Tag: aparentemente

491 bebês nascidos vivos após abortos falhos, deixados para morrer: Estatísticas do Canadá confirmam!

491 bebês nascidos vivos após abortos falhos, deixados para morrer: Estatísticas do Canadá confirmam! Defensores Pró-vida estão pedindo uma investigação federal do Canadá após agência de estatísticas oficial confirmar a morte de 491 bebês nascido vivos durante abortos entre 2000 e 2009.

As estatísticas do Canadá confirmou a informação através de e-mail ao LifeSiteNews, terça-feira. A blogueira Pró-vida Patricia Maloney descobriu os primeiros dados sobre os abortos em banco de dados online da agência federal. Mary Ellen Douglas, Organizadora Nacional da Coalisão da Campanha pela Vida, chamou essa  revelação de “chocante”.

“O governo federal precisa fazer o que for possível para investigar esses dados”, acrescentou. “É ruim o suficiente que bebês estejão sendo mortos no útero, mas agora nós sabemos que, mesmo os protegidos sob a lei canadense (cidadãos canadenses nascidos) estão aparentemente sendo deixados para morrer.”

Douglas lembrou que os defensores pró-vida ouviram falar sobre bebês que nascem após abortos de histerotomia em Kingston em 1980. “Os bebês foram encontrados lutando pela vida em uma bacia e enfermeiros foram orientados a deixá-los sozinhos, porque eles foram abortados”, disse ela.

Andre Schutten, consultor jurídico da Associação de Reformados de Ação Política, destacou que o Canadá reconhece o bebê como um ser humano, logo que sai vivo de sua mãe, e questionou por que não houve investigações de homicídios para os nascidos vivos.

“Por que não houve processos criminais? Por que nenhum clamor? E por que as províncias estão financiando esta atividade explicitamente criminosa?”, Perguntou.

Ativistas pró-vida há muito tempo sabem que os bebês geralmente nascem vivos após abortos falhos, mas até agora, não se sabe com que freqüência isso ocorreu no Canadá. Jill Stanek, uma ex-enfermeira em Chicago que virou blogueira pró-vida, descreveu testemunhando bebês que nascem vivos após abortos falhos, sendo então levado para uma “sala de serviço suja” e deixados para morrer. Seu depoimento levou à Lei de Proteção Infantil para o Nascido Vivo no estado.

“Minha experiência foi que eles [os bebês] sobrevivem tão pouco tempo quanto apenas alguns minutos, e uma vez, quase tanto tempo quanto um turno de oito horas”, disse ela em 2008.

Em um exemplo, ela disse que ouviu dizer que uma criança estava sendo deixada, e ela “não podia suportar a ideia do sofrimento desta criança morrer sozinha.” “E assim eu embalou e balançou-lhe os quarenta e cinco minutos que ele viveu. “

Em outro caso terrível, no ano passado o abortista Kermit Gosnell foi preso depois de supostamente cortar as cordas da coluna de centenas de bebês recém-nascidos que nasceram vivos no processo de tentativa de aborto.

As 491 mortes para StatsCan estão listados na tabela CANSIM 102-0536, sob o código P96.4, que é intitulado “Interrupção da gravidez, afetando o feto e recém-nascido.”

Em um e-mail, Owen Phillips do StatsCan explicou que esse código indica a causa da morte da criança nascida foi um aborto. Ele disse que estes não são natimortos, que têm uma tabela diferente.

“Estes são incluídos na causa nacional de estatísticas de morte porque quando o feto abortado nasce vivo e posteriormente morre, cada evento deve ser registrado”, escreveu ele em um e-mail. “Se o feto abortado nasce morto, mas cumpre a exigência provincial (idade, peso de nascimento e / ou gestacional), deve ser registrado como um natimorto.”

“O nascimento vivo”, de acordo com StatsCan, aplica-se quando, depois de proceder do ventre de sua mãe, a criança “respire ou apresente qualquer outro sinal de vida, tal como batimentos do coração, pulsações do cordão umbilical ou movimentos voluntários efetivos dos músculos, independente do cordão umbilical ter sido cortado ou a placenta estar conectada. “

Um exemplo do tipo de caso que poderia ser classificado entre estas 491 mortes é oferecido pelo Instituto Canadense de Informação de Saúde em seus padrões de codificação.É descrito como: “um paciente apresentou-se as 20 semanas de gestação, solicitando um aborto terapêutico. Ela foi iniciada em misoprostol, via intravenosa. O feto foi expulso com sucesso. Um batimento cardíaco e respiração foram detectados no nascimento.” 

“O resultado do término pretendido da gravidez foi o nascimento de um feto nascido vivo”, afirma. Segundo o Código Penal do Canadá, uma criança é garantida a proteção legal quando ela “está completamente fora, num estado de vida, do corpo de sua mãe.”

LifeSiteNews.com pediu a StatsCan o que eles fizeram com os dados, quando se anunciou e se eles tinham alertado o ministro da Justiça do Canadá, mas não receberam resposta a tempo para dar a imprensa. LifeSiteNews.com também levantou a questão para o ministro da Justiça Federal Rob Nicholson, mas novamente não recebeu resposta a tempo para a imprensa.

Fonte:  http://www.lifesitenews.com/news/491-babies-born-alive-after-failed-abortions-left-to-die-in-canada-statscan

Tradução: Ana Paula Linvigston – Apostolado Spiritus Paraclitus

Amor divino faz perdurar a relação homem-mulher

Entrevista com Roberto Esteban, autor de “A verdade do amor”

MADRI, sexta-feira, 10 de junho de 2011 (ZENIT.org) – Roberto Esteban Duque é sacerdote, teólogo especializado em matrimônio e família e doutor em teologia moral. Acaba de escrever um ensaio intitulado “A verdade do amor”. Nesta entrevista, ele analisa a ideologia dominante no campo da manipulação da vida e dos pilares da identidade do ser humano.

Roberto Esteban Duque nasceu em Mira (Espanha), em 1963. Foi ordenado pelo bispo José Guerra Campos, em 1991. Cursou teologia na Universidade São Vicente Ferrer de Valência, com especialização em matrimônio e família pela Universidade Pontifícia Lateranense de Roma. É doutor em teologia moral pela faculdade de São Dâmaso de Madri.

ZENIT: O senhor fala em seu livro sobre “bioideologias”. Poderia nos explicar em que consistem e suas consequências para a pessoa humana?

Roberto Esteban Duque: As bioideologias são moralismos que buscam o poder para fazer com outros homens o que lhes compraz. O adversário é a religião tradicional, que pressupõe a existência de uma natureza humana comum, fixa e universal; daí a necessidade de substituir tal religião pela educação. A isso aponta a lei de 2007 de Educação para a Cidadania, aprovada na Espanha. Interessa-lhes mais a modificação da consciência através da cultura que a mudança das estruturas. São aparentemente resíduos das ideologias, mas se diferenciam delas porque sustentam a inexistência de uma natureza humana ou, pelo menos, sua completa modelabilidade,, tanto no humano quanto no natural. Aqui já se pode advertir uma contradição: enquanto a natureza humana não é algo evidente para a opinião pública, exige-se uma quantidade imensa de direitos, apoiando-se nos direitos humanos.

Ler mais

Jesus não é menos Divino?

Por Revista “This Rock” – fevereiro/1991
Tradução: Carlos Martins Nabeto
Fonte: Catholic Answers

– Filipenses 2,6 diz que Jesus não buscava a igualdade com Deus. Como isto se compatibiliza com a crença em sua divindade? (Anônimo)

Você saltou a parte do versículo que fala de Jesus “na forma de Deus” antes da Encarnação. Isto faz toda a diferença do mundo para se compreender sobre o quê Paulo estava escrevendo.

Aparentemente, o Apóstolo está citando um hino cristão primitivo que compara Adão e Cristo. Adão, que era “a imagem de Deus” mas não igual a Deus, tentou ser igual a Ele (Gênesis 3,5). Cristo, sendo “na forma de Deus” e portanto igual a Deus, não pensava que as prerrogativas que acompanhavam esta igualdade deveriam ser “consideradas a todo custo” (a palavra empregada por Paulo é “harpagmon”), mas as esvaziou ao tomar a natureza humana e morrer na Cruz (Filipenses 2,7-8).

Paulo então observa como Deus outorgou a Jesus “o nome que está acima de todo nome” e como “ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra; e toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai” (Filipenses 2,9-11).

Isto é uma paráfrase de Isaías 45,23, onde Deus diz: “diante de mim se dobrará todo o joelho, e por mim jurará toda a língua”. Aplicando isto a Jesus, Paulo não está desconsiderando a divindade de Cristo, mas a reconhecendo.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén