1. Então Tobias chamou a si o anjo, que ele julgava ser homem, e disse-lhe: Irmão Azarias, peço-te que ouças as minhas palavras.

2. Ainda que eu me entregasse a ti por escravo, não poderia corresponder dignamente aos teus cuidados.

3. Suplico-te, não obstante, que tomes contigo cavalgaduras e servos, e vás ter com Gabelo, a Ragés, cidade dos Medos. Entrega-Ihe o seu recibo, recebe dele o dinheiro e roga-lhe que venha à minha boda.

4. Tu bem sabes que meu pai conta os dias: se eu tardar um dia mais, a sua alma se contristará.

5. Tu vês também como Raguel instou comigo, e que não posso desprezar as suas instâncias tão fortes.

6. Então Rafael, tomando quatro criados de Raguel e dois camelos, foi à cidade de Ragés, na Média. Encontrando Gabelo, entregou-lhe o seu recibo, e recebeu dele todo o dinheiro.

7. Contou-lhe tudo o que tinha sucedido a Tobias, filho de Tobias, e fê-lo ir consigo à boda.

8. Tendo Gabelo entrado em casa de Raguel, encontrou Tobias à mesa. Levantando-se este, beijaram-se mutuamente; Gabelo chorou e louvou a Deus,

9. dizendo: O Deus de Israel te abençoe, porque és filho dum homem óptimo, justo, temente a Deus e esmoler;

10. estenda-se também a bênção a tua mulher e a vossos pais;

11. possais ver os vossos filhos e os filhos de vossos filhos, até à terceira e quarta geração! Seja a vossa descendência bendita do Deus de Israel, que reina pelos séculos dos séculos.

12. Tendo todos respondido: Amen — puseram-se à mesa. Foi também com o temor do Senhor que celebraram o banquete nupcial.





“Não se fixe voluntariamente naquilo que o inimigo da alma lhe apresenta.” São Padre Pio de Pietrelcina