Tag: Sinédrio

João nos ensina a confessar nossa fé sem temor, diz o Papa

VATICANO, 05 Jul. 06 (ACI) .- Ao continuar nesta quarta-feira a catequese sobre Jesus Cristo e a sucessão apostólica, o Papa Bento XVI abordou a figura do Apóstolo João, e assinalou que o discípulo amado nos ensina a confessar nossa fé sem temor.

“João é sempre parte do grupo que acompanha Jesus em determinadas ocasiões”, disse o Santo Padre, “e na Igreja de Jerusalém ocupou um lugar relevante. Para Paulo é uma das ?colunas? da comunidade.

“No Sinédrio ?seguiu o Pontífice? afirma: ?Não podemos deixar de falar daquilo que vimos e ouvimos?. Esta franqueza ao confessar sua fé é um convite para todos nós a confessar decididamente nossa firme adesão a Cristo, antepondo a fé a todo interesse humano”.

O Papa lembrou que segundo a tradição, “João é o discípulo predileto” que “está na Último Ceia”, assim como “aos pés da Cruz ao lado da Mãe de Jesus”; e é “testemunha da presença do Ressuscitado”.

Por isso, continuou explicando o Pontífice, alguns exegetas o consideram “o protótipo do discípulo de Jesus“, que deseja “fazer de cada um de nós um discípulo que vive uma amizade pessoal com Ele. Para isso, não basta segui-lo e escutá-lo exteriormente, mas viver com Ele e como Ele. Isto é possível em um contexto de grande familiaridade, impregnado do calor de uma confiança total”.

Bento XVI lembrou também que “a Igreja Oriental o chama simplesmente ?o Teólogo‘, quer dizer, aquele que é capaz de falar em termos acessíveis das coisas divinas, desvelando um oculto acesso a Deus mediante a adesão a Jesus”.

João, que segundo a tradição, viveu em Éfeso, “goza no Oriente de uma grande veneração e na iconografia bizantina é representado como um ancião em atitude de contemplação intensa, quase convidando ao silêncio”.

“Sem recolhimento adequado não é possível aproximar-se do mistério supremo de Deus e a sua revelação”, sublinhou o Papa, que concluiu citando as palavras do patriarca ortodoxo de Constantinopla, Atenágoras ?com quem o Papa Paulo VI orou em um histórico encontro?: “João está na origem de nossa espiritualidade mais elevada. Como ele, os ?silenciosos? conhecem esse misterioso intercâmbio de corações, invocam a presença de João e seu coração se inflama”.

Avaliação médica da morte de Jesus

the-passion-of-christ

Sou um cirurgião, e dou aulas há algum tempo.

Por treze anos vivi em companhia de cadáveres e durante a minha carreira estudei anatomia a fundo. Posso portanto escrever sem presunção a respeito de morte. Jesus entrou em agonia no Getsêmani e seu suor tornou-se como gotas de sangue a escorrer pela terra.

O único evangelista que relata o fato é um médico, Lucas, e o faz com a decisão de um clínico. O suar sangue, ou “hematidrose”, é um fenômeno raríssimo. É produzido em condições excepcionais: para provocá-lo é necessário uma fraqueza física, acompanhada de um abatimento moral violento causado por uma profunda emoção, por um grande medo. O terror, o susto, a angústia terrível de sentir-se carregando todos os pecados dos homens devem ter esmagado Jesus. Tal tensão extrema produziu o rompimento das finíssimas veias capilares que estão sob as glândulas sudoríparas; o sangue se mistura ao suor e se concentra sobre a pele, e então escorre por todo o corpo até a terra.

Conhecemos a farsa do processo preparado pelo Sinédrio hebraico, o envio de Jesus a Pilatos e o desempate entre o procurador romano e Herodes. Pilatos cede, e então ordena a flagelação de Jesus. Os soldados despojam Jesus e o prendem pelo pulso a uma coluna do pátio. A flagelação se efetua com tiras de couro múltiplas sobre as quais são fixadas bolinhas de chumbo e de pequenos ossos.

Os carrascos devem ter sido dois, um de cada lado, e de diferente estatura. Golpeiam com chibatadas a pele, já alterada por milhões de microscópicas hemorragias do suor de sangue. A pele se dilacera e se rompe; o sangue espirra. A cada golpe Jesus reage em um sobressalto de dor. As forças se esvaem; um suor frio lhe impregna a fronte, a cabeça gira em uma vertigem de náusea, calafrios lhe correm ao longo das costas. Se não estivesse preso no alto pelos pulsos, cairia em uma poça de sangue.

Ler mais

É possível negar que Jesus tenha existido?

02 de abril de 2006
Francisco Varo

Atualmente, as análises históricas mais rigorosas coincidem em afirmar com certeza absoluta ? inclusive prescindindo da fé e do uso das fontes cristãs para evitar qualquer possível suspeita ? que Jesus de Nazaré existiu, viveu na primeira metade do século primeiro, era judeu, morou na Galiléia, formou um grupo de discípulos que o seguiram, suscitou, com as suas palavras e os fatos admiráveis que fazia, fortes adesões e esperanças, esteve na Judéia e em Jerusalém pelo menos uma vez, pela festa da Páscoa, era visto com receio por parte de alguns membros do Sinédrio e com prevenção pela autoridade romana, finalmente foi condenado à pena de morte pelo procurador da Judéia, Pôncio Pilatos, e morreu pregado na cruz.

Depois de morto, seu corpo foi sepultado e depositado num sepulcro, mas depois de uns dias o cadáver não estava mais lá.

O desenvolvimento contemporâneo das pesquisas históricas permite estabelecer como provados pelo menos os fatos mencionados, que são bastantes para uma personagem de vinte séculos atrás. Não existem evidências racionais que avaliem com maior segurança a existência de figuras como Homero, Sócrates ou Péricles, para citar alguns nomes conhecidos, que aquela que as provas da existência de Jesus outorgam. E até os dados objetivos que se têm sobre esses personagens, que podem ser contestados com críticas, quase sempre são menores.

No caso de Jesus é diferente, não somente pela profunda marca que deixou, mas também pelas informações que proporcionam as fontes históricas sobre ele: definem sua personalidade e apresentam alguns fatos que vão além da imaginação e de tudo aquilo que pode pensar quem não acredita nas coisas invisíveis nem experimentáveis. Os dados convidam a pensar que ele era o Messias que teria de vir a governar seu povo, como um novo David, e mais ainda: que Jesus é o Filho de Deus feito homem.

Para receber verdadeiramente esse convite é necessário contar com o auxilio divino, gratuito, que ilumina a inteligência e a capacita a perceber em toda a sua profundidade a realidade na qual se vive. Mas é uma luz que não desfigura essa realidade; antes, permite percebê-la com todos os seus tons reais, muitos dos quais não percebidos pelo olhar comum. Essa é a luz da fé.

BIBLIOGRAFIA

J. GNILKA, Jesús de Nazaret, Herder, Barcelona 1993; A. PUIG, Jesús. Una biografía, Destino, Barcelona 2005; Francisco VARO, Rabí Jesús de Nazaret, BAC, Madrid 2005; Francisco VARO, ¿Sabes leer la Biblia? Planeta, Barcelona 2006.

Fonte: www.opusdei.org.br

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén