra pena, não excluída a demissão do estado clerical.

1370§ 1. Quem usa de violência física contra o Romano Pontífice incorre em excomunhão latae sententiae reservada à Sé Apostólica, e, se for clérigo, conforme a gravidade do delito, a essa pode-se acrescentar outra pena, não excluída a demissão do estado clerical.
§2. Quem assim age contra pessoas revestida de caráter episcopal incorre em interdito latae sententiae e, se for clérigo, também em suspensão latae sententiae.
§3. Quem usa de violência física contra clérigo ou religioso por desprezo à fé, à Igreja, ao poder eclesiástico ou ao ministério seja punido com censura.

1378§ 1. O sacerdote que age contra a prescrição do cân. 977 incorre em excomunhão latae sententiae reservada à Sé Apostólica.

977 Exceto em perigo de morte, é inválida a absolvição do cúmplice em pecado contra o sexto mandamento do Decálogo.

1382 O Bispo que, sem o mandato pontifício, confere a alguém a consagração episcopal e, igualmente, quem dele recebe a consagração incorrem em excomunhão latae sententiae reservada à Sé Apostólica.

1388§ 1. O confessor que viola diretamente o sigilo sacramental incorre em excomunhão latae sententiae reservada à Sé Apostólica; quem o faz só indiretamente seja punido conforme a gravidade do delito.

§2. O intérprete e os outros mencionados no cân. 983, § 2, que violam o segredo, sejam punidos com justa pena, não excluída a excomunhão.

1398 Quem provoca aborto, seguindo se o efeito, incorre em excomunhão latae sententiae.

Vídeo: Padre Paulo Ricardo
Fontes: pt.scribd.com Denzinger-pdf /vatican.va portuguese canonici_po.pdf/
MONTFORT Associação Cultural /refletindo7 / traditiocatholicae /cleofas.


Adquira o livro – A Conjuração Anticristã

Nesta obra fundamental, Monsenhor Henri Delassus (1836-1921) apresenta-nos uma análise histórica, filosófica e religiosa das tentativas de destruição da Igreja Católica durante a Renascença, a Reforma e as diversas revoluções dos séculos XVIII e XIX. O autor nos expõe como ocorreu a difusão dos ideais humanistas e naturalistas pelas lojas maçônicas, denuncia o seu objetivo de impor à humanidade uma nova visão do homem e aponta quais os seus fins últimos. Explica-nos de que modo trabalham para o estabelecimento de uma república universal de caráter naturalista, quem são seus agentes principais e quais as raízes profundas de seu embate contra o catolicismo. Escrito há mais de cem anos (1910), este livro é profético. O leitor contemporâneo certamente ficará surpreendido com as previsões do autor, visto que o plano aqui exposto se realizou exatamente como ele previra. A conjuração anticristã é uma leitura indispensável para se compreender a história da Igreja Católica e o curso dos acontecimentos políticos no século XX e nestas primeiras décadas do século XXI.

CNBB NO BANCO DOS RÉUS: grana, poder e heresia

É ano dos leigos, mas também de eleições presidenciais! Chegou a hora de conhecer a fundo as ligações político-financeiras e as contradições doutrinárias da cúpula da CNBB. Finalmente a máscara caiu!

(CORREÇÃO: o Domingo de Ramos é uma semana ANTES, portanto, dia 25 de março.)

Nunciatura Apostólica no Brasil – Dom Giovanni D’Aniello
Tel: (61) 3223-0794 ou (61) 3223-0916
E-mail: [email protected]

Nossa Senhora do Rosário

Um exército com o Rosário nas mãos!

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=XbvaKXX7sl4[/youtube]

Pode parecer uma das armas mais inadequadas porém, para o católico que crê na intervenção do sobrenatural, o Rosário já se demonstrou historicamente como uma arma de eficácia extraordinária.

É o que nos recorda o Santo Padre o Papa Leão XIII na encíclica Supremi Apostolatus Officio(01/09/1883). Seja contra a heresia, seja contra as armadas inimigas, Nossa Senhora do Rosário demonstrou-se grande Auxiliadora dos Cristãos e a Mãe que conduz seus filhos à Vitória.

Clique aqui para ler a Encíclica Supremi Apostolatus Officio do papa Leão XIII

Fonte: Padre Paulo Ricardo

O desastre do catolicismo liberal

As exigências do cristianismo não toleram a pusilanimidade nem a barganha com o depósito da fé

Quando o então Cardeal Joseph Ratzinger, num debate com o filósofo ateu Paolo Flores D’arcais, em 2000, mencionou a palavra tolerância numa explicação, não pôde deixar de notar o espanto da plateia e, até mesmo, do mediador do encontro. Reação previsível, se se levar em consideração a imagem negativa imputada ao futuro Bento XVI, devido ao seu trabalho na Congregação para Doutrina da Fé. É certo que, nos dias de hoje, em que a falsa tolerância foi elevada à categoria de virtude cardeal, qualquer movimento que sugira uma repreensão motivada por um erro é, apressadamente, tachado de intolerante. Daí a fama de cardealpanzer de Bento XVI que, como “colaborador da Verdade”, tinha consciência do seu dever de debelar o erro. A tolerância a qualquer custo é uma doença da mentalidade moderna, na qual conta mais uma pseudo harmonia e comunhão do que a verdade. E nesta seara, infelizmente, também se inserem muitos católicos.

Essa dificuldade nasce, sobretudo, da falta de clareza com que se tratam assuntos de delicada importância, incluindo a religião. Em nome do bem-estar e da paz, prefere-se adotar uma posição moderada, sem “paixões”, como declaram alguns, mesmo que isso custe um alto preço. Ora, a tolerância só tem sentido dentro de um contexto de amor à verdade e à justiça, não de pusilanimidade. Não é à toa que as casas de prostituição são popularmente conhecidas como casas de tolerância. Quando se coloca a tolerância como regra suprema do bem, não é estranho que apareçam na história câmaras de gás, gulags e paredões. Ou então, mais condizente com o momento atual, clínicas de aborto e embriões congelados para pesquisa.

Deve-se separar pecado e pecador, ser tolerante com a pessoa, mas nunca com o mal. E, em certos casos, a tolerância exige, sim, uma justa pena, pois a disciplina também é uma forma nobre de amar. Se é verdade que Cristo mandou deixar que cresçam juntos joio e trigo, também não é menos verdade que ele tenha pego num chicote para expulsar os vendilhões do templo. No itinerário do amor cristão também está o zelo pelo bem integral – físico, moral e espiritual – do irmão que, muitas vezes, passa pela correção fraterna. Todavia, denunciou Bento XVI na sua mensagem para Quaresma de 2012, “parece que a cultura contemporânea perdeu o sentido do bem e do mal, sendo necessário reafirmar com vigor que o bem existe e vence, porque Deus é «bom e faz o bem» (Sl 119/118, 68)”.

O respeito humano que impera em muitos ambientes católicos é um dos principais motivos da apostasia na Igreja. Uma vez que se abandona o sentido autêntico da fé, perde-se também a noção de bem e mal e, em última instância, a noção de verdade. Esse é o mal da propalada tolerância. Em termos mais duros, dizia o escritor Gustavo Corção sobre o esfriamento dos católicos no Brasil, “na consideração das causas o número um, a triste primazia, deve ser dada ao catolicismo liberal, ao catolicismo complacente, ao catolicismo tolerante, ao catolicismo que traz a Igreja a moleza, a falta de caráter, a esperteza, que são os vícios de nossas virtudes, o modo brasileiro de deteriorar o que seria bondade e magnanimidade se lograsse retificação e purificação”. Como remédio, aconselhava Corção, “nós, aqui no Brasil, precisamos aprender a dura e viril arte de não transigir(…) E para isso temos de lutar em duas grandes frentes: na formação moral, e na difusão da Doutrina”.

Não é católico quem não professa o credo dos apóstolos. O coração do fiel deve ser universal o suficiente para acolher todo o depósito da fé e, com ele, todas a suas exigências. E isso requer intolerância. Sim, a intolerância para dizer não aos pruridos de novidades que afastam da sã doutrina, para dizer não à ditadura do relativismo. A santa intrasigência dos mártires para responder sim ao que é sim, e não ao que é não. A ousadia para respeitar a liberdade do outro, sem, contudo, fazer descontos em questões não negociáveis. Em suma, ser intolerante o suficiente para remar contra a maré de mentiras e falsas promessas, como pediu o Papa Francisco aos jovens da JMJ-Rio 2013, e buscar em Cristo a única e verdadeira felicidade, “em que se revela a origem e a consumação da história” (Cf. Lumen Fidei, 35).

Por: Equipe Christo Nihil Praeponere

Padre Cantalamessa: Os sacerdotes, servos e amigos de Jesus, não funcionários

Primeira meditação do Advento pelo Pregador do Papa

Por Mirko Testa

ROMA, sexta-feira, 4 de dezembro de 2009 (ZENIT.org). – Os sacerdotes devem cultivar uma amizade tão íntima com Cristo a ponto de ser quase capazes de fazer as pessoas se sentirem tocadas pela mão de Deus. É o que disse, em síntese, o Pregador da Casa Pontifícia, padre Raniero Cantalamessa, na primeira de suas meditações sobre o Advento, na presença do Papa Bento XVI e de membros da Cúria Romana, na capela Redemptoris Mater do Palácio Apostólico.

O frade capuchinho escolheu refletir, como preparação para o Natal, sobre a natureza e a missão do sacerdócio, partindo dos dois textos do Novo Testamento mais pertinentes para o tema: “Que as pessoas nos considerem como ministros de Cristo e administradores dos mistérios de Deus” (1 Coríntios 4, 1) e “Cada sumo sacerdote, escolhido entre os homens, é constituído para o bem dos homens como mediador nas coisas que dizem respeito a Deus” (Hebreus 5, 1).

Em seu sermão, padre Cantalamessa disse que o sacerdote deve ser, acima de tudo, um continuador da obra de Cristo no mundo e, portanto,  “dar testemunho da verdade, fazendo brilhar sua luz”, entendendo-se por verdade “o conhecimento  da realidade divina” e assim  da “esperança de Deus”.

A tarefa da igreja e dos sacerdotes consiste em permitir que “as pessoas tenham um contato íntimo e pessoal com a realidade de Deus, por meio do Espírito Santo”, de modo a torná-lo presente ao “dar forma visível à sua presença invisível”.

Nesse sentido, explicou, “cada sacerdote deve ser um místico, ou ao menos um mistagogo, capaz de introduzir as pessoas no Mistério de Deus e de Cristo como se as conduzisse pela mão”.

Ao mesmo tempo , o sacerdote convidou a cultivar a “simpatia, o senso de solidariedade, a compaixão”, “nunca julgando, mas salvando”.

Ademais, continuou Cantalamessa, o sacerdote não deve ser apenas servo de Jesus, mas deve estar com Ele, inclusive em “seus pensamentos, propósitos e espírito”.

Este é o testemunho do próprio Jesus, quando disse “Eu já não os chamo mais de servos, porque um servo não sabe aonde vai seu senhor; os chamo de amigos, porque lhes dei a conhecer tudo o que aprendi de meu Pai”.

Padre Cantalamessa advertiu ainda contra um tipo de heresia própria dos tempos modernos e que ele chama de “ativismo frenético”.

“Nós sacerdotes, mais de quaisquer outros, estamos expostos ao perigo de sacrificar o importante frente ao urgente”, disse. Mas assim, “acaba-se por adiar o importante para um amanhã que nunca chegará”.

Ao contrário, disse, a essência do sacerdócio consiste “num relacionamento pessoal, pleno de confiança e de amizade, com a pessoa de Jesus”, uma vez que “é o amor por Jesus o que diferencia o sacerdote funcionário ou gerente daquele sacerdote servo de Cristo e difusor dos Mistérios de Deus”. E convidou a “passar do Jesus personagem à pessoa de Jesus”, desenvolvendo um diálogo com Ele. “Porque se isto é negligenciado, ocorre um curto-circuito, que nos torna vazios de oração e de Espírito Santo”.

Por isso, concluiu o Padre, cada sacerdote “deve iniciar a jornada reservando um tempo de oração e de diálogo com Deus”, de modo que as demais atividades cotidianas não ocupem todo o espaço.

Page 1 of 2

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén