1. Porém (morto Barac) os filhos de Israel tornaram a fazer o mal diante do Senhor, que os entregou durante sete anos nas mãos dos Madianitas,

2. pelos quais foram muito oprimidos. Por medo a Madian, fizeram para si covas e cavernas nos montes, e lugares muito fortes para resistirem.

3. Quando Israel tinha semeado, vinham os Mudinnitas, os Amalecitas e os outros povos orientais,

4. e, pondo as tendas junto deles, talavam tudo quanto ainda estava em erva (desde o Jordão) até à entrada de Gaza, e não deixavam aos Israelitas nada do necessário à vida, nem ovelhas, nem bois, nem jumentos.

5. Eles vinham com todos os seus rebanhos e tendas, como nuvem de gafanhotos, e casa multidão inumerável de homens e camelos cobria todas as coisas, destruindo tudo o que tocava.

6. Israel foi muito humilhado na presença dos Madianitas.

7. Quando os israelitas clamaram ao Senhor, pedindo socorro contra os Madianitas,

8. o Senhor mandou-lhes um profeta, que lhes disse; Eis o que diz o Senhor Deus de Israel: Eu vos fiz sair do Egipto e vos tirei da casa da escravidão,

9. livrei-vos do poder dos Egípcios e de todos os inimigos, que vos afligiam; lancei-os fora à vossa chegada e entreguei-vos a sua terra.

10. Nessa ocasião, disse-vos: Eu sou o Senhor vosso Deus, não temais os deuses dos Amorreus, em cuja terra habitais. E vós não quisestes ouvir a minha voz.

11. Depois (destas palavras) veio o anjo do Senhor e sentou-se debaixo de um terebinto, que havia em Efra e pertencia a Joás, pai da família de Ezri. Estando Gedeão, seu filho, sacudindo e limpando o trigo no lagar, para o esconder dos Madianitas,

12. o anjo do Senhor apareceu-Ihe e disse: O Senhor é contigo, valente herói.

13. Gedeão disse-lhe: Se o Senhor é connosco, peço-te, senhor meu, (que me digas) por que nos aconteceram todas estas coisas? Onde estão aquelas suas maravilhas, que nossos pais nos contaram, dizendo: O Senhor tirou-nos do Egipto? Agora o Senhor abandonou-nos e entregou-nos nas mãos do Madianitas.

14. Então (o anjo que representava) o Senhor olhou para ele e disse: Vai com essa tua força e livra Israel do poder dos Madianitas. Sabe que sou eu quem te manda.

15. Ele respondeu e disse: Diz-me, te peço, meu Senhor, como poderei eu livrar Israel? A minha família é a última de Manassés, e eu sou o menor na casa de meu pai.

16. O Senhor disse-lhe: Eu serei contigo, e tu derrotarás os Madianitas, como se fossem um só homem.

17. Ele replicou: Se eu achei graça diante de ti, dá-me um sinal por onde conheça que és tu quem me fala,

18. e não te vás daqui, antes que eu volte, trazendo um sacrifício, e to ofereça. Ele respondeu: Eu esperarei a tua volta.

19. Gedeão foi a sua casa, cozeu um cabrito e pães ázimos duma medida de farinha, e, pondo a carne num cesto e deitando o caldo da carne numa panela, levou tudo ao lugar debaixo do terebinto e ofereceu-lho.

20. O anjo do Senhor disse-lhe: Toma a carne e os pães ázimos, põe-nos sobre aquela pedra, e derrama-lhes por cima o caldo. Tendo-o assim feito Gedeão,

21. o anjo do Senhor estendeu a ponta da vara, que tinha na mão, tocou a carne e os pães ázimos, e saiu fogo da pedra, que consumiu a carne e os pães ázimos; e o anjo do Senhor desapareceu de seus olhos.

22. Vendo Gedeão que era um anjo do Senhor, disse: Ai de mim, Senhor meu Deus, que vi o anjo do Senhor face a face. (ver nota)

23. O Senhor disse-lhe: A paz seja contigo; não temas, não morrerás.

24. Gedeão edificou ali um altar ao Senhor, e chamou-o Paz do Senhor, (nome que conserva) até ao dia de hoje. Estando ele ainda em Efra, que pertence à família de Ezri,

25. naquela noite disse-lhe o Senhor: Toma o touro de teu pai, e outro touro de sete anos, e destruirás o altar de Baal que é de teu pai, e corta o aschera, que cerca o altar; (ver nota)

26. edificarás um altar ao Senhor teu Deus em cima desta pedra, sobre a qual puseste antes o sacrifício, e tornarás o segundo touro, e o oferecerás em holocausto sobre um monte da lenha, que terás cortado do aschera.

27. Gedeão, tendo tomado dez homens dos seus servos, fez o que o Senhor lhe tinha ordenado; porém, temendo a família de seu pai e os homens daquela cidade, não o quis fazer de dia, mas executou tudo de noite.

28. Os homens daquela cidade, tendo-se levantado pela manhã, viram o altar de Baal destruído, o aschera e o segundo touro posto sobre o altar, que acabava de ser erigido.

29. Disseram uns para os outros: Quem fez isto? Averiguando o autor da obra, foi-lhes dito: Gedeão, filho de Joás, fez todas estas coisas.

30. Disseram a Joás: Faz vir aqui teu filho, para que seja morto, porque destruiu o altar de Baal, e cortou o aschera.

31. Joás respondeu-Ihes: Porventura sois vós os vingadores de Baal, para combaterdes por ele? Aquele que é seu inimigo, morra antes que chegue o dia de amanhã; se ele é Deus, vingue-se daquele que destruiu o seu altar.

32. Daquele dia em diante Gedeão foi chamado Jerobaal, por Joás ter dito: Vingue-se Baal daquele que destruiu o seu altar. (ver nota)

33. Entretanto todos os Madianitas, os Amalecitas e os povos do oriente, se juntaram e, tendo passado o Jordão, acamparam no vale de Jezrael.

34. O espírito do Senhor apoderou-se de Gedeão, o qual, tocando a trombeta, convocou a casa de Abiezer, para que o seguisse.

35. E enviou mensageiros por toda a tribo de Manassés, que também o seguiu; e enviou outros mensageiros às tribos de Aser, de Zabulon e Neftali, que foram juntar-se com ele.

36. Gedeão disse a Deus: Se tu salvas Israel, por meio da minha mão, como disseste,

37. eu porei na eira este velo de lã; se o orvalho cair só no velo, e toda a terra ficar seca, reconhecerei nisso que salvarás Israel pela minha mão, como prometeste.

38. Assim sucedeu. Levantando-se, ainda de noite, espremeu o velo e encheu um vaso de orvalho.

39. Gedeão disse de novo a Deus: Não se acenda contra mim o teu furor, se eu ainda fizer outra prova, pedindo um sinal no velo. Peço que só o velo esteja seco, e toda a terra molhada de orvalho.

40. Naquela noite o Senhor fez como (Gedeão) lhe tinha pedido: só o velo ficou enxuto, havendo orvalho por toda a terra.





“Amemos ao próximo. Custa tão pouco querer bem ao outro.” São Padre Pio de Pietrelcina