1. Desta forma, pois, quando chegou o sétimo mês, os filhos de Israel estavam nas suas cidades. Congregou-se, então, todo o povo como um só homem na praça que está diante da porta das Aguas, e disseram a Esdras, o escriba, que trouxesse o livro da lei de Moisés, que o Senhor tinha prescrito a Israel.

2. O sacerdote Esdras levou a lei para diante da multidão dos homens, das mulheres e de todos os que a podiam entender, no primeiro dia do sétimo mês.

3. Esdras esteve a ler o livro claramente, no meio da praça que fica diante da porta das Aguas, desde manhã até ao meio-dia, na presença dos homens, das mulheres e dos que (já) a podiam entender, e todo o povo tinha os ouvidos atentos à leitura do livro.

4. Esdras, o escriba, pôs-se em pé sobre o estrado de madeira, que tinha mandado fazer para falar; estavam em pé, junto dele, à sua direita, Matatias, Semeia, Ania, Uria, Helcia e Maasia ; à sua esquerda, Fadaia, Misael, Melquias, Hasum, Hasbadana, Zacarias e Mosolão.

5. Esdras abriu o livro à vista de todo o povo, porque ele estava mais alto que todo o povo, e, logo que o abriu, todo o povo se pôs em pé (em sinal de respeito pela palavra de Deus).

6. Esdras bendisse ao Senhor, o Deus grande, e todo o povo, levantando as mãos, respondeu: Amen, Amen. Depois inclinaram-se e, prostrados por terra, adoraram a Deus.

7. Josué, Bani, Serebias, Jamin, Acub, Septai, Odias, Maasias, Celita, Azarias, Jozabed, Hanan, Falaia e os outros Levitas faziam estar o povo em silêncio, para ouvir a lei; cada um conservava-se no seu lugar.

8. Eles leram o livro da lei de Deus distinta e claramente para se entender, e o povo entendia quando se estava lendo.

9. Neemias, governador, Esdras, sacerdote e escriba, e os Levitas, que interpretavam a lei a todo o povo, disseram: Este dia é consagrado ao Senhor nosso Deus; não estejais tristes, nem choreis. Com efeito, todo o povo, ouvindo as palavras da lei, chorava.

10. (Neemias) disse-lhes: Ide, comei carnes gordas, bebei vinho misturado com mel, e mandai quinhões aos que não têm nada preparado para si, porque este é um dia santo do Senhor; não estejais tristes, porque a alegria do Senhor é a nossa fortaleza.

11. Os Levitas faziam estar todo o povo em silêncio, dizendo: Estai calados, não vos aflijais, porque este dia é santo.

12. Todo o povo, pois, foi comer e beber, mandou quinhões e entregou-se a grande regozijo, porque tinham entendido as palavras que Esdras lhes havia ensinado.

13. Ao outro dia os chefes das famílias de todo o povo, os sacerdotes e os Levitas, congregaram-se na presença de Esdras, o escriba, para que lhes interpretasse as palavras da lei.

14. Acharam escrito na lei ter mandado o Senhor, por meio de Moisés, que os filhos de Israel habitassem debaixo de tendas, no dia solene do sétimo mês,

15. e que apregoassem e divulgassem por todas as suas cidades e em Jerusalém o seguinte aviso: Saí ao monte, trazei ramos de oliveira cultivada e de oliveira selvagem, de murta, de palmeira e de árvores frondosas, para que se façam as tendas conforme está escrito.

16. Saiu, pois, o povo, e trouxe (os ramos). Fizeram para si tendas, cada um sobre o seu terraço, nos seus átrios, no átrio da casa de Deus, na praça da porta das Aguas e na praça da porta de Efraim.

17. Toda a multidão dos que tinham vindo do cativeiro fez tendas, e habitou nelas. Os filhos de Israel não tinham feito assim desde o tempo de Josué, filho de Nun, até aquele dia. A alegria foi extraordinária.

18. (Esdras) leu o livro da lei de Deus todos os dias, desde o primeiro até o último; celebraram esta solenidade durante sete dias, e no oitavo dia houve uma reunião solene, segundo o rito.





“Deus não opera prodígios onde não há fé.” São Padre Pio de Pietrelcina