Tag: golpe

O golpe do Rosário tinha sido o golpe de misericórdia

No século XVII, na Inglaterra, os católicos eram submetidos a uma sangrenta perseguição. O Padre João Ogilvie foi julgado em Glasgow, Escócia, no dia 15 de outubro de 1614, por ter afirmado que, no domínio espiritual, o Papa estava acima do Rei.

Condenado à morte, passou todo o tempo no cativeiro sem nada perder da sua alegria e de suas brincadeiras costumeiras. Após ter sido torturado, foi conduzido ao cadafalso no dia 10 de março de 1615, quando renovou sua fidelidade ao Rei, no domínio temporal, e declarou que morreria por sua fidelidade ao Papa.

No patíbulo, pronto para ir ao encontro da morte, repentinamente, pegou o terço lançando-o à multidão. O terço atingiu em cheio o peito de um calvinista húngaro que estava de passagem por Glasgow: este era o notável Johan von Echesdoff, que se converteu ao catolicismo, logo após esta passagem. O golpe do Rosário tinha sido o golpe da Graça.

Escocês, jesuíta, mártir na Escócia, em 1615, João Ogilvie era Congregado Mariano no Colégio dos Jesuítas, em Olmutz, Lovaina, Bélgica. John Ogilvie foi canonizado pelo Papa Paulo VI, em outubro de 1976.

Florilégio mariano 1979

E também em: www.mariedenazareth.com

Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco.
Bendita sois Vós entre as mulheres, bendito é o fruto de Vosso ventre, Jesus. Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores, agora e na hora de nossa morte.
Amém.





Golpe! – Dilma decidiu extinguir a democracia por decreto

MST
Coitadinhos da “Classe oprimida” membros do MST invadem e incendeiam mais uma fazenda

Atenção, leitores!

SEUS DIREITOS, neste exato momento, estão sendo roubados, solapados, diminuídos. A menos que você seja um membro do MTST, do MST, de uma dessas siglas que optaram pela truculência como forma de expressão política.

De mansinho, o PT e a presidente Dilma Rousseff resolveram instalar no país a ditadura petista por decreto. Leiam o conteúdo do decreto 8.243, de 23 de maio deste ano, que cria uma tal “Política Nacional de Participação Social” e um certo “Sistema Nacional de Participação Social”. O Estadão escreve nesta quinta um excelente editorial a respeito. Trata-se de um texto escandalosamente inconstitucional, que afronta o fundamento da igualdade perante a lei, que fere o princípio da representação democrática e cria uma categoria de aristocratas com poderes acima dos outros cidadãos: a dos membros de “movimentos sociais”.

O que faz o decreto da digníssima presidente? Em primeiro lugar, define o que é “sociedade civil” em vários incisos do Artigo 2º. Logo o inciso I é uma graça, a saber: “I – sociedade civil – o cidadão, os coletivos, os movimentos sociais institucionalizados ou não institucionalizados, suas redes e suas organizações”.

Pronto! Cabe qualquer coisa aí. Afinal, convenham: tudo aquilo que não é institucional é, por natureza, não institucional. Em seguida, o texto da Soberana estabelece que “todos os órgãos da administração pública direta ou indireta” contarão, em seus conselhos, com representantes dessa tal sociedade civil — que, como já vimos, será tudo aquilo que o governo de turno decidir que é… sociedade civil

Todos os órgãos da gestão pública, incluindo agências reguladoras, por exemplo, estariam submetidos aos tais movimentos sociais — que, de resto, sabemos, são controlados pelo PT. Ao estabelecer em lei a sua participação na administração pública, os petistas querem se eternizar no poder, ganhem ou percam as eleições.

Isso que a presidente está chamando de “sistema de participação” é, na verdade, um sistema de tutela. Parte do princípio antidemocrático de que aqueles que participam dos ditos movimentos sociais são mais cidadãos do que os que não participam. Criam-se, com esse texto, duas categorias de brasileiros: os que têm direito de participar da vida pública e os que não têm. Alguém dirá: “Ora, basta integrar um movimento social”. Mas isso implicará, necessariamente, ter de se vincular a um partido político.

A Constituição brasileira assegura o direito à livre manifestação e consagra a forma da democracia representativa: por meio de eleições livres, que escolhem o Parlamento. O que Dilma está fazendo, por decreto, é criar uma outra categoria de representação, que não passa pelo processo eletivo. Trata-se de uma iniciativa que busca corroer por dentro o regime democrático.

O PT está tentando consolidar um comissariado à moda soviética. Trata-se de um golpe institucional. Será um escândalo se a Ordem dos Advogados do Brasil não recorrer ao Supremo contra essa excrescência. Com esse decreto, os petistas querem, finalmente, tornar obsoletas as eleições. O texto segue o melhor padrão da ditadura venezuelana e das protoditaduras de Bolívia, Equador e Nicarágua. Afinal, na América Latina, hoje em dia, os golpes são dados pelas esquerdas, pela via aparentemente legal.

Inconformado com a democracia, o PT quer agora extingui-la por decreto.





Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén