Tag: Solene

Horários das votações do Conclave anunciados pelo Vaticano

Congregação Geral de Cardeais. Foto: L'Osservatore Romano

VATICANO, 10 Mar. 13 / 02:32 pm (ACI/EWTN Noticias).- O Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Pe. Federico Lombardi, anunciou neste sábado, 09 de março, os horários de votação decididos pelos Cardeais para o Conclave que começará na terça-feira 12 de março. A decisão foi tomada na nona Congregação Geral dos purpurados em Roma.

O Pe. Lombardi assegurou que decidiram por maioria que o traslado dos Cardeais à residência Santa Marta, onde se hospedarão durante todo o Conclave, “será na terça-feira pela manhã, a partir das 7” da manhã, hora de Roma.

Esse mesmo dia será inaugurado o Conclave, com a celebração da Missa “Pro eligendo Romano Pontífice”, que será realizada às 10:00h. (hora de Roma, 6h horário de Brasília), na Praça de São Pedro, e que será presidida pelo Decano do Colégio Cardinalício, Angelo Sodano.

Na terça-feira, disse o Pe. Lombardi, os Cardeais se transladam às 15:45h da Casa Santa Marta à Capela Paulina, para logo, às 16:30h , dirigir-se à Capela Sistina onde ocorre a votação.

Às 16:45 p.m. os Cardeais pronunciarão o juramento solene de segredo, depois do qual se pronuncia o “extra omnes” (“fora todos”) e se fecha a Capela Sixtina, ficando somente os Cardeais eleitores no interior.

Os Cardeais escutarão a meditação do Cardeal Prosper Grech, e procederão à primeira votação.

Às 7:00 p.m. os Cardeais rezarão as vésperas e às 7:30 p.m. retornarão à Casa Santa Marta.

O Pe. Lombardi assinalou que a partir da quarta-feira 13 de março, os Cardeais se transladarão da Casa Santa Marta à Capela Paulina às 7:45h, onde às 8:15h celebrarão Missa.

Os Cardeais ingressarão na Capela Sixtina às 9:30 a.m., onde rezarão a Hora Intermédia, antes de proceder à votação.

Entre 12 e 12:30, retornarão à Casa Santa Marta para o almoço, e retornam à Capela Sistina às 16:00h.
Já na Capela rezarão brevemente, para reatar a votação às 19:00h, indicou.

O Pe. Lombardi também explicou à imprensa que “as fumatas”, produzem-se com a queima das papeletas da votação final da manhã e da tarde. Isto será, indicou, ao redor das 12h (hora de Roma) caso haja um resultado na primeira votação, ou às 19:00h, caso o resultado seja obtido no segundo voto do dia.

“Se a eleição ocorre em uma votação intermédia, a ‘fumata’ sairia à metade da manhã ou da tarde”, disse.

O Diretor da Sala de Imprensa assinalou ademais que, se não se for escolhido um Papa durante os primeiros quatro dias de votação, no quinto haverá uma pausa de oração e livre conversa dos Cardeais.

Os escrutínios serão retomados nos mesmos horários durante os dois dias seguintes, intercalando sempre uma pausa para a oração, até chegar ao décimo primeiro dia e o 34º escrutínio.

Nesse caso se aplica o novo art. 75 da Constituição Apostólica “Universi Dominici Gregis”, modificado por Bento XVI com o recente “Motu Proprio”, que estabelece que “também nestas votações para a validez da eleição requer-se a maioria qualificada de pelo menos dois terços dos sufrágios dos Cardeais presentes e votantes”.

“Nestas votações, os dois nomes que têm voz passiva carecem de voz ativa”, o que significa que os dois candidatos com o maior número de votos poderão ser votados, mas não poderão votar.

O Pe. Lombardi indicou que os outros temas tratados na congregação geral do sábado pelos Cardeais “foram as expectativas sobre o novo Papa, as atividades da Santa Sé, seus dicasterios e a melhora da Cúria”.

“Também falou-se sobre a situação da Igreja nas grandes áreas do mundo. Em total as intervenções até agora foram 133 e, tendo em conta que na segunda-feira haverá também congregação geral, provavelmente cheguem a 150”, indicou.

Espanha: beatificados 23 mártires da guerra civil

Assassinados em 1936, “vítimas do ódio pela fé”

MADRI, segunda-feira, 19 de dezembro de 2011 (ZENIT.org) – Durante missa solene celebrada na catedral de Santa María La Real de La Almudena, no coração de Madri, foram anunciados ontem 23 novos beatos, todos mártires mortos pela milícia durante a Guerra Civil (1936-1939) “como vítimas do ódio pela fé”. O ato foi presidido pelo cardeal Angelo Amato, prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, que representou o papa Bento XVI.

As 23 vítimas do ódio anticlerical e antirreligioso foram Francisco Esteban Lacalendola e outros 21 membros da congregação dos Missionários Oblatos de Maria Imaculada, além de um leigo, Cándido Castán San José, pai de família. A cerimônia contou com a presença do superior geral dos Oblatos, membros da congregação, o arcebispo de Madri, cardeal Antonio María Rouco Varela, e bispos de vários países, entre os quais Espanha, Paraguai e Estados Unidos. Neste ano, justamente, celebra-se o 150º aniversário da morte do fundador da congregação, Charles-Joseph-Eugene de Mazenod (1782-1861), canonizado por João Paulo II em 3 de dezembro de 1995.
As raízes da perseguição de 1936 vêm da primeira metade do anos 1800. Em 1836, o então presidente do governo espanhol, Juan de Dios Alvarez Mendizábal, proclamou os decretos de desamortización, que confiscavam todos os imóveis considerados “improdutivos”,inclusive propriedades da Igreja.

Depois da queda da monarquia espanhola, em 1931, e da vitória da Frente Popular nas eleições de 1936, o anticlericalismo virou perseguição aberta contra os membros da Igreja, com prisões e execuções sumárias do clero, de religiosos e de fiéis. Os eventos obrigaram o papa Pio XI (1857-1939) a usar em setembro do mesmo ano a palavra “martírio” num discurso a um grupo de refugiados espanhóis.

Particularmente mal visto pela Frente Popular era o trabalho pastoral dos Missionários Oblatos. Após ameaças feitas em 1931 e 1934 contra a congregação, as pressões contra os frades culminaram em 22 de julho de 1936 num ataque de uma milícia armada contra a casa dos Oblatos em Pozuelo de Alarcón, a oeste de Madri, que acabou com a prisão de 38 pessoas. Oito delas, sendo sete frades e o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores Católicos, Cándido Castán San José, foram baleadas em um parque na madrugada de 24 de julho, sem qualquer explicação nem julgamento.

Os outros foram libertados em 25 de julho, mas presos novamente em outubro e levados para o Cárcere Modelo, de Madri, onde sofreram graves maus-tratos. Dois frades foram mortos em 7 de novembro e treze outros em 28 do mesmo mês, em Paracuellos de Jarama, a nordeste da capital. Durante a execução, conforme depoimentos coletados pelo Postulador Geral da Causa de Beatificação, Pe. Joaquín Martínez Vega, OMI, ouviram-se palavras de perdão e a exclamação “Viva Cristo Rei!”.

Seu martírio (da palavra grega “testemunho”), compromisso missionário e perseverança na fé “usque ad sanguinem” foram oficialmente reconhecidos pela Igreja num decreto assinado pelo Santo Padre em 2 de abril deste ano.

O cardeal Amato ressaltou: “Eles não tinha feito nada de errado. Seu desejo era só fazer o bem a todos e anunciar o Evangelho de Jesus, que é uma boa notícia de paz, de alegria e fraternidade” (Rádio Vaticano, 17 de dezembro).

Durante a celebração, o cardeal recordou também que “os mártires de todos os tempos são testemunhas preciosas da boa existência humana, que responde à brutalidade dos perseguidores e dos carrascos com a delicadeza e a coragem dos homens fortes. Sem armas e com o poder irresistível da fé em Deus, eles venceram o mal, deixando para todos nós uma herança preciosa de bem”. “Os carrascos são esquecidos, mas suas vítimas inocentes são lembradas e celebradas”.
Seu testemunho de fé nos deixa uma lição valiosa. “A história, infelizmente, mostra que quando o homem arranca da consciência os mandamentos de Deus, ele também rasga do coração as fibras do bem, chegando a cometer atos monstruosos. Perdendo Deus, o homem perde a sua humanidade”, disse o cardeal, cujas palavras ecoam as de Bento XVI, ditas na semana passada.
O papa tinha afirmado na última quinta-feira, durante as Vésperas com universitários na Basílica do Vaticano: “Quantas vezes os homens tentaram construir o mundo sozinhos, sem ou contra Deus! O resultado é marcado pela tragédia das ideologias, que, no fim, se mostraram contra o homem e contra a sua profunda dignidade”.

O pontífice saudou com alegria a beatificação dos mártires espanhóis no final do ângelus deste domingo: “A alegria pela sua beatificação se une à esperança de que o seu sacrifício ainda dê muitos frutos de conversão e de reconciliação”.

Com dados do SeDoc – Serviço de Documentação da Rádio Vaticano

João Paulo II é beatificado diante de 1 milhão de fiéis

http://www.youtube.com/watch?v=tHLdgnFDD20

Em uma cerimônia solene na presença de mais de 1 milhão de pessoas que lotaram a praça de São Pedro, segundo a polícia romana, o Papa Bento XVI proclamou beato o seu antecessor, João Paulo II (1920-2005), neste domingo (1º).
Um cardeal leu um texto sobre a vida do pontífice, morto em 2005, após 27 anos de papado. Foram destacadas virtudes de João Paulo II, como seus dotes intelectuais, morais e espirituais.

Após a leitura, ocorreu o principal momento da cerimônia, em que foi descerrado um retrato de João Paulo II, a partir de então denominado beato. “Concedemos que o venerado servo de Deus João Paulo II, Papa, seja de agora em diante chamado beato”, proclamou Bento XVI.

A data escolhida para a veneração do papa foi 22 de outubro, dia da primeira missa do seu pontificado.

Muitos aplausos e gritos de “Santo subito” (Santo já), como no dia do funeral de João Paulo II, foram ouvidos na praça, repleta de pessoas que exibiam bandeiras de muitos países, entre elas a polonesa e a brasileira.

A freira francesa irmã Marie Simon-Pierre Normand – cuja a cura do mal de Parkinson, a mesma doença degenerativa do papa, em junho de 2005, é tida como a primeira graça de João Paulo II- levou ao altar uma ampola contendo sangue do Papa, enquanto outra religiosa que o acompanhou durante o papado, levou algumas de suas relíquias.

O Papa polonês, nomeado Sumo Pontífice em 1978, faleceu em 2 de abril de 2005 aos 84 anos.

A beatificação é a etapa anterior à canonização e aconteceu em tempo recorde.

Desde as primeiras horas da madrugada milhares de fiéis, entre eles poloneses, espanhóis, italianos, franceses e latino-americanos, fizeram fila para entrar no local.

A cerimônia teve início às 10 horas no horário local (5h de Brasília), pelo papa e outros 800 sacerdotes presentes. Com um cálice e mitra que foram usados nos últimos anos de pontificado de João Paulo II e com uma vestimenta que também pertenceu a seu antecessor, Bento XVI abriu a cerimônia com uma saudação em latim, que foi traduzida simultaneamente em espanhol, francês, português, francês, inglês, alemão e polonês pela Rádio Vaticano.

Depois caluniam os católicos dizendo ser adoradores de imagens

Fonte: APOSTOLADO SPIRITUS PARACLITUS

VEJA OS VIDEOS PRESENTES NO YOUTUBE E DIVIRTA-SE COM AS INCOERÊNCIAS PROTESTANTES:

LOUVOR PASTORES PROSTRADOS DIANTE DA ARCA IURD

IGREJA EVANGÉLICA QUADRANGULAR Veja como eles se prostram e tocam na arca em reverencia e louvor, A PASTORA DIZ NÃO É UMA SIMPLES ARCA.

IGREJA EVANGÉLICA CULTO DA ARCA DA ALIANÇA ATO PROFÉTICO OCORRIDO EM PONTA GROSSA NO PARANÁ NA IGREJA PRESBITERIANA VEJA COMO ELES SE PROSTAM DIANTE DA IMAGEM DE ESCULTURA ARCA.

http://www.youtube.com/watch?v=dbCS-u7R4m4

CULTO avivamento Seminário evangélico Shekinah, realizado em São José dos Campos-SP datado dia 17.07.2008 SOB O COMANDO DO PASTOR Yossef Akiva OS FIÉIS GRITAM EM LOUVOR TOCAM NA ARCA E SE PROSTRAM DIANTE DELA.

IMAGEM DE LEÃO DE JUDA EM ESTANDART PRINCIPAL É RECEBIDA COM APLAUSOS EM IGREJA ASSEMBLÉIA DE DEUS Festa realizada em 2005 na Catedral das Assembléias de Deus em Brasília, sede da Convenção de Madureira.

CDJDI IGREJA EVANGÉLICA Casa Deus Jundiaí MUITOS GRITOS E LOUVORES NA ENTRADA DA IMAGEM DE ESCULTURA DA ARCA

IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLÉIA DE DEUS NOVA IGUAÇU MOMENTO SOLENE NA ENTRADA DA IMAGEM DE ESCULTURA DA ARCA COM MUSICA TOCAR DO SHOFAR LUZES O GLORIFICAÇÕES COM A VÓZ

http://www.youtube.com/watch?v=wHRVULKNVtk

IGREJA EVANGELICA ENSINA QUE A ARCA TEM PODER DE TRAZER BENÇÃO PARA DENTRO DE SUA CASA (http://www.youtube.com/watch?v=wHRVULKNVtk )

PESSOAS SE RETORCEM INCLINANDO-SE DIANTE DA PRESENÇA DA ARCA

SEGUNDO OS PROTESTANTES NA BIBLIA EXISTE UMA PROIBIÇÃO EXPRESSA NO FAZER IMAGENS, ENTÃO COMO FICA ESTA IMAGENS?

“Não farás para ti escultura, nem figura alguma do que está em cima, nos céus, ou embaixo, sobre a terra, ou nas águas, debaixo da terra”. (Ex 20,4)

E AGORA PODE OU NÃO PODE SEGUNDO AS ESCRITURAS FAZER IMAGENS?

A imensa obra prima do Arquiteto de Deus

O Papa dedica a Sagrada Família, de Gaudí, em processo de beatificação

Por Renzo Allegri

ROMA, segunda-feira, 8 de novembro de 2010 (ZENIT.org) – Nesse domingo, 7 de novembro, Bento XVI fez a dedicação, em Barcelona, da basílica da Sagrada Família, uma das maravilhas da época moderna, planejada pelo arquiteto Antonio Gaudí, que está em processo de beatificação.

No último final de semana, Bento XVI esteve na Espanha para sua segunda viagem apostólica ao país. A visita se realizou em duas etapas: no sábado, dia 6, em Santiago de Compostela, para prestar uma homenagem ao apóstolo Tiago, evangelizador da Espanha, na celebração de seu jubileu. No dia seguinte, domingo, 7 de novembro, o Papa presidiu, em Barcelona, o rito solene de dedicação da igreja da Sagrada Família, a célebre obra prima de Antonio Gaudí, monumento símbolo de Barcelona e da Catalunha.

A Sagrada Família, cujo nome exato é Templo Expiatório da Sagrada Família, é uma das maiores obras primas arquitetônicas modernas. A obra de construção começou há 127 anos, mas ainda não foi terminada. Está prevista sua conclusão para o ano de 2030. Mas ainda que esteja incompleta, esta “catedral” já é uma das maravilhas admiradas pelo mundo inteiro, declarada patrimônio da humanidade pela Unesco: o único monumento que atrai mais de dois milhões de turistas por ano.

Muito além do seu valor artístico, enorme, a Sagrada Família possui um profundo significado religioso. Foi planejada como as míticas catedrais da Idade Média para ser, sobretudo, um extraordinário monumento à fé, um tratado teológico, um livro de pedra que explica Deus, a Criação, a história do homem. Seu autor, Antonio Gaudí, genial arquiteto e um santo singular, “materializou” nesta obra, à qual dedicou 40 anos de sua vida, a concepção teológica de Igreja, isto é, “lugar de celebração da eucaristia e do culto”, conceito que conquistou a admiração de Bento XVI, que desde sempre o manteve em suas diretrizes litúrgicas. Dentro da Sagrada Família, de fato não existe nada representado, nem sequer nas capelas laterais, que possa distrair a atenção do altar, do sacrário, da missa. As únicas três imagens presentes são a cruz, ou seja, Jesus homem-Deus; sua mãe, Nossa Senhora, e São José, ou seja, as duas pessoas que, com Ele, formam a Sagrada Família.

As representações ilustrativas, com inumeráveis imagens e símbolos, estão todas no exterior da igreja e tecem uma história imensa de todo o mistério cristão, de acordo com o ciclo do ano litúrgico. Além das figuras dos santos, episódios bíblicos e escritos religiosos, Gaudí quis enriquecer cada detalhe com símbolos, emblemas, elementos da flora e fauna catalã para que essa igreja fosse o mais representativo possível do povo. Dizia: “Minha obra está nas mãos de Deus e na vontade do povo”.

O simbolismo é a essência principal da Sagrada Família: reveste-a, recobre, apresentando-se em todos os lugares e em todas as suas possíveis formas. Um simbolismo forte, dantesco, “parlante”. O cardeal Francesco Ragonesi, que de 1913 a 1921 foi núncio apostólico na Espanha, quando foi visitar a obra da Sagrada Família, ficou muito impressionado por este simbolismo e disse a Gaudí, que lhe mostrava o projeto: “O senhor é o Dante da arquitetura”.

“Antonio Gaudí dedicou-se completamente a esta obra prima”, disse o padre Lluís Bonet i Armengol, pároco da Sagrada Família. “Quando recebeu a encomenda deste trabalho, Gaudí era um jovem arquiteto, mas já muito famoso. Pouco a pouco, trabalhando neste projeto, se envolveu completamente até o ponto de abandonar todas suas outras tarefas que lhe davam fama e riqueza, para dedicar-se por inteiro a esta obra imensa com a qual queria celebrar Deus através dos séculos”.

O padre Lluís Bonet i Armengol é filho de um famoso arquiteto que conheceu Gaudí e trabalhou com ele e, além de ser pároco da Sagrada família, é também o vice postulador da causa de beatificação de Gaudí.

Quando esteja terminada, a igreja será, provavelmente, a maior basílica do mundo. Atualmente, a obra está 60% completa. Estão terminadas a nave central, o pavimento, os vitrais, o altar maior e o dossel. Para a chegada do Papa, aproximadamente 7.000 fiéis poderiam aceder ao interior da basílica sobre uma superfície de 4.500 metros quadrados.

A Sagrada Família possui três grandes fachadas, às quais Gaudí deu os nomes de Natividade, Paixão e Glória, cada uma com três portas que simbolizam as três virtudes teologais: fé, esperança e caridade.

A fachada da natividade está orientada à saída do sol e representa a vida. Tem estilo gótico, com infiltrações modernistas, inumeráveis elementos da natureza, da flora e fauna, tartarugas, caracóis, gansos, galos e corujas que fazem com que a obra esteja cheia de vitalidade.

A fachada da Paixão lembra a paixão e norte de Jesus e celebra a desolação, a dor: apresenta-se despojada de adornos, com formas simples e poucos ornamentos, que lembram o outono e o inverno.

A terceira porta, a da Glória, que inda não está terminada, está orientada ao meio-dia e celebra o homem na Criação.

A parte mais alta da basílica lembra um bosque com grandes árvores que se elevam ao céu. A ideia fundamental da inspiração arquitetônica de Gaudí estava ligada à natureza. Através do estudo de suas formas, que são ordem e beleza, a natureza conduz a Deus Criador. “Meu mestre é a árvore do jardim fora da minha janela”, costumava dizer Gaudí. “Tudo nasce do grande livro da natureza”.

“Gaudí desenvolvia sua atividade de arquiteto com um espírito profundamente religioso, imbuído de oração e adoração – diz o padre Lluís Bonet –. De acordo com ele, a criação querida por Deus não está terminada, mas continua através das criaturas que trabalham no espírito de Deus”. Dizia: “Todos os que buscam as leis da natureza para modelar novas obras colaboram com o Criador”.

O cardeal Ricardo María Carles Gordó, que, como arcebispo de Barcelona, apoiou muito a abertura da causa de beatificação e Gaudí, diz; “Ele soube encontrar na natureza novas fontes de inspiração para sua arte e assim nos mostrou sobretudo que a criação é obra do Grande Artista que é Pai, que criou todo o mundo como um presente ao Filho, ‘expressão de sua glória e imagem de sua substância’”.

De acordo como projeto, na parte alta da Sagrada Família existem 18 torres que se elevam ao céu. Torres com forma de agulhas, hieráticas, solenes e de várias alturas. Dez representam os quatro evangelistas e cada uma delas está coroada pelo tradicional símbolo de cada evangelista: o anjo, o boi a águia e o leão. A torre mais alta é a dedicada a Nossa Senhora, coroada com uma coroa de estrelas. E, finalmente, a torre de Jesus, que supera a todas em altura e está coroada por uma grande cruz. Esta torre é visível desde muito longe: de dia brilha graças aos mosaicos que a compõem; de noite resplandece pelas luzes projetadas desde as outras torres.

Nascido en Reus, na Catalunha, em 1852, Antonio Gaudí pertencia a uma família modesta de artesãos, fabricantes de objetos de cobre e aço. Dede pequeno, mostrou uma especial vivacidade intelectual e a família decidiu fazê-lo estudar. Durante oito anos freqüentou a escola dos esculápios em Reus e depois a Escola de Arquitetura de Barcelona. Para pagar os estudos, trabalhava enfrentando grandes sacrifícios. Formou-se em Arquitetura em 1878 e rapidamente abriu seu pequeno estúdio em Barcelona. O começo foi difícil, mas seu gênio era prometedor e em pouco tempo chamou a atenção como um dos jovens arquitetos mais originais e inovadores. Surpreendia e entusiasmava com belas ideias e, além disso, vanguardistas.Vários empresários ricos faziam sorteio entre eles para contratá-lo e, para eles, Gaudí realizou, não somente em Barcelona, obras que continuavam atraindo multidão de admiradores.

“Entretanto, era um arquiteto particular – diz o padre Lluís. Não tinha sede de lucro, nem de glória, mas ardia de paixão por seu trabalho, uma paixão que surgia de sua profunda fé religiosa e transformava seu trabalho em uma contínua oração. Dedicava a Deus toda sua obra e buscava deixar nela, inclusive ainda que fosse uma obra civil, um ‘signo’ religioso, uma estátua de Nossa Senhora, a cruz e similares. Às vezes brigava com quem tinha lhe encomendado a obra, porque a Espanha, no começo do século XX, era varrida por um forte vento anárquico e um socialismo ateu, anticlerical. Ele nunca se curvou às modas políticas ou ideológicas, preferia perder o trabalho”.

Em 1883, Gaudí recebeu a encomenda da construção da Sagrada Família, quando tinha 31 anos. “A obra já tinha começado – explica o padre Lluís –. Uma associação de devotos de São José, surgida em 1866, queria construir uma igreja dedicada à Sagrada Família. Mas os dois arquitetos do projeto inicial não entravam em acordo e foi necessário substituí-los por um terceiro. Foi escolhido Gaudí, que era o joven artista emergente”.

“Gaudí, ex-assistente de um dos arquitetos beligerantes, aceitou a encomenda e se apaixonou pelo trabalho, que acabou se convertendo na razão de sua vida. O arquiteto mudou o projeto inicial por um novo, surpreendente, estudado até os mínimos detalhes. Uma obra gigante, que requeria uma montanha de dinheiro, mas que só contava com as escassas ajudas da Associação de São José. E Gaudí agarrou-se a esse santo, de quem era devota. Rezava todos os dias ao santo, a quem proclamou administrador de sua obra e antes de morrer disse que a obra tinha sido realizada por São José”.

“Em alguns momentos, quando o dinheiro faltava, Gaudí teve de mendigar. Ia pelas ruas de Barcelona pedindo ajuda. Muitos pensaram que estava louco. Não conseguiam conceber que um homem com seu gênio, que tinha podido amealhar enormes riquezas se limitasse aos projetos que a que, talvez, nunca poderia terminar”.

“Mas Gaudí não se importava com as fofocas. Com a ajuda das oferendas de pessoas pobres, continuou construindo. ‘São José acabará esta igreja’, dizia. ‘Na Sagrada Família tudo é fruto da Providência, incluída mina participação como arquiteto’”.

Infelizmente Gaudí só conseguiu terminar uma parte do projeto. Em 7 de junho de 1926, enquanto caminhava pela cidade, foi atropelado por um bonde. Hospitalizado, morreu três dias depois, no dia 10 de junho, e foi sepultado na cripta da igreja que estava construindo.

“Da obra, tinha realizado, entretanto, todos os esboços e os ilustrara com milhares de desenhos e anotações – explica o  Lluís –. Seus colaboradores puderam continuar assim a grande obra. Mas durante a Guerra Civil o espírito ateu que dominava a Espanha levou a grupos de bandidos a rebelar-se contra a obra de Gaudí. Destruíram parte dos esboços, profanaram o túmulo do arquiteto e tentaram demolir a igreja em contrução. Acabada a guerra, os modelos, baseados em desenhos e fotografias, foram recuperados e o trabalho pôde ser reiniciado.

Hoje, Antonio Gaudí está reconhecido como um dos grandes gênios da arquitetura.  Le Corbusier o definiu como “o maior arquiteto em pedra do século XX” e Joan Miró como “o primeiro entre os gênios”. Sua fama não está ligada só à Sagrada Família, mas a muitas outras obras extraordinárias realizadas pelas várias cidades da Espanha, quando jovem. Obras que o tornaram famoso em todo o mundo e atraem multidões de turistas.

“Mas não é possível separar o Gaudí-arquiteto do Gaudí-cristão”, do homem profundamente religioso – sustenta o padre Lluís –. Nas atas do processo diocesano estão recolhidos muitos testemunhos de pessoas que o conheceram, e todos afirmam que foi um grande santo. Uma santidade clássica e muito surpreendente, dada a sua profissão e sua fama artística; uma santidade feita de oração, de sacrifícios, de pobreza, de caridade com os pobres”.

“Ainda que fosse uma celebridade, todas as manhãs se levantava cedo para ir à missa. Saindo de casa, passava sempre a uma estátua de Santo Antônio para rezar. Sua pobreza era absoluta. Não tinha sequer o que vestir. Ia como um vagabundo. Quando morreu sob o bonde, não foi reconhecido e os serviços de resgate o levaram ao hospital da Santa Cruz, um albergue construído para os mendigos. Acreditaram que fosse um vagabundo sem teto. A notícia da morte do grande arquiteto se espalhou pela cidade. Uma grande multidão assistiu ao funeral. Eram, sobretudo, pessoas pobres às quais ele assistia e ajudava. Um jornal de Barcelona,  La Veu de Catalunya, deu o título: Em Barcelona morreu um gênio! Em Barcelona, nos deixou um santo! Inclusive as pedras choram”.

“A fama de santidade de Antonio Gaudí sempre esteve viva em Barcelona. Imediatamente depois de sua morte, foi publicado um livro onde 17 famosos escritores recordavam o grande personagem. Todos destacavam sua santidade e um dos capítulos se intitulava O arquiteto de Deus”.

“Gaudí está sepultado na cripta da Sagrada Família e eu, como pároco desta igreja, vejo todos os dias pessoas que vão a esse túmulo rezar e muitas contam ter recebido, por intercessão de Gaudí, graças extraordinárias”.

A Igreja é "um único grande Movimento" diz o Papa na festa de Pentecostes

VATICANO, 05 Jun. 06 (ACI) .- Ao presidir o último Regina Caeli do ano durante a Solenidade de Pentecostes, que marca o fim do tempo de Páscoa, o Papa Bento XVI lembrou, no marco do recente encontro com os movimentos e novas comunidades, que a Igrejaé um grande movimento animado pelo Espírito“. “Em Pentecostes ?disse o Pontífice, ao final da Missa Solene que presidiu na Praça de São Pedro- a Igreja se manifestou como una, Santa, católica e apostólica; manifestou-se missionária, com o dom de falar todas as línguas do mundo, porque a Boa Nova do Amor de Deus está destinada a todos os povos”.

O Santo Padre destacou em seguida que “entre as realidades suscitadas pelo Espírito na Igreja se encontram os Movimentos e as Comunidades Eclesiaiss, a quem tive a alegria de encontrar ontem neste Praça, em uma grande reunião mundial. Toda a Igreja, como amava dizer o Papa João Paulo II, é um único grande movimento animado pelo Espírito Santo, um rio que atravessa a história para irrigá-la com a graça de Deus e fecundar a de vida, de bondade, de beleza, de justiça, de paz”.

Emblematicamente, no dia do Pentecostes, o Pontífice saudou em sete idiomas, incluindo o polonês.

Falando em espanhol o Pontífice disse: “Saúdo com afeto aos fiéis de língua espanhola, exortando a todos a invocar os dons do Espírito Santo, que santifica a Igreja, para robustecer a fé, vivificar a esperança e iluminar o caminho que leva a renovar a face da terra. Feliz Pentecostes!”.

Mensagem Urbi et Orbi de Sua Santidade Bento XVI

PÁSCOA 2006

Queridos irmãos e irmãs!

Christus resurrexit!? Cristo ressuscitou!

A grande Vigília desta noite fez-nos reviver o acontecimento decisivo e sempre actual da Ressurreição, mistério central da fé cristã. Círios pascais sem conta foram acesos nas igrejas para simbolizar a luz de Cristo que iluminou e ilumina a humanidade, vencendo para sempre as trevas do pecado e do mal. E, no dia de hoje, ressoam fortes as palavras que deixaram estupefactas as mulheres que, na manhã do primeiro dia depois do sábado, tinham ido ao sepulcro, onde o corpo de Cristo, descido às pressas da cruz, fora depositado. Tristes e desoladas pela perda do seu Mestre, tinham encontrado a grande pedra rolada para o lado e, entrando, viram que o seu corpo já não estava lá. Enquanto ali se encontravam incertas e desorientadas, dois homens com vestes resplandecentes surpreenderam-nas dizendo: «Por que motivo procurais entre os mortos Aquele que está vivo? Não está aqui; ressuscitou!» (Lc 24, 5-6). «Non est hic, sed resurrexit» (Lc 24, 6). Desde aquela manhã, tais palavras não cessam de ressoar pelo universo como um anúncio de alegria que atravessa os séculos imutável e simultaneamente cheio de infinitas e sempre novas ressonâncias.

«Não está aqui; ressuscitou». Os mensageiros celestes comunicam, antes de mais nada: Jesus «não está aqui»; não ficou no sepulcro o Filho de Deus, porque não podia continuar prisioneiro da morte (cf. Act 2, 24) e o túmulo não podia reter «o Vivente» (Ap 1, 18), que é a própria fonte da vida. Tal como Jonas esteve no ventre do peixe, assim Cristo crucificado permaneceu engolido no coração da terra (cf. Mt 12, 40) pelo transcorrer de um sábado. Foi verdadeiramente «um dia solene aquele sábado», como escreve o evangelista João (19, 31): o mais solene da história, porque nele o «Senhor do sábado» (Mt 12, 8 ) levou a termo a obra da criação (cf. Gn 2, 1-4a), elevando o homem e o universo inteiro à liberdade da glória dos filhos de Deus (cf. Rm 8, 21). Cumprida esta obra extraordinária, o corpo inanimado foi atravessado pelo sopro vital de Deus e, rompidas as margens do sepulcro, ressuscitou glorioso. Por isso, os anjos proclamam: «não está aqui», não pode estar mais no túmulo. Peregrinou na terra dos homens, terminou o seu caminho no túmulo como todos, mas venceu a morte e de modo absolutamente novo, por um acto de puro amor, abriu a terra e escancarou-a para o Céu.

A sua ressurreição, graças ao Baptismo que a Ele nos «incorpora», torna-se a nossa ressurreição. Tinha-o predito o profeta Ezequiel: «Eis que abrirei as vossas sepulturas e vos farei sair delas, ó meu povo, e vos reconduzirei ao país de Israel» (Ez 37, 12). Estas palavras proféticas assumem um valor singular no dia de Páscoa, porque hoje se cumpre a promessa do Criador; hoje, mesmo nesta nossa época caracterizada pela ansiedade e a incerteza, revivemos o acontecimento da ressurreição, que mudou a expressão da nossa vida, mudou a história da humanidade. Aguardam a esperança de Cristo ressuscitado, às vezes mesmo inconscientemente, os que ainda estão oprimidos pelos laços de amargura e de morte.

Em particular, que o Espírito do Ressuscitado leve alívio e segurança na África às populações do Darfur, que se encontram numa dramática situação humanitária já insustentável; às da região dos Grandes Lagos, onde muitas chagas ainda não estão curadas; aos povos do Corno de África, da Costa do Marfim, do Uganda, do Zimbábue e doutras nações que anseiam pela reconciliação, pela justiça e pelo progresso. No Iraque, sobre a trágica violência, que impiedosamente continua a ceifar vítimas, prevaleça finalmente a paz. E paz desejo vivamente também para os que estão envolvidos no conflito da Terra Santa, convidando a todos a um diálogo paciente e perseverante que remova os obstáculos antigos e novos. A comunidade internacional, que reafirma o justo direito de Israel a existir em paz, ajude o povo palestinense a superar as condições precárias em que se encontra, avançando para a constituição dum verdadeiro e próprio Estado. O Espírito do Ressuscitado suscite um renovado dinamismo no empenho dos países da América Latina, para que sejam melhoradas as condições de vida de milhões de cidadãos, eliminada a nefasta praga dos raptos de pessoas e consolidadas as instituições democráticas, em espírito de concórdia e de solidariedade real. Relativamente às crises internacionais ligadas ao nuclear, chegue-se a um acordo honroso para todos através de negociações sérias e leais, e reforce-se nos responsáveis das nações e das organizações internacionais a vontade de realizar uma pacífica convivência entre etnias, culturas e religiões, que afaste a ameaça do terrorismo. É este o caminho da paz para bem da humanidade inteira.

O Senhor ressuscitado faça-se presente em todo lugar com a sua força de vida, de paz e de liberdade. Hoje, a todos são dirigidas as palavras com as quais na manhã da Páscoa o Anjo tranquilizou os corações amedrontados das mulheres: «Não tenhais medo! … Não está aqui; ressuscitou» (Mt 28,5-6). Jesus ressuscitou e concede-nos a paz. Ele mesmo é a paz. Por isso, vigorosamente a Igreja repete: «Cristo ressuscitou – Christós anésti». Que a humanidade do terceiro milénio não tenha medo de abrir-Lhe o coração! O seu Evangelho sacia plenamente a sede de paz e de felicidade que habita em todo o coração humano. Agora Cristo está vivo e caminha connosco. Um mistério imenso de amor! Christus resurrexit, quia Deus caritas est! Alleluia!

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén