1. Coré filho de Isaar, filho de Caath, filho de Levi, Datan e Abiron, filhos de Eliab, e também Hon, filho de Feleth, da família de Ruben,

2. se levantaram contra Moisés, juntamente com outros duzentos e cinquenta homens dos filhas de Israel, principais da sinagoga, e que, quando (se convocava) o conselho, eram chamados pelos seus nomes.

3. Sublevados contra Moisés e Aarão disseram: Baste-vos que sejais como os outros, neste povo de santos, em que o Senhor está no meio de todos; por que vos elevais vós sobre o povo do Senhor?

4. Moisés, tendo ouvido isto, lançou-se com o rosto por terra,

5. e disse a Coré e a toda aquela multidão: Amanhã o Senhor fará conhecer quais são os que lhe pertencem, e aproximará de si os santos, e os que escolher se aproximarão dele.

6. Fazei, pois, isto: Cada um tome o seu turíbulo, tu, Coré, e todos os teus sequazes;

7. amanhã, depois de terdes lançado fogo, ponde incenso sobre ele diante do Senhor; todo o que ele escolher, será o santo; vós exaltai-vos muito, ó filhos de Levi.

8. Disse mais a Coré: Ouvi, ó filhos de Levi:

9. Acaso é pouco para vós que o Deus de Israel vos tenha separado de todo o povo, e vos tenha unido a si, para o servirdes no culto do tabernáculo, para assistirdes diante da multidão do povo, e exercerdes o seu ministério?

10. Porventura ele fez-vos aproximar de si, a ti e a todos os teus irmãos filhos de Levi, a fim de usurpardes para vós também o sacerdócio,

11. e todos os teus sequazes se sublevarem contra o Senhor? Que coisa é Aarão para murmurardes contra ele?

12. Moisés, pois, mandou chamar Datan e Abiron, filhos de Eliab, e eles responderam: Não vamos.

13. Porventura não te basta haver-nos tirado de uma terra, que manava leite e mel, para nos fazerdes morrer no deserto, (ainda) queres-te assenhorear de nós?

14. Na verdade não nos conduziste a uma terra, onde corre o leite e o mel, nem sequer nos deste um pedaço de terra ou uma vinha: queres também tirar-nos os olhos? Não vamos.

15. Moisés, muito irado, disse ao Senhor: Não olhes para os seus sacrifícios; tu sabes que eu nunca recebi deles nem tanto como um jumento e que não afligi nenhum deles.

16. Disse a Coré: Tu e todos os teus sequazes apresentai-vos amanhã de uma parte diante do Senhor, e Aarão da outra parte.

17. Tomai cada um os vossos turíbulos, e ponde-lhes em cima incenso, oferecendo ao Senhor duzentos e cinquenta turíbulos. Aarão tenha também o seu turíbulo.

18. Tendo eles feito isto na presença de Moisés e de Aarão,

19. tendo juntado contra eles toda a multidão (dos rebeldes) à entrada do tabernáculo, apareceu a todos a glória do Senhor. (ver nota)

20. O Senhor falou a Moisés e a Aarão dizendo:

21. Separai-vos do meio desta congregação para que eu de improviso os destrua.

22. Eles então prostraram-se com o rosto por terra, e disseram: Ó Deus fortíssimo dos espíritos de toda a carne, acaso pelo pecado de um só se acenderá a tua ira contra todos?

23. O Senhor disse a Moisés:

24. Manda a todo o povo que se separe das tendas de Coré, de Datan e de Abiron.

25. Levantou-se, pois, Moisés, e foi a Datan e Ebirom, seguindo-o os anciães de Israel,

26. e disse ao povo: Afastai-vos das tendas destes homens ímpios e não toqueis coisa que lhes pertença, para que não sejais envolvidos nos seus pecados.

27. Afastando-se o povo das suas tendas, Datan e Abiron, saindo fora, estavam em pé à entrada das suas tendas com suas mulheres e filhos, e com todos os companheiros.

28. Moisés disse: Nisto conhecereis que o Senhor me enviou a fazer tudo o que vedes, é que eu não o fiz por minha cabeça.

29. Se estes morrerem com a morte ordinária dos homens, se a sua sorte foi como a dos outros homens, o Senhor não me enviou:

30. mas, se o Senhor fizer por um novo prodígio que a terra, abrindo a sua boca, os engula com tudo o que lhes pertence, e que desçam vivos à morada dos mortos, então sabereis que eles blasfemaram contra o Senhor.

31. Logo que ele acabou de falar, fendeu-se a terra debaixo dos seus pés,

32. e, abrindo a sua boca, os tragou com as suas tendas e com tudo o que lhes pertencia.

33. Desceram vivos à morada dos mortos: cobriu-os a terra, e pereceram do meio da multidão.

34. Todo o Israel, que estava em volta deles, ao clamor dos que pereciam, fugiu, dizendo: Não suceda que a terra nos engula também a nós!

35. Ao mesmo tempo, saindo um fogo do Senhor, matou os duzentos e cinquenta homens, que ofereciam o incenso.

36. O Senhor falou a Moisés, dizendo:

37. Ordena ao sacerdote Eleázaro, filho de Aarão, que tire os turíbulos que estão no meio do incêndio, e que espalhe o fogo de uma para outra parte, porque foram santificados;

38. que desses turíbulos faça lâminas, e as pregue ao altar, porque neles foi oferecido o incenso ao Senhor, e foram santificados, para que os filhos de Israel os contemplem como um sinal.

39. O sacerdote Eleázaro tirou, pois, os turíbulos de bronze, nos quais tinham oferecido (incenso) os (homens) que foram consumidos pelo incêndio, reduziu-os a lâminas, pregando-os ao altar,

40. para que os filhos de Israel tivessem depois alguma coisa que os advertisse, a fim de que nenhum estrangeiro, que não seja da linhagem de Aarão, se aproxime para oferecer incenso ao Senhor, e não sofra a mesma pena que sofreu Coré com todo o seu séquito, conforme o Senhor tinha dito a Moisés.

41. No dia seguinte, toda a multidão dos filhos de Israel murmurou contra Moisés e Aarão, dizendo: Vós matastes o povo do Senhor.

42. Como se formasse sedição e crescesse o tumulto,

43. Moisés e Aarão fugiram para o tabernáculo da reunião. Quando entraram, a nuvem cobriu-o, e apareceu a glória do Senhor.

44. O Senhor disse a Moisés:

45. Retirai-vos do meio desta multidão; imediatamente os destruirei. Tendo-se prostrado por terra,

46. Moisés disse a Aarão: Toma o turíbulo, e, pondo-lhe fogo do altar, deita-lhe incenso em cima, e vai depressa ao povo a fim de rogares por ele: porque já saiu a ira do Senhor, e o castigo começa.

47. Aarão tomou o turíbulo e, correndo ao meio da multidão, a quem já abrasava o incêndio, ofereceu o incenso:

48. estando de pé entre os mortos e vivos, rogou pelo povo, e a praga cessou.

49. Os que pereceram foram catorze mil e setecentos homens, afora os que tinham perecido na sedição de Coré.

50. Aarão voltou para Moisés para a porta do tabernáculo da reunião, depois que cessou a mortandade.





“Enquanto tiver medo de ser infiel a Deus, você não será’. Deve-se ter medo quando o medo acaba!” São Padre Pio de Pietrelcina