Tag: pernas

Bebê volta a viver após ser declarado morto pela equipe médica

A criança foi encontrada viva pela avó e enfermeira na Capela interna do hospital

No instante em que a Presidente Dilma Rousseff tem o poder de sancionar ou vetar o PLC 03/2013, que abre brechas para a legalização do aborto no Brasil, a notícia de que um bebê declarado morto voltou a viver de forma “milagrosa” reforça mais uma vez a luta contra a cultura da morte. A história ocorreu em Joaquim Távora, norte do Paraná, e ganhou as páginas de vários jornais da região e do resto do país. Conforme informações, a menina, nascida na segunda-feira, 08/07, encontra-se, agora, internada em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Infantil Sagrada Família, em Londrina (PR).

A equipe médica do Hospital Lincoln Graça de Joaquim Távora certificou a morte dela, depois de várias tentativas frustradas de reanimá-la. De acordo com a enfermeira Ana Cláudia Oliveira, o bebê nasceu vivo, mas não respirava. Além disso, afirma Ana Cláudia, “as pupilas não respondiam mais à luz. Todos os sinais comprovavam que não havia mais vida”, o que não deixava dúvidas de que ela estava morta. Por se tratar de uma criança, a enfermeira explica que preferiu encaminhá-la à capela interna do hospital, em vez do necrotério. A recém-nascida foi limpa e vestida por uma auxiliar de enfermagem com as roupas com as quais seria enterrada. “Eu vi. Ela estava roxinha, completamente morta”, insiste a enfermeira.

Todavia, para surpresa da avó da criança, Eliza Cabral Silva, da dona da funerária contratada pela família, Rosiles Ferro, e da própria Ana Cláudia, a menina voltou a se mexer três horas após à sua declaração de óbito. Elas viram os movimentos das pernas dela enquanto estava coberta por uma manta sobre o altar do oratório do hospital. A avó Eliza Cabral conta que quando a viu, não sabia se ficava feliz ou triste. “Fiquei sem reação. Não acreditava no que estava vendo. Foi Deus”, diz a senhora. Para a enfermeira, também houve uma intervenção divina: “Não há explicação médica. Eu, pessoalmente, só posso acreditar que foi um milagre”.

Rosiles Ferro, dona da funerária que atendeu à família, confirma a história: “A avó me ligou para buscar o corpo e eu fui. Chegando lá, encontrei o corpo da menina em cima do altar da capela. De repente, vimos que ela ergueu a perninha. Nós nem acreditamos. Ela estava respirando. Nos abraçamos e começamos gritar: ‘Ela está viva, ela está viva!’”.

Segundo informações do Hospital Infantil Sagrada Família, a criança respira com dificuldades e deve passar por uma bateria de exames nos próximos dias. Apesar do susto – e do caso ainda ser delicado – o testemunho dessa criança inspira a luta pró-vida, sobretudo agora em que ela se encontra tão ameaçada. Cabe aos seus defensores se empenharem na oração, no jejum e na ação concreta a favor do bem comum e da dignidade da pessoa humana.

Por: Equipe Christo Nihil Praeponere | Informação: G1

Jovem cantor iraquiano comove a Austrália com história marcada pela caridade católica

MELBOURNE, 13 Out. 11 / 01:07 pm (ACI)

A audição do jovem iraquiano Emmanuel Kelly em no reality show musical australiano X-factor já chegou às cinco milhões de vistas no Youtube. Sua história de luta e superação comove australianos e estrangeiros mas poucos sabem que atrás dela estão a dedicação de sua mãe adotiva, uma conhecida católica, e as Missionárias da Caridade, fundadas pela Beata Teresa da Calcutá.

Emmanuel não sabe quando nasceu, mas sabe que está vivo graças às feiras que o resgataram junto a seu irmão Ahmed quando era muito pequeno.

“Estávamos em uma caixa de sapatos, em meio de uma zona de guerra”, recorda. Os irmãos conservam os rastros da guerra química no Iraque e padecem de sérias deformações nos braços e pernas.

Moira Kelly, uma conhecida católica australiana dedicada às obras humanitárias e que trabalhou por anos com a Madre Teresa de Calcutá, encontrou os irmãos no orfanato da Missionárias da Caridade em Bagdá, adotou-os e os criou na Austrália onde receberam tratamento médico, reabilitação e muito amor.

Kelly decidiu dedicar sua vida à caridade quando era menina após ver um documentário sobre o trabalho da Madre Teresa e hoje dirige a organização humanitária Children First Foundation e recebeu numerosos reconhecimentos por seu trabalho. Há pouco assumiu o desafio de cuidar de umas meninas siamesas de Bangladesh –unidas pela cabeça–, que foram operadas com êxito e hoje se reabilitam com ajuda de sua organização.

Emmanuel assegura que o que mais gosta de fazer é cantar. Sua audição foi a mais aplaudida do concurso e de longe a mais comovedora. Seu irmão Ahmed, que carece das extremidades, é nadador e tem como objetivo chegar às Paraolimpíadas de Londres 2012.

Embora Emmanuel não tenha podido chegar à final do concurso por decisão do jurado –o que causou um ardoroso protesto dos televidentes–, o testemunho de valor, coragem e amor familiar que compartilhou em sua audição está dando a volta ao mundo através das redes sociais.

O vídeo (legendado em português) pode ser visto no youtube:

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén