1. Jesus, cheio do Espirito Santo, partiu do Jordão, e foi conduzido pelo Espírito ao deserto,

2. onde esteve quarenta dias, e foi tentado pelo demônio. Não comeu nada nestes dias; passados eles, teve fome.

3. Então o demônio disse-lhe: "Se és filho de Deus, diz a esta pedra que se converta em pão."

4. Jesus respondeu-lhe: "Está escrito: O homem não vive só de pão (Dt. 8, 3)."

5. O demônio conduziu-o então a um alto monte, mostrou-lhe, num momento, todos os reinos da terra,

6. e disse-lhe: "Dar-te-ei o poder de tudo isto, e a glória destes reinos, porque eles foram-me dados, e eu dou-os a quem me parece.

7. Portanto, se tu me adorares, todos eles serão teus."

8. Jesus, respondeu-Ihe: "Está escrito: Adorarás o Senhor teu Deus, e a ele só servirás (Dt. 6, 13)."

9. Levou-o também a Jerusalém, pô-lo sobre o pináculo do templo, e disse-lhe: "Se és filho de Deus, lança-te daqui abaixo;

10. porque está escrito que Deus mandou aos seus anjos que te guardem,

11. e que te sustenham em suas mãos, para não magoares ó teu pé em nenhuma pedra (Ps. 90, 11-12)."

12. Jesus, respondeu-lhe: "Também foi dito: Não tentarás o Senhor teu Deus (Dt. 6, 16)."

13. Terminada toda a tentação, retirou-se dele o demônio até outra ocasião.

14. Jesus voltou sob o impulso do Espírito para a Galileia, e a sua fama divulgou-se por toda a região.

15. Ensinava nas sinagogas, e era aclamado por todos.

16. Foi a Nazaré, onde se tinha criado, entrou na sinagoga, segundo o seu costume, em dia de sábado, e levantou-se para fazer a leitura.

17. Foi-lhe dado o livro do profeta Isaías. Quando desenrolou o livro, encontrou o lugar onde estava escrito (Is. 61, 1-2; Is. 58, 6):

18. O Espírito do Senhor repousou sobre mim; pelo que me ungiu para anunciar a boa nova aos pobres; me enviou a sarar os contritos do coração.

19. a anunciar aos cativos a redenção, e aos cegos a recuperação da vista, a pôr em liberdade os oprimidos, a pregar o ano favorável do Senhor.

20. Tendo enrolado o livro, deu-o ao ministro, e sentou-se. Estavam fixos nele os olhos de todos os que se encontravam na sinagoga.

21. Começou a dizer-lhes: "Hoje cumpriu-se esta escritura que acabais de ouvir."

22. E todos lhe davam testemunho, e admiravam-se das palavras de graça que saiam da sua boca, e diziam: "Não é este o filho de José?"

23. Então disse-lhes: "Sem dúvida que vós me aplicareis este provérbio: Médico, cura-te a ti mesmo. Todas aquelas grandes coisas que ouvimos dizer que fizeste em Cafarnaum, faze-as também aqui na tua pátria."

24. Depois acrescentou : "Na verdade vos digo que nenhum profeta é bem recebido na sua pátria.

25. Na verdade vos digo que muitas viúvas havia em Israel no tempo de Elias, quando foi fechado o céu durante três anos e seis meses, e houve uma grande fome por toda a terra;

26. e a nenhuma delas foi mandado Elias, senão a uma mulher viúva de Sarepta, do território de Sidónia.

27. Muitos leprosos havia em Israel no tempo do profeta Eliseu; e nenhum deles foi curado (pelo profeta), senão Naaman Sírio."

28. Todos os que estavam na sinagoga, ouvindo isto, encheram-se de ira.

29. Levantaram-se, lançaram-no fora da cidade, e conduziram-no até ao cume do monte, sobre o qual estava edificada a sua cidade, para o precipitarem.

30. Mas ele, passando pelo meio deles, retirou-se.

31. Foi a Cafarnaum, cidade da Galileia, e ali ensinava aos sábados.

32. Espantavam-se da sua doutrina, porque falava com autoridade.

33. Estava na sinanoga um homem possesso de um demônio imundo, o qual exclamou em alta voz

34. "Deixa-nos! Que tens tu que ver connosco, ó Jesus Nazareno? Vieste para nos perder? Sei quem és: o Santo de Deus.

35. Jesus o repreendeu, dizendo: "Cala-te, e sai desse homem." E o demônio, depois de o ter lançado por terra no meio de todos, saiu dele, sem lhe fazer nenhum mal,

36. Todos se atemorizaram, e falavam uns com os outros, dizendo: "Que é isto, ele manda com autoridade e poder aos espíritos imundos, e estes saem?

37. E a sua fama ia-se espalhando por todos os lugares da região.

38. Saindo Jesus da sinagoga, entrou em casa de Simão. Ora a sogra de Simão estava com febre muito alta. Pediram-lhe por ela.

39. Ele, inclinando-se para ela, ordenou à febre, e a febre deixou-a. Ela, levantando-se logo, servia-os.

40. Quando foi sol-posto, todos os que tinham enfermos de diversas moléstias, traziam-lhos. E ele, impondo as mãos sobre cada um, sarava-os.

41. De muitos saíam os demônios, gritando: "Tu és o Filho de Deus." Mas ele repreendia-os severamente e impunha-lhes silêncio, porque sabiam que ele era o Cristo.

42. Quando se fez dia, tendo saído, foi para um lugar deserto. As multidões puseram-se a procurá-lo, e, tendo-o encontrado, detinham-no, para que se não afastasse deles.

43. Mas ele disse-lhes: "É necessário que eu anuncie também às outras cidades a boa nova do reino de Deus, pois para isso é que fui enviado."

44. E andava pregando nas sinagogas da Judeia. (ver nota)





“De que vale perder-se em vãos temores?” São Padre Pio de Pietrelcina