1. Entretanto levantou-se um grande clamor do povo e de suas mulheres contra os Judeus seus irmãos.

2. Havia quem dissesse: Nossos filhos e nossas filhas são em número excessivo; vendamo-los e compremos trigo para comermos e bebermos.

3. Havia também outros que diziam: Empenhemos os nossos campos, as nossas vinhas e as nossas casas, para termos trigo durante a fome.

4. Outros diziam: Tomemos dinheiro emprestado para pagarmos os tributos do rei, e empenhemos os nossos campos e vinhas.

5. Apesar de a nossa carne ser como a carne dos nossos irmãos (ricos), os nossos filhos como os deles, contudo reduzimos os nossos filhos e as nossas filhas à escravidão, e algumas das nossas filhas são (já) escravas! E não temos com que poder resgatá-las, pois são estranhos que possuem os nossos campos e as nossas vinhas.

6. Eu irritei-me muito, ao ouvir os seus clamores e as suas reclamações.

7. Depois de ter reflectido maduramente, repreendi os grandes e os magistrados, dizendo-Ihes: Porventura sois usurários para vossos irmãos? Então convoquei contra eles uma grande assembleia

8. e disse-lhe: Nós, como sabeis, segundo as nossas posses, resgatámos os Judeus nossos irmãos, que tinham sido vendidos aos gentios; e vós vendereis agora vossos irmãos, para que nós os tenhamos de resgatar (novamente)? Eles ficaram em silêncio, e não souberam que me responder.

9. Acrescentei: Não é bem o que fazeis. Por que não andais vós no temor do nosso Deus, para que não cheguemos a ser escarnecidos pelos povos nossos inimigos?

10. Também eu, meus irmãos e meus criados temos emprestado a muitos dinheiro e trigo ; concordemos todos em não lhes pedir nada, em os dar por quites do que nos devem.

11. Restituí-lhes hoje os seus campos, as suas vinhas, os seus olivais e as suas casas; restitui-lhes, além disso, aquele um por cento do dinheiro, do trigo, do vinho e do azeite, que exigistes deles.

12. Eles responderam: Nós lho restituiremos, não lhes pediremos nada, faremos como dizes. Então chamei os sacerdotes e fiz-lhes prestar juramento que fariam como eu tinha dito.

13. Depois disto sacudi as minhas vestes e disse : Assim sacuda Deus da sua casa e dos seus bens todo aquele homem que não cumprir a sua palavra; assim seja ele sacudido, e fique sem coisa alguma. Todo o povo respondeu: Amém. E eles louvaram a Deus. Fez, pois, o povo segundo tinha sido dito.

14. Desde o dia em que o rei me tinha mandado que fosse governador da terra de Judá, desde o ano vigésimo até ao trigésimo segundo do reinado de Artaxerxes, por espaço de doze anos, nem eu nem meus irmãos comemos das rendas que eram devidas aos governadores.

15. Mas os primeiros governadores, que tinham sido antes de mim, oprimiram o povo, cobrando dele todos os dias quarenta siclos em pão, vinho e dinheiro; sobre isto, os seus oficiais oprimiam ainda o povo. Eu, porém, não procedi assim, porque temo a Deus;

16. antes trabalhei nos reparos do muro, sem comprar campo algum, e os meus servos encontraram-se sempre juntos no trabalho.

17. Tinha à minha mesa cento e cinquenta homens. Judeus e magistrados, além daquelas pessoas que, dentre os povos que estavam à roda de nós, vinham ter connosco.

18. Para isto todos os dias me era preparado um boi, seis carneiros escolhidos, além das aves, tudo à minha custa; de dez em dez dias, eu distribuía vinho em abundância. Apesar disso, não cobrei as rendas do meu cargo de governador, porque o povo estava extremamente empobrecido.

19. Lembra-te de mim, Deus meu para usares comigo de misericórdia, segundo a medida de todo o bem que eu fiz a este povo.





“Caminhe sempre e somente no bem e dê, cada dia, um passo à frente na linha vertical, de baixo para cima.” São Padre Pio de Pietrelcina