Tag: mística

Bento XVI: O Cristianismo é o encontro com o Senhor ressuscitado

Papa Bento XVI Vaticano, 16 Abr. 12 / 08:53 am (ACI)

Em sua mensagem prévia à oração do Regina Caeli, na Praça de São Pedro, diante dos milhares de fiéis ali reunidos, o Papa Bento XVI sublinhou que o culto cristão não é somente uma comemoração de eventos passados ou uma particular experiência mística, mas essencialmente o encontro com o Senhor ressuscitado.

“Através destes sinais nós vivemos aquilo que experimentaram os discípulos, isto é, o fato de ver Jesus e ao mesmo tempo de não reconhece-lo, de tocar o seu corpo, um corpo verdadeiro, mas livre das ligações terrenas”.

O Santo Padre remarcou a importância de aproximar-nos de Jesus, “que vive na dimensão de Deus, além do tempo e do espaço, e todavia se faz realmente presente na comunidade, nos fala nas Sagradas Escrituras e parte para nós o Pão da Vida Eterna”.

Depois de recordar a primeira aparição de Jesus aos apóstolos no cenáculo, Bento XVI assinalou que “a celebração do Dia do Senhor é uma prova muito forte da Ressurreição de Cristo, porque somente um acontecimento extraordinário e envolvente poderia levar os primeiros cristãos a iniciar um culto diferente em relação ao do sábado hebraico”.

O Papa indicou a importância de que nas duas aparições do Senhor aos apóstolos, Jesus repetiu várias vezes a saudação da paz, convertendo um gesto tradicional em algo novo, um dom que só Ele pode dar.

“A ‘paz’ que Jesus oferece aos seus amigos é o fruto do amor de Deus que o levou a morrer na cruz, a derramar todo o seu sangue, como Cordeiro manso e humilde, “cheio de graça e verdade””.

“Queridos irmãos e irmãs, acolhamos o dom da paz que nos oferece Jesus ressuscitado, deixemos que o nosso coração se encha da sua misericórdia! Desde modo, com a força do Espírito Santo, o Espírito que ressuscitou Cristo dos mortos, também nós possamos levar aos outros estes dons pascais. Que isso nos obtena Maria Santíssima, Mãe da Misericórdia”, concluiu o Papa.

Trecho do Livro Ortodoxia – G. K. Chesterton

Fonte: Ágora

De certo, esta é uma das obras mais intrigantes e provocativas de Chesterton, leitura obrigatória a todo Cristão que interessa-se em adentrar, através da Filosofia, a indelével mística Cristã, que fez-se diferente não por pregar a contingência, a moralidade, a concepção de um Deus uno e trino, mas por fundar o Cristianismo… Esta dura verdade, tão útil e necessária. Tão atual e profunda, que move milhares, pelo caminho estreito, chamado Jesus.

“Uma eloqüente apologia do cristianismo contra as filosofias e doutrinas do início do século XX.”
O Globo

Aqui deixo um breve deleite, proporcionado por seu eloquente discurso e pela bela produção visual deste vídeo. A tradução do mesmo foi feita pelo web site Chesterton Brasil.

A veneração a São Pedro e a pertença ao Corpo Místico de Cristo

Venerar São Pedro é fazer memória de nossa pertença à única Igreja por Cristo fundada.

O mistério da Igreja é inseparável do mistério de Cristo. Os dois não formam mais do que uma só realidade. A Igreja é Seu Corpo, Sua Esposa mística.

A Igreja é uma sociedade fundada por Cristo sobre os Apóstolos. Nela está depositada a doutrina e a autoridade de Jesus. Não é o Papa dono da verdade, mas seu servo, seu protetor. E por isso é que não pode ele mudá-la, e sim pregá-la e defende-la.

A Igreja também é a dispensadora dos sacramentos e continuadora da religião de Cristo. Não se vai, portanto, a Cristo sem ser pela Igreja. Até os que se salvam fora das estruturas visíveis da Igreja, em verdade salvam-se pela Igreja, como seus membros invisíveis, ainda que não o saibam.

Deus nos quer governar por homens, e isto é importante para a economia sobrenatural resultante da Encarnação. Não nos salvou Cristo apenas como Deus. Pelo contrário, fez-Se homem. Sua humanidade foi como que um instrumento para a nossa redenção. Assim, do mesmo modo, nos governa Jesus Cristo, Nosso Senhor, Rei e Salvador, através dos homens: dos Bispos e do Papa. Eis porque a Igreja é necessariamente visível. Por ela Jesus é glorificado e exercita-se nossa fé.

Temos, pois, deveres para com a Igreja: obedecer às suas ordens legítimas, segundo o Direito; crer no que ela prega, especialmente quando definido infalivelmente; respeitar seus pastores e seus membros; amá-la, defendê-la, protegê-la.

A Igreja é, outrossim, o Corpo Místico de Cristo, que é Sua Cabeça invisível, como Pedro e seu sucessor a visível.

Somos, então, um com Ele, pois somos os membros do Corpo, da Igreja. Tal união é profundíssima, porque tomamos parte no próprio Cristo Jesus, sendo uma só realidade com Ele. Permanecemos unidos a Nosso Senhor e aos demais membros, nossos irmãos, pela caridade.

Autor: Dr. Rafael Vitola Brodbeck
Fonte: Veritatis Splendor

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén