Tag: Santo Padre (Página 1 de 17)

Papa critica casais que decidem não ter filhos por causa da cultura do bem-estar

Francisco_DanielIbanez_ACIPrensa1

Vaticano, 03 Jun. 14 / 12:55 pm (ACI/EWTN Noticias).- Durante a Missa desta segunda-feira, celebrada na Casa Santa Marta, o Papa Francisco chamou os casais cristãos a amar-se como Cristo ama a sua Igreja, com fidelidade, perseverança e fecundidade; entretanto, advertiu que “há coisas que não agradam o Senhor”, como aqueles casais que cederam à cultura do bem-estar e por escolha não desejam ter filhos.

“Esta cultura do bem-estar, de dez anos atrás, nos convenceu: ‘É melhor não ter filhos! Assim você pode conhecer o mundo, quando estiver de férias, pode ter uma casa no campo, ficar tranquilo’. Talvez seja melhor – mais cômodo – ter um cãozinho, dois gatos, e o amor vai para dois gatos e para o cãozinho. É verdade ou não? Ao fim, esse matrimônio chega à velhice com a amargura da má solidão. Não é fecundo, não faz o que Jesus fez com a Sua Igreja: tornando-a fecunda”, expressou o Papa.

Na Missa participaram uns quinze casais de 25 a 60 anos de casado, e o Papa lhes recordou que o amor de Jesus “faz fecunda à Igreja com novos filhos, Batismos, e a Igreja cresce com esta fecundidade nupcial”.

Segundo a Rádio Vaticano, o Papa disse que em um casamento esta fecundidade pode ser às vezes colocada à prova, quando os filhos não chegam ou se ficam doentes. Nesses casos “há casais que olham para Jesus e tomam a força da fecundidade que Ele tem para com a sua Igreja”. Por outro lado, “há coisas que não agradam o Senhor”, como os matrimônios estéreis por escolha.

Jesus, indicou o Santo Padre, tem três grandes amores, pelo Pai, pela sua Mãe e pela Igreja. Por esta última tem um amor “grande”. É “sua esposa: bela, santa, pecadora, mas a ama igualmente”. E este amor se caracteriza, além de pela fecundidade, também pela fidelidade e a perseverança.

“É um amor fiel e perseverante; Ele não se cansa nunca de amar a Sua Igreja. É um amor fecundo e fiel. Jesus é fiel! São Paulo, em uma de suas Cartas diz: ‘Se tu confessares Cristo, Ele te confessará, a ti, diante do Pai; se tu renegares Cristo, Ele te renegará, a ti; se tu não for fiel a Cristo, Ele permanecerá fiel, porque não pode renegar a si mesmo!’”.

“A fidelidade é justamente o ser do amor de Cristo, ela é como uma luz sobre o matrimônio. A fidelidade do amor. Sempre”, expressou o Papa.

E assim como é fiel e fecundo, o amor de Jesus pela Igreja também é incansável, perseverantes.

“A vida matrimonial deve ser perseverante, deve ser perseverante. Porque do contrário o amor não pode seguir adiante. A perseverança no amor, nos momentos belos e nos momentos difíceis, quando há problemas: problemas com os filhos, problemas econômicos, problemas aqui, problemas lá”.

“O amor persevera, vai adiante, sempre procurando resolver as coisas para salvar a família. Perseverantes: homem e mulher se levantam, todos os dias, e levam a família adiante”, afirmou o Papa Francisco.

Se São Pedro “fecha” as portas do Paraíso Maria as abre, diz o Papa às religiosas de clausura

Papa Francisco

VATICANO, 16 Ago. 13 / 03:24 pm (ACI).- Antes de celebrar ontem a Missa na Praça da Liberdade em Castel Gandolfo, o Papa Francisco teve um encontro com as clarissas do Mosteiro de clausura de Albano e lhes disse que se São Pedro “fecha” as portas do Paraíso aos pecadores, Maria as abre. Essa também é a missão de vocês, levar através de sua oração mais homens e mulheres à vida eterna com Deus.

A Rádio Vaticano conversou com duas das religiosas que estiveram no encontro de quase 45 minutos com o Santo Padre. A Madre Vigária, Irmã María Concetta, disse que o Papa “estava tranquilo, relaxado como se não tivesse nada para fazer ou como se não pensasse em alguma coisa. Falou-nos –de um modo que nos tocou muito– de Maria, nesta Solenidade daAssunção, porque a mulher consagrada é um pouco como Maria”.

“Contou-nos uma bela história, que nos fez a todos rir, inclusive ele mesmo: Maria está à porta do Paraíso; São Pedro nem sempre abre a porta quando chegam os pecadores e, por isso, Maria sofre um pouco, porém, permanece ali, quieta. E à noite, quando se fecham as portas do Paraíso, quando ninguém vê e ouve, Maria abre a porta do Paraíso e deixa entrar todos”.

A religiosa disse que “nisto vimos a nossa missão, a nossa vocação. Esta vocação à vida contemplativa, na clausura, hoje não é compreendida por ninguém, mas não importa! Qual é o essencial? Qual é a finalidade desta vida, desta vocação? Creio que seja justamente isto. E hoje o Papa em poucas palavras nos disse isso. No silêncio, na escuridão, na noite, quando ninguém vê, ninguém sabe, ninguém ouve, quanta gente passa diante dos mosteiros de vida contemplativa e nem mesmo sabe quem está lá dentro e porque estão ali!?”

Então, prosseguiu, “neste silêncio, nesta noite, se realiza a nossa missão, ou seja, poder abrir as portas do Paraíso para que toda a humanidade possa entrar, todos os homens, irmãos e irmãs que talvez nem mesmo conheçam, nem mesmo saibam e talvez não tenham o dom fé. Como Maria, abrir a porta; dar novamente confiança, esperança. Ninguém sabe… mas não importa. Porém, Deus o sabe, o sabe Maria!”

Para a abadessa, a Madre Maria Assunta, “é difícil expressar os sentimentos que vivemos neste breve, mas intenso encontro (com o Papa Francisco), porém, o Santo Padre deixou-nos o seguinte: exortou-nos a viver profundamente a nossa vocação permanecendo fiéis ao nosso carisma, portanto, naquela simplicidade, naquela busca do essencial, naquela pobreza que nos faz sentir, todas, irmãs”.

“Foi um momento que é difícil expressar verdadeiramente! Porém, foi uma alegria e uma força que chama ainda mais a uma responsabilidade autêntica, verdadeira, da nossa resposta ao Senhor pela Igreja e pelo Santo Padre”.

Messi depois de cumprimentar o Papa: “Um dos momentos mais especiais da minha vida”

Lionel Messi na conferência de imprensa em Roma (foto Grupo ACI)

ROMA, 13 Ago. 13 / 03:20 pm (ACI/EWTN Noticias).- O Papa Francisco recebeu nesta manhã na Sala Clementina do Palácio Apostólico o melhor jogador de futebol do mundo, Lionel Messi, quem assegurou ter vivido nesta manhã um dos momentos mais especiais de sua vida ao cumprimentar o Pontífice.

“Sem dúvida foi um momento muito especial, certamente um dos mais especiais que já tive na vida”, explicou Messi emocionado na conferência de imprensa com os jornalistas, celebrada na Casina Pio VI do Vaticano, sede da Pontifícia Academia das Ciências, poucos minutos depois do encontro com o Papa.

“Tive oportunidade de me aproximar, cumprimenta-lo, foi rápido, havia muita gente… o momento foi lindo, mas não tive a oportunidade de falar muito mais”.

“Foi um dia muito especial para nós e tê-lo tão perto foi um momento muito lindo, e muito significativo para nós os argentinos, que ele seja do nosso país. Para nós é muito especial e a verdade é que foi um momento inesquecível e estamos muito contentes”, assegurou Messi.

O jogador argentino chegou a Roma acompanhado pela seleção argentina de futebol, que disputará nesta quarta-feira, 14 de agosto, um amistoso contra a Seleção Italiana em homenagem ao Papa Francisco.

Messi não participará da partida devido a alguns problemas musculares e volta para Barcelona esta mesma tarde. O jogador viajou a Roma exclusivamente para cumprimentar o Santo Padre e apresentar desde o Vaticano um novo projeto solidário: a Rede Mundial de Escolas para o Encontro, cujo objetivo é promover a formação das crianças a todos os níveis educativos.

Embora muitos esperem receber o Pontífice como o convidado de honra no campo do jogo nesta quarta-feira, o diretor do Escritório de Imprensa da Santa Sé, Padre Federico Lombardi, confirmou que o Santo Padre não assistirá ao amistoso.

Na conferência de imprensa também participaram o Chanceler argentino da Pontifícia Academia das Ciências, Dom Marcelo Sánchez Sorondo; os responsáveis pela Rede Mundial de Escolas para o Encontro, José María del Corral e Enrique Palmeyro; o secretário das Seleções Nacionais da Associação do Futebol Argentino, Germán Lerche; o treinador da Seleção Argentina de Futebol (AFA), Alejandro Sabella.

Também estiveram presentes o treinador da seleção italiana de futebol, Cesare Prandelli e o capitão da Seleção Nacional Italiana, Gianluigi Buffon, cuja seleção também foi recebida pelo Papa nesta manhã e que também apoia este novo projeto solidário.

O Papa às seleções da Itália e Argentina: Rezem por mim para que jogue uma partida honesta e corajosa no “campo” de Deus

VATICANO, 13 Ago. 13 / 02:23 pm (ACI/EWTN Noticias).- Ao receber em audiência nesta manhã aos jogadores das seleções de futebol da Argentina e Itália, que jogarão um amistoso em homenagem ao Papa Francisco, o Santo Padre lhes pediu que “rezem por mim, para que também eu, no “campo” no qual Deus me colocou, possa jogar uma partida honesta e corajosa pelo bem de todos nós”.

O Santo Padre também assegurou aos jogadores de futebol que “rezo por vocês, para que possam levar adiante esta vocação tão nobre do esporte. Peço ao Senhor que abençoe vocês e à Virgem Mãe que os proteja”.

Em seu discurso, iniciado em italiano, Francisco reconheceu que “será um pouco difícil, para mim, torcer, mas felizmente é um amistoso… e que seja realmente assim, eu recomendo!”.

O Papa assinalou aos jogadores que “são muito populares: o povo segue muito vocês, não somente quando vocês estão em campo, mas também fora. Esta é uma responsabilidade social!”.

“No jogo, quando vocês estão em campo, encontra-se a beleza, a gratuidade e o companheirismo. Se em uma partida falta isto, perde a força, mesmo se o time vence. Não há lugar para o individualismo, mas tudo é coordenação pelo time”.

O Santo Padre sublinhou que “talvez estas três coisas: beleza, gratuidade, companheirismo encontrem-se resumidas em um termo esportivo que não se deve nunca abandonar: “amadorismo”, amador”.

“Um esportista, mesmo sendo profissional, quando cultiva esta dimensão de “amador”, faz bem à sociedade, constrói o bem comum a partir dos valores da gratuidade, do companheirismo, da beleza”.

“Antes de serem campeões, vocês são homens, pessoas humanas, com os seus pontos fortes e os seus defeitos, com o seu coração e as suas ideias, as suas aspirações e os seus problemas. E então, mesmo se vocês são estes personagens públicos, permanecem homens, no esporte e na vida. Homens, portadores de humanidade”.

O Papa dirigiu aos dirigentes esportivos “um encorajamento para seu trabalho”, assinalando que “o esporte é importante, mas deve ser verdadeiro esporte! O futebol, como algumas outras modalidades, transformou-se um grande negócio! Trabalhem para que não se perca o caráter esportivo”.

“Também vocês promovam esta atitude de “amadores” que, por um lado, elimina definitivamente o risco da discriminação. Quando os times vão por este caminho, o estádio se enriquece humanamente, a violência desaparece e se volta a ver as famílias nas arquibancadas”.

Logo o Papa recordou, com palavras em espanhol, sua infância na Argentina, assinalando que “quando criança, íamos em família ao Gasómetro (o primeiro estádio do Clube San Lorenzo de Almagro), íamos em família, papai, mamãe e as crianças. Voltávamos felizes pra casa, claro, sobretudo na campanha de 46! (em que San Lorenzo obteve seu terceiro título)”.

“Vamos ver se algum de vocês se anima a fazer um gol como o de Pontoni lá, não?”, brincou, em referência a um histórico gol do argentino René Pontoni, jogador do San Lorenzo, durante a temporada de 1946.

O Santo Padre pediu aos atletas e diretores presentes que “vivam o esporte como dom de Deus, uma oportunidade para fazer frutificar seus talentos, mas também uma responsabilidade”.

“Queridos jogadores, gostaria de lembrar especialmente que com seu modo de comportar-se, tanto no campo como fora dele, na vida, vocês são uma referência. Mesmo que não se deem conta, para tantas pessoas que olham para vocês com admiração vocês são um modelo, para o bem ou para o mal. Sejam conscientes disto e deem um exemplo de lealdade, respeito e altruísmo”.

“Vocês –disse Francisco aos jogadores de futebol– também são artífices do entendimento e da paz social, artífices do entendimento e da paz social, de que precisamos tanto. Vocês são referência para tantos jovens e modelo de valores encarnados na vida. Eu tenho confiança em todo o bem que poderão fazer entre a rapaziada”.

O Papa Francisco é o líder mais influente no Twitter, revela estudo

MADRI, 02 Ago. 13 / 04:07 pm (ACI/EWTN Noticias).- Um estudo do Projeto Reputation Metrics de Media Reputation Intangibles (MRI) da Universidade de Navarra (Espanha) revelou que embora não seja o usuário com o maior número de seguidores e que só tenha feito 100 publicações nesta rede social, o Papa Francisco definitivamente é o líder mundial com mais influência no Twitter.

Segundo o estudo, os mais de 22 mil retweets (RTs) que recebe cada publicação do Santo Padre no Twitter, convertem-no “com muita diferença”, no “líder com maior impacto e influência” nesta rede social.

“O segundo classificado, Nicolás Maduro, gera menos de 5.000 RT por tweet. Barack Obama, que era o líder indiscutível por popularidade (número de seguidores), fica em quarto lugar nesta classificação”, assinalou o relatório do projeto da Universidade de Navarra.

O estudo também destacou o aumento em 161 por cento no número de seguidores nas contas do Papa Francisco em diversos idiomas.

“No fim da sede vacante de Bento XVI, as contas @Pontifex somavam 3 milhões de seguidores. As boas-vindas ao novo Papa supôs ganhar 800,000 seguidores em 4 dias (17 de março de 2013). No fim de junho conseguiu dobrar a quantidade inicial de seguidores. No fim de julho quebrou a barreira dos 8 milhões de seguidores”.

A investigação encontrou também que o crescimento mais forte de seguidores se apresentou em quem fala espanhol, em 300 por cento, enquanto que os que falam inglês aumentaram em 71 por cento.

Mas a conta que apresentou o maior crescimento foi a de idioma português, que ganhou seguidores na ordem de 500 por cento. Isto certamente pelo efeito da visita do Papa Francisco ao Brasil com ocasião da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Rio 2013.

De acordo com o estudo, o tweet mais popular do Santo Padre foi o realizado depois de sua eleição, em março deste ano.

Nessa ocasião publicou: “Queridos amigos, de coração vos agradeço e peço para continuardes a rezar por mim. Papa Francisco.”, alcançando 98.100 retweets e 55.200 marcações como favorito.

A Jornada Mundial da Juventude que a mídia não mostrou

Os dias em que Deus confirmou sua existência para 3,5 milhões de jovens do mundo inteiro

Quem não pôde participar da Jornada Mundial da Juventude e teve de se contentar com as análises da mídia perdeu aspectos fundamentais desse evento que movimentou o país. É bem verdade que as lentes das câmeras conseguiram alcançar pontos importantes e, muitas vezes, belos da Jornada, mas nenhuma delas foi capaz de atingir o coração da JMJ-Rio 2013. Não obstante o clima de festa ocasionado pelo encontro, o que, de fato, marcou a alma dos jovens foi muito mais que a sensação simplista de uma viagem, mas o toque concreto com todos os artigos da fé que compõem o corpo da Igreja que é o próprio Corpo de Cristo.

A começar pela chegada dos peregrinos ao Rio de Janeiro, o Brasil e as demais partes do planeta puderam experimentar a universalidade da Igreja, desde os alegres cantos africanos à acolhida fraternal do povo carioca. Cada bandeira hasteada na praia de Copacabana revelava a dimensão da Noiva de Cristo que a acolhia e a vigiava de braços abertos de cima do Corcovado. Uma cena que deixou a Cidade Maravilhosa ainda mais… maravilhosa. Dos confins do mundo, aonde chegaram os profetas missionários de outrora, vieram as novas gerações de adoradores do Senhor, cuja única missão, concedida pelo Santo Padre, é ir novamente pelo mundo e anunciar o Evangelho a toda criatura.

O Rio de Janeiro que amargava tristes depredações e padecia sob um clima de guerra civil sem precedentes semanas atrás se convergiu num mar de pessoas que cantava louvores a Deus e pedia a intercessão da Mãe Aparecida. Imagem suficiente para arrancar lágrimas de policiais e sorrisos de bebês que, mesmo sem compreender concretamente o que lá acontecia, sabiam que era algo santo. O ódio dos protestos dos indignados foi afogado pela amor de Cristo. As profanações de meia-dúzia de coitados foram ofuscadas pela sacralidade de 3,5 milhões de batizados. De filhos do Altíssimo. De pessoas que, como pediu o Santo Padre na cerimônia de sua acolhida, botaram fé na verdade, no caminho e na vida que só se encontram em Jesus.

A Jornada Mundial da Juventude apresentou novamente às nações a pujança da Igreja e a sua capacidade de se renovar. Não, a Igreja não está morta. Pelo contrário, vive e se multiplica para além daqueles que profetizaram seu enterro e que, aliás, já estão enterrados. A história se repete e mais uma vez é a Igreja quem sai vitoriosa. Se em Madrid foram dias em que Deus parecia existir, como confessou o jornalista agnóstico Vargas Llosa, no Rio foram dias em que Ele confirmou sua existência. Diferente do que se viu dias atrás, dessa vez os jovens não saíram às ruas para depredar, mas para construir. E construir em cima da Rocha. E por isso gritavam: Esta é a juventude do Papa! Melhor, dos Papas. De Bento e de Francisco, pois a única ruptura proposta por eles é a ruptura com o pecado, não com a fé de dois mil anos como sugerem alguns teólogos mal intencionados por aí.

Os cantos que tomaram as ruas do Rio de Janeiro ainda encontrarão eco em muitos corações. Naquela praia, onde se celebrou a Missa de envio dos peregrinos, novamente exortou Jesus pela boca do Santo Padre: “Ide pelo mundo e fazei discípulos de todas as nações”. E neste momento, em que muitos jovens ainda se encontram em ônibus ou aviões voltando para suas casas, também a cruz de Cristo vai com eles para indicar o caminho da Luz da Fé, a única capaz de conduzir o homem para a salvação eterna, onde as portas do inferno não prevalecerão.

Por: Equipe Christo Nihil Praeponere

Papa Francisco: “Eu sou filho da Igreja”

A mídia internacional divulgou uma suposta “aprovação” do Papa Francisco à homossexualidade. Trata-se de mais uma mentira. Entenda o que disse o Santo Padre.

No fim da tarde de ontem, o Papa Francisco se despediu do povo brasileiro. Com a alma “cheia de recordações felizes”, o Santo Padre declarou já começar “a sentir saudades”.

Com certeza, não é só Sua Santidade que sentirá falta do Brasil. Nós também não esqueceremos esta visita do sucessor de São Pedro à nossa nação, que nos trouxe palavras de alento, conforto e esperança, mas, ao mesmo tempo, apelos de compromisso e de responsabilidade – como no discurso aos voluntários da Jornada, quando o Papa pediu aos jovens “a coragem de ir contra a corrente”, contra a “cultura do provisório, do relativo”.

É importante que estas mensagens do Sumo Pontífice encontrem terreno fértil em nosso coração, mas também se deve tomar muito cuidado com a leitura que a mídia tem feito de suas declarações. Quando vão falar sobre a fé e sobre a Igreja, muitos de nossos jornalistas e teólogos – ou, simplesmente, de nossos formadores de opinião – estão mais preocupados com a promoção de sua agenda progressista que com os valores cristãos propriamente ditos. Assim, uma palavra dita pelo Papa num contexto é imediatamente jogada nas manchetes e, então, de repente, a Igreja teria mudado sua doutrina ou negociado seus princípios morais.

Durante o voo de regresso a Roma, apesar do cansaço, o Papa Francisco decidiu conceder uma entrevista aos jornalistas presentes no avião. O Pontífice abordou temas espinhosos; entre eles, a questão da homossexualidade. Não falou nada de novo em matéria moral: “Se uma pessoa é gay e procura Deus e tem boa vontade, quem sou eu, por caridade, para julgá-lo? O Catecismo da Igreja Católica explica isso muito bem. Diz que eles não devem ser discriminados por causa disso, mas integrados na sociedade.”

No entanto, vários portais de notícias comemoraram o que parecia ser a “habilitação” do ato homossexual. Nada mais falso. Basta ler o trecho do Catecismo ao qual o próprio Papa remete, demonstrando continuidade com o ensinamento moral da Igreja. Trata-se do seu parágrafo 2358:

“Um número não negligenciável de homens e de mulheres apresenta tendências homossexuais profundamente enraizadas. Esta inclinação objetivamente desordenada constitui, para a maioria, uma provação. Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á para com eles todo sinal de discriminação injusta. Estas pessoas são chamadas a realizar a vontade de Deus em sua vida e, se forem cristãs, a unir ao sacrifício do Senhor as dificuldades que podem encontrar por causa de sua condição.”

Traduzindo: a Igreja continua condenando o pecado, não o pecador. E, justamente porque o ama, chama-o à conversão, à castidade. Por causa de sua condição, eles não devem ser injustamente discriminados, mas tratados com respeito e dignidade. Este é o ensinamento da Igreja e esta é a referência do Papa.

Outro momento da mesma entrevista ilustra muito bem este compromisso de Francisco com a fé e a moral católicas01. Perguntado sobre sua opinião frente a questões como o aborto ou o “casamento” gay, o Santo Padre disse: “A Igreja já se expressou perfeitamente sobre isso”. O jornalista, insistente, queria saber a posição do Papa. Ele foi ainda mais enfático: “É a da Igreja, eu sou filho da Igreja”.

Por: Equipe Christo Nihil Praeponere

 

Página 1 de 17

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén