1. Em seguida Job, continuando a sua parábola, acrescentou:

2. Por Deus (o qual parece) que abandonou a minha causa (ao juízo dos homens), pelo Omnipotente, que submergiu a minha alma na amargura,

3. (juro que) enquanto em mim houver alento, enquanto Deus me conservar a respiração,

4. os meus lábios não dirão uada de injusto, nem a minha língua proferirá mentira.

5. Longe de mim o eu ter-vos por justos; enquanto eu viver, defenderei a minha inocência,

6. não abandonarei a justificação que comecei a fazer, porque o meu coração nada me reprova em toda a minha vida.

7. Seja tido como culpado o meu inimigo, e o meu adversário seja como o iníquo.

8. Qual é a esperança do ímpio, quando Deus lhe arrancar a vida?

9. Porventura ouvirá Deus o seu clamor, quando lhe sobrevier a tribulação?

10. Poderá ele deleitar-se no Omnipotente, e invocar a Deus em todo o tempo?

11. Eu vos ensinarei, com o auxilio de Deus, o que faz o Omnipotente, não vo-lo esconderei.

12. Mas todos vós já o sabeis; porque proferia inútilmente palavras vãs?

13. Esta é a sorte do homem ímpio diante de Deus, esta a herança que os violentos receberão da Omnipotente.

14. Se os teus filhos se multiplicarem, serão para a espada, e os seus netos não serão fartos de pão.

15. Os que ficarem da sua linhagem serão sepultados na sua ruína. e as suas viúvas não chorarão.

16. Se ele amontoar prata como terra, e se juntar vestidos como pó,

17. ele sim os juntará, mas o justo se vestirá com eles,

18. Fabricou como a traça a sua casa, e como o guarda fez a sua choupana. (ver nota)

19. O rico deita-se: é pela última vez; abre os olhos, e já não existe.

20. O terror o surpreenderá como uma inundação, de noite o arrastará a tempestade.

21. Um vento abrasador o tirará e levará, e como fim redemoinho o arrebatará do seu lugar.

22. Deus mandará sobre ele (estas coisas), e não o poupará, e ele se esforçará por fugir da sua mão.

23. Quem vir o seu lugar, baterá palmas (contra ele) e assobiará sobre ele _(escarnecendo)_.





“Não se desencoraje, pois, se na alma existe o contínuo esforço de melhorar, no final o Senhor a premia fazendo nela florir, de repente, todas as virtudes como num jardim florido.” São Padre Pio de Pietrelcina