Tag: international planned parenthood

gianna-jessen

Gianna Jessen: Nascida durante aborto por envenenamento salino

Gianna Jessen não desistiu. Desistir não é uma opção para ela. Gianna tem o que ela se refere como o “dom” de Paralisia Cerebral.
Ela pesava meros 0,906 gramas ao nascimento e os médicos disseram que ela nunca seria capaz de manter a cabeça erguida, sentar, engatinhar ou andar. Ela começou a andar aos três anos de idade com a ajuda de aparelhos na perna e um andador.

Gianna não acredita que a sua paralisia cerebral tirou sua vida, mas, pelo contrário, enriqueceu-a. . . ela anda com um ligeiro coxear e hoje corre maratonas. Em 30 de abril de 2005, ela completou sua primeira maratona de 42,15 kilômetros depois de correr um pouco mais de sete horas! Em 23 abril de 2006 ela completou a Maratona de Londres também. Ela está agora determinado a correr maratonas em todo o lugar, porque a sentença era que ela nunca andaria!

Gianna compreende a situação dos órfãos, sendo uma deles. Ela foi colocada no sistema de adoção no início de sua vida, acabando sendo adotada por uma uma mulher chamada Penny. Penny foi uma mãe de 56 filhos adotivos em sua vida. Gianna foi adotada mais tarde pela filha de Penny. Segundo Gianna, Penny salvou sua vida.

Gianna é cristã. Sua vida foi dada a ela pela graça de Deus. Ela não deveria estar andando, e o mais miraculoso, ela não deveria nem estar viva. A mãe biológica de Gianna tinha 17 anos quando realizou um aborto por solução salina no seu terceiro trimestre. Depois de ser queimada viva por cerca de 18 horas em meio à solução salina, Gianna foi entregue viva em uma clínica de aborto em Los Angeles. Consta em seus registros médicos “…Nascida durante aborto por solução salina” … isso é o que lhe causou paralisia cerebral.

Gianna faz viagens e suas experiências levaram-na por todo o mundo. Sua vida tem sido mostrada por muitos meios de notícia, incluindo, mais recentemente, BBC news, Sky News e The Good Morning Show, na Inglaterra, atingindo muitas pessoas com uma mensagem de esperança e convicção. Em novembro de 2005, Gianna falou em várias faculdades de todo Brasil e em dezembro do mesmo ano, falou em uma reunião realizada na Câmara dos Comuns, em Londres. Ela voltou para a Inglaterra neste ano, para falar em várias paróquias e colégios públicos. Gianna realiza palestras em: igrejas – cruzadas de jovens da igreja e recuos do ministério de mulheres, várias corporações como palestrante motivacional, organizações de juventude secular e cristã e escolas, bem como várias vezes perante o Congresso e mais recentemente com seu depoimento lido ante a Suprema Corte em v. Carhart Gonzales

Atriz de Bollywood se suicida ao não poder superar depressão por aborto e abusos

Jiah Khan

LONDRES, 14 Jun. 13 / 01:37 pm (ACI/EWTN Noticias).- A atriz britânico-índia Jiah Khan, que participou de importantes filmes de Bollywood, o Hollywood da Índia, cometeu suicídio enforcando-se no dia 2 de junho em Mumbai (Índia), depois de não poder superar a depressão pelo aborto de seu bebê e supostos abusos do seu companheiro.

Em uma carta em que explicava as razões do seu suicídio, dirigida ao seu namorado, Suraj Pancholi, a jovem de 25 anos escreveu “abortei o nosso bebê”, o que “me magoou profundamente”.

“Tinha medo de ficar grávida, mas me entreguei completamente a ti”, escreveu em sua carta a atriz, assegurando ao seu namorado que “a dor que me causaste todos os dias destruiu cada pedacinho de mim, destruiu a minha alma”.

“Não posso comer nem dormir ou pensar ou funcionar”, disse, explicando seu suicídio ao escrever que “estou escapando de tudo. Depois de toda dor, do estupro, do abuso, da tortura que vi anteriormente, não merecia isto”.

A carta foi encontrada pela irmã caçula da atriz em uma bolsa, e foi difundida pela mãe de Jiah com a intenção de desmentir as especulações da imprensa local, que assegurava que o suicídio estava relacionado com a carreira de Jiah.

As autoridades policiais confirmaram que, tal como escreveu em sua carta, Jiah se submeteu a um aborto a inícios de 2013, o qual, de acordo à declaração do médico que a atendeu, realizou-se com pílulas.

A síndrome pós-aborto é um tipo de transtorno por estresse pós-traumático reconhecido pela ciência, e que implica sintomas como pesadelos, insônia, alcoolismo, agressividade ou depressão, psicose e suicídio.

A maior organização abortista transnacional do mundo, a International Planned Parenthood Federation reconheceu em seu Plano Trienal de Programa de Objetivos a longo prazo 1990-1993 que “a incidência do trauma pós-aborto para clientes de abortos cirúrgicos pode chegar a alcançar até o 91% dos casos”.

Um estudo realizado em 1996 na Finlândia, publicado no British Medical Journal, revelou que a taxa de suicídios era seis vezes mais alta entre as mulheres que abortaram que entre aquelas que deram a luz.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén