1. Quando se fez tarde, os criados de Holofernes retiraram-se apressados para os seus quartos, Vagao fechou as portas da câmara e foi-se embora.

2. Estavam todos tomados do vinho.

3. Judit ficou só na câmara.

4. Holofernes estava deitado no leito, profundamente adormecido por causa da extraordinária embriaguez.

5. Então Judit disse à sua criada que estivesse de fora, à porta da câmara, e vigiasse.

6. Judit, em pé diante do leito, orando com lágrimas, movendo os lábios em silêncio,

7. disse: Senhor Deus de Israel, da-me força e favorece neste momento a empresa das minhas mãos, a fim de que, como prometeste, levantes a tua cidade de Jerusalém, e eu acabe o que julguei que se podia fazer com o teu auxílio.

8. Dito isto, encostou-se à coluna, que estava à cabeceira do leito de Holofernes, e desprendeu o seu alfange, que eslava pendurado e preso nela.

9. Tendo-o desembainhado, agarrou nos cabelos da cabeça de Holofernes, dizendo: Senhor Deus, dá-me força neste momento.

10. (Então) Descarregou-lhe dois golpes, sobre a nuca, e cortou-lhe a cabeça. Depois desprendeu das colunas o cortinado (para o levar como trofeu), e deitou por terra o seu corpo decapitado.

11. Pouco tempo depois, saiu e entregou à sua escrava a cabeça de Holofernes, mandando que a metesse no seu saco.

12. Em seguida, saíram ambas, conforme o seu costume, como se fossem para a oração; passaram além do campo, e, rodeando o vale, chegaram à porta da cidade.

13. Judit gritou de longe aos guardas dos muros: Abri as portas, porque Deus é connosco; ele fez uma coisa maravilhosa em Israel.

14. Tendo os homens ouvido a sua voz, chamaram os anciãos da cidade.

15. Todos correram a ela, desde o mais pequeno até ao maior, porque já não esperavam que ela voltasse.

16. Acendendo luminárias, juntaram-se todos ao redor dela. Judit, subindo a um lugar mais alto, ordenou que se fizesse silêncio. Quando todos se calaram,

17. Judit disse: Louvai o Senhor nosso Deus, que não desamparou os que esperavam nele;

18. cumpriu por meio de mim, sua serva, a misericórdia que tinha prometido à casa de Israel; matou esta noite pela minha mão o inimigo do seu povo.

19. Tirando, então, do saco a cabeça de Holofernes, mostrou-lha, dizendo: Eis aqui a cabeça de Holofernes, general do exército dos Assírios, eis aqui o seu cortinado, debaixo do qual ele estava deitado na sua embriaguez, onde o Senhor nosso Deus o degolou pela mão duma mulher.

20. Juro-vos, contudo, pelo mesmo Senhor, que o seu anjo me guardou, tanto ao sair desta cidade, como ao demorar-me lá, e como ao voltar para aqui, e o Senhor não permitiu que eu, sua serva, fosse manchada: fez-me voltar para vós sem nenhuma mácula de pecado, cheia de alegria por sua vitória, pela minha salvação e pela vossa libertação.

21. Louvai-o todos, porque é bom, porque a sua misericórdia é eterna.

22. Então todos, adorando o Senhor, disseram-lhe: O Senhor te abençoou com a sua fortaleza, porque ele por ti aniquilou os nossos inimigos.

23. Ozias, príncipe do povo de Israel, disse-lhe: Ó filha, tu és bendita do Senhor Deus Altíssimo, sobre todas as mulheres que há na terra.

24. Bendito seja o Senhor, que criou o céu e a terra, que te dirigiu para cortares a cabeça do nosso maior inimigo,

25. Hoje engrandeceu o teu nome tanto, que nunca o teu louvor se apartará da boca dos que se lembrarem eternamente do poder do Senhor, por amor dos quais tu não poupaste a tua vida, ao ver as angústias e a tribulação do teu povo, mas impediste a sua ruína na presença do nosso Deus.

26. Todo o povo respondeu: Assim seja, assim seja.

27. Aquior sendo chamado, veio, e Judit disse-lhe: O Deus de Israel, de quem tu testemunhaste que tira vingança dos seus inimigos, esse mesmo cortou esta noite pela minha mão a cabeça (do chefe) de todos os infiéis.

28. Para que tu fiques persuadido de que é assim, eis a cabeça de Holofernes, que, na insolência da sua soberba, desprezou o Deus de Israel, e te ameaçou de morte, dizendo: Logo que o povo de Israel for feito cativo, mandarei passar-te ao fio da espada.

29. Aquior, vendo a cabeça de Holofernes, aterrado de pavor, caiu com o rosto por terra, sem sentidos.

30. Depois que, recobrados os sentidos, voltou a si, lançou-se aos seus pés e disse:

31. Tu és bendita do teu Senhor em todas as tendas de Jacob, porque entre todos os povos que ouvirem o teu nome, o Deus de Israel será glorificado em ti.





Como distinguir uma tentação de um pecado e como estar certo de que não se pecou? – perguntou um penitente. Padre Pio sorriu e respondeu: “Como se distingue um burro de um homem? O burro tem de ser conduzido; o homem conduz a si mesmo!” São Padre Pio de Pietrelcina