Tag: mística

Dom Ganswein desmente que “experiência mística” tenha causado a renúncia de Bento XVI

ROMA, 28 Ago. 13 / 12:18 pm (ACI/EWTN Noticias).- O Prefeito da Casa Pontifícia, Dom Georg Ganswein, assinalou que não há “nada de certo” nas informações que atribuem a renúncia ao pontificado de Bento XVI a uma experiência mística.

Faz uns dias circulou nos meios de imprensa de todo o mundo uma nota em que se assegurava que Bento XVI teve “uma experiência mística de Deus” antes de renunciar ao pontificado. Dom Ganswein, secretário pessoal do Bispo Emérito de Roma, declarou ao canal italiano TG5 que “tudo neste artigo foi inventado do alfa ao ômega (do principio ao fim). E não há nada de certo”.

Dom Ganswein fez estas declarações no último dia 25 de agosto desde Castel Gandolfo, onde se encontrava para festejar o 36º aniversário da inauguração da igreja da Virgem do Lago, e em cuja honra se dirigiu uma peregrinação e uma Missa.

“O Papa emérito está muito bem, veio de visita breve ao Palácio –de Castel Gandolfo–, porque havia um pequeno concerto, para jantar e dar depois um bonito passeio pelos jardins”, explicou.

Em referência à relação entre o Papa Francisco e Bento XVI, Dom Ganswein assegurou que ambas as personalidades “têm uma relação excelente”. “Há uma continuidade substancial entre eles e, certamente, há alguns elementos de estilo que são muito diversos porque são duas personalidades muito distintas. Se vemos o fio condutor dos primeiros meses do pontificado do Papa Francisco se vê que é uma continuidade clássica” e “tentou fazer uma ponte” entre ambos.

Castel Gandolfo é o povoado próximo à cidade de Roma, onde geralmente os Papas passam alguns dias de repouso. Aqui “Bento e eu estivemos durante oito anos, por várias semanas, todos os anos, e foi uma experiência única que agora sentimos falta”, acrescentou emocionado.

Precisamente, desde Castel Gandolfo, Bento XVI se despediu da Sé de Pedro. Ali, o fechamento dos portões do Palácio Apostólico de Castel Gandolfo, inundado pelo carinho de milhares de peregrinos, marcou o final de seu pontificado.

Bento XVI: O Cristianismo é o encontro com o Senhor ressuscitado

Papa Bento XVI Vaticano, 16 Abr. 12 / 08:53 am (ACI)

Em sua mensagem prévia à oração do Regina Caeli, na Praça de São Pedro, diante dos milhares de fiéis ali reunidos, o Papa Bento XVI sublinhou que o culto cristão não é somente uma comemoração de eventos passados ou uma particular experiência mística, mas essencialmente o encontro com o Senhor ressuscitado.

“Através destes sinais nós vivemos aquilo que experimentaram os discípulos, isto é, o fato de ver Jesus e ao mesmo tempo de não reconhece-lo, de tocar o seu corpo, um corpo verdadeiro, mas livre das ligações terrenas”.

O Santo Padre remarcou a importância de aproximar-nos de Jesus, “que vive na dimensão de Deus, além do tempo e do espaço, e todavia se faz realmente presente na comunidade, nos fala nas Sagradas Escrituras e parte para nós o Pão da Vida Eterna”.

Depois de recordar a primeira aparição de Jesus aos apóstolos no cenáculo, Bento XVI assinalou que “a celebração do Dia do Senhor é uma prova muito forte da Ressurreição de Cristo, porque somente um acontecimento extraordinário e envolvente poderia levar os primeiros cristãos a iniciar um culto diferente em relação ao do sábado hebraico”.

O Papa indicou a importância de que nas duas aparições do Senhor aos apóstolos, Jesus repetiu várias vezes a saudação da paz, convertendo um gesto tradicional em algo novo, um dom que só Ele pode dar.

“A ‘paz’ que Jesus oferece aos seus amigos é o fruto do amor de Deus que o levou a morrer na cruz, a derramar todo o seu sangue, como Cordeiro manso e humilde, “cheio de graça e verdade””.

“Queridos irmãos e irmãs, acolhamos o dom da paz que nos oferece Jesus ressuscitado, deixemos que o nosso coração se encha da sua misericórdia! Desde modo, com a força do Espírito Santo, o Espírito que ressuscitou Cristo dos mortos, também nós possamos levar aos outros estes dons pascais. Que isso nos obtena Maria Santíssima, Mãe da Misericórdia”, concluiu o Papa.

Trecho do Livro Ortodoxia – G. K. Chesterton

Fonte: Ágora

De certo, esta é uma das obras mais intrigantes e provocativas de Chesterton, leitura obrigatória a todo Cristão que interessa-se em adentrar, através da Filosofia, a indelével mística Cristã, que fez-se diferente não por pregar a contingência, a moralidade, a concepção de um Deus uno e trino, mas por fundar o Cristianismo… Esta dura verdade, tão útil e necessária. Tão atual e profunda, que move milhares, pelo caminho estreito, chamado Jesus.

“Uma eloqüente apologia do cristianismo contra as filosofias e doutrinas do início do século XX.”
O Globo

Aqui deixo um breve deleite, proporcionado por seu eloquente discurso e pela bela produção visual deste vídeo. A tradução do mesmo foi feita pelo web site Chesterton Brasil.

A veneração a São Pedro e a pertença ao Corpo Místico de Cristo

Venerar São Pedro é fazer memória de nossa pertença à única Igreja por Cristo fundada.

O mistério da Igreja é inseparável do mistério de Cristo. Os dois não formam mais do que uma só realidade. A Igreja é Seu Corpo, Sua Esposa mística.

A Igreja é uma sociedade fundada por Cristo sobre os Apóstolos. Nela está depositada a doutrina e a autoridade de Jesus. Não é o Papa dono da verdade, mas seu servo, seu protetor. E por isso é que não pode ele mudá-la, e sim pregá-la e defende-la.

A Igreja também é a dispensadora dos sacramentos e continuadora da religião de Cristo. Não se vai, portanto, a Cristo sem ser pela Igreja. Até os que se salvam fora das estruturas visíveis da Igreja, em verdade salvam-se pela Igreja, como seus membros invisíveis, ainda que não o saibam.

Deus nos quer governar por homens, e isto é importante para a economia sobrenatural resultante da Encarnação. Não nos salvou Cristo apenas como Deus. Pelo contrário, fez-Se homem. Sua humanidade foi como que um instrumento para a nossa redenção. Assim, do mesmo modo, nos governa Jesus Cristo, Nosso Senhor, Rei e Salvador, através dos homens: dos Bispos e do Papa. Eis porque a Igreja é necessariamente visível. Por ela Jesus é glorificado e exercita-se nossa fé.

Temos, pois, deveres para com a Igreja: obedecer às suas ordens legítimas, segundo o Direito; crer no que ela prega, especialmente quando definido infalivelmente; respeitar seus pastores e seus membros; amá-la, defendê-la, protegê-la.

A Igreja é, outrossim, o Corpo Místico de Cristo, que é Sua Cabeça invisível, como Pedro e seu sucessor a visível.

Somos, então, um com Ele, pois somos os membros do Corpo, da Igreja. Tal união é profundíssima, porque tomamos parte no próprio Cristo Jesus, sendo uma só realidade com Ele. Permanecemos unidos a Nosso Senhor e aos demais membros, nossos irmãos, pela caridade.

Autor: Dr. Rafael Vitola Brodbeck
Fonte: Veritatis Splendor

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén