Os bispos ucranianos exortam os alemães a serem fiéis às Escrituras e à Tradição.

A Comissão Episcopal para a Família da Conferência Episcopal da Ucrânia enviou uma carta de correção fraterna aos bispos que participam da Assembléia Sinodal da Igreja na Alemanha. A carta pede aos bispos alemães que se mantenham fiéis à Sagrada Escritura e à Tradição da Igreja e lhes adverte que suas posições prejudicam a fé dos fiéis na Ucrânia. 

Por PCh24/InfoCatólica | Tradução: FratresInUnum.com –  Os bispos da Igreja na Ucrânia asseguram em sua carta que há uma profunda crise na Igreja do país “de nossos vizinhos ocidentais” e enfatizam que a postura dos bispos alemães sobre alguns temas é uma ameaça aos fiéis na Ucrânia.

Los obispos ucranianos exhortan a los alemanes a ser fieles a las Escrituras y la Tradición

Entre os temas está a questão da homossexualidade na doutrina da Igreja e também sua atitude para com a ideologia LGBT e a lei natural. O documento tem a forma de uma correctio fraterna”.

Os prelados ucranianos são contundentes em sua advertência aos alemães:

« Os grupos LGBT estão realizando um ataque ideológico massivo contra nossos jovens e crianças para corrompê-los moralmente. Igualmente, as organizações mencionadas justificam suas atividades e sua propaganda apoiando-se na nova perspectiva do episcopado alemão. Dói-nos ver como a propaganda LGBT invoca vossas próprias palavras para lutar contra o cristianismo e também contra todos os que reconhecem a verdadeira antropologia baseada na Bíblia e na lei natural»

E acrescentam:

« Alguns de nossos fiéis, que carregam o fardo da homossexualidade e outras ferias na esfera sexual, ao tomar conhecimento de tais declarações de sua Assembléia, sentem-se importantes em sua luta para levar uma vida casta…

Os matrimônios que lutam contra a mentalidade contraceptiva deste mundo e se abrem ao dom da vida, experimentam profundas dúvidas depois de ler suas opiniões sobre a contracepção».

Em sua carta, os bispos ucranianos também mencionam que os fiéis da Igreja Católica na Ucrânia são acusados por cristãos de outras denominações (ndr: ortodoxos e protestantes) de que a Igreja Católica se está distanciando da verdade revelada. Os bispos ucranianos advertem que a razão de tais acusações é a posição dos hierarcas alemães.

« Eles veem vossa postura não como vosso próprio ensinamento privado, ou, inclusive, como um caminho apartado da Igreja na Alemanha, mas como a postura de toda a Igreja Católica.»

Entre os signatários da carta está Dom Radoslav Zmitrovich, bispo de Kamenets-Podolskiy, que ressaltou que a Igreja tem um ensinamento claro sobre os temas sexuais. Tais ensinamentos são a melhor resposta aos desafios dos tempos modernos, e não a concessão às propostas LGBT e à revolução sexual. Em declarações a PCh24, ele afirmou:

« A Assembléia sinodal alemã propõe uma direção oposta, que destrói as vidas humanas. Ela os fecha ao amor trazido por Jesus Cristo. Sem este amor, o homem não pode ser feliz. Certamente, sempre há dificuldades e quedas, mas a direção é importante. É importante se seguimos o caminhjo que leva as pessoas a viverem a sexuailidade como um dom maravilhoso para um homem e uma mulher, a fim de criar uma relação ágape-caritas, que também é um Sacramento, uma comunhão de pessoas e o presente de uma nova vida. Do contrário, estamos seguindo um caminho de vida no qual o homem está sujeito ao poder de Eros, o que significa que vive sem Cristo, somente sob o poder de seu próprio ego e de sua própria paixão.»

Arcebispo de Uganda proíbe comunhão na mão

Prelado também reafirma que casais em união estável não podem receber a Eucaristia

KAMPALA, Uganda ( ChurchMilitant.com ) – Um arcebispo em Uganda está protegendo a Presença Real de Cristo de ser desonrada ao proibir a recepção da Sagrada Comunhão na mão.

Em um decreto emitido no sábado, o arcebispo Cyprian Kizito Lwanga, de Kampala, disse a padres e leigos que agora está tornando a prática ilegal:

A partir de agora, é proibido distribuir ou receber a Sagrada Comunhão nas mãos. A Santa Madre Igreja nos ordena a realizar a Santíssima Eucaristia com a mais alta honra ( Can. 898 ). Devido a muitos casos relatados de desonra à Eucaristia que foram associados à recepção da Eucaristia nas mãos, é apropriado retornar ao método mais reverente de receber a Eucaristia na língua.

O arcebispo também estabeleceu normas adicionais sobre quem pode distribuir e receber o Santíssimo Sacramento e ordenou que suas diretrizes fossem imediatamente aplicadas.

Lwanga se torna um dos poucos bispos em todo o mundo que usaram sua autoridade para banir a prática que é altamente criticada. O bispo na Bolívia, Krzysztof Białasik, barrou esse costume litúrgico de sua diocese de Oruro em 2015. Nomeado pelo Papa Bento XVI em 2005, disse que distribuir o Santíssimo Sacramento na língua reduz a chance de alguém receber a Eucaristia e depois ir embora sem consumir a Hóstia consagrada.

O falecido bispo Juan Rodolfo Laise, da diocese de San Luis, Argentina,  escreveu o livro Comunhão na Mão: Documentos e História, em 1997, quando proibiu a prática em sua diocese. Seus sucessores também apoiaram sua proibição.

O bispo Athanasius Schneider, de Astana, no Cazaquistão, também tem sido um crítico aberto da Comunhão na mão. Falando em 2015, Schneider disse que a prática causa perda de fé na Presença Real de Cristo.

“O gesto minimalista exterior tem uma conexão causal com o enfraquecimento ou até perda da fé na Presença Real”, explica o bispo.

Schneider também escreveu um livro altamente crítico da prática chamado  Dominus Est – É o Senhor . O cardeal Albert Malcolm Ranjith, agora arcebispo de Colombo, Sri Lanka, escreveu o prefácio do livro enquanto era ex-secretário da Congregação do Culto Divino. Em sua reflexão, Ranjith pediu uma revisão cuidadosa e possível abandono da prática.

Penso que agora é hora de avaliar cuidadosamente a prática da Comunhão na mão e, se necessário, abandonar o que realmente nunca era exigido no documento do Vaticano II, Sacrosanctum Concilium, nem pelos padres conciliares, mas foi, de fato, “aceito” depois que foi introduzido como abuso em alguns países.

Em seu decreto no sábado, Lwanga observou que a lei universal da Igreja Católica exige que ele esteja vigilante “para evitar abusos na vida litúrgica da Igreja”. Ele também reforçou que o  cânon 915 do Código de Direito Canônico impede que os casais que vivem em pecado recebam a Comunhão.

“Seguindo as normas claras do cân. 915”, escreveu Lwanga, “deve-se reafirmar que aqueles que vivem em união conjugal ilícita e aqueles que persistem em pecado grave e manifesto não podem ser admitidos na Santa Comunhão”.

Entre as várias normas estabelecidas no decreto do bispo, os leigos – que não receberam um mandato oficial do bispo para serem ministros extraordinários da Eucaristia – também foram proibidos de distribuir a Sagrada Comunhão.

Citando o cânone 929 , o bispo ordenou ainda que sacerdotes e diáconos “celebrando e administrando a Eucaristia” devem “usar vestimentas sagradas”, conforme prescrito pelas rubricas litúrgicas.

Lwanga terminou dizendo que seus decretos foram feitos para lutar contra os crescentes abusos litúrgicos.

“As normas acima visam agilizar a celebração da Santa Eucaristia e conter os abusos que começaram a surgir na celebração da missa”, escreveu o bispo. “Essas normas devem ser seguidas com efeito imediato”.

Via Church Militant

Não havia comunhão na mão na Igreja dos primeiros séculos

D. Athanasius Schneider é bispo auxiliar da diocese de Karaganda (Casaquistão), uma ex-república soviética com 26% de cristãos, maioritariamente ortodoxa mas com uma pujante comunidade católica.

Segundo D. Athanasius Schneider, o costume de comungar na mão é “completamente novo”, posterior ao Concílio Vaticano II, e não tem raízes nos tempos dos primeiros cristãos, ao contrário do que se alega com frequência.

Na Igreja primitiva era necessário purificar as mãos antes e depois do rito, e a mão estava coberta com um corporal, de onde se tomava a forma directamente com a língua: “Era mais uma comunhão na boca do que na mão”, afirmou Schneider. De facto, depois de comungar a Sagrada Hóstia o fiel devia recolher da mão, com a língua, qualquer pequena partícula consagrada. Um diácono supervisionava esta operação. Nunca se tocava com os dedos: “O gesto da comunhão na mão tal como o conhecemos hoje era totalmente desconhecido” entre os primeiros cristãos.

Aquele gesto foi substituído pela administração directa do sacerdote na boca, uma mudança que teve lugar “instintiva e pacificamente” em toda a Igreja. A partir do século V, no Oriente, e no Ocidente um pouco mais tarde. O Papa S. Gregório Magno no século VII já o fazia assim, e os sínodos franceses e espanhóis dos séculos VIII e IX sancionavam quem tocasse na Sagrada Forma.

Afirma ainda D. Athanasius Schneider que a prática que hoje conhecemos da comunhão na mão nasceu no século XVII em meios calvinistas, onde não se acreditava na presença real de Jesus Cristo na eucaristia. “Nem Lutero”, que acreditava nessa presença, embora não na transubstanciação, “o teria feito”, disse o prelado. “De facto, até há relativamente pouco tempo os luteranos comungavam de joelhos e na boca, e ainda hoje alguns o fazem assim nos países escandinavos”.

in religionenliberdad.com

2 milhões de pessoas exigem que Netflix retire filme do Porta dos Fundos com “Jesus gay”

Que o grupo Porta dos Fundos gera polêmica e revolta cristãos com suas sátiras envolvendo o cristianismo já não é novidade. Porém, no final deste ano (2019), a plataforma de filmes e séries em streaming Netflix também está sendo criticada por hospedar o filme mais recente da produtora de humor.

Na sinopse do filme “Especial de Natal Porta dos Fundos : A Primeira Tentação de Cristo”, um breve texto apresenta: “Jesus está fazendo 30 anos e traz um convidado surpresa para conhecer a família. Um especial de Natal tão errado que só podia ser do Porta dos Fundos”.

O tal “amigo” (Fábio Porchat) que o personagem de Jesus (Gregório Duvivier) traz para passar alguns dias em sua casa seria também seu “namorado”, segundo a história. Porém ao longo da trama, o parceiro se revela como o diabo.

Uma petição online (Change.org) que exige que a Netflix retire a série de seu acervo já conseguiu mais de 180 mil assinaturas em apenas 5 dias após sua criação. O objetivo é atingir 200 mil.

Para assinar, clique aqui.

“Pelo impedimento do filme de Natal da Netflix e porta dos fundos, por ofender gravemente os cristãos”, diz a descrição do abaixo-assinado.

Cada internauta que assinou a petição deixou um comentário, manifestando seu repúdio ao Porta dos Fundos por seu escárnio ao cristianismo e também à Netflix por promover o filme.

Crítica de Carlos Vereza

Em um texto publicado no Facebook, o ator comentarista de Cinema Carlos Vereza fez duras críticas ao Porta dos Fundos pelo lançamento do novo filme, com uma temática que apresenta Jesus como um homossexual.

“Porta dos Fundos. Vocês são lamentáveis como viventes. Embora Jesus não precise de defesa, principalmente a minha, vocês imaginam que podem debochar, não do Mestre, que é perdão antecipado, mas do maior país católico do planeta e dos que creem num Ser que modificou a história, antes e depois Dele”, escreveu o ator.

“Vocês são safos, descolados, sub imitação dos filmes trash- refuse-pornô, supostos pós-modernos num país em eterno subdesenvolvimento”, acrescentou. “Idiotas pretensiosos, estafetas da Nova Ordem Mundial, que têm como pauta, desde a Escola de Frankfurt, a desconstrução da família e da religião”.

O ator também acusou a produtora de fazer militância “lula livre” e e outras “causas” da esquerda, como a legalização das drogas e revolução sexual.

“O subtexto de vocês, que não vou nomina-los, é o lula livre, é a volta do baseado livre, do tráfico livre nas universidades, do desregramento sexual livre, à falta do amor, que para vocês, é careta, coisa da direita. Vocês, cúmplices do maior ladrão da pobre história desse país, um genocida que matou milhares de carentes pela precariedade na saúde, pela manipulação ideológica em frágeis estudantes”, afirmou.

“Nem originais vocês conseguem ser. Os mesmos de sempre. Obcecados pela pauta gayzista. Soltem-se, há batom para todos os gostos. Liberem a Linda Lovelace que existe em vocês!”, finalizou, ironizando.

Bispos alemães proclamam o homossexualismo como “normal” e o adultério como “não grave”

BERLIM, 9 de dezembro de 2019 (Traduzida do site LifeSiteNews) – A Comissão de Casamento e Família da Conferência Episcopal Alemã chegou a um consenso de que a homossexualidade é uma “forma normal de predisposição sexual”.

Dois prelados alemães também alegaram que Amoris Laetitia ensina que os relacionamentos sexuais formados após o divórcio não são gravemente pecaminosos nem impedem a recepção da Comunhão.

Em 5 de dezembro, a Conferência Episcopal Alemã publicou um comunicado à imprensa detalhando os resultados de uma “consulta especializada sobre o tema ‘A sexualidade do homem: como discuti-la cientificamente-teologicamente e como fazer uma avaliação eclesiástica?’”

A consulta, que incluiu um painel de bispos, sexólogos, teólogos da moral, teólogos dogmáticos e advogados canônicos, ocorreu em Berlim e foi concluída em 4 de dezembro. O momento do evento coincidiu com a partida dos bispos alemães ao longo de seu próprio “caminho sinodal .”

De acordo com o comunicado de imprensa, os especialistas concordaram que “a sexualidade humana abrange uma dimensão de luxúria, de procriação e de relacionamentos”.

Eles também concordaram que a homossexualidade é tão “normal” quanto a heterossexualidade e que nenhuma atração sexual deveria ser mudada.

Também houve acordo de que a preferência sexual do homem se expressa na puberdade e assume uma orientação hetero ou homossexual. Ambos pertencem às formas normais de predisposição sexual, que não podem ou devem ser alteradas com a ajuda de uma socialização específica ”, afirmou o comunicado de imprensa.

O comunicado ofereceu esse status de normalidade como a razão pela qual “qualquer forma de discriminação das pessoas com orientação homossexual deve ser rejeitada”, um ensinamento que diz ter sido exigido por “bastante tempo” pelo escritório de ensino da Igreja e foi “explicitamente enfatizado pelo Papa Francisco” em Amoris Laetitia.

O acordo tinha seus limites, no entanto. Não houve consenso sobre “se a proibição magistral da homossexualidade praticada ainda está atualizada”. Os especialistas também discordaram sobre se as pessoas casadas ou não devem ter permissão para usar contraceptivos artificiais.

O comunicado de imprensa dos bispos alemães mencionou em particular o arcebispo Heiner Koch, de Berlim, chefe da Comissão para a Família, e o bispo Franz-Joseph Bode, de Osnabrück. Ambos estavam presentes no Sínodo da Família em Roma em 2015. Segundo a declaração, os dois homens enfatizaram “a importância de uma sólida discussão baseada nas ciências humanas e na teologia e enfatizaram os desenvolvimentos que já podem ser encontrados na Amoris Laetitia”.

Como exemplo de um “desenvolvimento” em Amoris Laetitia, os bispos alemães afirmam que o documento diz que “um relacionamento sexual após um divórcio e um novo casamento não é mais geralmente considerado um pecado grave e, posteriormente, uma exclusão geral da recepção. da Eucaristia não está prevista. ”

Os outros prelados alemães do painel incluíram o bispo Wolfgang Ipolt, de Görlitz, o bispo Peter Kohlgraf, de Mainz, e vários bispos auxiliares da Comissão para a Família.

O Catecismo da Igreja Católica de 1992 afirma claramente que os atos homossexuais são “desordenados intrinsicamente” e “contrários à lei natural” (CCC 2357).

“Eles fecham o ato sexual ao dom da vida”, continua. “Eles não procedem de uma genuína complementaridade afetiva e sexual.”

“Sob nenhuma circunstância eles podem ser aprovados.”

No entanto, a catequese realmente enfatiza que o sofrimento de pessoas com atração pelo mesmo sexo não deve ser aumentado por tratamento cruel:

O número de homens e mulheres que têm tendências homossexuais profundas não é desprezível. Essa inclinação, que é objetivamente desordenada, constitui para a maioria deles uma provação. Eles devem ser aceitos com respeito, compaixão e sensibilidade. Todos os sinais de discriminação injusta a seu respeito devem ser evitados. Essas pessoas são chamadas a cumprir a vontade de Deus em suas vidas e, se forem cristãs, a unir ao sacrifício da Cruz do Senhor as dificuldades que podem encontrar em sua condição (CCC 2358)

O Catecismo também enfatiza que “as pessoas homossexuais são chamadas à castidade” e pode “abordar a perfeição cristã” através do autodomínio, da amizade, da oração e da graça sacramental (CCC 2359).

No entanto, há uma rebelião generalizada na Igreja Católica na Alemanha contra a doutrina perene da Igreja em questões sexuais, inclusive entre os membros da Conferência Episcopal Alemã. A insistência da Conferência Episcopal Alemã em manter seu próprio sínodo, ou “caminho sinodal”, sem a permissão do Vaticano, preocupa os católicos alemães mais tradicionais.

O cardeal Walter Brandmüller, presidente emérito do Pontifício Comitê de Ciências Históricas, advertiu que seguir esse caminho – um que questiona os ensinamentos da Igreja sobre o celibato, sacerdócio masculino; homossexualidade; e casamento – poderia levar a uma “igreja nacional” sem “quase nenhum vínculo com Roma”. O cardeal de dubia afirmou que este seria “certamente o caminho mais seguro para o declínio final” da Igreja alemã.

Pastor da Assembleia de Deus se “converte” ao catolicismo e leva fiéis junto

Um pastor pentecostal, acompanhado de sua família e um grupo de fiéis desligaram-se da Igreja Assembleia de Deus de Tucson, no Arizona, Estados Unidos, e se converteram ao catolicismo, passando a seguir o rito bizantino.

As igrejas desse rito pertencem a um antigo ramo do catolicismo, embora sejam autônomas em relação ao rito e disciplina. De modo geral, estão igualmente submetidas ao papa e ao Vaticano.

A revista National Catholic Register divulgou recentemente a história do pastor Joshua Mangels, que renunciou ao seu cargo na Assembleia de Deus no final do ano passado. Ao anunciar seu desligamento, afirmou que quem assim desejasse, poderia ir com ele.

Surpreendentemente, vários membros tomaram essa decisão. Cerca de um mês depois do anúncio, foram batizados em uma igreja católica de Tucson.

O pastor comentou que, embora o seu ministério na igreja pentecostal lhe desse prazer, nos últimos anos começou a se sentir “frustrado pelos vaivéns da doutrina, as modas e pressões da comercialização da igreja”.

Ao voltar para casa depois de uma conferência de pastores sentia-se decepcionado e começou a escutar as homilias de um padre que um amigo lhe tinha indicado. O conteúdo das pregações, segundo Mangels, era impressionante. “Era como um gole de água fresca. Escutei durante horas”.

Ele afirma que recebeu informações sobre os Padres de Igreja e parte de sua história que não conhecia. Decidiu fazer sua própria pesquisa. “Quando li os pais da Igreja, os sacramentos começaram a ter significado e comecei a ver como a Eucaristia era central para a Igreja primitiva. Se a Eucaristia foi ordenada por Cristo, quero receber isso do Senhor”, relata.

Conta que ele e a esposa começaram a ler constantemente sobre a história do catolicismo e começou a ensinar os fiéis de sua igreja sobre tudo que aprendera. “Adorava pastorear, adorava pregar. Eu falava em reuniões de todo tipo, mas descobri que agora eu era católico no meu coração”, lembra Mangels.

Quando ele conheceu o padre Bob Rankin, da Igreja Católica Bizantina de Tucson, começou a ouvir mais sobre a teologia dogmática e a eclesiologia católica, até que se convenceu que precisava tomar essa decisão, mesma sabendo que seria rejeitado pelos membros da sua igreja.

Para sua surpresa, mais de uma dezena decidiu juntar-se a ele, enquanto a maioria continuou fazendo parte da Assembleia de Deus e procurou outro pastor para a congregação. Com informações ACI Prensa

A Volta do Apostolado Veritatis Splendor

Criado em 2002 e tendo suas atividades praticamente encerradas em 2012, o Apostolado Veritatis Splendor, fundado pelos ex-protestantes Alessandro Lima e Carlos Nabeto e que foi na década passada um dos maiores sites de apologética católica em língua portuguesa, está de volta!

A sua volta é inaugurada no dia 03/10/2019 com a publicação do artigo “O dano do Sínodos já foi feito (e o bem também)”.

O seu Diretor Geral, Alessandro Lima reuniu desta vez alguns dos antigos membros que outrora com ele combateram. Nesta nova composição fazem parte da equipe: Alexandre Dias, Bruno Valadão, Carlos Martins Nabeto, Cledson Ramos, Ewerton Wagner Caetano, Jaime Franciso de Moura, Joathas Bello, Marcos Monteiro Grillo, Thadeu Soares, Rafael Cresci e Wellington Campos Pinho. Este último tem cuidado da manutenção do site desde 2012.

Além de seu site, o Veritatis Splendor atua também em diversas outras mídias eletrônicas como segue:

Page 1 of 345

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén