1. Eu (Gabriel), no primeiro ano de Dario Medo, estava junto dele para o sustentar e fortificar.

2. Agora vou anunciar-te a verdade. Eis que haverá ainda três reis na Pérsia; o quarto se elevará pela grandeza das suas riquezas acima de todos, e, quando se tiver tornado poderoso com as suas riquezas, excitará todos (os povos) contra o reino da Grécia.

3. Levantar-se-á, porém, um rei forte, que dominará um grande império e que fará o que lhe aprouver.

4. Quando estiver elevado, o seu reino será destruído e dividido pelos quatro ventos do céu, mas não entre os seus descendentes, nem com o mesmo poder com que ele dominou, porque o seu reino será dilacerado e passará a estranhos à sua descendência.

5. O rei do Meio-dia se fortificará, mas um dos seus príncipes será mais poderoso do que ele, e o seu império maior.

6. Alguns anos depois, farão aliança um com o outro, e a filha do rei do Meio-dia irá ter com o rei do Aquilão para estabelecer um acordo. Ela, porém, não conservará o apoio de um braço (ou de seu pai) nem do seu próprio braço (ou de seu marido). Será entregue (à morte) com os que a conduziram, o que a criou e o que a tinha sustentado durante algum tempo, (ver nota)

7. Das suas raízes sairá um rebento, a ocupar o seu lugar. Virá contra o seu exército, entrará nos fortes do rei do Aquilão, atacá-los-á e tornar-se-á senhor deles.

8. Além disso, levará cativos para o Egipto os seus deuses, as suas estátuas e os seus vasos preciosos de prata e ouro. Quando, durante alguns anos, deixar de atacar o rei do Aquilão,

9. este entrará no reino do Meio-dia, mas voltará depois para a sua terra,

10. Seus filhos se levantarão e reunirão grande exército que marchará á maneira de inundação; voltará e avançará até à sua fortaleza.

11. O rei do Meio-dia, enfurecer-se-á, sairá e pelejará contra o rei do Aquilão; preparará um exército imenso, e lhe será entregue entre as mãos uma grande multidão de inimigos.

12. Aniquilado este exército, o seu coração se elevará; matará muitos milhares, mas não ganhará força.

13. O rei do Aquilão tornará a vir, juntará uma multidão de tropas maior do que antes, e, depois de certo tempo, avançará com um numeroso exército e grandes forças,

14. Naqueles tempos se levantarão muitos contra o rei do Meio-dia: homens violentos do teu povo se elevarão também para cumprirem a visão mas hão-de sucumbir.

15. Virá o rei do Aquilão, levantará plataformas e tomará uma cidade fortificadíssima; os braços _(ou as forças do rei)- do Meio-dia não poderão suster o seu esforço; nem os mais valentes dentre eles conseguirão resistir; achar-se-ão sem forças.

16. Aquele (Antíoco III) que vier sobre ele (Ptolomeu IV ), fará o que bem lhe aprouver; não haverá quem lhe possa resistir; ele entrará na terra esplêndida (da Judeia) e destruirá tudo o que cair sob a sua mão.

17. Formará o desígnio de se apoderar de todo o reino do Meio-dia; fará um acordo com o seu rei e dar-lhe-á em casamento sua filha (Cleópatra), a fim de o perder; mas não lhe sairá a coisa conforme o seu intento, esse reino não será dele.

18. Depois dirigir-se-á contra as ilhas e tomará muitas delas; porém um chefe deterá a sua soberba, e far-lhe-á pagar o seu insulto.

19. Então voltará para os fortes do seu país, mas tropeçará, cairá, e não será mais achado.

20. Tomará o seu lugar um outro, que enviará um exactor para esmagar a glória do reino, mas perecerá em poucos dias; porém isto não acontecerá nem pela cólera nem pela guerra.

21. Ocupará o seu lugar um homem desprezível, mas não lhe será dada honra de rei; virá subitamente e apoderar-se-á do reino com enganos.

22. Os braços do combatente serão vencidos diante dele e quebrados, e também o chefe da aliança.

23. Apesar do acordo feito, usará com ele de engano, subirá (ao Egipto) e vencê-lo-á com pouca gente.

24. Entrará inesperadamente nas mais ricas regiões do país e fará o que nunca fizeram seus pais, nem os pais de seus pais; repartirá pelos seus os despojos, a presa e as riquezas; formará projectos contra as mais fortes cidades, mas isto até certo tempo (determinado por Deus).

25. Excitará o seu poder e o seu coração contra o rei do Meio-dia com um grande exército; o rei do Meio-dia animar-se-á a sair á batalha com muitas e fortes tropas, mas elas não perseverão firmes, porque maquinarão desígnios contra ele.

26. Aqueles mesmos que comiam o pão com ele, o arruinarão; o seu exército será oprimido, e um grande número dos seus cairão mortos.

27. Os dois reis somente pensarão em fazer o mal um ao outro, e, sentados à mesma mesa, dirão palavras de mentira, mas nenhum conseguirá os seus intentos, porque o prazo (marcado por Deus) é para outro tempo.

28. Voltará para o seu pais com muitas riquezas; o seu coração será hostil à santa aliança (do Senhor), fará (muitos males), e, depois, voltará para o seu pais.

29. No tempo determinado, tornará a vir para o Meio-dia, mas esta última expedição não será semelhante à primeira,

30. Os navios de Kittim virão contra ele, que ficará desanimado; voltará e conceberá uma grande indignação contra a aliança santa, empreenderá muitas coisas contra ela. fazendo acordo com os que a tinham abandonado.

31. Virão tropas, às suas ordens, profanar o santuário, a fortaleza, farão cessar o sacrifício perpétuo e porão no templo a abominação da desolação. (ver nota)

32. Perverterá os violadores da aliança, mas o povo, que conhece o seu Deus, perseverará constante e procederá (segundo a lei).

33. Os que forem doutos entre o povo, ensinarão a muitos, mas cairão vítimas da espada, da chama, do cativeiro e da pilhagem, durante um certo tempo.

34. Quando caírem arruinados, serão socorridos por um fraco auxílio, e muitos se juntarão a eles fingidamente.

35. Dos sábios cairão alguns para que sejam acrisolados, purificados e branqueados, até ao tempo final, porque o tempo marcado ainda está para vir.

36. O rei fará o que quiser, elevar-se-á e engrandecer-se-á contra todo o deus; até falará insolentemente contra o Deus dos deuses, e sair-lhe-ão bem as coisas até que a ira chegue ao cúmulo, porque o que foi decretado, cumprir-se-á. (ver nota)

37. Não terá respeito algum aos deuses de seus pais, nem à divindade querida das mulheres ; nenhum caso fará dos deuses, pois se julgará superior a tudo. (ver nota)

38. Mas venerará o deus das fortalezas no seu lugar, enfeitará com ouro, prata, pedras preciosas e coisas de grande valor, a este deus, que seus pais desconheceram. (ver nota)

39. Fortificará as suas praças com um deus estranho; aqueles que o reconhecerem, cumulá-los-á de honras, dar-lhes-á poder sobre muitas coisas e repartirá por eles terras gratuitamente.

40. O rei do Meio-dia pelejará contra ele no tempo do fim ; o rei do Aquilão marchará também contra ele como uma tempestade, com grande multidão de carros, de gente a cavalo e com uma grande armada; entrará nas suas terras, como torrente transbordante.

41. Depois entrará na terra esplêndida (ou da Judeia), onde muitíssimos cairão. Todavia hão-de escapar às suas mãos, Bdom, Moab e os principais dos filhos de Amon.

42. Estenderá a sua mão contra outros países, e a terra do Egipto não escapará.

43. Tornar-se-á senhor dos tesouros de ouro, de prata e de tudo o que há de precioso no Egipto. Segui-lo-ão os Líbios e os Etíopes.

44. Turbá-lo-ão, porém, notícias vindas do oriente e do Aquilão, e partirá com grande furor para destruir e matar muitos.

45. Erguerá a sua tenda entre os mares e o ínclito e santo monte. Então chegará ao termo da sua vida, e ninguém lhe dará auxilio.





“Cuide de estar sempre em estado de graça.” São Padre Pio de Pietrelcina