1. A sabedoria edificou para si uma casa, levantou sete colunas. Imolou as suas vitimas, preparou o vinho, pôs a sua mesa. (ver nota)

3. Enviou as suas criadas a fazer o convite dos pontos mais altos da cidade:

4. Todo o que é simples, venha a mim. Aos insensatos disse: Vinde, comei o pão que eu vos dou, bebei o vinho que vos preparei.

6. Deixai as ninharias, e vivereis (felizes), e progredireis pelos caminhos da prudência. Aquele que corrige o mofador, atraí o escárnio sobre si, e aquele que repreende o ímpio, arrisca-se a (sofrer) um ultraje.

8. Não repreendas o mofador, para que ele te não odeie. Repreende o sábio, e ele te amará. (ver nota)

9. Dá ao sábio ocasião (de aprender), e se lhe acrescentará sabedoria: ensina ao justo, e ele aumentará o seu saber.

10. O princípio da sabedoria é o temor do Senhor, e o conhecimento do Santo (Deus) é a inteligência.

11. Por mim se multiplicarão os teus dias, e serão acrescentados anos de vida.

12. Se fores sábio, para teu proveito o serás; se fores mofador. só tu experimentarás o mal.

13. A Senhora Loucura é irrequieta. é uma estulta que nada sabe (senão seduzir).

14. Assentou-se à porta de sua casa, sobre uma cadeira, num lugar alto da cidade,

15. para chamar os que passavam pela estrada, e que iam andando o seu caminho, (dizendo):

16. O que é simples venha cá. E ao insensato disse:

17. As águas furtivas são mais doces. e o pão tomado às escondidas é mais gostoso.

18. Ele ignora que lá (na casa da Loucura) há sombras (da morte) e que os seus convidados estão nas profundezas do inferno.





“No juízo final daremos contas a Deus até de uma palavra inútil que tenhamos dito.” São Padre Pio de Pietrelcina