Tag: ainda (Página 1 de 3)

Seis ideias simples para você começar hoje a amar a sua esposa mais ainda

topic

É com orgulho que eu afirmo que sou casado há cerca de quatro anos e meio. Isto faz de mim quase um especialista em mulheres e casamento, certo? (Vou deixar o olhar da minha esposa responder a essa pergunta…).

Estou sempre aprendendo e sendo desafiado, e, é claro, tentando ser melhor ao fazer as coisas que eu sei que devo fazer. Essas ideias eu fui pegando tanto de outras pessoas quanto da minha própria experiência.

Antes de prosseguir, quero contextualizar um pouco as coisas: eu trabalho em casa, e o meu trabalho é a nossa única fonte de renda. Minha esposa cuida dos nossos dois filhos pequenos, faz a maior parte das nossas compras e a maior parte do trabalho doméstico. A situação de cada pessoa é diferente e eu não pretendo dar a entender que todos os casamentos devam ser como o nosso. Mas estou contando isto porque esta é a organização que eu conheço melhor e porque algumas das ideias que apresento a seguir se referem especificamente à nossa situação.

E agora, sem nenhuma ordem particular, cito algumas ideias simples que eu acho que um marido pode adotar para amar a sua esposa cada vez mais a cada novo dia.

1) Pergunte como foi o dia dela antes de começar a falar do seu.

Vocês dois trabalharam duro. Vocês dois estão cansados. Vocês dois podem ter assuntos que desejam compartilhar. Mas pergunte a ela sobre o dia dela primeiro. Sempre.

Isso mostra que você se importa com o que ela faz e com o que ela está pensando, o que, por sua vez, mostra que você a valoriza. Recomendo fazer isto inclusive quanto você tem uma grande notícia para contar. A menos que seja algo muito urgente, perguntar sobre o dia dela e depois compartilhar a grande notícia mostra ainda melhor o quanto você se preocupa com ela.

2) Agradeça a ela explicitamente, todos os dias, por trabalhar pela família.

Sua esposa trabalha duro e, provavelmente, não recebe muitos reconhecimentos por esse trabalho: dinheiro, felicitações públicas, etc. É preciso deixar claro que você sim reconhece o trabalho que ela está fazendo e o admira.

Embora cada um tenha a sua “linguagem do amor”, a linguagem do mero pensamento não é suficiente. Você precisa comunicar o seu amor a ela, de alguma forma, todos os dias. Diga a ela, deixe um bilhete, dê um presente: enfim, faça alguma coisa concreta.

3) Aprecie sempre o que ela faz por você, mesmo que não seja feito com perfeição.

Ela é sua esposa, não sua empregada. Se ela faz algo por você, valorize. Pode haver falhas, mas agradeça e sugira algo que possa tornar tudo melhor ainda. Por exemplo: o jantar não esteve excelente? Jante e agradeça mesmo assim. Não critique. Depois, sugira algo que torne os próximos jantares melhores ainda e pergunte o que ela acha.

4) Se algo precisa ser feito e vocês dois estão cansados, disponha-se a fazê-lo primeiro.

Um longo dia está no fim para vocês dois. Os dois querem relaxar, mas o choro do bebê está indicando que a fralda está suja, ou há pratos na pia esperando para ser lavados. Cada um de vocês gostaria que o outro fizesse o trabalho.

Então faça você. Como marido, espera-se que você cuide da família. Cuide fazendo o trabalho que nenhum de vocês gostaria de fazer.

5) Elogie sua mulher todos os dias: não espere pelas datas especiais.

Ela é sua esposa, ela é linda, maravilhosa. Você vê nela outras qualidades que admira: faça-a saber disso.

6) Dedique tempo aos seus filhos à noite, e tempo de qualidade.

Isto é um ganha-ganha para todos. Você se diverte com seus filhos, os seus filhos se divertem com você. E é também uma forma de amar a sua esposa, por duas razões: primeiro, porque ela vai gostar de ver o marido construindo um bom relacionamento com os filhos; segundo, porque ela esteve o dia todo com as crianças e, se você passar um tempo com seus filhos agora, ela terá um tempinho para fazer outras coisas.

Simples, não é? Pois bem, agora vá lá e ame a sua esposa!

(Eu gostaria de saber dos meus leitores, tanto homens quanto mulheres, se concordam ou discordam de alguma coisa. Esqueci de algo?)

Fonte: Aleteia

Ainda vale a pena ler “A Imitação de Cristo”?

Fonte: Padre Paulo Ricardo

Versão áudio

O livro “A Imitação de Cristo” foi um dos mais traduzidos no mundo. Alguns dizem que entre os livros religiosos, depois da Bíblia, ele foi o mais traduzido. Escrito antes da invenção da imprensa, é de surpreender que milhares de cópias estavam espalhadas pelas bibliotecas da Europa.

Apesar de sua popularidade, não se tinha conhecimento de quem o escrevera, de seu autor. Não é de se admirar, pois no Capítulo II lê-se: “estima ser ignorado e tido em nenhuma conta” ou no original em latim: “ama nesciri et pro nihilo reputari”. O Capítulo V adverte os leitores a não procurar quem disse, mas a prestarem atenção ao que foi dito: “non quaeras quis hoc dixerit: sed quid dicatur attende”, ou seja, não importa quem escreveu “A Imitação de Cristo”, mas tão somente a sua mensagem.

Todavia, como a pergunta é se ainda vale a pena lê-lo, saber quem o escreveu pode ser de alguma valia. Conforme os estudos dão conta, foi escrito pelo padre Thomas Hemerken, nascido na cidade alemã de Kempen que, ao ser colocada na forma latina torna-se Kempis, assim diz-se que o livro foi escrito por “Thomas de Kempis”.

Kempen ou Kempis estava localizada na região da fronteira com a Bélgica e a Alemanha atuais, na área de cultura conhecida como flamenga, ou seja, holandesa. Naquela área surgiu o movimento denominado devotio moderna para contrapor a devotio antiqua em voga. A devotio antiqua era praticada por um clero decadente, o qual não punha mais o próprio coração nas celebrações litúrgicas e nas práticas devocionais. Lembrando que se trata do século XV, pouco antes da Revolução Protestante. Além disso, apresentava uma mística intelectualizada, mais preocupada com questões abstratas que com as dificuldades cotidianas. Ela era praticada sobretudo na região do Rio Reno e seu representante mais ilustre foi o dominicano Mestre Eckhart, mais tarde acusado como herege e que teve parte de seus escritos condenados. Por fim, ela apresentava uma ascese inalcançável. As pessoas se propunham penitências dificílimas, iam em busca de heroísmo ascéticos tão terríveis que se tornava impossível cumpri-las.

Nesse cenário, surgiu a devotio moderna propondo que sacerdotes e religiosos empenhassem o coração no culto a Deus, saindo do automatismo. Para fugir da intelectualidade exacerbada, centralizaram a devoção em Cristo. Ela rapidamente se tornou popular, pois, além de cristocêntrica, oferecia a todos práticas de penitência e de mortificação mais acessíveis.

Assim, Thomas de Kempis encontrou campo fértil para escrever a belíssima obra “A Imitação de Cristo” que traz orientações práticas para a vida do fiel. O livro é divido em capítulos (ou fichas) independentes, ou seja, cada um possui começo, meio e fim, portanto, pode ser lido de modo autônomo. Isso justifica o tradicional costume de se fazer uma oração e abrir o livro aleatoriamente. Sua característica é colocar o fiel em contato com Cristo, ajudando-o em seu processo de conversão, o qual exige uma ruptura com o mundo. Justamente nesse ponto a obra é criticada, pois a separação do mundo que ele sugere faz com que seja tachado de individualista, ou seja, com uma espiritualidade desencarnada, fora do mundo real.

No entanto, é possível superar esse obstáculo, esse efeito colateral de tão excelente remédio, recordando que o livro foi escrito para monges, ou seja, pessoas que já viviam apartadas do mundo. Para tanto, basta adaptá-lo ao dia a dia. Apesar disso, não deixa de ser um livro de extraordinária importância, posto que nesses tempos atuais em que muitos na própria Igreja abraça a mentalidade mundana, “A Imitação de Cristo” coloca as coisas em perspectiva cristocêntrica. A centralidade em Nosso Senhor Jesus Cristo, a ruptura com o mundo e com o pecado, numa espiritualidade que engaja a pessoa pelo coração e faz com que viva para o que realmente importa: o Céu.

No Brasil, existem várias edições disponíveis, inclusive na internet. A Editora Paulus possui uma excelente tradução da obra, num português bastante refinado e requintado, feita pelo Padre Cabral. Depois de cada capítulo, breves reflexões acerca daquele conteúdo, escritas por um padre francês. Contudo, para quem tem dificuldade com o português talvez não seja a edição mais indicada. Uma versão mais fácil e tão fiel quanto pode escolher a edição da Editora Paulinas, cuja tradução foi feita por Francisco Catão, o qual conseguiu adaptar o texto para para uma linguagem mais corrente. Finalmente, a edição da Vozes que traz além de um português requintado, comentários de São Francisco de Sales. Ela é interessante pois coloca em língua portuguesa, um trabalho feito em 1989, por um padre francês que, ao estudar a obra daquele grande santo, relacionou-as aos temas abordados em “A Imitação de Cristo”.

O livro está dividido em quatro grandes seções, sendo as duas primeiras introdução do leitor à vida espiritual. A terceira parte é um diálogo entre Cristo e a alma. Trata-se da parte devocional, meditativa. A quarta parte refere-se à Eucaristia, ensinando como recebê-la, adorá-la e a como aproximar-se dela de maneira adequada.

“A Imitação de Cristo” deveria ser o livro de cabeceira de todo católico. Trata-se de uma espiritualidade válida, especialmente nesse tempo em que a Igreja, em vez de ser missionária e evangelizar o mundo, está sendo justamente “evangelizada” por ele. “A Imitação de Cristo” poderá, sem dúvida, ajudar a impedir a mundanização da Igreja e de cada um.

Católicos nos EUA ainda conservam as taxas mais baixas de divórcio

Católicos nos EUA ainda conservam as taxas mais baixas de divórcio

WASHINGTON DC, 07 Out. 13 / 01:43 pm (ACI/EWTN Noticias).- Um estudo revelou que apesar de contar com taxas de divórcio significativas, os católicos nos Estados Unidos têm menos probabilidades de divorciar-se que aqueles que professam outras religiões.

“Embora as taxas de divórcio dos católicos sejam menores que a média de divórcios nos Estados Unidos, a cifra continua sendo desalentadora”, informou o Centro de Investigação Aplicada ao Apostolado da Universidade de Georgetown em Washington DC.

Em 26 de setembro, o grupo de investigação explicou no seu blog oficial que o divórcio entre os católicos “representa mais de 11 milhões de pessoas”, muitas das quais “provavelmente estejam precisando de um maior alcance e contínuo ministério da Igreja“.

Agora “os católicos representam 28 por cento dos casais que se divorciaram”. 40 por cento do resto não tem filiação religiosa, 39 por cento se confessa protestante e 35 por cento de outra confissão religiosa.

Segundo as cifras, os católicos que se casam com outros católicos também têm menos probabilidades de divorciar-se que os católicos casados com pessoas de outras religiões.

Uma pesquisa realizada em 2007 pelo Centro de Investigação Aplicada ao Apostolado estimou que só 27 por cento dos católicos casados com outros católicos se divorciou alguma vez, em comparação com cerca da metade dos casamentos de católicos casados com protestantes ou os cônjuges com nenhuma crença religiosa.

Do mesmo modo, diminuíram os casamentos celebrados na Igreja Católica. Em 2011, segundo o relatório, menos de oito por cento das cerimônias aconteceram em um templo católico.

O relatório assinala que 49 por cento das solicitudes de anulação que se apresentaram na Igreja a nível mundial no ano de 2011 aconteceram nos Estados Unidos.

Abortista que atacou pró-vida nos EUA também estuprou três mulheres

Everett Stadig, ativista pró-vida em recuperação hospitalar. DENVER, 23 Nov. 12 / 02:09 pm (ACI).- A polícia de Denver descobriu que um sujeito que apoia o aborto e que agrediu a um idoso que recolhia assinaturas a favor da vida, também tinha sido o autor do estupro de três mulheres cujos casos ainda não tinham sido resolvidos.

Em 1 de julho, Everett Stadig, de 69 anos de idade, estava em um supermercado de Denver compilando assinaturas para uma iniciativa pró-vida quando foi objeto de uma agressão por parte de um abortista.

Aquela tarde um homem que estava no seu carro passou na frente de Everett, que estava em bicicleta, desceu e lhe repreendeu dizendo: “Eu sou pró-aborto e você não tem o direito de estar aqui!”. Logo o empurrou e o jogou no chão. Como consequência o idoso sofreu vários ferimentos e fraturou o quadril.

O agressor foi embora, mas uma testemunha anotou o número da placa do automóvel e, quando a polícia chegou, entregou-lhe o número, mas os agentes não indicaram na ocorrência que tinha ocorrido uma agressão. Escreveram somente que Everett caiu.

“Não queria confrontá-lo”, disse Everett Stadig ao grupo ACI em 21 de novembro, um senhor de idade e ativista pró-vida que se descreve como “parecido ao presidente Lincoln” e que está acostumado a protestar contra o aborto.

A investigação policial iniciou somente quando os advogados de Everett apresentaram uma demanda contra o agressor. Assim, chegaram até o proprietário do veículo, William Costello, de 47 anos de idade a quem prenderam por agressão. Seguindo um procedimento habitual, lhe tomaram uma amostra de DNA.

Dessa forma, descobriu-se que Costello estava envolvido no estupro de uma menor de 13 anos ocorrido em março de 2008, de uma jovem de 22 anos em agosto de 2010 e de uma mulher de 49 anos em setembro de 2011.

“Se o Sr. Costello não tivesse sido preso no supermercado em julho, não teríamos novas pistas e não seria descoberto o caso destes três abusos não resolvidos”, indicou ao grupo ACI Lynn Kimbrough, do escritório do Fiscal de Estado de Denver no dia 21 de novembro.

Costello enfrenta agora acusação por dois sequestros, por estupro contra uma menor, três acusações por abuso sexual e duas por ter se disfarçado de policial.

“Louvado seja o Senhor pelo que aconteceu, pois agora as vítimas também serão compensadas e não somente eu”, disse Stadig.

Quando o estuprador abusou da pequena de 13 anos no seu automóvel, havia também um menino de dois anos de idade como testemunha do crime.

Bono agradece à Igreja Católica pela ajuda aos países pobres

ROMA, 20 Nov. 12 / 02:23 pm (ACI/EWTN Noticias).- O famoso e polêmico líder da banda rock U2, Bono, viajou ao Vaticano para agradecer à Igreja Católica pelo seu trabalho para livrar os países mais pobres da dívida externa, e assim poder dar educação a 52 milhões de crianças.

Na sexta-feira 16 de novembro, Bono conversou durante aproximadamente uma hora com o Cardeal africano Peter K. Turkson, Presidente do Pontifício Conselho Justiça e Paz.

No ano 2000, a Igreja respaldou a iniciativa “Dropt the debt” (Deixe a dívida) da qual Bono foi uma das figuras mais importantes. A campanha procurava que as nações mais ricas perdoassem a dívida externa dos países mais pobres. O êxito da mesma obteve que “52 milhões de crianças pudessem ir à escola”, referiu o cantor à emissora de Rádio do Vaticano.

Bono disse ainda à Rádio Vaticano: “Igreja esteve na linha da frente deste movimento e isso deve ser largamente reconhecido, esteve na vanguarda de um movimento que é também interreligioso e interdisciplinar”.

Segundo Bono, a Igreja merece “um incrível reconhecimento” pelo seu papel nesta iniciativa e que os católicos devem ser conscientes de que sua fé é importante nos seus esforços.

Papa João Paulo II recebeu Steve Bono pouco antes do início do grande Jubileu do ano 2000 para conversar sobre esta campanha. Logo depois da morte do agora Beato, Bono assinalou que “nunca teríamos erradicado completamente a dívida de 23 países sem ele”.

Como mostra do seu apreço pelo Pontífice, no ano 2005 o cantor fez aparições usando um Terço ao redor do pescoço, em uma silenciosa homenagem a João Paulo II.

No mesmo ano, Bono –criado por uma mãe protestante e um pai católico– disse em uma entrevista que está a favor de Cristo, da graça e da natureza da salvação.

Apesar de apoiar algumas causa controvertidas, o cantor assinalou que “no centro de toda religião está a ideia do carma. O que você dá volta para você: olho por olho, dente por dente; ou que cada ação física é respondida por uma similar correspondente. E ainda assim, temos a ideia de que a graça vai além de tudo isso. O amor interrompe, se quiser, as consequências de suas ações; o que no meu caso é uma grande noticia; já que cometi muitos erros estúpidos”.

Embora não tenha explicado quais foram esses erros, Bono admitiu que “estaria em um grave problema se o carma fosse seu juiz”
“Isso não me exime dos meus erros. Sustento-me da graça. Sustento-me do fato que Jesus tomou meus pecados na Cruz. Eu sei quem sou e espero não ter que depender da minha própria religiosidade”, afirmou.

O Papa terá conta pessoal de Twitter

Vaticano, 10 Nov. 12 / 02:40 pm (ACI/EWTN Noticias).- O Papa Bento XVI terá uma conta pessoal de Twitter, provavelmente a partir do final deste ano, informou ao grupo ACI o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Padre Federico Lombardi.

Em declarações à ACI no dia 9 de novembro, o Padre Lombardi assinalou que “estivemos falando há pouco tempo de ter (uma conta de) Twitter em representação do Papa”. “O projeto segue sendo estudado e toda a informação relevante, incluindo sua gestão, ainda não se sabe agora”, acrescentou.

O sacerdote indicou ademais que é possível que a referida conta de Twitter seja aberta “no final do ano, mas sempre recomendo esperar o anúncio oficial antes de dar indicações sobre o momento preciso”.

Embora na conta o Papa não escreverá pessoalmente as mensagens, estas contarão com sua aprovação.

Os tweets estarão em cinco ou seis idiomas. Acredita-se ainda que algumas das mensagens estarão escritas em latim, o idioma oficial da Igreja Católica.

Este anúncio foi feito poucos dias da conclusão do Sínodo dos Bispos sobre a Nova Evangelização realizado em Roma, no qual o padres sinodais falaram também a respeito da importância das redes sociais e os meios, lugares virtuais “onde com freqüência se forma consciências, onde as pessoas passam seu tempo e vivem suas vidas. É uma nova oportunidade para tocar o coração humano”.

O Santo Padre já usou Twitter antes, quando inaugurou o novo site de notícias do Vaticano. Naquela oportunidade escreveu: “Queridos amigos, acabo de lançar news.va. Louvado seja Jesus Cristo! Com minha oração e bênção, Benedictus XVI”.

Sobre a conta do Papa, um funcionário do Vaticano disse ao site Newsmax que “os tweets serão pouco freqüentes e seu conteúdo provavelmente não será muito diferente dos textos do Papa e em muitas ocasiões estarão dirigidos às coisas que ele (Bento XVI) fala”.

Escravos por amor a Jesus Cristo

13523_michelangelo_caravaggio_annunciation
“Quem se exaltar será humilhado, e quem se humilhar será exaltado” (Mt 23, 12).

A Virgem Maria nos ensina como servir o Senhor.Estas palavras de Jesus nos colocam diante de uma realidade fundamental acerca de nossa vocação. Como cristãos, somos chamados a acolher a cruz de Cristo em nossas vidas. Ele se humilhou assumindo a condição de um escravo, cuja vida não pertence a si mesmo, mas ao seu senhor. Como Ele, somos chamados a assumir o ser servo. Para refletir sobre este tema, é muito importante olharmos para a Mãe do Servo Sofredor, para a Virgem Maria.

Na Anunciação de que Nossa Senhora seria a Mãe de Jesus (cf. Lc 1, 31), ela responde ao Anjo: “Eis aqui a serva do Senhor! Faça-se em mim segundo a vossa palavra” (Lc 1, 38). Maria não somente se disse serva, mas colocou-se a serviço de sua prima Isabel. Depois da resposta de Maria ao anúncio do Anjo, ela visitou sua prima, que estava grávida de João Batista. Ao ouvir a saudação de Maria, Isabel ficou cheia do Espírito Santo e disse: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre!” (Lc, 1, 42b).

Maria tinha acabado de chegar, nem mesmo havia se colocado a serviço, e foi exaltada pela saudação de Isabel. Ela declara Maria como bem-aventurada, como realizada, somente pelo fato dela ter acreditado no anúncio do Anjo: “Feliz aquela que acreditou, pois o que lhe foi dito da parte do Senhor será cumprido!” (Lc 1, 45). Mais ainda, Isabel profetiza o cumprimento da Anunciação feita pelo Anjo.

Depois das palavras inspiradas de Isabel, em Nossa Senhora, no cântico do “Magnificat”, se realiza a profecia de Isabel. Maria experimenta, naquele momento, a exaltação de Deus: “A minha alma engrandece o Senhor, e meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador, porque ele olhou para a humildade de sua serva” (Lc 1, 47-48a). Maria foi exaltada logo depois no anúncio do Anjo porque se fez humilde, se fez serva do Senhor. Cheia do Espírito, Maria profetiza a exaltação que lhe será dada até o fim dos tempos: “Todas as gerações, de agora em diante, me chamarão feliz” (Lc 1, 48b).

Como a Virgem Maria, que se fez serva, se fez escrava do Senhor, somos chamados também a nos fazer servos, escravos por amor do Senhor. Acolhendo com humildade o desígnio de Deus para nós, o Senhor nos promete que seremos exaltados: “quem se humilhar será exaltado” (Mt 23, 12). Certamente, esta exaltação acontece aqui, ainda que não conforme a nossa vontade, e acontecerá plenamente na glória da Jerusalém celeste, onde estaremos na comunhão definitiva com a Santíssima Trindade, a Virgem Maria, os anjos e os santos.

Fonte: Todo de Maria

 

Página 1 de 3

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén