1. Porventura a sabedoria não está repetidas vezes clamando, e a prudência não faz ouvir a sua voz? No mais alto e elevado das eminências, ao longo do caminho, nas encruzilhadas ela está de pé,.

3. junto às portas da cidade, na mesma entrada ela fala, dizendo:

4. A vós, ó homens, é que eu estou continuamente clamando, e aos filhos dos homens é que se dirige a minha voz. Aprendei, ó inexperientes, a prudência, e vós, insensatos, tomai inteligência.

6. Ouvi, porque tenho de vos falar acerca de grandes coisas, e os meus lábios se abrirão, para anunciarem o que é recto. A minha boca publicará a verdade, e os meus lábios detestarão o ímpio.

8. Todas as minhas palavras são justas, nelas não há coisa tortuosa nem perversa.

9. Todas são rectas para os inteligentes, e de equidade para os que encontraram a ciência.

10. Recebei as minhas instruções com maior gosto do que dinheiro, preferi a ciência ao oiro fino.

11. Vale mais a sabedoria que as pérolas, e tudo quanto é apetecível não se pode comparar com ela.

12. Eu, a sabedoria, tenho comigo o (bom) conselho, possuo a ciência e a reflexão.

13. O temor do Senhor odeia o mal. Eu detesto a arrogância e a soberba, o caminho corrompido e a língua perversa.

14. Meu é o conselho e a equidade, minha é a inteligência, minha a fortaleza.

15. Por mim reinam os reis, e por mim decretam os legisladores o que é justo.

16. Por mim imperam os príncipes, e os soberanos governam com rectidão.

17. Eu amo os que me amam, e o que me busca encontrar-me-á.

18. Comigo estarão as riquezas e a gloria, a sólida opulência e a justiça.

19. Melhor é o meu fruto que o oiro mais fino,, as minhas produções melhores que a prata mais pura.

20. Eu ando nos caminhos da justiça, no meio das veredas da equidade,

21. para enriquecer os que me amam, para encher os seus tesouros.

22. O Senhor me possuiu no principio de seus caminhos, desde o princípio, antes que criasse coisa alguma. (ver nota)

23. Desde a eternidade fui constituída, desde o princípio, antes que a terra fosse criada.

24. Ainda não havia os abismos, e eu estava já concebida, ainda as fontes das águas não tinham brotado,

25. ainda se não tinham assentado os montes sobre as suas bases; antes de haver outeiros, eu tinha já nascido.

26. Ainda ele não tinha criado a terra, nem os campos, nem o primeiro pó da terra, Quando ele preparava os céus, eu estava presente; quando, por uma lei inviolável, encerrava os abismos dentro dos seus limites;

28. quando firmava lá no alto a região etérea, e quando equilibrava as fontes das águas;

29. quando circunscrevia ao mar o seu termo, e punha lei às águas, para que não passassem os seus limites; quando assentava os fundamentos da terra,

30. eu estava com ele, como arquitecto; cada dia me deleitava, recreando-me continuamente diante dele,

31. recreando-me sobre o globo da terra, e achando as minhas delícias em estar com os filhos dos homens.

32. Agora, pois, meus filhos, ouvi-me: Bem-aventurados os que seguem os meus caminhos.

33. Ouvi as minhas instruções, e sede sábios, não queirais rejeitá-las.

34. Bem-aventurado o homem que me ouve, e que vela todos os dias à entrada da minha casa, e que se conserva à porta da minha casa.

35. Aquele que me achar, achará a vida, e alcançará o favor do Senhor.

36. Aquele, porém, que pecar contra mim, fará mal à sua alma. Todos os que me odeiam amam a morte.





“Pode-se manter a paz de espírito mesmo no meio das tempestades da vida”. São Padre Pio de Pietrelcina