Tag: psicológica

C S Lewis

Muito inteligente para se tornar católico?

C S Lewis

Por This Rock Magazine, Janeiro/1990
Tradução: Carlos Martins Nabeto
Fonte: Veritatis Splendor

Grandes pensadores cristãos do século XX como C.S.Lewis, Francis Schaeffer, E.L.Mascall e Karl Barth não se tornaram católicos. Eram eles muito inteligentes para serem enredados pelo Catolicismo? (Anônimo)

A fé é um dom de Deus e não apenas o produto de uma corrente silogística. É difícil explicar com bases puramente racionais o porquê de certo indivíduo aceitar ou não o Catolicismo (ou o Cristianismo em geral, evidentemente). A suma inteligência não protege o homem dos efeitos do preconceito, dos seus próprios sentimentos, do seu fundo cultural ou de prejuízos de ordem étnica.

Qualquer uma destas coisas poderia fazer com que alguém deixasse de abrir completamente a sua mente e o seu coração. Por outro lado, todas estas coisas juntas poderiam também não ser suficientes para alguém abandonar a sua fé. Deus opera de modos estranhos, você sabe.

É indubitável que os homens que você menciona deram grandes contribuições para a causa de Cristo no século passado, porém isto não significa que não lhes faltasse algo – alguma coisa essencial ou central – em sua compreensão sobre o Cristianismo.

Tome C.S.Lewis como exemplo. Um discípulo e grande amigo de Lewis, Christopher Derrick, observou em relação a C.S.Lewis e a Igreja de Roma, que embora Lewis fosse um criativo defensor do Cristianismo em geral, suas razões para não ser católico eram passageiras.

Isto fez com que Derrick afirmasse que a não conversão de Lewis ao Catolicismo foi devido parcialmente a dificuldades de natureza intelectual. A personalidade de Lewis e seu fundo protestante proveniente do Ulster (Irlanda do Norte) também estariam envolvidos aqui.

No entanto, apesar de não ter abraçado o Catolicismo, Lewis tem sido um dos responsáveis pelo grande número de conversões de protestantes ao Catolicismo, em especial de evangélicos. Sheldon Vanauken compara Lewis com Moisés: conduziu o povo à terra prometida sem que ele próprio entrasse nela.

Com efeito, os leitores de Lewis, seguindo suas percepções e princípios teológicos, são capazes de perceber que ele, em razão de alguns problemas de natureza psicológica, foi incapaz de enxergar por si mesmo.

O mesmo poderia ser dito dos outros grandes homens que você citou, embora aspectos específicos de seus pensamentos, bem como elementos não-racionais que tenham contribuído para que eles não abraçassem o Catolicismo pudessem ser bem diferentes dos de Lewis.

Mas ainda que fosse possível considerar apropriadamente todos os fatores e o peso de cada um deles – o que de fato não é possível fazer – continuaria misterioso o principal elemento: a graça. Realmente não há escalas para medi-la.

Caso de criança de 9 anos grávida no Peru: outro final

Menina estuprada de 9 anos é mãe mais jovem do Peru

LIMA, 2 dez (AFP) – Uma menina de nove anos deu à luz um menino neste sábado, fruto de um estupro, em um hospital público de Lima, informou o ministro peruano de Saúde, Carlos Vallejos.

O bebê nasceu com 2,520 kg e 47 cm e apresenta dificuldades respiratórias. Por isso, permanece na UTI.

A mãe precoce receberá ajuda psicológica, e seu filho terá toda assistência de que precisar, ressaltou o ministro Vallejos, após visitá-la.

“Ela permanecerá no hospital todo o tempo que for necessário até que seu filho e ela estejam em perfeitas condições”, declarou.

A garota foi vítima de abuso sexual de um primo de 29 anos, em um povoado pobre da província de Pachitea, no departamento centro-andino de Huánuco.

O caso comoveu o Peru, quando sua gestação foi revelada em setembro passado, tornando-a a mãe mais jovem do país.

Fonte: http://noticias.uol.com.br/ultnot/afp/2006/12/02/ult34u169397.jhtm

Critérios para determinar se um grupo é uma seita perigosa

A proliferação de seitas na América Latina incrementou-se nos últimos anos. Muitas das seitas têm uma origem religiosa gerando confusão e polêmica entre os fiéis para distinguir corretamente se um determinado grupo mantém-se fiel aos ensinamentos do Evangelho e da Igreja ou se pelo contrário distorcem estes ensinamentos e constróem sua própria verdade. Aqui seguem alguns critérios.

  • O grupo é autoritário em sua estrutura de poder. O líder tem a autoridade suprema. Ele ou ela pode delegar certos poderes em uns poucos subordinados com o propósito de que os membros se adiram aos desejos e ordens do líder. Não há apelação possível fora de seu sistema a outros sistemas de justiça que estejam acima. Por exemplo, se um professor de escola se sente injustamente tratado pelo diretor do colégio, pode se queixar, mas em uma seita o líder sempre tem a última palavra (e única) em todos os assuntos.
  • Os líderes sectários tendem a ser carismáticos, decididos e dominantes. Eles persuadem seus seguidores a abandonar suas famílias, trabalhos e amizades para seguí-los. O grupo, e não o indivíduo, controla as propriedades de seus seguidores, seu dinheiro, e suas vidas.
  • Os líderes sectários são messias autoproclamados que presumem ter uma missão especial na vida.
  • O líder sectário centra a veneração de seus adeptos sobre si mesmo. Sacerdotes, rabinos, ministros, líderes democráticos e de movimentos realmente altruístas dirigem a veneração de seus seguidores para Deus, princípios abstratos, ou o bem comum. Os líderes sectários, ao contrário, propõem a si mesmos como o objetivo do amor, devoção e adesão de seus seguidores.
  • A seita tende a ser totalitária no controle do comportamento de seus membros. As seitas costumam ditar com grande detalhe como devem vestir-se seus membros, o que comer, quando e onde trabalhar, dormir, tomar banho, assim como o que devem crer, pensar e dizer.
  • A seita costuma ter uma dupla moral. Por um lado os membros devem ser abertos e honestos com o grupo, e confessar tudo a seus líderes. Por outro, são animados a mentir e manipular aos não-membros. As religiões estabelecidas ensinam seus membros a ser honestos com todo o mundo, e reger-se por uma só moral.
  • A seita tem dois objetivos básicos; recrutar novos membros e conseguir dinheiro. As religiões estabelecidas e movimentos altruístas podem também recrutar e conseguir dinheiro, mas seu único objetivo não é seu próprio crescimento mas melhorar as vidas de seus membros e semelhantes. As seitas podem presumir-se de fazer contribuições sociais, mas em realidade ficam apenas na presunção, ou em meros gestos. Seus objetivos sempre estarão encaminhados ao recrutamento e fazer dinheiro.
  • A seita aparenta ser inovadora e exclusiva. O líder afirma romper com a tradição, oferecendo algo novo, e instituindo o único sistema viável de mudança que solucionará os problemas da vida ou do mundo. Enquanto afirma isto, veladamente utiliza a coerção psicológica sobre seus membros para inibir sua capacidade de examinar a validade das presunções do líder e sua seita.

Mais critérios

Este critério define outros elementos comuns dos sistemas de coerção psicológica. Baseado no modelo de Robert Jay Lifton, consta de oito pontos de reforma do pensamento tal como se usa em uma organização sectária. São os seguintes:

1. CONTROLE DO MEIO
Limitação de todas ou algumas das formas de comunicação com aqueles ao grupo. Livros, revistas, cartas e visitas aos amigos são tabu. “Vem e isole-se”

2. MANIPULAÇÂO MÍSTICA
Converso potencial ao grupo chega a ser convencido além da dúvida do elevado propósito, do destino especial do grupo, através de um profundo encontro/experiência. Por exemplo, através de um suposto milagre ou palavra profética daqueles no grupo.

3. DEMANDA DE PUREZA
Um objetivo explícito do grupo é produzir certa forma de mudança, seja de forma global ou pessoal. “A perfeição só será possível se permanecer no grupo e entregar-se a ele”

4. CULTO DE CONFISSÃO
A pouco saudável pratica de expor-se aos membros do grupo, freqüentemente no contexto de uma reunião pública, admitindo pecados passados e imperfeições, inclusive dúvidas sobre o grupo e pensamentos críticos sobre a integridade dos líderes.

5. CIÊNCIA SAGRADA
A perspectiva do grupo é a verdade absoluta e completamente capaz de explicar TUDO. A doutrina não está sujeita a melhoras ou críticas. A conformidade ABSOLUTA com a doutrina é necessária.

6. CARGA DA LINGUAGEM
Um novo vocabulário emerge no contexto do grupo. Os adeptos ‘pensam’ em parâmetros estreitos e muito abstratos, próprios da doutrina do grupo. A terminologia previne suficientemente o pensamento crítico reforçando uma mentalidade em ‘branco e preto’. Os clichês e respostas preparadas introduzem preconceitos mentais.

7. DOUTRINA SOBRE A PESSOA
A experiência prévia ao grupo e dentro do grupo é interpretada de forma rígida e decisiva por meio da doutrina absoluta, inclusive quando a experiência contradiz a doutrina.

8. DISPENSA DA EXISTÊNCIA
A salvação só é possível dentro do grupo. Aqueles que o abandonem estão condenados.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén